OS TRÊS CABELOS DE OURO DO DIABO – contos infantis



Histórias da Carochinha

OS TRÊS CABELOS DE OURO DO DIABO

Há muitos e muitos anos, numa casinha pobre, nasceu um menino bonito e forte, mas que, ao contrário de todas as outras crianças, nasceu com todos os dentes na boca. Os pais, assim que o viram, ficaram muito assusta-os, pensando se tratar de alguma bruxaria. As vizinhas, entretanto, os tranqüilizaram, dizendo que nascer com dentes era sinal de boa sorte. E uma delas, que era considerada feiticeira, profetizou que o menino, ao com­pletar quinze anos, se casaria com a filha do imperador do país.

Um dia, quando o menino ainda era bem pequeno, o imperador passou casualmente pela vila e ouviu contar a história da criança, que era chamada de o "Filho da Sorte". In­dignado com a possibilidade de ver sua filha casada com um tipo qualquer, pobre e de ori­gem humilde, o imperador resolveu dar um jeito de impedir que a profecia se cumprisse.

Dizendo-se um rico comerciante, apresen­tou-se na casa onde vivia o Filho da Sorte. Tomou a criança nos braços e, fingindo-se en­cantado com sua beleza, disse aos pais que era muito rico e não tinha ninguém a quem deixar sua herança. Por isso, gostaria muito de poder levar o bebê e criá-lo como se fosse seu filho. O casal, a princípio, não aceitou a proposta, mas o imperador foi tão hábil e convincente que os fez acreditar que daria ao menino uma vida muito melhor do que ele teria naquela casa pobre.

Assim, o perverso imperador levou con­sigo o pequeno Filho da Sorte e, logo que se viu sozinho, fora da cidade, colocou-o numa caixa e atirou-a ao rio, na certeza de que ela afundaria, matando a criança.


Mas o menino parecia merecer mesmo o nome de Filho da Sorte, pois a caixa, em vez de afundar, saiu flutuando rio abaixo, indo parar no açude de um moinho.

Um velho moleiro que ali trabalhava, pensando ter encontrado um tesouro, foi cor­rendo tirar a caixa da água. Quando a abriu, ficou comovido por ver uma criança tão linda e esperta abandonada para morrer. Como não tinha filhos, levou o bebê para casa. A mulher do moleiro ficou muito feliz, e o Filho da Sorte cresceu ali, rodeado pelo carinho dos pais adotivos.

*   *   *

O tempo passou e, um dia, alguns meses depois que o menino havia completado quinze anos, o imperador e sua comitiva viajavam pela região quando caiu uma tempestade muito forte. Como não havia nada por perto a não ser o moinho, o imperador foi obrigado a pedir abrigo na casa do velho moleiro.


O casal de velhos o recebeu muito bem. Para que o tempo passasse mais depressa, ficaram conversando com o imperador. Não demorou para que a beleza e a vivacidade do Filho da Sorte chamassem a atenção do mo­narca, que perguntou ao moleiro se o menino era seu filho. A mulher, inocentemente, res­pondeu-lhe que não, e acabou contando a his­tória de como haviam encontrado a criança.

Quando ela terminou de falar, os olhos do imperador estavam vermelhos de ódio, pois ele logo se deu conta de quem era o rapaz. Furioso por ele ainda estar vivo, começou imediatamente a pensar num jeito de liqui­dar o moço de uma vez.

Como estava no meio de uma grande via­gem e demoraria muitos meses para voltar ao palácio, o imperador ficou com medo de que a profecia se concretizasse durante sua au­sência. Assim, resolveu agir rapidamente e, dando algumas moedas aos velhos, pediu-lhes que deixassem o rapaz levar uma mensagem à rainha, na capital do reino.  Em seguida, mandasse à sua mulher ordenando que ela mandasse executar imediatamente o rapaz que lhe entregasse aquela carta.

No dia seguinte, bem cedinho, lá se foi o Filho da Sorte na direção da capital do reino, sem saber que levava nas mãos sua própria lentença de morte.

Andou o dia inteiro, sem descanso, pois queria chegar logo ao palácio. No entanto, como nunca havia deixado a vila em que mo­rava, o rapaz se desviou do caminho certo e acabou se perdendo no meio da floresta.

Quando já estava anoitecendo, o Filho da Sorte viu, numa clareira, uma cabana, onde resolveu pedir ajuda. Bateu à porta e uma velhinha muito bondosa veio atender. Á mulher o acolheu com simpatia e, depois de ouvir sua história, deu-lhe de comer e de be­ber, mas avisou-lhe que seria melhor ele não dormir ali, pois aquela cabana servia de es­conderijo a perigosos ladrões, que certamen­te o matariam quando o encontrassem.

O rapaz, entretanto, não teve medo e in­sistiu tanto que a boa senhora arranjou-lhe um canto da cabana onde pudesse dormir aquela noite.

De madrugada, quando o Filho da Sorte dormia a sono solto, chegaram os ladrões. A velha, temendo pela vida de seu hóspede, avi­sou aos malfeitores que havia alguém na ca­bana, mas que se tratava apenas do filho de um moleiro que estava a caminho da capital para levar uma carta do imperador à mulher.

O chefe dos bandidos ficou muito curioso para saber o conteúdo da carta e a abriu para ler. Ao ver a maldade que estava fazendo com o pobre rapaz, ficou indignado e resol­veu pregar uma peça no malvado soberano. Imitando a letra do imperador, escreveu uma nova mensagem à rainha, ordenando que ela casasse imediatamente a princesa com o portador daquela carta. Em seguida, quei­mou a carta verdadeira e colocou a outra em seu lugar.

Na manhã seguinte, o Filho da Sorte, sem saber de nada, partiu. Orientado pelo pró­prio chefe dos ladrões, encontrou facilmente o caminho certo para a capital e horas de­pois se apresentava no palácio.

A rainha, ao ler a mensagem que julgava ler de seu marido, preparou tudo para o casamento, que se realizou naquela mesma tarde, na capela do palácio.

* * *

Meses depois o imperador voltou de sua viagem e, vendo sua filha casada com o filho do moleiro, ficou furioso com a mulher, lista, sem entender por que o marido estava tão bravo, mostrou-lhe a carta que havia re­cebido. Como não havia mais remédio para a situação, o imperador decidiu não punir nem a mulher nem o genro, para a felicidade da princesa, que gostava muito do marido. Por outro lado, era impossível aceitar que a princesa vivesse casada com um tipo qual­quer, sem eira nem beira, como aquele; por isso o imperador chamou o genro e lhe disse:

— Para eu consentir que você e minha filha continuem vivendo juntos, é preciso que você se torne digno de ser um príncipe rea­lizando alguma façanha. Por isso, eu lhe dou uma tarefa para cumprir: quero que vá até o inferno e traga de lá três cabelos de ouro do Diabo. Se conseguir realizar esse feito, quando voltar eu o farei príncipe.

O Filho da Sorte, esperto e valente como era, partiu sem demora rumo ao inferno.

* * *

Caminhou durante muitos dias, até che­gar à porta de uma grande cidade, onde uma sentinela lhe perguntou que problemas ele sabia resolver.

   Todos! — respondeu o rapaz.

   Todos?! — disse o guarda. — Então faça-me o favor de dizer por que a fonte do nosso mercado, que antes jorrava um vinho delicioso, agora está tão seca que não solta nem uma gota de água!

   Não posso responder agora — ele res­pondeu —, mas, se me deixar passar, eu lhe trarei a resposta na volta.

A sentinela, confiando na palavra do rapaz, abriu as portas da cidade para que ele passasse.

O Filho da Sorte seguiu seu caminho e alguns dias depois chegou à porta de uma outra cidade, onde havia outra sentinela que também lhe perguntou que problemas ele sa­bia resolver.

   Todos! — respondeu ele mais uma vez.

   Ah, é? — disse a sentinela. — Então me responda por que é que a árvore grande dos jardins do nosso rei, que antes dava fru­tos de ouro, agora está tão seca que não tem nem uma folha mais!

   Nao posso responder agora — disse o moço —, mas, se me deixar passar, eu lhe trarei a resposta na volta!

O guarda também acreditou em sua pa­lavra e o deixou seguir.

Alguns dias depois, o filho do moleiro che­gou a um grande rio que precisava atraves­sar para chegar ao inferno. Só havia ali um barqueiro que, ao vê-lo, perguntou a mesma coisa que as duas sentinelas. Quando ouviu o rapaz dizer que sabia resolver todos os pro­blemas, o barqueiro, interessado, disse-lhe:

   Meu jovem, se você sabe mesmo de tudo, então me explique logo por que eu pre­ciso ficar a vida inteira sendo barqueiro, atra­vessando gente de um lado para outro do rio, sem nunca encontrar uma alma boa que ve­nha me substituir neste trabalho!

   Não sei explicar o motivo — disse o Filho da Sorte —, mas, se me levar à outra margem, prometo que na volta eu trarei a resposta à sua pergunta!

O barqueiro também acreditou na pala­
vra do Filho da Sorte e o levou para o outro
lado do rio.
                                     

Bem perto dali ficava a porta do inferno. O rapaz bateu bem forte e esperou ser aten­dido. Algum tempo depois, apareceu à porta a avó do Diabo, dizendo que seu neto não estava. Como ela parecia ser uma boa pes­soa, o moço contou-lhe sua história, e a velha, condoendo-se da sua situação, resolveu ajudá-lo.

— Mas se o meu neto o encontrar aqui — disse ela —, vai ficar tão furioso que vai que­rer matá-lo no mesmo instante e comê-lo as­ sado no jantar.  Por isso preciso escondê-lo.

Assim, a velha transformou o Filho da Sorte numa formiguinha e o escondeu numa das dobras de sua saia.

Minutos depois, chegava em casa o Dia­bo, e já vinha faminto, pois havia sentido cheiro de carne humana, seu prato predileto. Farejou por todos os cantos do inferno, mas, como nada encontrasse, a velha lhe disse:

— Você anda com mania de sentir cheiro
de gente! Venha comer que eu matei um franguinho novo especialmente para. o seu jantar!

O Diabo comeu até fartar-se e, depois, como era seu costume, deitou-se no colo da avó para que ela lhe fizesse cafuné. Dali a pouco, dormia profundamente e a velhinha aproveitou-se disso para arrancar o primeiro fio de ouro de sua cabeça.

— Ai! — gritou Satanás. — Que é que
você está fazendo, minha avozinha?

   Nada — respondeu a velha. — É que tive um sonho mau e acordei agarrada em seus cabelos!

   E qual foi o sonho que teve? — pergun­tou o Diabo.

   Sonhei que a fonte do mercado de uma cidade, que antigamente só jorrava vi­nho, agora anda tão seca que não solta nem uma gota de água.

Satanás deu uma gostosa gargalhada e depois respondeu:

— É verdade! É verdade! É que existe uma pedra tampando o nascedouro da fonte!
Se a tirarem, a fonte voltará imediatamente a jorrar vinho.

A avó do Diabo voltou a fazer cafuné na cabeça do neto e logo depois ele dormia tão pesado que roncava. Quando estava num sono ferrado, a velha aproveitou para arran­car o segundo fio de cabelo.

   Ai! Ai! Ai! — fez ele de novo. — O que é que aconteceu agora?

   Eu sonhei outra vez! — disse a avó.


Desta vez foi com uma outra cidade onde havia, no jardim do rei, uma árvore que dava frutos de ouro e que agora está cada dia mais seca!

O Diabo riu gostosamente e respondeu:

— Isto também é verdade, minha avó! E sabe por que a árvore secou? Porque em­ baixo dela há um rato que diariamente rói suas raízes. Se matarem o rato, a árvore fi­cará verde outra vez. Se o deixarem lá, ela ficará cada dia mais seca, até morrer!

Depois de dizer isso, Satanás ajeitou de novo a cabeça no colo da avó e, logo, emba­lado pelo cafuné, dormia outra vez. A velhi­nha aproveitou então para arrancar o tercei­ro fio e ele, acordando por causa da dor, gri­tou furioso:

   Ai, minha avó! Seus sonhos vão aca­bar me deixando careca! O que foi desta vez?

       Sonhei com um barqueiro — disse a avó — que se queixava de ficar eternamente passando gente de uma margem para outra< do rio sem nunca encontrar alguém que o substituísse nesse trabalho sem fim!

— Ah! — respondeu o Diabo, dando outra gargalhada. — Esse barqueiro é um bobo! Se ele quiser sair de lá, é preciso apenas que abandone os remos na mão da primeira pes­soa que aparecer pedindo para passar à outra margem do rio! A pessoa não terá outro re­médio senão tomar o lugar do barqueiro!

Como já estava de posse dos três fios de cabelo, e já havia obtido as respostas para as três perguntas, a velhinha finalmente dei­xou Satanás dormir sossegado.

Logo de manhã, dizendo ao neto que ia buscar água, a avó do Diabo saiu do inferno e retirou a formiguinha da dobra da saia, restituindo ao Filho da Sorte a forma huma­na. De posse das três respostas, o rapaz pe­gou os três fios de cabelo de ouro e, depois de agradecer muito à -velhinha, iniciou o ca­minho de volta.

Logo chegava outra vez à margem do grande rio e o barqueiro, ansioso, perguntou pela sua resposta.


— Primeiro você precisa me levar ao outro lado — respondeu o rapaz.

E, assim que o barqueiro o atravessou, o moço ensinou-lhe como deveria fazer para escapar da sina de ser barqueiro eternamen­te. Muito feliz, o homem agradeceu a ajuda e o Filho da Sorte seguiu seu caminho.

Depois de alguns dias, chegava ao portão da cidade onde existia a árvore que dava fru­tos de ouro. Ensinou à sentinela o que se de­via fazer para recuperar a árvore, e o ho­mem, agradecido, deu-lhe como recompensa dois jumentos carregados de ouro e pedras preciosas.

Mais à frente, passou outra vez pelo por­tão da cidade cuja fonte de vinho havia se­cado. A sentinela logo indagou da resposta e o moço ensinou-lhe o que fazer, conforme havia ouvido da boca de Satanás. Muito feliz, o guarda deu-lhe mais dois jumentos carre­gados de ouro e lá se foi o Filho da Sorte, rumo ao reino de seu sogro.

Chegou ao palácio muito satisfeito, pois, além de haver cumprido a façanha exigida, estava agora muito rico.

A princesa, sua esposa, o recebeu com muita alegria e o imperador, depois de ter em mãos os três cabelos de ouro e ver a ri­queza que o genro trazia, permitiu que ele vivesse com sua filha e o tornou príncipe.

Tudo ia muito bem no palácio, mas o im­perador era muito ambicioso e morria de curiosidade para descobrir como e onde o genro havia conseguido tantas riquezas.

Um dia, não resistindo mais, acabou per­guntando, e o Filho da Sorte lhe respondeu:

   Foi muito fácil, meu sogro! No cami­nho para o inferno há um grande rio onde está sempre um barqueiro que atravessa todas as pessoas. É só pedir para ele atravessá-lo e colher, na margem de lá, todo o ouro que pu­der carregar, pois o ouro ali é a areia do chão!

   E eu posso ir até lá pegar ouro para mim também? — perguntou o imperador.

   Claro, meu sogro! — respondeu o ra­paz. — É só falar com o barqueiro!


O ganancioso imperador saiu logo na ma-nhã seguinte, ansioso por encontrar o lugar onde  havia tanta riqueza.  Viajou por vários dias e, de fato, acabou encontrando o barqueiro.  Este, que aguardava ansiosamente o aparecimento de alguém, assim que o impe­rador lhe pediu que o atravessasse, entregou-lhe com satisfação os remos e disse: – Atravesse você mesmo, ora! Movido pela ambição, o imperador acei­tou a tarefa e saiu remando, enquanto o bar-queiro, feliz da vida, saía por esse mundo afora, livre outra vez.

E dizem que até hoje o imperador está lá, Cumprindo a eterna tarefa de atravessar gen­te de um lado para outro do rio.

Quanto ao Filho da Sorte, viveu feliz por muitos e muitos anos, junto com a princesa, sua amada esposa.

 

Comentários

comments

Mais textos

14 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início