VAQUEIROS DA ILHA DE MARAJÓ



VAQUEIROS DE MARAJÓ

Tipos e aspectos do Brasil

Fonte: IBGE – Conselho Nacional de Geogragia. 8ª edição. Rio de Janeiro, 1966.

Lúcio de Castro Soares

a ILHA de Marajó oferece, pela sua topografia e vegetação, condições excelentes ao desenvolvimento da criação.

De topografia guase plana e resultante do acúmulo das aluviões do grande rio, Marajó apresenta solo sedimentário, rico de detritos orgânicos e de fertilidade notável.

Na parte oeste ostenta exuberante mata de igapó, enguanto imensas campinas, abundantes de magníficas pastagens, dominam a parte oriental. São nestes campos extensíssimos, inundáveis durante o inverno (época das chuvas), gue se desenvolve a criação determinada, principalmente, pela excelência das gramíneas.

Contrastando com os "mondongcs", depressões lacustres, encontram-se esparsos pelas campinas os "tesos", tratos de terra gue sobressaem do nível das águas durante as enchentes. Os tesos são às vezes aproveitados para a construção das habitações das fazendas. As casas são construídas em cima de esteios de acapu ÇVouacapoua americana, Aubl.), ficando suspensas do solo, acima do nível máximo das inundações. Antes de os campos ficarem alagados o gado é recolhido às "marombas", estrados elevados sobre estacas onde o rebanho passa o período das chuvas, alimentando-se com a canarana, gramínea de grande porte, nativa na ilha.

O gado de Marajó 6 produto de longa mestiçagem. O primeiro rebanho, oriundo de Portugal, foi no século XVII introduzido na ilha pelos colonizadores, sofrendo a partir desta data inúmeros cruzamentos com búfalo, importado da índia e principalmente com a raça zebu, também . Desde 1930, os fazendeiros marajoaras mais progressistas estão "zebuando" o rebanho, para a sua melhoria.

A criação de búfalos em Marajó constitui recurso econômico da ilha, pois como é sabido, este bovídeo, gue tão bem se adaptou ao seu clima, apresenta vantagens sobre cs outros tipos de gado marajoaras não só pela excelência da carne como, sobretudo, pelo peso, maior que o do boi comum.

Marajó conta atualmente com um rebanho de 600 000 reses, distribuído pelas suas 880 fazendas de criação. O gado é destinado exclusivamente ao corte, abastecendo a cidade de Belém, para onde é exportado em embarcações próprias, sendo também exportado para o Amazonas, Acre e Guianas.

Os elementos caboclo, mulato e negro constiiuem maioria da população vagueira de Marajó, entrando o branco com um coeficiente reduzido.

O tipo étnico característico do peão de Marajó é o caboclo, mestiço de branco e índio, com predominância deste último sangue.

vaqueiro marajó

Ilustração de Percy Lau

A vida do vaqueiro de Marajó está intimamente ligada à vida da fazenda, trabalhando unicamente para o fazendeiro, do qual recebe, além de salário, casa e alimentação.

Na sua faina diária, o vaqueiro usa vestimenta sóbria, composta de camisa e calça de pano claro, que lhe permite liberdade de movimentos e defesa contra o clima quente e úmido.

Seu chapéu (que vemos na ilustração) é feito de palha, de trançado muito unido, de abas largas e planas, tendo a copa achatada e forrada. O espaço entre o forro e a copa é cheio de folhas secas, como medida de defesa contra a ação dos raios solares e como impermeabilizante à água da chuva.

No período das cheias o vaqueiro serve-se do boi como montaria ("boi-cavalo" ou "boi-de-sela") para atravessar os alagados, o que constitui nota pitoresca dos costumes marajoaras.

ilha do marajó

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Início