Diálogos Platônicos – Íon







































Íon de Platão – Download em Pdf


Íon de Platão – Download em PageMaker 6.5

DIÁLOGOS DE PLATÃO
ÍON
[ou sobre a Ilíada, gênero probatório]
Tradução e cópia do texto original de Humberto Zanardo Petrelli
petrelli(arroba)usp.br
SÓCRATES, ÍON
 
  St. I
  p. 530
Sócrates: Saudações, Íon. De onde nos vens agora, de tua a
casa, em Éfeso?
Íon: De nenhum desses lugares, Sócrates, mas de Epidauro, das festas de
5
Asclépio.
Sóc.: Então também os epidáurios ofertam ao seu Deus disputas de
rapsodos?
Íon: Exatamente, e também de outras músicas.
Sóc.: O quê? Competiste com os nossos? E o que ganhaste?
Íon: Ganhamos os primeiros prêmios, Sócrates.
b
Sóc.: Falas bem; vamos, então, que venceremos as Panate-
néias.
Íon: Assim será, se Deus quiser.
Sóc.: Muitas vezes invejei vós, os rapsodos,
5
Íon, por vossa técnica; pois estão sempre convenientemente com o corpo
enfeitado, por causa de vossa técnica, mostrando-se como os mais be-
los; ao mesmo tempo que é necessário passar o tempo com outros
muitos e bons poetas, sobretudo com Homero,
o melhor e mais divino dos poetas, e apreender o seu pensa-
10
mento, não só os versos épicos; isto é de se invejar. Pois
c
não se tornaria bom rapsodo, se não compreendesse os
dizeres do poeta. Ao rapsodo é necessário se tornar intérprete
do pensamento do poeta aos ouvintes. E será incapaz
de fazer isso de maneira bela se não conhecer o que o poeta diz.
5
E todas essas coisas são dignas de se invejar.
Íon: Dizes a verdade, Sócrates. Em todo caso, este aspecto
da técnica forneceu-me o maior trabalho e penso dizer melhor dentre
os homens a respeito de Homero; visto que, nem Metrodoro
de Lâmpsaco nem Estesímbroto de Tasos nem Glauco
d
nem nenhum outro dos que existiram até hoje foram capazes de falar assim
tantos e tão belos pensamentos sobre Homero quanto eu.
Sóc.: Falas bem, Íon. Evidente que não me recusarás
demonstrar.
5
Íon: Certamente é digno de se escutar, Sócrates, como enfeitei
tão bem Homero que penso que sou digno de ser cingido com
coroa de ouro pelos Homéridas.
Sóc.: Ainda eu hei de te escutar atentamente estando desocupado,
agora tão só me responda: és perito apenas sobre Homero
531
ou também sobre Hesíodo e Arquíloco?
Íon: De maneira alguma! Mas apenas sobre Homero; pois me parece
ser o suficiente.
Sóc.: E há algo de que ambos, Homero e Hesíodo, falam as mesmas
5
coisas? -Íon: De minha parte penso que sim, e muitas. -Sóc. : Então
explicarias a respeito das coisas que diz Homero melhor
do que Hesíodo? -Íon: De modo semelhante explicaria sobre estas coisas,
Sócrates, sobre aquilo que ambos disseram as mesmas coisas. -Sóc.: E sobre aquilo
b
que eles não discorrem as mesmas coisas? Como, por exemplo, o que falam a respei-
to da adivinhação Homero e Hesíodo. -Íon: De todo. -Sóc.: O que
então? Sobre tudo quanto esses dois poetas dizem de maneira semelhante e diferente
sobre a adivinhação, tu explicarias melhor
5
do que um dos bons adivinhos? -Íon: Um dos
adivinhos. -Sóc.: Se, então, tu fosses adivinho e estivesses em condição de explicar sobre os
dizeres semelhantes, não saberias explicar sobre os dizeres que são diferentes? -Íon:
É evidente que sim.
10
Sóc.: Então o que é isso? Tu és perito sobre Homero e não és sobre
c
Hesíodo nem sobre os outros poetas? Será que Homero fala a respeito de
temas diferentes daqueles abordados por todos os outros poetas juntos?
Ele não discorre muitas vezes sobre a guerra, sobre as relações
dos homens uns com os outros, de homens bons, de maus, de comuns,
5
de artesãos, e dos deuses em relação uns com os outros, e na companhia
dos homens, e como são essas relações; sobre os acontecimentos
dos céus e daqueles no Hades, e a gênese dos deuses
e heróis? Não são com estes mesmos temas que Homero fez
d
sua poesia?
Íon: Dizes a verdade, Sócrates.
Sóc.: E os outros poetas? Não tratam dos mesmos
temas?
5
Íon: Sim, Sócrates, mas não o fizeram semelhantemente
a Homero.
Sóc.: Como assim? Pior?
Íon: E muito.
Sóc.: E Homero? Ele o fez melhor?
10
Íon: Melhor, certamente, por Zeus!
Sóc.: Portanto, querido amigo Íon, quando muitas pessoas falam a respeito da aritmética
e alguém diz algo melhor, é evidente que se reconhecerá aquele que
discorre bem? -Íon: É o que eu digo. -Sóc.: Então essa pessoa será a mesma
e
que reconhecerá os que falam mal ou será uma outra? -Íon: Evidente que a
mesma pessoa. -Sóc.: Então essa pessoa é aquela que possui a técnica da
aritmética? -Íon: Sim. -Sóc.: O quê? E quando muitos falam a respeito
dos alimentos saudáveis e alguém diz algo melhor;
5
haverá alguém que reconhecerá quem fala bem que
fala bem e outra que fala mal que fala mal, ou uma mesma pessoa? -Íon:
Evidente que uma mesma. -Sóc.: E quem é ela? Qual o nome que damos
a ela? -Íon: Médico. -Sóc.: Portanto, para ser breve, dizemos
que a mesma pessoa reconhecerá sempre, quando muitas pessoas falam a respeito das
10
mesmas coisas, quem diz bem e quem diz mal; ou então, se ela não reconhecer quem
532
fala mal é evidente que não reconhecerá quem fala bem, ao menos sobre o mesmo
tema. -Íon: Isso mesmo. -Sóc.: Portanto uma mesma pessoa será perita
para reconhecer ambos os casos? -Íon: Sim. -Sóc.: Tu dizes também que
Homero e os outros poetas, dentre eles Hesíodo e
5
Arquíloco, dizem a respeito das mesmas coisas, mas não
de modo semelhante: aquele diz bem, enquanto os outros são inferiores? -Íon: E
digo a verdade. -Sóc.: Portanto, se tu reconheces quem fala
bem, também reconhecerias os que falam de modo inferior, que falam de modo
b
inferior. -Íon: É o que parece. -Sóc.: Então, querido,
de modo semelhante ao afirmarmos que Íon é perito sobre Homero e
sobre os outros poetas não estaremos errando, já que
tu mesmo concordas que uma pessoa será juiz de todos
5
quantos por ventura falam sobre o mesmo assunto. E os poetas, quase todos,
fazem as mesmas coisas.
Íon: E qual é a causa então, Sócrates, por que eu não consigo
prestar atenção quando alguém dialoga a respeito de outro poeta e sou
incapaz de conjecturar algo digno de discurso,
c
e simplesmente cochilo; mas, quando alguém se recorda de Homero,
imediatamente desperto, presto atenção e bem transito no que
falo?
Sóc.: Não é difícil imaginar isso, companheiro, mas a todos
5
é evidente, que com técnica e ciência és incapaz de falar sobre Homero.
Pois se tu fosses capaz de falar por técnica, serias capaz de falar também
de todos os outros poetas, pois que há uma arte poética como
um todo, não há?
Íon: Sim.
10
Sóc. : Então, quando se compreende uma outra técnica qualquer em
d
seu todo, o modo de exame será o mesmo em torno de todas
as técnicas? E o que eu quero dizer com isso? É o que tu necessitas me escutar, Íon.
Íon: Sim, por Zeus, Sócrates. Eu, de minha parte, alegro-me vos
escutando, vós, os sábios.
5
Sóc. : Desejaria que tu estivesses dizendo verdade, Íon. Mas sábios,
de algum modo sois vós, os rapsodos e atores e aqueles cujos
poemas vós cantais. Eu não digo outra coisa senão a verdade,
como convém a um homem comum. E sobre o que eu te perguntei agora,
e
observa como é medíocre e comum e todo
homem compreender o que eu disse: que o exame é o mesmo quando
alguém domina uma técnica em seu todo. Tomemos um raciocínio: a pintura
é uma técnica em seu todo? -Íon: Sim. -Sóc.: Portanto,
5
também na pintura há e houve muitos pintores bons e muitos medío-
cres? -Íon: Perfeitamente. -Sóc.: Então já viste alguém que é capaz de discorrer sobre
Polignoto, filho de Aglaofonte, demonstrando ser perito sobre
o que ele desenha bem e sobre o que não desenha e seja incapaz de fazer o mesmo sobre
os outros pintores? E quando alguém aponta para as obras dos outros
533
pintores, ele adormece, fica embaraçado, e não tem o que
se conjecturar, mas quando é sobre Polignoto ou algum outro que
queiras, havendo necessidade de demonstrar conhecimento de apenas um dos desenhos,
desperta e presta atenção e bem transita no que diz?
5
-Íon: Não, por Zeus, não vi por certo. -Sóc.: E então? E na escultu-
ra, já viste alguém que a respeito de Dédalo, filho de Metion
ou de Epeio, filho de Panopeu, ou de Theodoro de Samos, ou a respeito de algum outro
b
escultor, e sobre um só deles é perito para explicar sobre o que de
bom ele fez, e em relação às obras dos outros escultores
se embaraça e adormece, não tendo o que dizer? -Íon: Não por
Zeus, nunca encontrei ninguém assim. -Sóc.: E nem tampouco, ao menos como eu
5
penso, na técnica do flautista nem na do citarista nem na dos que cantam acompanhado da
cítara nem na rapsódia, jamais viste homem que sobre
Olimpo fosse perito para explicar, ou sobre Tamiras, ou sobre
Orfeu, ou sobre Fêmio, o rapsodo de Ítaca; e a respeito
c
de Íon [o rapsodo] de Éfeso se embaraça e não tem o que conjec-
turar a respeito daquilo que ele rapsodeia bem e daquilo que não.
Íon: Não tenho para ti um contra-argumento a respeito disto, Sócrates;
mas disso eu tenho consciência: que a respeito de Homero digo o melhor dentre
5
os homens e bem transito, e todos os outros me falam que
falo bem. Mas a respeito dos outros poetas, não. Vê o que
é isso.
Sóc.: Vejo, Íon, e vou te demonstrar o que
me parece ser isso. Há isso a técnica não sendo junto de ti
d
para bem discorrer sobre Homero, como dizia a pouco,
mas uma potência divina que te movimenta, como na pedra que Eurí-
pides nomeou Magnética, e que muitos a chamam de Hércules.
Essa pedra não só atrai os anéis mesmo
5
de ferro, como os infunde poder,
de modo a novamente fazê-los ter o mesmo poder que a pedra, isto é, atrair
outros anéis, de maneira que às vezes se forma uma cadeia extremamente longa de anéis
e
de ferro dependente uns dos outros; e é daquela pedra que pende
a potência para todos esses anéis. Assim, a
Musa mesma faz os inspirados; e através desses inspirados,
outros se entusiasmando, formam uma cadeia dependurada. Com efeito, todos os
5
poetas épicos, os bons, não por técnica, mas sendo inspirados
e possuídos, dizem todos esses belos poe-
mas. Os poetas líricos, os bons, igualmente; como os cori-
bantes não estando conscientes dançam, assim também os poetas
534
líricos não estando conscientes fazem esses belos versos líricos;
e quando entram em harmonia e no ritmo,
comportam-se como bacas e ficam possuídos; tal como as bacas retiram
mel e leite dos rios ficam possuídas e não estando conscientes;
5
e também a alma dos poetas líricos elabora isso, que eles mesmos
afirmam. Dizem-nos os poetas, é evidente, que
das fontes que vertem mel de certos jardins e bosques das Musas
b
que eles nos trazem seus versos líricos. Como as abelhas, eles
assim voam; e dizem verdade. Leve
é coisa do poeta, alada e sagrada; e inicialmente não
consegue compor, antes de se tornar inspirado, de ficar fora de si e o pensamento não
5
habita mais nele; até que tenha essa aquisição,
todo homem é incapaz de compor e de proferir oráculos. Então,
já que não é por técnica que eles fazem e dizem muitas e belas coisas sobre
os acontecimentos, como tu sobre Homero, mas por parte divina;
c
cada qual é capaz de compor de maneira bela só naquele gênero para o qual a Musa
o precipitou: este para os ditirambos, o outro para os encômios, aquele para os
hiporquemas, um outro para os épicos, o outro para os jambos, e cada um deles é medíocre
nos outros gêneros. Pois não dizem essas coisas por técnica, mas
5
pelo poder divino portanto, dize: porque se eles soubessem falar bem a respeito de uma
delas por técnica, também saberiam falar bem de todas as outras: por isso, o Deus
extraindo o pensamento desses usa-os como auxiliares,
profetas e adivinhos divinos, a fim de que nós, os
d
ouvintes, saibamos que não são estes os que falam as mesmas coisas
assim muito dignas, pois o seu pensamento não está presente, mas é o próprio Deus
o comunicante, através deles se comunica conosco. Maior
indício deste discurso é Tínico de Cálcis, que
5
nunca compôs nenhum outro poema que fosse digno de ser
recordado, a não ser o peão que todos cantam, talvez
o mais belo de todos os versos líricos; e o fez simplesmente, como ele mesmo diz:
"um achado das Musas". Neste dizer sobretudo, parece-me,
e
o Deus nos apontou, a fim de que não duvidássemos, que não são huma-
nos estes belos poemas, nem dos homens, mas
divinos e dos deuses; e que os poetas nada mais são que intérpretes
dos deuses, e cada um é possuído pelo deus que o possuir.
5
O Deus mostrando essas coisas de propósito, através do mais medíocre
poeta cantou o mais belo verso lírico: ou não te pareço dizer a
535
verdade, Íon?
Íon: Sim, por Zeus, ao menos para mim! Tocas de algum modo minha
alma com esses discursos, Sócrates, parece-me que é por parte divina
que os bons poetas interpretam para nós as coisas que estão juntas dos deuses.
5
Sóc.: Portanto, vós, os rapsodos, por vossa parte interpretais as coisas dos
poetas?
Íon: É verdade o que dizes.
Sóc.: Portanto, vós vos tornais intérprete dos intérpretes?
Íon: Perfeitamente.
10
Sóc.: Pois bem! Dize-me, Íon, e não ocultes nada do
b
que eu te perguntar: quer quando dizes bem os versos épicos e sobretudo deixas
estarrecidos os espectadores, quer quando cantas sobre Odisseu se lançando na soleira e
vindo a ser visível aos pretendentes e atiran -
do dardos diante dos pés, quer quando Aquiles se precipita contra
5
Heitor ou alguma das passagens de lamento a respeito de Andrômaca ou
de Hécuba ou de Príamo; então, tu mesmo estás lúcido ou fora de si e
tua alma acredita estar junta aos acontecimentos que ela recita,
c
estando entusiasmada, quer eles se passem em Ítaca ou em
Tróia ou como também tens os versos épicos?
Íon: Como é distinto para mim, Sócrates, este indício que
relatas: vou falar sem te ocultar nada. Eu, quando digo algo
5
de lamento, meus olhos se enchem de lágrimas e
quando se trata de passagem temerosa ou terrível, meus lisos cabelos se eriçam
de medo e o coração dispara.
Sóc.: O quê? Diríamos, Íon, que está lúcido este
d
homem que, enfeitado com vestes coloridas e
coroas de ouro chora nos sacrifícios e festas, não
tendo perdido nenhum desses enfeites; ou que tema estando na presença de mais
de vinte mil homens amigos, não tendo sido nem espoliado nem sido injustiçado?
5
Íon: Não, por Zeus! Certamente que não, Sócrates, se é para
dizer a verdade.
Sóc.: Sabes que vós elaborais esses mesmos efeitos na maioria
dos espectadores?
Íon: Sei, e muito bem: vejo-os cada vez,
e
do alto do estrado, chorando e olhando de maneira
terrível e ficando assombrados com as coisas ditas. É necessário
veementemente voltar a atenção neles: porque se eu
os coloco chorando eu próprio rirei recebendo dinhei-
5
ro; se os coloco rindo, eu que chorarei perdendo dinheiro.
Sóc.: Sabes então que o próprio espectador é o último dos
anéis de que eu falava, a receber o poder que, sob o efeito da pedra de Hércules,
passa de um para o outro? O do meio és tu,
rapsodo e o ator, e o primeiro é o próprio poeta. O
536
Deus, através de todos eles, dirige a alma dos homens para onde
quiser, fazendo passar o poder de uns para os outros.
E da mesma maneira como daquela pedra dependura-se uma longa cadeia
de coreutas, de mestres, e de submestres
5
dependurados lateralmente dos anéis que suspendem da
Musa. E um dos poetas dependura-se de uma Musa e um
outro de outra – nós chamamos isso ‘estar possuído’, o que é
quase o mesmo: pois ‘está tomado’ – e a partir desses primeiros
b
anéis, dos poetas, uns se encontram pendurados por este poeta, outros por outros
e estão entusiasmados: uns a partir de Orfeu, outros de Museu,
e a maioria é possuída e tida por Homero. Tu és
um desses, Íon, e és possuído por um, por Homero, e quando alguém
5
canta algo de outro poeta, dormes e te embaraças no que
falas; mas quando alguém declama desse poeta algum verso lírico,
imediatamente tua alma permanece desperta, se exalta e bem transita no que
falas. Com efeito, não é por técnica nem por ciência que dizes quando recitas sobre
c
Homero, mas parte e possessão divina, tal como os cori-
bantes que só sentem intensamente aquela parte do verso lírico pela qual são possuídos
pelo Deus; e para esse verso lírico bem transitam
com gestos e com palavras, não se preocupando com
5
os demais: assim também tu és, Íon, quando alguém recorda algo a respeito
de Homero, bem transitas, e a respeito dos outros te embaraças.
E tu me perguntas: qual a causa disso? Por que tu bem transitas sobre
d
Homero e não sobre os outros? Porque não é por técnica, mas por
parte divina que és terrível panegirista de Homero.
Íon: Tu falas bem a propósito, Sócrates. Eu me espantaria certamente
se tu falasses tão bem de modo a me persuadir de que eu estando possuído
5
e em delírio elogio Homero. Penso que não
opinarias assim se me escutasse declamando a respeito de Homero.
Sóc. : Desejo escutar certamente; no entanto, não me responderias
primeiro isso: do que Homero diz, a respeito do que tu
e
dizes bem? Não, certamente, a respeito de todas as coisas.
Íon: Sabe bem, Sócrates, que não há tema sobre o qual eu não trate.
Sóc.: Menos, certamente, aqueles que tu
não sabe, mas que Homero diz.
5
Íon: E quais são essas coisas que Homero diz e que eu
não sei?
Sóc.: Homero não diz muitas vezes e muito sobre
537
as técnicas? Por exemplo, sobre a técnica do auriga -se me recordares o verso,
eu te direi.
Íon: Mas eu recitarei pois eu me recordo.
Sóc.: Dize-me, então, o que diz Nestor ao seu filho Antíloco,
5
quando o aconselha ficar atento a respeito da baliza, na corrida de cavalos
em honra a Pátroclo.
Íon: Inclina-te, diz , no carro bem polido
    docemente para a esquerda dos dois: o cavalo da direita b
    estimula com a voz, cede-lhe as rédeas com as mãos.
    Na meta, certo, o cavalo da esquerda se lance,
    a fim de que o cubo da roda bem feito
   pareça tocar a meta: mas evita tocar na pedra.
5
Sóc.: Basta! Esses versos épicos, Íon, se Homero diz corretamente
c
ou não, quem conheceria melhor, um médico ou um auri-
ga? -Íon: Um auriga certamente. -Sóc.: E é porque ele possui essa técnica
ou por algum outro motivo qualquer? -Íon: Não, mas porque ele possui essa técnica.
-Sóc.: Então a cada uma das técnicas foi dada por
5
Deus uma função de ser capaz de conhecer? Pois não conhecemos pela técnica do piloto o
que conheceremos pela técnica médica. -Íon: Não, certamente.
-Sóc.: E nem conhecemos com a técnica médica essas também que conheceremos na arquitetura. -Íon:
Não, certamente. -Sóc. : Portanto é assim também segundo todas as técnicas,
d
aquilo que conhecemos através de uma técnica, não conheceremos através de outra?
Mas, responda-me isso primeiro: afirmas que as técnicas diferem
umas das outras? -Íon: Sim. -Sóc.: Ah, assim
como eu estou conjecturando, quando uma ciência trata de umas coisas e
5
outra trata de outras, assim eu chamo uma técnica de uma maneira, a outra de outra; e tu
também fazes o mesmo? -Íon: Sim. -Sóc.: Se houvesse uma ciência das
e
mesmas coisas, por que haveríamos de dizer de uma maneira diferente
da outra, cada vez seria possível saber as mesmas coisas através de
ambas? Por exemplo: eu conheço que esses dedos são
cinco, tu também sabes, e, como eu, tu conheces as mesmas coisas a respeito
5
deles. E se eu te perguntasse se é pela mesma técnica que nós conhecemos isso, isto é, pela
aritmética que eu e tu conhecemos as mesmas coisas ou por outra técnica, tu dirias
certamente que é pela mesma. -Íon: Sim.
Sóc.: Dize-me agora, então, o que a pouco eu estava a ponto de te perguntar: se
538
te parece que ocorre assim em todas as técnicas, isto é, que conhecemos uma mesma coisa
necessariamente com uma técnica, porém nunca essa mesma coisa por outra técnica; uma vez
que se trate de uma técnica diferente, é necessário que seja outro o objeto do seu conhecimento. -Íon:
Assim me parece, Sócrates. -Sóc.: Portanto, aquele que
5
não possui uma técnica não será capaz de conhecer bem nem o que se diz
nem o que se faz dessa técnica? -Íon:
Dizes a verdade. -Sóc.: E a respeito dos versos épicos que declamaste,
b
se Homero diz belamente ou não, tu conhecerás melhor que
um auriga? -Íon: Um auriga. -Sóc.: De fato és um rapsodo, mas
não um auriga. -Íon: Sim. -Sóc.: A técnica do rapsodo é
diferente da técnica do auriga? -Íon: Sim. -Sóc.: Ah, se é diferente
5
é ciência também de diferentes acontecimentos. -Íon: Sim.
Sóc.: E quando Homero diz como Hecamede,
concubina de Nestor, dá uma poção para Macaon beber quando estava
ferido? E diz mais ou menos assim -
c
sobre o vinho de Pramno, diz, ela raspa o queijo caprino
com ralador de bronze, além de cebola, condimento de bebida.
Essas palavras, se Homero as diz corretamente ou não, a quem cabe distinguir
belamente: à técnica do médico ou à técnica do rapsodo?
5
Íon: À do médico.
Sóc.: E quando Homero diz –
 
     ela semelhante à chumbada ao fundo chegou,
d
     que furiosa no corno de boi
     vai levando desgraça entre os peixes carnívoros.
Essas palavras dizemos que cabe mais à técnica da pescaria do que à do rapsodo julgar me-
lhor o que ele diz e se diz bem ou não?
5
Íon: Evidente, Sócrates, que cabe à técnica da pescaria.
Sóc.: Examina então no caso de seres tu o interrogador, e se me perguntasses: "Sócrates,
já que tu encontras em Homero aquilo que convém a cada uma dessas
e
técnicas discernir, vai encontra-me as passagens que se relacionam com
o adivinho e a técnica da adivinhação, e quais as coisas que lhe convém para se tornar capaz
de distinguir se o poema está bem ou mal feito" – examina
como eu te respondo facilmente e de modo verdadeiro.
5
Em várias passagens diz e na Odisséia, como, por exemplo,
das coisas que o adivinho Theoclimeno, um dos descendentes de Melampo,
diz aos pretendentes –

    Infelizes, por que padeceis desse mal? De noite, vossas
539
    cabeças, vossos rostos, os membros inferiores se envolvem,
    os lamentos ressoam, as faces se enchem de lágrimas:
    o pórtico está cheio de espectros, cheio também o pátio
    eles vão ao Érebo, às trevas: e o sol
5
    do céu desapareceu, névoa má se espalha.
b
 
E em muitas passagens na Ilíada; por exemplo, no assalto às muralhas: diz ele
também ali -
 
    O pássaro sobreveio-lhes aos que se esforçaram a ultrapassar,
    a águia, de alto vôo, bloqueando a tropa pela esquerda,
5
    uma serpente rubra trazendo nas garras enormes, c
    viva, ainda se debatendo; ainda não esqueceu do combate.
    Golpeou-a enquanto segurava no peito perto do pescoço
    E tendo curvado a cabeça, a águia soltou de si para o chão,
    sofrendo com as dores, e jogou no meio da multidão:
5
    e ela mesmo gritando alçou-se com o sopro do vento.
d
 
Essas palavras eu diria que são convenientes ao adivinho exa-
miná-las e julgar.
Íon: E tu estarias dizendo a verdade, Sócrates.
Sóc.: Tu também, Íon, dizes essas coisas verdadeiras. Vai agora tu para mim, pois
5
do mesmo modo que eu te escolhi algumas passagens tanto da Odisséia quanto da
Ilíada referentes ao adivinho, ao médico,
ao pescador, assim também tu me seleciona, já que és
e
mais experimentado do que eu nas obras de Homero, as passagens próprias de rapsodo,
Íon, e da técnica do rapsodo, e o que convém ao rapsodo
examinar e distinguir, excluídos os outros
homens.
5
Íon: Eu digo, Sócrates, que são todas.
Sóc. : Tu não dizes, Íon, que são todas: ou serias tão desmemoria-
do? Se bem que não conviria a um rapsodo corajoso ser
desmemoriado.
Íon: E do que me esqueci?
540
Sóc.: Não recordas que disseste que a técnica do rapsodo é
diferente da do auriga? -Íon: Recordo. -Sóc.: Portanto,
sendo diferente, concordas que conhecerás coisas diferentes? -Íon:
Sim. -Sóc.: Ah! Então, segundo teu discurso, nem a técnica do rapsodo
5
nem o rapsodo conhece todas as coisas. -Íon: Com exceção talvez
dessas aí, Sócrates.
Sóc.: Dizes dessas aí, ou seja, exceto talvez as outras
b
técnicas; então quais coisas conhecerá tua técnica, já que não conhece todas?
Íon: Aquelas coisas, penso eu, que convém a um homem dizer, a uma
mulher, a um escravo, a um homem livre, a um
subordinado, a um chefe.
5
Sóc.: Ah! Dizes então que as coisas que convém a um chefe dizer no mar estando
o barco na tormenta, um rapsodo saberá dizer melhor do que um
capitão? -Íon: Não, mas para isso um capitão. -Sóc.:
E aquilo que convém ao chefe dizer ao enfermo, um
c
rapsodo saberá melhor do que um médico? -Íon: Não, isso
também não. -Sóc.: Mas, tu dizes, são coisas que convém a um escravo? -Íon:
Sim. -Sóc.: Por exemplo, dizes que ao escravo boiadeiro convém dizer
para acalmar o gado quando zangado, o rapsodo é quem saberá dizer
5
e não o boiadeiro? -Íon: Não, é claro. -Sóc.: Mas, e das coisas que convém à
mulher fiandeira dizer a respeito dos trabalhos
da lã? -Íon: Não. -Sóc.: Então ele conhecerá as coisas que um general corajoso
d
convém dizer para aconselhar os soldados? -Íon: Sim,
o rapsodo saberá dessas coisas.
Sóc.: O quê? A técnica da rapsódia é a mesma da técnica do general?
Íon: Pelo menos eu saberia o que convém ao general dizer.
5
Sóc.: Talvez, Íon, tu sejas também um estrategista. Se
por acaso tu fosses ao mesmo tempo um cavaleiro, e um citarista, saberias os cavalos
que são bons e os que são maus de montaria. Mas se eu te perguntasse: "Por qual
e
técnica, Íon, reconheces os cavalos bons de montaria:
como cavaleiros ou como citarista?" O que tu me responderias? -Íon:
Que era como cavaleiro, eu responderia. -Sóc.: Portanto, se reconhecesses quem toca
bem cítara, tu concordarias que tu os reconhece por aquela técnica pela qual tu és citarista
5
e não pela qual tu és cavaleiro. -Íon: Sim. -Sóc.:
Já que conheces a técnica militar, tu a conheces como bom
estrategista ou como bom rapsodo? -Íon: Não
me parece haver nenhuma diferença.
Sóc.: Como? Dizes que não há diferença? Dizes que a técnica
541
do rapsodo e a do general é uma e não duas? -Íon: De minha parte
parece ser uma. -Sóc.: Ah! Quem é bom rapsodo é
bom general também? -Íon: Certamente, Só-
crates. -Sóc.: Portanto, quem é bom general
5
também é bom rapsodo. -Íon: Não, não é isso que me
parece. -Sóc.: No entanto, parece-te que o bom
rapsodo é também bom general? -Íon: Exatamente. -Sóc.:
b
Então tu és o melhor rapsodo dentre os Gregos? -Íon:
Sou e muito, Sócrates. -Sóc.: E como general, Íon, também és o
melhor dentre os Gregos? -Íon: Bem sabe, Sócrates, que também
aprendi essas coisas de Homero.
5
Sóc.: Então, pelos deuses, Íon, sendo o melhor dentre os Gregos em ambas
as coisas tanto como general quanto como rapsodo,
por que tu percorres a Grécia como rapsodo e não como general? Ou
te parece que os Gregos necessitam muito mais de um rapsodo cingido com coroa
c
de ouro, mas jamais de um general?
Íon: É que a nossa cidade, Sócrates, é governada
pela vossa e por vós é comandada e não precisa de um general; e a
vossa cidade como também a dos Lacedemônios não me elegeria como general:
5
pois vós vos julgais ser capazes disso.
Sóc.: Ó caríssimo Íon, não conheces Apolodoro de
Cízico?
Íon: Quem é este?
Sóc.: Aquele que os atenienses por várias vezes o elegeram general, mesmo
10
sendo estrangeiro. E também Fanóstenes de Andros, e Heraclides de
d
Clazômenas, os quais, à cidade mesmo eles sendo estrangeiros, tendo demonstrado
que são dignos de menção e foram conduzidos tanto ao posto de general quanto para os
outros comandos. Ah! Será que Íon de Éfeso não será eleito
general e não seria honrado se ele lhe parecesse digno de menção? Pois então?
5
Vós, os efésios, não sois atenienses de origem, e Éfeso
não é inferior a outra cidade qualquer? Mas tu, Íon, se o que dizes é verdade,
e
isto é, que com técnica e ciência és capaz de louvar Homero,
cometes injustiça; pois tu me asseguraste que sabes muitas e belas coisas sobre
Homero, afirmando que demonstrarias; tu me enganas e
careces de muito para demonstrar; tu que, nem mesmo queres dizer aquelas coisas a 5
respeito das quais afirmas ser perito, apesar de minha insistência anterior. Mas
simplesmente, como Proteu, vens a ter todas as formas, virando-se
para cima e para baixo, até que, finalmente, depois de me teres escapado, tu me apare-
ces como general, a fim de me demonstrar como és perito sobre a sabedoria de Homero.
542
Então, se sendo um técnico, como a pouco eu disse, e teres demonstrado a respeito de
Homero enganas-me de todo, és injusto; mas se não és
técnico, mas por parte divina és possuído de Homero e, apesar de não
saber tu dizes muitas e belas coisas a respeito do poeta, como eu disse a
5
teu respeito, não és injusto. Escolhe, então, se desejas
ser reconhecido por nós como homem injusto ou divino.
Íon: A diferença é grande, Sócrates: e é muito mais belo ser reconhecido
b
como divino.
Sóc.: Pois bem, de nossa parte o mais belo pertence a ti,
Íon, ser divino e não um técnico panegirista de Homero.

Comentários

comments

Mais textos

6 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início