Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

  • 2018 (78)
  • 2017 (3)
  • 2015 (3)
  • 2014 (130)
  • 2013 (25)
  • 2012 (104)
  • 2011 (515)
  • 2010 (415)
  • 2009 (158)
  • 2008 (244)
  • 2007 (91)
  • 2006 (102)
  • 2005 (15)
  • 2004 (17)
  • 2003 (3)
  • 2002 (8)
  • 2001 (10)
  • 2000 (4)
  • 1999 (6)
  • 1998 (9)
  • 1997 (22)

  • Abril 2018 (49)
  • Março 2018 (25)
  • Fevereiro 2018 (4)
  • setembro 2017 (2)
  • agosto 2017 (1)
  • agosto 2015 (1)
  • julho 2015 (1)
  • Janeiro 2015 (1)
  • novembro 2014 (28)
  • outubro 2014 (3)
  • setembro 2014 (24)
  • agosto 2014 (1)
  • julho 2014 (1)
  • junho 2014 (51)
  • Maio 2014 (2)
  • Abril 2014 (2)
  • Março 2014 (11)
  • Fevereiro 2014 (2)
  • Janeiro 2014 (5)
  • dezembro 2013 (8)
  • novembro 2013 (2)
  • outubro 2013 (1)
  • setembro 2013 (6)
  • agosto 2013 (7)
  • Abril 2013 (1)
  • setembro 2012 (2)
  • agosto 2012 (2)
  • julho 2012 (23)
  • junho 2012 (1)
  • Abril 2012 (3)
  • Março 2012 (2)
  • Fevereiro 2012 (1)
  • Janeiro 2012 (70)
  • dezembro 2011 (47)
  • novembro 2011 (17)
  • outubro 2011 (72)
  • setembro 2011 (43)
  • agosto 2011 (76)
  • julho 2011 (121)
  • junho 2011 (31)
  • Maio 2011 (33)
  • Abril 2011 (31)
  • Março 2011 (15)
  • Fevereiro 2011 (17)
  • Janeiro 2011 (12)
  • dezembro 2010 (12)
  • novembro 2010 (36)
  • outubro 2010 (9)
  • setembro 2010 (120)
  • agosto 2010 (66)
  • julho 2010 (48)
  • junho 2010 (40)
  • Maio 2010 (60)
  • Abril 2010 (9)
  • Março 2010 (2)
  • Fevereiro 2010 (3)
  • Janeiro 2010 (10)
  • dezembro 2009 (3)
  • novembro 2009 (8)
  • outubro 2009 (15)
  • setembro 2009 (2)
  • agosto 2009 (15)
  • julho 2009 (10)
  • junho 2009 (21)
  • Maio 2009 (46)
  • Abril 2009 (7)
  • Março 2009 (4)
  • Fevereiro 2009 (9)
  • Janeiro 2009 (18)
  • dezembro 2008 (21)
  • novembro 2008 (5)
  • outubro 2008 (11)
  • setembro 2008 (44)
  • agosto 2008 (41)
  • julho 2008 (4)
  • junho 2008 (6)
  • Maio 2008 (10)
  • Abril 2008 (29)
  • Março 2008 (28)
  • Fevereiro 2008 (20)
  • Janeiro 2008 (25)
  • novembro 2007 (5)
  • outubro 2007 (12)
  • setembro 2007 (1)
  • agosto 2007 (11)
  • julho 2007 (1)
  • junho 2007 (11)
  • Maio 2007 (32)
  • Março 2007 (3)
  • Fevereiro 2007 (6)
  • Janeiro 2007 (9)
  • dezembro 2006 (31)
  • novembro 2006 (58)
  • julho 2006 (3)
  • Maio 2006 (2)
  • Abril 2006 (3)
  • Fevereiro 2006 (1)
  • Janeiro 2006 (4)
  • novembro 2005 (4)
  • setembro 2005 (3)
  • julho 2005 (1)
  • junho 2005 (2)
  • Maio 2005 (2)
  • Abril 2005 (3)
  • novembro 2004 (1)
  • outubro 2004 (3)
  • setembro 2004 (2)
  • julho 2004 (1)
  • junho 2004 (5)
  • Maio 2004 (2)
  • Abril 2004 (3)
  • julho 2003 (1)
  • Fevereiro 2003 (2)
  • dezembro 2002 (1)
  • agosto 2002 (2)
  • julho 2002 (1)
  • Maio 2002 (1)
  • Março 2002 (1)
  • Fevereiro 2002 (2)
  • dezembro 2001 (2)
  • julho 2001 (3)
  • Abril 2001 (1)
  • Fevereiro 2001 (1)
  • Janeiro 2001 (3)
  • agosto 2000 (1)
  • julho 2000 (1)
  • Fevereiro 2000 (2)
  • dezembro 1999 (2)
  • Maio 1999 (1)
  • Fevereiro 1999 (3)
  • julho 1998 (2)
  • junho 1998 (1)
  • Maio 1998 (4)
  • Fevereiro 1998 (2)
  • dezembro 1997 (1)
  • setembro 1997 (3)
  • agosto 1997 (10)
  • julho 1997 (8)
  • Textos por mês setembro, 2014

    ter
    30
    set
    2014

    Adágios populares e a A luta da Mussurana com a Jararaca

    Adágios populares Presunção e água benta cada qual toma a que quer. Nem tudo o que luz é ouro. As obras mostram quem cada um é. Nunca se perde o bem fazer. Quem muito abarca pouco abraça. Quem abrolhos semeia espinhos colhe. Antes só do que mal acompanhado. Bens mal adquiridos não se logram, vão-se […]

    seg
    29
    set
    2014

    A luta de carneiro com touro

    A luta de carneiro com touro Entramos lo campo. Havia muito gado. Árvores surgiam de longe em longe e à sombra delas grupos de animais acarrados. Pouco adiante, a um lado, no alto de uma coxilha, surgiu o vulto imponente de um touro, que vinha numa atitude agressiva; mas chegado a certa distância parou, a […]

    seg
    29
    set
    2014

    “A peste” e “O Mimetismo” , por Antônio Feliciano de Castilhos

    A peste A razão por que tenho pelo mais desgraçado de todos os ma­les a peste, é porque nas outras enfermidades o maior benefício que vos pode fazer quem vos ama, é estar convosco; na peste, a maior consolação que vos pode dar quem amais, é fugir de vós. Mal em que o dizer: “estai […]

    seg
    29
    set
    2014

    O amor, a autoridade, a necessidade e a fortuna

    O amor A prova, da verdadeira fé e a fineza do verdadeiro amor não é seguir ao sol, quando êle se deixar ver claro e formoso com tôda a pompa de seus raios, senão quando se nega aos olhos, escondido e coberto de nuvens. Vêde-o no espelho da natureza. Aquela flor a que o giro […]

    dom
    28
    set
    2014

    Um homem triste de coração – conto curto

    Um triste „ Vereis a um dêstes, quando ainda se conta no número dos vivos, descorado, pálido, macilento, mirrado, as faces sumidas, os olhos encovados, as sobrancelhas caídas[1]), a cabeça derrubada para a terra, e a estatura tôda do corpo encurvada, acanhada, di­minuída. E, se êle se deixasse ver dentro da casa ou sepultura onde […]

    dom
    28
    set
    2014

    Magnificência dos triunfos romanos

    Magnificência 1) dos triunfos 2) romanos A. F. de Castilho. A maior ostentação de grandeza e majestade que se viu neste mundo, e uma das três que Santo Agostinho 3) desejara ver, foi a pompa e magnificência dos triunfos romanos. Entravam por uma ias portas da cidade; naquele tempo, vastíssima, encaminhados lon­gamente ao Capitólio 4) […]

    dom
    28
    set
    2014

    As Flores – A Tulipa – A Rosa.

    A flor Despontou o botão! cresceu! entreabriu! corou! desapertou-se! desdobrou-se de todo— eis a flor! Nunca a planta pareceu tão maravilhosa! sobretudo, nunca se mostrou assim amável! As co­res, o cheiro, as formas encantadoras desta efêmera *) maravilha, apelidada flor, namoram até aos espíritos mais rústicos, mais igno­rantes ou menos reflexivos. O. camponês se detêm […]

    sáb
    27
    set
    2014

    A tocadora de realejo – Fialho de Almeida.

    A tocadora de realejo José Valentim Fialho de Almeida. (1857 – 1911) A primeira vez que a viram na cidade, era ela criança, tími­da, rósea, de um perfume alpestre da alta Sabóia, e o seu olhar claro, de uma lucidez inocente, penetrava sem pejo e sem maldade tôdas as coisas que via. Tinha um vestidinho […]

    sáb
    27
    set
    2014

    A formosura, por Pe. Antônio Vieira

    A formosura – excerto de Sermão do Pe Vieira. Que coisa é a formosura, senão uma caveira bem vestida, a que a menor enfermidade tira a côr, é, antes da morte a despir de todo, os anos lhe vão mortificando a graça daquela exterior e apa­rente superfície de tal sorte que, se os olhos ”pudessem […]

    sex
    26
    set
    2014

    O que é a alma? Definição de alma, por Padre Antônio Vieira

    A alma Quereis ver o que é uma alma? Olhai, diz Santo Agostinho, para um corpo sem alma. Se aquêle corpo era de um sábio, onde estão as ciências? Foram-se com a alma, porque eram suas. A retórica, a poesia, a filosofia, as matemáticas, a teologia, a juris­prudência, aquelas razões tão fortes, aquêles’ discursos tão […]

    sex
    26
    set
    2014

    Pânico na população do Rio, durante a revolta da Armada

    Pânico na população do Rio, durante a revolta da esquadra em setembro de 1893 Coelho Neto Uma tarde espalhou-se em todo o comércio, com o mistério apavorante de um agouro, a notícia de que a esquadra bombar­dearia a cidade no dia seguinte. O clamor subiu numa lamentação de desastre. Justamente eu chegava à rua do […]

    seg
    22
    set
    2014

    Alcácer – crônica de Alexandre Herculano

    Alcácer Alcácer achava-se no século XII decaída da anterior grandeza: mas ainda se distingüia pelo pitoresco do sítio e pelo seu aprazí­vel aspecto. Assentada nas margens do Chetavir, grande número de embarcações subiam e desciam o rio, carregadas com as mer­cadorias que lhe alimentavam o comércio, necessàriamente ativo pela proximidade da populosa e opulenta leborá […]

    seg
    22
    set
    2014

    A arte da palavra – crônica de Latino Coelho

    A arte da palavra De tôdas as artes a mais bela, a mais expressiva, a mais di­fícil, é sem dúvida a arte da palavra. De tôdas as mais se entre­tece e se compõe. São as outras como ancilas [1]) e ministras; ela soberana universal. Da estatuária toma as formas, da arquite­tura imita a regrada estrutura […]

    seg
    22
    set
    2014

    O carteiro – crônica de Latino Coelho

    O carteiro Quando vemos passar junto de nós um homem fardado de ca­saco azul, gola vermelha debruada de ouro, sobraçando um saco de pele, um turbilhão de sentimentos diversos nos acodem 2) à mente. Êste homem de aspecto plácido e gélido é o fiel mensageiro da vida e da morte. Uns o esperam com alvoroço, […]

    seg
    22
    set
    2014

    Descrição da igreja de São Francisco de Assis, em São João d’El-Rey (Minas Gerais)

    Descrição da igreja de São Francisco de Assis, em São João d’El-Rey (Minas Gerais)

    dom
    21
    set
    2014

    Uma visita a Roma

    Uma visita a Roma Eis-me em Roma! Apesar-dos modernos meios de locomoção, é comprida a viagem desde Lisboa à Cidade Eterna; mas ainda as­sim pareceu-me mais curta do que as catorze léguas que separam Roma de Civita-Vecchia. O encanto do imprevisto só dá tempo de contar as horas que passam. Mas embarcar para chegar a […]

    dom
    21
    set
    2014

    Descrição de um aguaceiro numa fazenda

    Descrição de um aguaceiro numa fazenda Pelo céu, que o crepúsculo empalidecia, nuvens amontoavam- se densas, plúmbeas, como a fumaça enovelada dum incêndio. Aves vinham dos matos procurando a casa, pintainhos tenros, galinholas, perus tufados, a cauda aberta, grugrurejando. De longe vinha o chiar dos carros da colheita e as vozes alegres dos carrei­ros. Negros […]

    sáb
    20
    set
    2014

    Belém do Pará

    A quem, como nós, aporta, descendo o rio, traz esta cidade à idéia a vista de Montevidéu, pela sua posição num promontório, pela disposição das ruas e templos, e a enseada do arsenal, que também recorda a Ensenada da capital cisplatina. E’ uma das mais belas e saudáveis do Brasil, e talvez a quar­ta em […]

    sáb
    20
    set
    2014

    O Rio Grande do Norte

    O Rio Grande do Norte A entrada desta cidade apresenta uma vista pitoresca e agra­dável a quem vem do Norte; os palmares que bordam o rio de um e outro lado, oferecem um aspecto muito mais belo do que as som­brias linhas de verdura da costa do Pará, ou os intermináveis len­çóis de areia das […]

    sáb
    20
    set
    2014

    a terra do Rio Grande do Sul

    Estado do Rio Grande do Sul * É o um dos mais belos, dos mais amenos e ao mesmo tempo um dos mais florescentes e esperançosos Es­tados do Brasil. Estendendo-se entre 279 e 24º de latitude sul, jaz todo o Rio Grande sob a zona temperada, participando ao mesmo tempo das vantagens e excelências da […]

    sáb
    20
    set
    2014

    História da floresta da Tijuca no Rio de Janeiro

    Tijuca É um vastíssimo setor de verdura e de beleza, que envolve o oeste do Rio de Janeiro, estenáendo-se em larga faixa por mon­tes, quebradas, planaltos e gargantas, desde o Andaraí-pequeno ao mar, Barra da Tijuca. “Diadema verdejante da Capital da República” chamou-lhe Ferreira da Rosa. E é, com efeito. A natureza e a mão […]

    sáb
    20
    set
    2014

    São Sebastião do Rio de Janeiro – A cidade desde sua fundação

    São Sebastião do Rio de Janeiro Tomé de Sousa, primeiro governador geral do Brasil, tendo resolvido percorrer as capitanias, em que se achava dividida a colônia, partiu em companhia do jesuíta Padre Nóbrega, com uma nau e duas caravelas, sob o comando de Pero de Góis, e, entrando de passagem no pôrto do Rio de […]

    sáb
    20
    set
    2014

    Notícia acêrca dos jacarés e seus ovos, das tartarugas e maneira de as colher

    Notícia acêrca dos jacarés e seus ovos, das tartarugas e maneira de as colher Hoje mataram os escravos um jacaré a tiro de bala, e o trou­xeram para eu ver: é a fera mais cruel e voraz dos rios do Pará.. Mas êste, disseram-me que era ainda novo, e contudo tinha duas varas e meia […]

    sáb
    20
    set
    2014

    Costumes dos povos do Pará

    Costumes dos povos do Pará (Continuação) O que admira é ver o desapego que esta gente conserva para tudo: quatro paus levantados ao ar, cingidos e cobertos de algu­mas fôlhas de árvores; uma rêde para dormir, uma panela, uma corda estendida, onde penduram êsses poucos farrapos de que usam; e estão contentes. Algumas vêzes tenho […]

    11

    Início