Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

As aves – Seleta em Prosa e Verso dos melhores autores brasileiros e portugueses


As Aves

No fundo da chácara, numa touceira 1) de arbustos, um me­nino encontrou um ninho, onde três avezinhas mal emplumadas dormiam.

Contente do seu achado e no desejo inconsciente de se apo­derar dêle, meteu o braço por entre a trama dos galhos e das fôlhas e aproximou1) a mão cubiçosa dos pobres inocentes, que logo ergueram para êle o biquinho guloso.

Nesse momento, o menino ouviu pipilos angustiados e o sus­surro de uma asa que lhe roçou pelo rosto. Depois sentiu que essa asa lhe batia nos olhos e que um bico audaz lhe espicaçava o rosto.

Tímido, receoso dessa inesperada agressão, retirou o braço e olhou. Era um tico-tico, a mãe das avezinhas do ninho, que defendia a prole, e continuou a atacar o menino, enquanto êle permaneceu junto à touceira de arbustos.

Saindo dali, muito admirado da audácia e da coragem dessa ave minúscula, o menino contou o caso à mãe:

E a mãe disse-lhe:

  • “Não há que estranhar, meu filho; essa avezinha faz pelos filhos o que eu faria por ti. Que pensarias de mim, se, um dia, um homem mau e forte entrasse nesta casa e procurasse levar-te, sem que eu lhe embargasse2) o passo? Pensas que, nessas oca­siões terríveis, as mães medem as suas fôrças? Nunca; o amor materno incute-lhes coragem e elas, sem avaliar as conseqüências de seu ato, pensando ^apenas nos filhos, procuram arrancá-los ao perigo iminente3), saltando à frente do agressor e atacando-o. Agora dize-me cá: Para que querias tu essas avezinhas mal emplu­madas, que para nada servem? Não pensaste na dor que causarias aos pais, privando-os dêsses filhos amados? A ave, como cs sêres humanos, como todos os sêres animados, tem coração e tem alma. Ela sente como nós, sofre e chora como nós, como nós tem a sen­sação do prazer. Alegre quando canta,, triste quando pia, irrita­da ou desesperada quando grita, ela manifesta pela voz e pelo

gesto o seu estado dalma. Se a acaricias, tens nela uma amiga;

se a maltratas, principalmente os seus filhos, tens nela uma ini­miga rancorosa que nunca te perdoará o agravo. Mas, para que maltratar a ave, se ela é por natureza tão boa, tão meia e tão útil? A maioria alegra-nos e delicia-nos com o seu canto. A

maioria fornece-nos ovos deliciosos que nos alimentam. Tôdas nos dão a pena que aformoseia a nossa toilette *) e que iios aquece, quando convertida em edredons 2), travesseiros e colchões macios. Acresce que a maioria é útil, porque livra os nossos campos e os nossos quintais das larvas e insetos daninhos que devastam ás plantações. Se elas não fôssem boas e úteis, os homens não asse­melhariam os anjos às aves, dando-lhes asas, que são o símbolo da pureza e da . Não faças mal às aves, meu filho, nem procures tolhê-las na sua liberdade, porque é em liberdade que elas devem viver para nos serem verdadeiramente úteis.


O menino, atento e enternecido, ouviu a mãe e, quando ela acabou de falar, apoderou-se de uma gaiola onde estava um pin­tassilgo aprisionado, abriu a porta e deu-lhe a liberdade.

A mãe disse-lhe comovida:

  • Ê, assim que eu te amo, meu filho. Tens um bom coração.

E êle, contente, vendo o pintassilgo a voar, chilreando, ex­clamou :

  • Nunca mais, mamãe, nunca mais destruirei ninhos, por­que. . .

  • Porque os ninhos são berços, meu filho, acrescentou a mãe.

  1. Garcia Redondo.

1) touceira = moita, conjunto de plantas rasteiras e densas.

1) toilette — palavra francesa ‘— significa trajo, vestuário.

1 Os verbos aproximar-se, avizinhar-se, bem como os adjetivos pró­ximo, perto, empregam-se com a prepos. de ou com a prepos. a. Ousaram aproximar-se ao antro dos Leões (Herc. Eur. 241). Próxima desta povoa­ção estava outra mais aprazível. (I-Ierc.).

2 embargar o passo = impedir de passar.

3 Dê um sinônimo de iminente. — Que diferença há entre iminente e eminente?

conto pequeno seleta4

Fonte: Seleta em Prosa e Verso dos melhores autores brasileiros e portuguesespor Alfredo Clemente Pinto. (1883) 53ª edição. Livraria Selbach.

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , ,

Início