DAS COBRAS QUE TÊM PEÇONHA – Tratados da Terra e Gente do Brasil – Fernão Cardim



Fernão Cardim (1540? – 1625) – Tratados da Terra e Gente do Brasil

III

DAS COBRAS QUE TÊM PEÇONHA

Jararaca Jararaca he nome que comprehende quatro gêneros de cobras muito peçonhentas: a primeira e maior, é Jararacuçú, se. jararaca grande, e são de dez pal­mos; têm grandes prezas na bocca, escondidas ao longo do queixo, e quandomordem estendem no como dedo de mão, têm a peçonha nas gengivas, têm os dentes curvos, e nas costas delles hum rego por onde lhe corre a peçonha. Outros dizem que a têm dentro do dente que he furado por dentro. Têm tão vehemente peçonha, que em 24 horas, e menos, mata huma pessoa; a peçonha é muito amarella como água de açafrão; parem muitos filhos, e algumas se achão treze na barriga.

Ha outra que se chama Jararagoaipigtanga, se, que tem a ponta do rabo mais branco que pardo; estas são tão peçonhentas como as viboras de , e têm a mesma côr e feiçam.

Ha outra Jararacopéba, he peçonhentissima, tem uma codea pelo lombo vermelho, e os peitos e o mais corpo he todo pardo.


Ha outra Jararacas mais pequenas, que a maior será de dous palmos; são de côr de terra, têm humas veias pela cabeça como as biboras, e também carcarejão co­mo ellas.

Surucucu Esta cobra he espantosa, e medonha; achão-se de quinze palmos; quando os índios naturaes as matão, logo lhes enterrão a cabeça por ter muita pe-çonha; para tomar caça, e a gente, mede-se com huma arvore, e em vendo a presa se deixa cair ella e assi a mata.

Boicininga Esta cobra se chama cascavel; he de grande peçonha, porem faz tanto ruido com hum cascavel que tem na cauda, que a poucos toma: ainda que he tão ligeira que lhe chamão a cobra que vôa: seu comprimento he de doze e treze pal­mos.

Ha outra chamada Boiciningbéba; esta também tem cascavel, mas mais peque­no, he preta, e tem muita peçonha.

Igbigracuâ He tão vehemente a peçonha desta cobra que em mordendo a huma pessoa, logo lhe faz deitar o sangue por todos os meatos que tem, se. olhos, narizes, bocea, orelhas, e por quantas feridas tem em seu corpo, e corre-lhe por mui­to espaço de tempo, e se lhe não açodem todo se vae em sangue, e morre.

Igbigboboca Esta cobra he muito formosa, a cabeça tem vermelha, branca e preta, e assi todo o corpo manchado destas três cores. Esta he mais peçonhenta de todas, anda de vagar, e vive em as gretas da terra, e por outro nome se chama a cobra dos corais. Não se pôde explicar a grande vehemencia que têm estas cobras peçonhen­tas sobreditas, nem as grandes dores que causão, nem as muitas pessoas que cada dia morrem dellas, e são tantas em numero, que não somente os campos, e matos, mas até as casas andão cheias dellas, achão-se nas camas, dentro das botas, quando as querem calçar. Indo os Irmãos para o repouso as achão nelle, enrodilhadas nos pés dos bancos, e se lhe não acodem, quando mordem, sarjando-lhe a ferida, sangrando-se, bebendo unicornio, ou carimá, ou agua do páo de cobra, ou qualquer outro re­médio, efficaz, em 24 horas, e menos, morre huma pessoa com grandes gritos, e do­res, e são tão espantosas, que como huma pessoa he mordida logo pede confissão, e faz conta que morre, e assi dispõe de suas cousas.

Ha outras cobras, principalmente estas Jararacas que cheirão muito a almiscre, e onde quer que estão dão sinal de si pelo bom e suave cheiro.

Ha muito Alacrás que se achão nas camas cada dia, e entre os livros nos cubí­culos; de ordinário não matão, mas dentro de 24 horas não ha viver com dores.

Parece que este clima influe peçonha, assi pelas infinitas cobras que ha, como pelos muitos Alacrás, aranhas, e outros animaes immundos, e as lagartixas são tantas que cobrem as paredes das casas, e agulheiros dellas.

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início