Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

Os dois coleiros – Fábula com moral




Um dia nunra gaiola

Foi um coieiro trancado

E por huirain. capricho Viu-se assim escravizado.

Chorando dizia o triste: “Maldita, maldita ! Em lugar da Antes me desses a morte!”

Um outro coleiro, livre De ramo em ramo saltando, Ouvindo queixumes tais,

Ia sonoro cantando:

“Tenho o ar, flores e frutos, Ameno campo divino,

Amores e liberdade,

Eu bendigo o meu destino.”


Jtüis que num dia dois homens (Que diversa inclinação)

Um abria uma gaiola,

Outro armava um alçapão.

Ligeiro sai da gaiola Pobre, escravo passarinho;

No traiçoeiro alçadão Cai o livre coleirinho;

Que as sortes foram mudadas Não é preciso dizer:

Se o que gemia hoje canta,

A quem compete gemer?

Quando a ventura sorri-nos,

E’ justo viver contente;

Porém respeitando as dores Do que vive descontente.

Assim também, quando a sorte Não nos quer favorecer, Chorando nunca devemos As esperanças perder.

Nesta vida transitória Lembrar êste dito cabe:

“Não há bem que sempre dure Nem mal que se não acabe. . ”

(Idem)


tmp8c04-1

Fonte: Seleta em Prosa e Verso dos melhores autores brasileiros e portugueses por Alfredo Clemente Pinto. (1883) 53ª edição. Livraria Selbach.

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , ,

Início