CINDERELA – A GATA BORRALHEIRA – Contos de fada infantis



Histórias da Carochinha

A GATA BORRALHEIRA

Era uma vez uma bondosa mulher que tinha uma única filha, uma menina linda e meiga, a quem amava muito. Um dia, a mu­lher adoeceu gravemente e, embora ainda fosse jovem, sentiu que não ia durar muito tempo. Assim, chamou a filha para perto de si e, depois de abraçá-la carinhosamente, pe­diu:

— Seja sempre meiga e bondosa para com todos, minha filha, que lá do céu estarei o tempo todo olhando por você!

Mal terminou de dizer essas palavras, a mãe da menina fechou os olhos e morreu. A pobre criança quase morreu também de tanto chorar. A mulher foi enterrada num lugar muito bonito, no quintal da casa e, desde então, a menina passou a ir todos os dias até o túmulo da mãe, onde ficava ajoelhada, re­zando e chorando.

O tempo passou e, com a chegada do in­verno, os dias se tornaram cinzentos, e as ár­vores ficaram secas e tristes. Mas, quando veio a primavera, o jardim da casa voltou a se encher de flores e passarinhos.

Foi então que o pai da menina resolveu se casar de novo, escolhendo para esposa uma viúva, que tinha duas filhas. No entanto, a chegada da madrasta e das filhas naquela casa não trouxe para ela nenhuma alegria, pois as filhas da viúva eram muito invejosas e tinham mau coração. Desde o primeiro dia, trataram a nova irmã com desprezo, fazendo de tudo para aborrecê-la e humilhá-la. Além disso, passaram a tomar, um por um, os me­lhores vestidos que a menina possuía, deixan­do-a apenas com uma roupa velha e um par de tamancos de madeira.

A madrasta e as filhas eram também muito preguiçosas, e a menina era obrigada a trabalhar, fazendo todo o serviço da casa sozinha.  E à noite, quando terminava o trabalho, morta de cansaço, a pobrezinha não tinha sequer uma cama confortável onde pu­desse descansar, e era obrigada a dormir na cozinha, junto às cinzas do fogão. Por causa disso, as irmãs lhe deram o apelido de Gata Borralheira.

A vida de Gata Borralheira era, assim, muito triste, mais triste ainda porque o pai parecia não ver seu sofrimento e nada fazia por ela. O único refúgio da pobre menina era 0 túmulo da mãe, aonde ia sempre que podia.

Um dia, o pai precisou ir até a cidade e perguntou a cada uma das meninas o que gos­taria que ele trouxesse de presente.

   Eu quero lindos vestidos! — disse uma das filhas da madrasta.

   Eu quero pérolas e diamantes! — disse a outra.

Gata Borralheira, entretanto, nada pe­diu, e o pai, vendo-a calada, perguntou-lhe se não ia querer nenhum presente.

— Papai — ela respondeu —, quero ape­nas que me traga o primeiro galho de árvore que, no caminho de volta, esbarrar em seu chapéu!


O pai partiu e, na cidade, comprou vesti­dos bonitos e pedras preciosas, conforme as filhas da mulher haviam pedido. Quando já voltava para casa, passou embaixo de uma enorme figueira. Alguns galhos da árvore eram muito baixos e um deles derrubou seu chapéu no chão.

Quando desceu para apanhá-lo, o pai se lembrou do pedido da Gata Borralheira. Por isso, arrancou o galho da árvore e o levou para a filha.

Ao chegar em casa, entregou os presentes a cada uma das meninas, e Gata Borralheira, depois de agradecer-lhe muito, correu até o túmulo da mãe. Plantou ali o ramo da figuei­ra, chorando tanto, que o regou com suas lá­grimas.

Em pouco tempo o ramo começou a brotar e ficar viçoso, transformando-se numa árvore grande e bonita, ao pé da qual a menina se ajoelhava para rezar e chorar suas tristezas. Todas as vezes que isso acontecia, um pas­sarinho branco vinha pousar num galho da figueira, e bastava que Gata Borralheira expressasse algum desejo para que ele lhe trouxesse o que ela estava pedindo. O passa­rinho branco se tornou, assim, o único amigo da menina, que não tinha mais ninguém neste mundo em quem pudesse confiar.

O tempo passou, e, um dia, correu por toda a cidade a notícia de que o rei daria uma grande festa, que duraria três dias. Seriam realizados três grandes bailes, para os quais estavam convidadas todas as moças em ida­de de se casar, porque dentre elas o príncipe escolheria uma para ser sua noiva.

Logo que soube da notícia, Gata Borra-lheira sentiu uma vontade enorme de ir ao baile, mas, quando disse isso às irmãs, as duas começaram a rir e uma delas falou:

   Com esse vestido sujo e esses taman­cos de madeira, você quer ir ao baile?!

   E essas mãos grossas?! — disse a ou­tra, morrendo de rir. — Você acha que as mãos delicadas do príncipe foram feitas para segurar as mãos de uma Gata Borralheira?

A pobre menina, humilhada, saiu de perto das duas malvadas para que elas não vissem suas lágrimas.

* * *


Logo chegou o dia do baile, e enquanto as irmãs passavam o tempo todo se arrumando, Gata Borralheira, como sempre, fazia todo o serviço da casa. À tarde, para fazê-la sofrer ainda mais, as duas a obrigaram a passar seus vestidos e a pentear-lhes os cabelos para irem à festa. Quando já estavam quase pron­tas, as maldosas meninas lhe disseram:

— Agora você pode voltar à cozinha. Lá é o lugar certo para uma Gata Borralheira!

Muito magoada, Gata Borralheira foi procurar a madrasta para dizer-lhe que tam­bém queria ir ao baile. Mas a mulher, ao ou­vir o pedido, respondeu:

— Você, Gata Borralheira? Como quer ir ao baile se vive tão suja e empoeirada? Ainda por cima, você não tem nem vestidos nem sapatos adequados!

Gata Borralheira, entretanto, pediu tan­to, insistiu tanto que a madrasta acabou di­zendo:

— Está bem. Mas só vou levá-la ao baile se você cumprir uma tarefa: despejei um prato de lentilhas no meio das cinzas do fo­gão.  Se em duas horas você conseguir tirar as lentilhas das cinzas, separar os grãos es­tragados e colocar os bons de volta no prato, você irá ao baile.

E saiu de perto, tendo a certeza de que dera a Gata Borralheira uma tarefa impossí­vel de se cumprir em tão pouco tempo.

Entretanto, logo que a madrasta saiu, a menina lembrou-se de pedir ajuda ao seu ami­go passarinho. Assim, foi até a figueira e cantou:

Querida avezinha do céu, ajude-me a escolher: os grãos bons ponha no prato, e os maus pode comer!

O passarinho branco logo veio em seu so­corro. Mas desta vez não veio sozinho. Assim, em um instante a cozinha estava repleta de pássaros de todos os tipos que, trabalhando rapidamente, ajudaram Gata Borralheira a realizar a tarefa, em pouquíssimo tempo. Quando estava tudo pronto, ela agradeceu a seus amigos e esperou que eles saíssem para ir correndo chamar a madrasta e entregar-lhe o prato cheio de lentilhas. Mas a malvada, furiosa ao ver que a menina tinha conseguido realizar o trabalho, disse-lhe:

— Não posso levá-la ao baile, Gata Bor­ralheira!   Você nem dançar sabe!

A menina, no entanto, continuou insistin­do no pedido, e a madrasta, como não queria levá-la, deu-lhe outra tarefa, mais difícil ainda que a anterior: despejou desta vez dois pratos de lentilhas no meio das cinzas, dan­do-lhe apenas uma hora para separar os grãos bons dos estragados. E, certa de que agora seria mesmo impossível que ela reali­zasse o trabalho, saiu da cozinha toda satis­feita.

Mesmo estando triste, Gata Borralheira nao desanimou. Voltou a pedir ajuda a seu amigo passarinho e, junto com ele, entraram pela janela da cozinha duas pombinhas bran­cas, uma rolinha, muitos sabiás, e logo todos os pássaros do céu estavam ali para ajudá-la. Novamente, em pouquíssimo tempo o traba­lho estava terminado, e Gata Borralheira mais uma vez agradeceu a seus amigos e es­perou que todos eles saíssem para chamar a madrasta à cozinha. A mulher, ao ver que não tinha conseguido seu intento, empalideceu de ódio e disse:

— Sabe de uma coisa, sua Gata Borra­lheira?  Você não vai mesmo ao baile!   Só ia nos fazer passar vergonha diante do rei e, além do mais, já é tarde e estamos de
saída!

Com o coração doendo de tristeza, Gata Borralheira sentou-se nas cinzas do fogão e começou a chorar. Assim que todos saíram para o baile, correu para o túmulo da mãe, ajoelhou-se e, contemplando a figueira com os olhos cheios de lágrimas, pediu:

  Minha avezinha querida,
fa
ça-me mais este bem:
se n
ão for pedir muito,
queria ir ao baile tamb
ém!

Quase que no mesmo instante, o passari­nho branco pousou num ramo da árvore, tra­zendo para a menina um magnífico vestido e um par de sapatinhos muito delicados, todos bordados com ouro e prata.

Gata Borralheira, cheia de alegria, ves­tiu-se rapidamente e foi para o baile. Estava tão linda, tão linda, que assim que entrou no salão todos se viraram para admirá-la. O pró­prio pai e a madrasta com as filhas não pu­deram reconhecê-la, e o príncipe, deslumbra­do com sua beleza, veio diretamente ao seu encontro, dançando com ela a noite inteira, não permitindo que nenhum outro jovem se aproximasse.

Quando chegou a madrugada, Gata Bor­ralheira quis retirar-se da festa. O príncipe insistiu em levá-la para casa, porque queria saber onde morava uma jovem tão encanta­dora e quem eram os seus pais. Como não conseguiu fazê-lo desistir da idéia, a moça foi obrigada a fugir correndo pelas escadarias do palácio. Mas o príncipe, decidido a desco­brir quem era aquela jovem misteriosa, con­tinuou a segui-la pelas ruas e viu quando Borralheira chegou em casa. Correndo pelo jardim, ela já não sabia mais onde se escon­der, e acabou subindo no pombal, na espe­rança de que lá não seria encontrada pelo príncipe.

Assim que o pai de Gata Borralheira che­gou em casa, o príncipe, que tinha ficado ali esperando, contou-lhe o que havia acontecido. O velho pensou imediatamente: "Será que a moça de quem ele fala é Gata Borralheira?". E, curioso, derrubou com seu machado o pombal.

Mas, para decepção dos dois, não havia ninguém lá dentro. É que a menina, muito es­perta, tinha saído dali sem que o príncipe a visse, e, rapidamente, tinha devolvido ao pas­sarinho a roupa e os sapatos com que tinha ido ao baile. Assim, quando a madrasta e as filhas passaram pela cozinha, encontraram Gata Borralheira dormindo profundamente no meio das cinzas, maltrapilha como de cos­tume.

Na noite seguinte, mais uma vez a ma­drasta recusou-se a levá-la ao baile. Gata Borralheira esperou pacientemente que todos saíssem e foi ajoelhar-se diante do túmulo da mãe para pedir:


Minha avezinha querida,
fa
ça-me mais este bem:
 se n
ão for pedir muito,
queria ir ao baile tamb
ém!

Novamente o passarinho branco veio em seu auxílio e atirou-lhe um vestido e um par de sapatinhos mais ricos e bonitos que os da noite anterior. E, como na outra vez, quan­do Borralheira chegou ao baile, sua impres­sionante beleza provocou murmúrios por todo o salão. O príncipe, que já a esperava ansiosamente, assim que a viu, correu ao seu encontro, dançando com ela durante toda a noite.

De madrugada, mais uma vez Gata Bor­ralheira precisou fugir para que o príncipe não a acompanhasse. Sendo novamente per­seguida até o jardim de casa, a menina se escondeu de novo, desta vez numa pereira que havia no quintal.

Mas o príncipe, cada vez mais curioso e encantado com aquela jovem misteriosa, vol­tou a esperar que o dono da casa chegasse para contar-lhe o ocorrido.  O velho, intrigado, pensou outra vez: "Mas será Gata Borralheira a moça de quem ele fala?". E, toman-do de novo seu machado, derrubou imediata-mente a árvore, não encontrando ninguém ali.

Quando a madrasta e as filhas passaram pela cozinha, lá estava Gata Borralheira, com seu velho vestido, encolhida e dormindo profundamente no meio das cinzas.

*     *     *

Na terceira noite, mais uma vez Gata Borralheira pediu e mais uma vez o passa­rinho branco veio em seu auxilio, trazendo–lhe agora um vestido ainda mais bonito e um par de sapatinhos delicadíssimos, bordados em ouro puro.

Ao entrar no salão do baile, todos, inclu­sive o pai, a madrasta e as filhas, ficaram boquiabertos com sua deslumbrante beleza, e de toda parte vinham murmúrios de admi­ração.

O príncipe, olhando-a com amor, tomou suas mãos, convidando-a para dançar. E de novo passou a noite inteira ao seu lado, não permitindo que mais ninguém se aproxi­masse.

Mas nessa madrugada, quando Gata Bor­ralheira fugiu, o príncipe não teve pressa em segui-la, porque, decidido a descobrir quem era a jovem por quem estava apaixonado, tinha mandado os criados do palácio espalha­rem piche por todas as escadarias. Assim, na pressa de fugir, Gata Borralheira acabou perdendo o sapatinho do pé esquerdo, que ficou preso no piche.

O príncipe recolheu o delicado sapatinho e, no dia seguinte, quando o rei lhe perguntou se havia escolhido sua esposa, respondeu:

— Sim, meu pai. Já fiz minha escolha: eu me casarei com a moça em cujo pé servir este sapatinho.

No mesmo dia o príncipe em pessoa saiu pela cidade percorrendo todas as casas onde houvesse moças em idade de se casar, expe­rimentando em todas elas o rico sapatinho. Mas nenhuma moça do reino parecia ter um pezinho tão pequeno a ponto de usar um cal­çado tão delicado.

Depois de visitar muitas casas, o príncipe acabou chegando à casa de Gata Borralheira. Foi recebido pela madrasta que, certa de que a escolhida seria uma de suas filhas, pediu-lhe que esperasse um pouco e levou o sapatinho até o quarto da moça mais velha, para que ela o calçasse.

Por mais que a moça forçasse, entretan­to, não havia jeito de fazer com que o sapato lhe servisse, pois um dedo de seu pé era gran­de demais. Quando estava cansada de ten­tar e já ia desistir, a mãe, trazendo um enor­me facão da cozinha, lhe disse:

— Se o sapato lhe servir, você se tornará rainha e não precisará andar muito. Por isso, acho melhor cortar esse dedo tão grande!

A ambiciosa moça aceitou o conselho e, logo depois, mal conseguindo disfarçar a dor, apresentou-se diante do príncipe como sendo a verdadeira noiva.

Mesmo decepcionado, ele a colocou sobre o cavalo e os dois partiram, rumo ao palácio real.

Entretanto, quando passaram diante do túmulo da mãe de Gata Borralheira, duas pombinhas brancas que estavam pousadas nos galhos da figueira começaram a cantar:

  A verdadeira noiva esta não é!
Se o pr
íncipe olhar para o sapato,
ver
á que há sangue no pé!

Ao ouvir isso, o príncipe olhou para o pé da moça e, vendo o sangue que escorria do ferimento, descobriu que havia sido engana­do. Levou-a imediatamente de volta para a mãe, que se desculpou dizendo:

— Não fique zangado, meu príncipe! Deve ter havido algum engano. Na certa o sapato servirá em minha filha mais nova, que está no quarto.

Enquanto o príncipe esperava, a madras­ta levou o sapatinho ao quarto da filha mais nova. Mas esta também tinha um pé tão gran­de que não havia como fazer com que o calça­do lhe servisse, a não ser cortando-lhe um pedaço do calcanhar.

E foi o que mãe e filha fizeram, pensan­do que, como a moça seria brevemente rai­nha, não precisaria mais andar muito, e um pedaço do pé não lhe faria falta. Lá se foi outra vez o príncipe, levando a falsa noiva sobre seu cavalo. Mas, mais uma vez, ao passarem pelo túmulo da mãe de Gata Borralheira, as pombinhas brancas começaram a cantar:

   A verdadeira noiva esta não é!
Se o pr
íncipe olhar para o sapato,
ver
á que há sangue no pé!

O príncipe olhou então para o sapato da moça e, vendo o sangue que escorria do feri­mento, descobriu que havia sido enganado outra vez. Levou-a imediatamente de volta e, muito zangado, perguntou à madrasta se não havia mais nenhuma jovem na casa. A mu­lher respondeu que não, mas como ele insis­tisse, acabou confessando:

   Existe aqui outra jovem, mas ela é tão feia e anda tão suja e maltrapilha que certa­mente não é a pessoa que Vossa Majestade procura!

   Não faz mal! — respondeu o príncipe. — Tragam-na assim mesmo!

Como não podia desobedecer-lhe, a madrasta mandou chamar Gata Borralheira, que, vestida com suas roupas velhas, apare­ceu logo em seguida. Com a maior naturali­dade, Borralheira tirou o pesado tamanco que usava e calçou delicadamente o sapatinho, em que seu pé entrou sem o menor esforço.

Muito feliz, o príncipe, que já a havia re­conhecido, colocou Borralheira sobre seu ca­valo e os dois partiram, deixando a madrasta e as filhas loucas de ódio e inveja.

Ao passarem diante do túmulo da mãe da menina, lá estavam outra vez as duas pombinhas brancas, que, alegremente, começa­ram a cantar:

Agora está certo,
pois, de fato, esta
é a noiva verdadeira,
e n
ão há sangue no sapato!

Em seguida, as duas pombinhas voaram ao redor de Gata Borralheira e do príncipe, indo depois pousar delicadamente nos ombros da moça, acompanhando-a até o palácio.

Gata Borralheira e o príncipe se casaram m meio às festas mais bonitas que o reino já havia tido.

No dia do casamento, as duas irmãs, fingindo-se arrependidas, pediram à menina que lhes deixasse acompanhá-la e a seu noivo no Cortejo nupcial. Gata Borralheira permitiu, mas, na saída da igreja, o coração das malva­das ia cheio de pensamentos maus, de ódio e inveja. Por isso, as duas pombinhas brancas voaram na direção das invejosas e, com o biquinho, furaram-lhes os dois olhos, deixan­do-as cegas pelo resto da vida, como castigo por sua maldade.

Quanto a Gata Borralheira, viveu feliz com o príncipe por muitos e muitos anos.

 

Comentários

comments

Mais textos

26 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início