João Sortudo – História Infantil dos Irmãos Grimm



João de Sorte

IRMÃOS GRIMM
Ilustrado por SÉRGIO „

Essa é a estória de João,
um rapaz afortunado
que, perdendo ou não,
vivia despreocupado.

Contente com o que fazia
João de Sorte apelidado
ganhava quando perdia
,
Julgando-se um felizardo.

 

João era um rapaz modesto, trabalhador e inteligente. Bem, isto é… trabalhador ele era. Modesto, também. Mas inteligente não se poderia dizer… Acontece que João tinha uns parafusos soltos na cabeça.

Depois de trabalhar pra Torquato, seu patrão,
num jardim a escavar ouro de um rico filão,

João de Sorte, certo dia, despediu-se e em pagamento
ganhou pedra que luzia mais que estrela em firmamento.

 

Era uma peça de ouro.

Tenho sorte como um rei afirmou João. Com um tesouro pra casa eu voltarei!

Joào embrulhou a pedra de ouro num lenço e lá se foi pela estrada, pensando:

— Como tenho sorte! Pouca gente tem uma pedra de ouro como esta. Que dirão quando eu chegar à minha casa? Pena que seja tão pesada… Estou ficando cansado de carregá-la. E tenho que andar a pé… Seria bom que tivesse um cavalo, como aquele homem que vem vindo ali…

 

O homem que se aproximava era um negociante muito esperto, mas João não sabia disso. Quando o homem chegou perto, João dirigiu-se a ele:

— Bom dia,amigo! Que sorte a sua, ter um cavalo e poder viajar sem cansar as pernas!

O homem parou e ficou ouvindo João lastimar-se:

— Eu, ao contrário, tenho que andar a pé,

devagar, carregando esta pedra

de ouro, que é do tamanho da minha cabeça,

mas que pesa muito mais.


— Ora, não seja por isso’ —
retrucou o homem. —
Podemos fazer a troca.
Você me dá a pedra, de ouro
e fica com meu cavalo!

 

—    Negócio feito! — exclamou João. — Aqui está o ouro.

—    E aqui está o cavalo —

respondeu o homem. — Espere, eu o ajudo a montar — continuou ele. — Agora, segure bem as rédeas e boa viagem!

João lá se foi, todo contente da vida, dizendo para si mesmo:

— Como tenho sorte! Pouca

gente tem um cavalo

como o meu!

Que dirão quando

eu chegar à minha casa,

montando um cavalo assim…

E João fez o cavalo galopar

o mais rápido que pôde,

esquecendo-se

de que não sabia

o que fazer

para que ele parasse.

 

 

—   Ai, ai, ai! — gemeu João, levantando-se. — Estou todo dolorido! Você é que tem sorte, amigo… Tem uma vaca que anda devagar e sossegada, e não corre como o meu cavalo…

—   Ora, não seja por isso! — disse o camponês. — Se o problema é esse, leve minha vaca e eu fico com o seu cavalo.

—   Negócio feito — respondeu João. — Aqui está o cavalo.

—   E aqui está a vaca — disse o camponês.

Num instante o homem montou no cavalo e afastou-se a galope. João ficou ali acariciando o focinho da vaca. Depois retomou o caminho, puxando-a

— Como tenho sorte. — pensava João. —

Não é qualquer um que tem

uma vaca assim… Que dirão

quando me virem chegar em

casa com uma vaca come esta!

 

João caminhava tão contente que, depois de ter percorrido um trecho da estrada, resolveu parar para comer alguma coisa. Ele tinha chegado a uma vila onde havia uma hospedaria. João entrou e pediu comida e bebida. Nao se importou de gastar todo o dinheiro que tinha.

— Se no caminho sentir fome ou sede basta ordenhar a vaca e beber o leite — pensava ele.

Depois de comer, retomou o caminho.

 

 

Pela estrada ir andando, sem com nada se preocupar,
sem relógio e hora marcada, assobiando, pela estrada!

Lentamente João de Sorte vai em frente para o norte,
sem relógio e sem nada, mãos nos bolsos pela estrada!

Assim caminhava João, até que chegou

a um lugar deserto.

Começava a sentir-se cansado e com sede.

Decidiu beber um pouco de leite, para restaurar as forças

— Estou com tanta sede1. — disse ele, e se pôs a ordenhar a vaca.

Ordenhar é modo de dizer, porque não saía sequer uma gota de lei

João insistiu, tentou outra vez… Mas a vaca não gostou da estória e lhe deu um par de coices.

Um açougueiro que ia passando por ali com sua carreta

aproximou-se do rapaz.

João, todo dolorido,, levantou-se e contou-lhe

o que acontecera.

—   Então você levou um coice, hein? Mas como queria tirar leite desta vaca, sem conhecer o gênio dela? Não viu logo que era uma vaca brava?

—   Então foi por isso que não consegui ordenhá-la? Oh! O senhor é que tem sorte! Possui um porquinho

na carreta. Isto sim, é que eu gostaria de ter…

O açougueiro tratou de aproveitar-se da oportunidade:

— Você quer ficar com o porco? Pois pode levá-lo! Eu ficarei

com a vaca.

— O senhor troca mesmo? — perguntou João. — Nao tem medo de que a vaca lhe dê coices? Que bom. como tenho sorte. —

exclamou. — Não é qualquer um que tem um belo

porquinho!. Que dirão todos quando me virem

chegar em casa trazendo um porquinho tão gordo como este!

Feita a troca, o açougueiro levou a vaca e João continuou seu caminho puxando o porquinho por uma cor Pouco adiante, João encontrou um rapaz

que carregava

um ganso pelo pescoço.

Não sei como

o ganso não morria.

—   Bom dia, amigo ! — disse João. — Você tem um ganso muito bonito! E como é gordo!

—   Você já pensou como este ganso vai ficar gostoso, assado no espeto? E um prato de festa… Não acha? — perguntou o rapaz.

—   Nem gosto de pensar… me dá água na boca! — disse João. — E você, gosta do meu porco?

—   Até que não é mau. A propósito, você sabia que todo mundo por aqui anda à procura de um porco igual ao seu? Dizem

que foi roubado, e se pegarem o ladrão ele será enforcado.

* *

«5

Cruz, credo! — exclamou João, apavorado. — E se pensarem que o ladrão sou eu? Ai, meu Deus, seria melhor que ainda tivesse a vaca, ou o cavalo, ou a pedra de ouro!

—   Se você quiser ficar com o ganso, eu fico com o porco.

—   Oh, obrigado! — respondeu João, fazendo a troca. — Como tenho sorte! Só quero ver o que dirão quando eu chegar em casa! Não é qualquer um que tem um ganso assim…


João não era mesmo muito inteligente. A cada troca que fazia, levava desvantagem. E, além do mais, acredita va em estórias inventadas, como essa do roubo do porco…

Ora, ele ainda achava que tinha sorte!

Pois é… enquanto o outro

se afastava depressa com o porco, João continuava seu caminho. Mas…

não conseguiu chegar em casa nem com o ganso.

 

Vendo um amolador de facas, parou para admirar o serviço.

—   Deve ser muito divertido afiar facas com essa roda que gira o tempo todo!

—   E deve ser bom possuir um ganso como o seu! — respondeu o amolador.

—   Ah, eu o consegui em troca de um porco, que troquei por uma vaca, que me deram em troca de um cavalo, que eu tinha trocado por uma pedra de ouro! — explicou João.

—   Que belas trocas você fez! — exclamou o amolador. — Quer fazer mais uma?

—   Mas eu só tenho este ganso…

— Pois em troca dele eu darei uma .
pedra de amolar igual a esta — disse

o amolador. — Aqui está ela.

— Mas… parece velha e gasta!

—   Mas como você é bobo! — retrucou o amolador. — Uma pedra assim vale muito mais que um ganso! Você diz que é velha: isso é uma vantagem, pois ela já girou muito, já está habituada a trabalhar! Trabalha até sozinha! Entendeu?

—   Entendi — respondeu João. — Aceito a troca. Aqui está o ganso.

—   E cá está a pedra de amolar. E, para você não ter o que reclamar, leve mais esta.

—   Oh, o senhor é generoso… Não devo aceitar…

—   Ora, aceite, aceite… Adeus!

 

 

João continuou o caminho, gemendo ao peso das duas

enormes pedras.

A primeira ainda era uma pedra de amolar, mas a segunda…

nem isso! Era uma pedra qualquer, dessas que se vêem pelo chão…

O amolador tinha enganado João, mas o rapaz nem desconfiava,

e ia pela rua todo contente, pensando:

— Como tenho sorte! Que dirão

meus parentes, quando eu chegar em casa…

 

— Uff. Até que a pedra de ouro pesava menos!
— lastimou-se João. — Vou pôr as pedras aqui e beber um pouco de água…

Mas acontece que João colocou as pedras muito na beirada do muro da fonte, e elas caíram dentro da água.

João olhou as pedras lá no fundo e exclamou:

— Que sorte a minha! Estou livre
dessas pedras tão pesadas! Não
mais preciso carregá-las!

— Pouca gente tem tanta sorte como eu — continuou João. — Todos lá em casa ficarão contentes em me ver de volta, sem aquele peso que me cansava tanto! Sou mesmo um rapaz de sorte!

Ninguém conseguiria fazer as trocas que eu fiz!

E assim foi que a pedra de ouro

em cavalo se transformou,

logo em vaca o tesouro,e em porco e ganso, virou.

Por pedras também foi trocado.

E até sem elas João ficou.

Mas que rapaz afortunado!

Comentários

Mais textos

5 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , ,

Início