DAS ARVORES QUE SERVEM PARA MEDICINAS – Tratados da Terra e Gente do Brasil – Fernão Cardim



Fernão Cardim (1540? – 1625) – Tratados da Terra e Gente do Brasil

VI

DAS ARVORES QUE SERVEM PARA MEDICINAS

Cabureigba — Esta arvore he muito estimada, e grande, por causa do balsamo que tem; para se tirar este balsamo se pica a casca da arvore, e lhe põem hum pequeno d’algodão nos golpes, e de certos em certos dias vão recolher o óleo que ali se estila; chamam-lhe os portuguezes balsamo por se parecer muito com o verdadeiro das vinhas de Engaddi; serve muito para feridas frescas, e tira todo sinal, cheira muito bem, e delle, e das cascas do pão se fazem rosairos e outras cousas de cheiro; os ma­tos onde os ha cheirão bem, e os animaes se vão roçar nesta arvore, parece que para sararem de algumas enfermidades. A madeira he das melhores deste Brasil, por ser muito forte, pesada, eliada e de tal grossura que dellas se fazem as gangorras, eixos, e fusos para os engenhos. Estas são raras, achão-se principalmente na Capitania do Espírito Santo.

Cupaigba — He huma figueira commumente muito alta, direita e grossa; tem dentro delia muito óleo; para se tirar a cortão pelo meio, onde tem o vento, e ahi tem este óleo em tanta abundância, que algumas dão hum quarto, e mais de óleo; he muito claro, de côr d’azeite; pára feridas he muito estimado, e tira todo sinal. Tam­bem serve para as candêas e arde bem; os animaes, sentindo sua virtude, se vêm esfregar nellas; há grande abundância, a madeira não vale nada.

Ambaigba Estas figueiras não são muito grandes, nem se achão nos matos verdadeiros, mas nas copueras, onde este roça; a casca desta figueira, raspando-lhe da parte de dentro, e espremendo aquellas raspas na ferida, pondo-lhas em cima, e atando-as com a mesma casca, em breve sara. Dellas ha muita abundância, e são muito estimadas por sua grande virtude; as folhas são ásperas, e servem para alisar qualquer pao; a madeira não serve para nada.

Ambaigtinga Esta figueira he a que chamão do inferno :achão-se em taperas, dão certo azeite que serve para a candêa: têm grande virtude, como escreve Monar-des3, e as folhas são muito estimadas para quem arrevessa, e não pôde ter o que co­me, untando o estômago com óleo, tira as opilações, e eólica; para se tirar este óleo, põem-na ao sol alguns dias, e depois a pisão, e cozem, e logo lhe vem aquelle azeite acima que se colhe para os sobreditos effeitos.

Igbacamuci - Destas arvores ha muitas em São Vicente: dãó humas fruetas, como bons marmeilos da feição de huma panella, ou pote; tem algumas sementes dentro muito pequenas, são único remédio para as câmaras de sangue.

Igcigca Esta arvore dá a almecega; onde está cheira muito por hum bom es­paço, dão-se alguns golpes na arvore, e logo em continente estilla hum óleo branco que se coalha; serve para emprastos em doenças de frialdade, e para se defumarem; também serve em lugar de incenso.

Ha outra arvore desta casta chamada Igtaigcigca, se, almecega dura como pe­dra, assi mais parece anime do que almecega, e he tão dura e resplandescente, que parece vidro, e serve de dar vidro á louça, e para isto he muito estimada entre os índios, e serve também para doenças de frialdade.

Ha hum Rio entre Porto-seguro, e os llhéos que vem mais de 300 léguas pelo sertão: traz muita copia de rezina que he o mesmo anime, a que os índios chamão Igtaigcica, e os portuguezeí incenso branco, e tem os mesmos effeitos que o incenso.

Curupicaigba Esta arvore parece na folha com os pecegueiros de Portugal; as folhas estilão hum leite como o das figueiras de Espanha, o qual he único remé­dio para feridas frescas e velhas, e para boubas, e das feridas tira todo sinal; se lhe picão a casca deita grande quantidade de visco com que se tomão os passarinhos.

Caaróba Destas arvores ha grande abundância as folhas dellas mastigadas, e postas nas boubas as fazem secar, e sarar de maneira que não tomão mais, e parece que o pao tem o mesmo effeito que o da China, e Antilhas para o mesmo mal. Da flor se faz conserva para os doentes de boubas.

Caarobmoçorandigba — Este pao parece que he o da China: toma-se da mesma madeira que o de iá, e sara os corrimentos, boubas, e mais doenças de frialdade; he pardo, e tem o âmago duro como pao da China.

labigrandi Esta arvore ha pouco que foi achada, e he, como dizem alguns

indiaticos, o Betele nomeado da índia; os rios, e ribeiros estão cheios destas arvores: as folhas comidas são único remédio para as doenças de fígado, e muito neste Brasil sararão já de mui graves enfermidades do figado, comendo dellas.

3 Emonoardes, na cópia manuscrita.

 

Ha outra arvore também chamada Betele, mais pequena, e de folha redonda; as raízes delia são excellente remédio para a dôr de dentes, mettendo-a na cova dei­tes, queima como gengibre.

Dizem também que ha neste Brasil a arvore da canafistola; he ignota aos índios; os Espanhóes usão dela e dizem que he tão bôa como a da índia.

Comentários

comments

Mais textos

5 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início