LENDA DO GIGANTE DE PEDRA



gigante de pedra

LENDA DO GIGANTE DE PEDRA

Conta-se que Deus olhava o Novo Mundo como isento das culpas do .

Por isso, deu-lhe como guarda um Gigante que devia viver só, como Senhor das Terras.

Visitando seus domínios, o Gigante alcançou as depressões do Pará. Muitos séculos depois, ainda quando essa parte da terra era ligada à África, certas tribos chegaram à floresta amazônica, povoando as selvas.

Certa vez, estava o Gigante a contemplar o céu às margens do Amazonas, quando, deslizando nas águas, surge uma piroga, tendo dentro um lindo ser minúsculo: uma índia, rainha de uma tribo próxima.

Aprisionou o Gigante o que via e passou a adorar o minúsculo ídolo, a ponto de se tornar seu escravo.

Vigiava-lhe os movimentos, mas fazia-lhe os mais raros presentes: peles lindas e penas vistosas.

Um dia, não lhe resistiu aos encantos e ao maculá-la, matou-a.

Horrorizado, fugiu, mas a natureza o perseguiu com horrendos temporais de raios, trovões e trombas d’água. Os rios transbordam cobrindo a selva.

O Gigante, sentindo que também perdera o Paraíso, correu para o mar que já cobria tudo. Mas não alcançou. Deus petrificou-o.

Desde então, por crime de amor, dorme o sono dos séculos sobre a Serra do Mar, o Gigante de Pedra.

Marisa Lira: Migalhas Folclóricas. Gráfica Lammert Ltda. Rio de Janeiro, 1951, pp. 56-57.

Fonte: Estórias e Lendas de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Seleção de Anísio Mello. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início