Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

  • 2015 (3)
  • 2014 (130)
  • 2013 (25)
  • 2012 (104)
  • 2011 (515)
  • 2010 (415)
  • 2009 (158)
  • 2008 (244)
  • 2007 (91)
  • 2006 (102)
  • 2005 (15)
  • 2004 (17)
  • 2003 (3)
  • 2002 (8)
  • 2001 (10)
  • 2000 (4)
  • 1999 (6)
  • 1998 (9)
  • 1997 (22)

  • agosto 2015 (1)
  • julho 2015 (1)
  • Janeiro 2015 (1)
  • novembro 2014 (28)
  • outubro 2014 (3)
  • setembro 2014 (24)
  • agosto 2014 (1)
  • julho 2014 (1)
  • junho 2014 (51)
  • Maio 2014 (2)
  • Abril 2014 (2)
  • Março 2014 (11)
  • Fevereiro 2014 (2)
  • Janeiro 2014 (5)
  • dezembro 2013 (8)
  • novembro 2013 (2)
  • outubro 2013 (1)
  • setembro 2013 (6)
  • agosto 2013 (7)
  • Abril 2013 (1)
  • setembro 2012 (2)
  • agosto 2012 (2)
  • julho 2012 (23)
  • junho 2012 (1)
  • Abril 2012 (3)
  • Março 2012 (2)
  • Fevereiro 2012 (1)
  • Janeiro 2012 (70)
  • dezembro 2011 (47)
  • novembro 2011 (17)
  • outubro 2011 (72)
  • setembro 2011 (43)
  • agosto 2011 (76)
  • julho 2011 (121)
  • junho 2011 (31)
  • Maio 2011 (33)
  • Abril 2011 (31)
  • Março 2011 (15)
  • Fevereiro 2011 (17)
  • Janeiro 2011 (12)
  • dezembro 2010 (12)
  • novembro 2010 (36)
  • outubro 2010 (9)
  • setembro 2010 (120)
  • agosto 2010 (66)
  • julho 2010 (48)
  • junho 2010 (40)
  • Maio 2010 (60)
  • Abril 2010 (9)
  • Março 2010 (2)
  • Fevereiro 2010 (3)
  • Janeiro 2010 (10)
  • dezembro 2009 (3)
  • novembro 2009 (8)
  • outubro 2009 (15)
  • setembro 2009 (2)
  • agosto 2009 (15)
  • julho 2009 (10)
  • junho 2009 (21)
  • Maio 2009 (46)
  • Abril 2009 (7)
  • Março 2009 (4)
  • Fevereiro 2009 (9)
  • Janeiro 2009 (18)
  • dezembro 2008 (21)
  • novembro 2008 (5)
  • outubro 2008 (11)
  • setembro 2008 (44)
  • agosto 2008 (41)
  • julho 2008 (4)
  • junho 2008 (6)
  • Maio 2008 (10)
  • Abril 2008 (29)
  • Março 2008 (28)
  • Fevereiro 2008 (20)
  • Janeiro 2008 (25)
  • novembro 2007 (5)
  • outubro 2007 (12)
  • setembro 2007 (1)
  • agosto 2007 (11)
  • julho 2007 (1)
  • junho 2007 (11)
  • Maio 2007 (32)
  • Março 2007 (3)
  • Fevereiro 2007 (6)
  • Janeiro 2007 (9)
  • dezembro 2006 (31)
  • novembro 2006 (58)
  • julho 2006 (3)
  • Maio 2006 (2)
  • Abril 2006 (3)
  • Fevereiro 2006 (1)
  • Janeiro 2006 (4)
  • novembro 2005 (4)
  • setembro 2005 (3)
  • julho 2005 (1)
  • junho 2005 (2)
  • Maio 2005 (2)
  • Abril 2005 (3)
  • novembro 2004 (1)
  • outubro 2004 (3)
  • setembro 2004 (2)
  • julho 2004 (1)
  • junho 2004 (5)
  • Maio 2004 (2)
  • Abril 2004 (3)
  • julho 2003 (1)
  • Fevereiro 2003 (2)
  • dezembro 2002 (1)
  • agosto 2002 (2)
  • julho 2002 (1)
  • Maio 2002 (1)
  • Março 2002 (1)
  • Fevereiro 2002 (2)
  • dezembro 2001 (2)
  • julho 2001 (3)
  • Abril 2001 (1)
  • Fevereiro 2001 (1)
  • Janeiro 2001 (3)
  • agosto 2000 (1)
  • julho 2000 (1)
  • Fevereiro 2000 (2)
  • dezembro 1999 (2)
  • Maio 1999 (1)
  • Fevereiro 1999 (3)
  • julho 1998 (2)
  • junho 1998 (1)
  • Maio 1998 (4)
  • Fevereiro 1998 (2)
  • dezembro 1997 (1)
  • setembro 1997 (3)
  • agosto 1997 (10)
  • julho 1997 (8)
  • Textos por mês novembro, 2014

    qui
    6
    nov
    2014

    Fábula – A cigarra e a formiga

    A cigarra e a formiga Tendo a cigarra em cantigas Folgado todo o verão, Achou-se em penúria-) extrema Na tormentosa estação. Não lhe restando migalha Que trincasse, a tagarela Foi valer-se da formiga, Que morava perto dela. Rogou-lhe que lhe emprestasse, Pois tinha riqueza e brio, Algum grão com que manter-se Té voltar o aceso […]

    qui
    6
    nov
    2014

    Os rafeiros e o gôzo

    Os rafeiros e o gôzo Morreu um nédio cabrito, Sem que a nova agradecesse, E o guardador, dono dêle, O convidado rafeiro, Depois de tirar-lhe a pele, Atrás do gôzo matreiro Aos cães no campo o deitou. De corrida caminhou. Logo dum monte chegado, Eis que à prêsa se aproxima, Tomando os ventos[1]) e o […]

    qui
    6
    nov
    2014

    O passarinho preso – Fábula de Manuel Maria Barbosa Du Bocage

      O passarinho prêso   Na gaiola empoleirado, Um mimoso passarinho Trinava brandos queixumes Com saudades do seu ninho. “Nasci para ser escravo, (Carpia o cantor plumoso) “Não há ninguém neste mundo “Que seja. tão desditoso. “Qu’é do tempo que passava, “Ora descantando amores, “Ora brincando nos ares, “Ora pousando entre flores? “Do entendimento! ah […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Os dois coleiros – Fábula com moral

    Um dia nunra gaiola Foi um coieiro trancado E por huirain. capricho Viu-se assim escravizado. Chorando dizia o triste: “Maldita, maldita sorte! Em lugar da escravidão Antes me desses a morte!” Um outro coleiro, livre De ramo em ramo saltando, Ouvindo queixumes tais, Ia sonoro cantando: “Tenho o ar, flores e frutos, Ameno campo divino, […]

    qua
    5
    nov
    2014

    O cão e o tamanduá – Fábula

    O cão e o tamanduá – Fábula Farejando a fazenda que o rendeiro Lhe confiara um dia, Ia um cão, sua cauda sacudindo, Repleto de ufania. Eis vê na touça que crescia além, No meio dum caminho, Tendo no chão fendido oculta a língua, Tamanduá sozinho. Para e grita de longe: “õ bruto, ó fera, […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Poemas de Anastácio Luiz do Bonsucesso

    SEGUNDA PARTE NARRAÇÕES — APÓLOGOS PARÁBOLAS — ALEGORIAS Os meninos de Esparta Contínuos exercícios e o descanço Sôbre grosseira cama, A refeição frugal, concisa a frase, Assim se comportavam Os meninos de Esparta; pois Licurgo, Legislador prudente, Viu que a fama do país estava Na militar grandeza: E, querendo guerreiros, fêz soldados Os filhos da […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Carta de Alexandre Herculano a Antônio Serpa Pimentel

    Carta de Alexandre Herculano a Antônio Serpa Pimentel Meu amigo. — Escrevo-lhe do fundo do estreito vale de Lor- vão, defronte do mosteiro onde repousam as filhas de Sancho I; dêste mosteiro melancólico e mal assombrado, como as montanhas abruptas x) que o rodeiam por todos os lados: escrevo-lhe com o coração apertado de dó […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Carta de um professor de belas letras, na qual dá conselhos a um seu ex-discípulo

    CARTAS Carta de um professor de belas letras, na qual dá conselhos a um seu ex-discípulo Meu caro discípulo e prezado amigo do coração. Quando V. Sª. honrava o meu curso com sua presença, posto que entre seus condiscípulos muito se distinguisse, não pude eu endereçar a V. Sª. instruções e advertências particulares, porque era […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Velha Bandeira

    /a>Saudação à Bandeira que acompanhou o 179 Batalhão dos Voluntários na retirada da Laguna. Que vos direi, Senhores, da extraordinária e singular Bandeira, que é neste dia o eentro, para onde convergem, na atração miste­riosa das coisas santas, os nossos corações e os nossos espíritos? Vêde-a: não é uma bandeira vulgar, não é uma dessas […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Adágios populares

    Adágios populares Ama-se a traição, aborrece-se o traidor. Quem ameaça, sua ira gasta. Nos trabalhos se vê o amigo. Amigo de todos, da verdade mais. Amigos do bom tempo mudam-se com o vento. A espada e o anel segundo a mão em que estiver. 1) Tirai aos homens… e vereis. O imperativo — tirai — […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Amor da família

    Amor da família O homem que não ama a sua famíla, mal *) pode ser um bom cidadão. Como há-le sujeitar-se à lei, expressão mais ou menos abstrata de interêsses gerais, aquêle que não faz caso dos deveres domésticos ? O filho que não aceita as admoestações paternas; que não aproveita os sacrifícios feitos em […]

    qua
    5
    nov
    2014

    O torrão natal – J. M. de Macedo

    O torrão natal Um célebre poeta polaco, descrevendo em magníficos versos uma floresta encantada do seu país, imaginou que as aves e os animais ali nascidos, se por acaso longe se achavam, quando sen­tiam aproximar-se a hora da sua morte, voavam ou corriam e vi­nham todos expirar à sombra das árvores do bosque imenso onde […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Vida de Jesus Cristo – François-René de Chateaubriand

    Vida de Jesus CristoAparece Jesus Cristo no meio dos homens, cheio de graça e verdade. Arrebatam a autoridade e doçura da sua palavra. Che­ga para ser o mais desgraçado dos mortais, e todos os seus prodí­gios são feitos em bem dos miseráveis. Os seus milagres, diz Bos- suet[1]) são mais bondade que poder. Escolhe o […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Aparecimento de Jesus Cristo – François-René de Chateaubriand

    RELIGIÃO — MORALAparecimento de Jesus Cristo Ao tempo da aparição do Redentor sôbre a terra, as nações estavam na expectativa dalgum famoso personagem. Suetônio *) diz: “Derramara-se no Oriente a velha e permanente opinião de que um homem surgiria na Judéia e obteria o império universal.” Tá­cito[1]), quase com palavras idênticas, conta o mesmo fato. […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Duque de Caxias

    Duque de Caxias O mais hábil general brasileiro do século XIX, Luis Alves de Lima, nasceu no Rio de Janeiro em 1803, pertencendo a uma famí­lia oriunda do Algarve, em Portugal. Aderindo com entusiasmo à causa da independência brasileira, mas desejando vivamente a ma­nutenção da ordem do novo império, pôs a sua espada à disposição […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Visconde do Rio Branco

    Visconde do Rio Branco Não deve faltar neste livro de leitura o nome glorioso do grande estadista que deu o primeiro golpe na escravatura do Bra­sil, que tomou a iniciativa emancipadora, de que a lei de 13 de maio de 1888 foi a derradeira conseqüência. Filho de um negociante português, nasceu José Maria da Silva […]

    qua
    5
    nov
    2014

    General Osório (Marquês do Herval)

    E’ um dos filhos mais ilustres do Rio Grande do Sul e uma glória nacional. Manuel Luiz Osório — tal o seu nome — nasceu a 10 de maio de 1808 na então freguesia de N. Senhora da Conceição do Arroio; era filho legítimo do tenente-coronel de milícias Manuel da Silva Borges e d. Ana […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Barão do Triunfo

    es José Joaquim de Andrade Neves, um dos heróis da guerra do Paraguai, nasceu a 22 de janeiro de 1807 no Rio Pardo, na pro­víncia do Rio Grande do Sul. Em 1826 sentou praça de voluntário, mas nesse mesmo ano se desligou, dando substituto, para auxiliar seu pai na sustentação de sua família. Quando em […]

    qua
    5
    nov
    2014

    O Visconde de Jequitinhonha

    O Visconde de Jequitinhonha r) Francisco Ge — Acaiabá de Montezuma — eis o nome que ado­tou Francisco Gomes Brandão de Montezuma (Visconde de Jequi­tinhonha), sugestionado pelo nativismo que reinava naquela época. Era um homem de estatura alta, pardo escuro, calvo, olhos vivos, mesmo 2) cintilantes, que denunciavam a vivacidade de seu espírito, a fronte […]

    qua
    5
    nov
    2014

    João Francisco Lisboa

    1) Trazia João Francisco Lisboa na fisionomia estampada a ri­gidez de seus princípios e a austeridade de seus costumes. A vasta abóbada cerebral, terminada por uma fronte altiva e cor­tada de sulcos denunciado­res do precoce meditar, era terrestre invólucro dessa in­teligência tão magnífica, quanto bem aquinhoada e iluminada pelas línguas do fogo do gênio; seus […]

    qua
    5
    nov
    2014

    José Maurício Nunes Garcia

    José Maurício Nunes Garcia Êste grande maestro brasileiro, a mais brilhante glória musi­cal do Brasil, nasceu no Rio de Janeiro a 22 de setembro de 1767. Era muito novo ainda, quando perdeu seu pai, mas sua mãe e uma tia, vendo o gôsto extraordinário que o pequeno tinha pela música, mandsram-lhs ensinar essa formosa arte, […]

    qua
    5
    nov
    2014

    Marquês de Maricá

    [1]) O marquês de Maricá era homem de estatura mediana, de modesta aparência, de fisionomia grave e de caráter austero; a natureza e a sociedade haviam estampado no seu aspecto fisio­nômico os traços caracterís­ticos do pensador e magis­trado, do filósolo e do diplo­mata, do tribuno e do bur­guês. Amava a conversação, a música e a […]

    seg
    3
    nov
    2014

    Alexandre Herculano – Inteireza dos Andradas

    Inteireza 1) dos Andradas Acerca da pobreza de José Bonifácio, que não possuía mais do trinta mil réis quando foi prêso e deportado, contarei uma ane­dota, que não será lida sem interêsse. Os ministros da regência de Dom Pedro reduziram os orde­nados à metade do que eram no tempo de Dom João VI. Fica­ram em […]

    seg
    3
    nov
    2014

    Quem era José Bonifácio de Andrada?

    José Bonifácio Quem era José Bonifácio de Andrada? A máxima prova da constituição orgânica do Brasil no XVIII século é a fecundidade *) intelectual, que progride no princípio de nossa era. Brasileiros eram na máxima parte os sábios literatos portuguêses de então. Brasileiros, Antônio José, o judeu, queima­do por D. João V; Basílio da Gama, […]

    seg
    3
    nov
    2014

    Sublevação do povo no Maranhão e no Pará. Prisão e desacatos que sofreram o P. Vieira e os demais jesuítas

    Sublevação do povo no Maranhão e no Pará. Prisão e desacatos que sofreram o P. Vieira e os demais jesuítas Divulgados enfim no Pará os sucessos do Maranhão (nem o segredo se podia guardar por muito tempo) começou o povo a al­vorotar-se. Em vão procuraram o senado e os nobres acalmar o seu furor: as […]

    seg
    3
    nov
    2014

    Primeiros triunfos oratórios do Padre Vieira

    Aos dezoito anos já Vieira ensinava retórica no colégio de Olinda; e, quer na sua cadeira de professor quer nos bancos de filosofia e teologia, era sempre o mesmo portentoso mancebo que, antecipando o tempo e o trabalho, mostrava-se com mais aptidão para mestre que para discípulo. Compunha dissertações e tratados sôbre os assuntos mais […]

    seg
    3
    nov
    2014

    Os Jesuítas no Brasil

    Os Jesuítas no Brasil Os Jesuítas tinham por vice-provincial a Manuel da Nóbrega, um dos padres mais instruídos da Companhia, descendente de fa­mília ilustre, que, desgostoso das honras e pompas da sociedade, passara aos desertos da América e buscava a solidão das feras e dos rudes selvagens. Pouco depois figuraram outros, e todos êles dignos […]

    seg
    3
    nov
    2014

    A conquista do Sertão (Afrânio Peixoto)

    A conquista do Sertão Os colonos e aventureiros que vieram ao Brasil e nele se esta­ beleceram, ficaram por muito tempo no litoral, sem ânimo de pe­netrar a dentro no sertão. Além do natural receio da floresta imensa que os índios tresmalhados habitavam, afastavam-se das comunicações com os civilizados que passavam pelas costas ora pa­ra […]

    11

    Início