Atividade de português para o 4º ano



 

TREZE DE MAIO

Machado de Assis

Ontem de manhã, descendo ao jardim, achei a grama, as flores, e as folhagens transidas de frio e pingando. Chovera a noite inteira; o chão estava molhado, o céu feio e triste, e o Corcovado de ca-xapuça. Eram seis horas; as fortalezas e os navios começaram a salvar pelo quinto aniversário do Treze de Maio. Não havia esperanças de.sol; e eu perguntei a mim mesmo se o não teríamos nesse grande aniversário. É tão bom poder exclamar: "Soldados, é o sol de Austerlitz!" O sol é, na verdade, o sócio natural das alegrias públicas; e ainda as domésticas, sem êle, parecem minguadas.

Houve sol, e grande sol, naquele domingo de 1888, em que o Senado votou a lei, que a regente sancionou, e todos saímos à rua. Sim, também eu saí à rua, eu, o mais encolhido dos caramujos, também eu entrei no préstito, em carruagem aberta, se me fazem favor, hóspede de um gordo amigo ausente; todos respiravam felicidade, tudo era delírio. Verdadeiramente foi o único dia dç delírio público que me lembra ter visto. Essas memórias atravessaram-me o espírito, enquanto os pássaros trinavam os nomes dos grandes batalhadores e vencedores, que receberam ontem nesta mesma coluna da "Gazeta" a merecida glorificação.

TEXTO

Alpheu Tersariol

Treze de Maio é uma crônica publicada no jornal "A Gazeta de Notícias" e que se encontra no livro "A Semana". Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro em 1839, onde morreu em 1908. Poeta e romancista de maior projeção no cenário literário brasileiro.

A — VOCABULÁRIO

Transido, adj.: impregnado, tolhido, esmorecido. Carapuça, s.f.: barrete de forma cónica. Sancionar, v.: confirmar, aprovar.

Caramujo, s. m.: indivíduo esquisitão, fechado. Préstito, s.m.: cortejo, procissão.

B — EXPLICAÇÃO DO TEXTO

1 — Qual o tema do texto?

2 — Explique: "…as fortalezas e os navios começaram a salvar pelo quinto aniversário do Treze de Maio".

3 — Faça o plano do texto e divida-o em duas partes distintas.

4 — Em que dia e ano foi sancionada a Lei Áurea, por quem foi sancionada e quem era nesse tempo o Imperador do Brasil:

( ) 13/5/1822 ( ) D. Leopoldina ( ) D. Pedro I

( ) 13/5/1888 ( ) Princesa Isabel ( ) D. Pedro II

( ) 13/5/1892 ( ) Bárbara Heliodora ( ) D. João VI

5 — Pela leitura deduz-se que esta crônica foi escrita em:

( ) 13/5/1888 ( ) 13/5/1893 ( ) 14/5/1893

6 — A que se compara Machado de Assis?

7 — Por que no final do texto Machado de Assis evoca os pássaros?

 

C — REDAÇÃO

1 — Faça um discurso em comemoração ao aniversário da passagem da Lei Áurea.

2 — Descreva uma procissão.

GRAMÁTICA

EMPRÊGO DO PORQUE

— Usa-se nas respostas. Ex.: Não vim porque estive doente.

— É uma conjunção subordinativa causal. Ex.: Fiz porque o meu pai mandou.

— É uma conjunção subordinativa final. Ex.: "Orai, porque não entreis em tentação" (M. Bernardes).

— É uma conjunção coordenativa explicativa. Ex.: Não peças isto porque já consegui para ti.

PORQUE | PORQUÊ | POR QUE | POR QUÊ

PORQUÊ

— Usa-se quando . Ex.: O porquê de tudo está na ignorância.

POR QUE

— Usa-se no início ou no meio da oração em frases interrogativas indiretas.

— São duas palavras: — por + que

por — é uma preposição que — é um pronome interrogativo ou um pronome relativo.

 

Exs.: — Não sei por que não compareceste à reunião.

— Por que você não compareceu à reunião não sei.

— O mapa por que me guiei era do ano passado.

POR QUÊ

— Usa-se em fim de frases interrogativas.

— São duas palavras: — por + que

por — é uma preposição

que — é um pronome interrogativo

Exs.: — Você não veio à aula. Por quê?

— Não tens noção de coleguismo. Por quê?

Outros exemplos:

— Por que não vieste? — Não vim porque estive acamado.

— Não sei as razões por que os alunos acham tão difícil o uso do porquê.

EXERCÍCIOS

1 — Colocar nos parênteses um "C" ou um "E" conforme a

palavra porque fôr conjunção causal ou explicativa:

( ) Afirmou que escrevia se tivesse tempo; teve tempo, porque êle escreveu. ( ) Venha já, porque tenho muitas novidades. ( ) Não veio porque certamente viajou.

2 — Preencher os espaços vazios com porque, porquê, por que, por quê:

a) Eis…………não pretendo ir tão cedo ao estrangeiro.

b) Ignoro o motivo ………… não pretendes ir.

c) Não poderá vir até aqui, mas ignoro ………………

d) Eis o…………….da sua ausência.

3 — Complete as frases, empregando porque, porquê, por que, por quê:

— Venha cá, Ana Lúcia. Parece que você anda atarefada……………….?

 

— Professor, creio que o senhor gostaria de saber o……..

Não é mesmo?

— Sim.

— Então, diga-me o motivo…………..foi tão difícil a aula de hoje quando o senhor explicou o uso do ……..

Eu nada entendi.

— Ora!…………..vocês pouco estudam e pouquíssimo lêem.

— Então, professor……………é que os professôres não ensinam, de modo mais objetivo, as regras dêsse tal ………….. separado e dêsse tal…………junto?

 

Fonte: Lisa – Didática Irradiante, 1972.

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início