Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

Quem era José Bonifácio de Andrada?


José Bonifácio

José Bonifácio

Quem era José Bonifácio de Andrada?

A máxima prova da constituição orgânica do Brasil no século é a fecundidade *) intelectual, que progride no princípio de nossa era. Brasileiros eram na máxima parte os sábios literatos portuguêses de então. Brasileiros, Antônio José, o judeu, queima­do por D. João V; Basílio da Gama, o autor do Uruguai; Durão Gonzada, o poeta da Marília, Costa Alvarenga, ex-réus na conspi­ração de 1789. Brasileiros, os poetas Pereira Caldas, Morais e Silva; Hipólito Costa, o patriarca jornalista; Azevedo Coutinho, primeiro economista português; o geômetra Vilela Barbosa, o esta­dista Nogueira da Ga­ma, o químico Coelho de Seabra; Conceição Veloso, autor da Flora Fluminense, e Araújo Câmara, companheiro das viagens de José Bonifácio, — o mais ilustre dos fundadores da independência’nacio­nal do Brasil.

José Bonifácio nas­cera em Santos a 13 de junho de 1763; e aos quinze anos chega­va a Lisboa, aos vinte e cinco partia para a Europa central a estu­dar, sob a proteção do duque de Lafões. Ar­dia em França a revolução, e o moço brasileiro não aprendeu na Europa as ciências da natureza apenas, aprendeu como as socieda­des se rebelam, como vencem quando têm um propósito firme, uma

força real e chefes audazes. José Bonifácio acaso desde então es­colheu para si o papel de fundador do Brasil.

Oito anos andou por fora seguindo os cursos mais célebres, ganhando um nome que ficou europeu na ciência contemporânea. Em França ouviu as lições de Chaptal, de Fourcroy, de Jussieu e de Haüy, o mineralogista, na companhia do qual passou à Alemanha a freqüentar Werner, o geólogo de Freyber, Lempe, Koehler, Kol- tzsch, Friesben e Lampadius. Visitadas da Alemanha, se­guiu as do Tirol, da Estiria, da Carintia, ouvindo em Pávia as li­ções de Volta; e, subindo outra vez ao norte, foi aprender com Berg- rnann em Upsula, com Abildgaard em Copenhague. Nas suas via­gens, nos seus estudos, ganhara um saber forte e uma reputação européia. Fazia descobertas na mineralogia; e êle, Humboldt, von Buch, Esmark, dei Rio, eram chamados os mestres da ciência.

Voltou por fim a Portugal, e foi feito desembargador; encar- regarâm-no de tôdas as coisas.

O desembargador era o tipo do homem universal nos cargos, absoluto na inépcia e na sonolência; e Andrada, que carecia de ação e vida, em balde protestava, reclamava. Em Coimbra não havia coleção mineralógica, — era impossível dar lições! Os– cípulos também não excediam a três! Terminada a guerra franceses, em que Andrada combatera, achava-se Portugal entregue a essa Regência anônima, mero instrumento de .

A miséria e a inépcia, a vileza e a de uma terra de que a sua era vassala, fizeram-no regressar ao Brasil (1819) ; e não é ousadia afirmar que no seu espírito levava já firme e difinitivo o plano da emancipação. Aos fatos restava apenas indicar a forma que a realização de sua idéia devia tomar.

O merecimento pessoal e a preponderância eminente que êsses fatos deram a José Bonifácio na história da separação brasileira, concorreram com tôdas as causas anteriores para dar à nova nação uma fisionomia própria, entre as nações sul-americanas. Homem de ciência, espectador visual dos piores desvarios da revolução francesa, maduro em idade, forte em experiência dos homens e das cousas, José Bonifácio não era um Bolivar[I]), e a revolução brasileira tomou em suas mãos uma direção diversa da que teria tido, se caminhasse às ordens de algum genuíno representante do antigo espírito paulista.

Estadista e não soldado, mais hábil do que audaz, mais forte do que ambicioso, o caudilho brasileiro viu na, ambição irrequieta de D. Pedro, a quem a glória de Bolivar seduzia, um belo instru­mento para levar a cabo a obra da independência nacional, pou­pando a pátria às sangrentas crises em que a espada dos condottie- ri lançava as ex-colônias espanholas. Oliveira Martins.


1) Que diferença hã entre fecmdidade e facundidade ou facúndia?



[I] Herói da independência de Venezuel, Colômbia, Equador, Bolívia e até do Peru. Nasceu em 1783, morreu e 33Q.

Fonte: Seleta em Prosa e Verso dos melhores autores brasileiros e portugueses por Alfredo Clemente Pinto. (1883) 53ª edição. Livraria Selbach.

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , , ,

Início