JOHN LOCKE – Contextualização e Pensamento



JOHN LOCKE
por June Müller  

I.

 

 

1 Contexto sócio-político da obra: final do século XVII na Europa

1.1      Inglaterra, 1688: Revolução Gloriosa: Rei é entronizado pelo Parlamento e jura respeitar a Carta Magna
1.2      Movimentos políticos
1.2.1        Igualitários: “Levellers” (igualdade civil, participação política, garantia da propriedade para artífices e pequenos proprietários) e “Diggers” (reformas econômicas e sociais)
1.2.2        Republicanos aristocráticos
1.2.3        Absolutistas: defensores do direito divino dos reis
1.3      Absolutismo: duas oposições
1.3.1        Oposição protestante (burguesia): com base na idéia de que o pacto resulta da vontade do povo: esta é a fonte da autoridade
1.3.2        Oposição aristocrática: a perda de poder se soma à crise de valores: decadência social e econômica

 

2            Pensamento de Locke

2.1      Ênfase na racionalidade e negação das idéias inatas: tudo provém da experiência sensível
2.1.1        O conhecimento resulta da ação da reflexão sobre a experiência
2.2      Diversas obras: Ensaios sobre as Leis da Natureza (1660), Carta sobre a Tolerância (1689), Dois Tratados sobre Governo Civil (1690), Ensaio sobre o Entendimento Humano (1690)
2.3 Dois Tratados sobre Governo Civil
2.3.1        Primeiro Tratado: refuta as idéias de Robert Filmer (O Patriarca) sobre o direito divino dos reis: esta idéia implicaria igualar os tiranos aos príncipes legítimos
2.3.2        Segundo Tratado: discute a natureza e os limites da autoridade política

3                  Concepção de Homem: Racionalidade + Liberdade + Auto-interesse

3.1      Racionalidade é a característica mais notável
3.1.1        Razão reflexiva: faculdade mental de operar sobre as percepções oferecidas pelos sentidos
3.1.2        Razão certa: princípios morais de conduta que incorporam a vontade de Deus e são parte da natureza do homem: a razão certa é descoberta através da faculdade da razão
3.1.3        Logo, os homens não são por natureza amorais: a moral não é socialmente constituída
3.2      Liberdade é a característica da natureza do homem e consiste na livre autoridade e livre disposição sobre sua vida e seus bens
3.3      Auto-interesse: qualidade humana que torna os homens laboriosos, sociáveis e capazes de sobreviver
3.3.1        Também pode torná-los parciais e avessos à verdadeira razão
3.3.2        Mas é, sempre, uma das causas da sociabilidade natural

4            Estado de Natureza: é aquele no qual os homens coexistem segundo as regras da razão, sem uma autoridade na terra que julgue as suas disputas

4.1      É a Razão que governa o Estado de Natureza
4.1.1        Determina que, sendo os homens iguais e independentes, não devem se prejudicar mutuamente em sua vida, sua liberdade e seus bens
4.1.2        Lei fundamental da Natureza: todo homem tem o Direito e a obrigação racional de presever a sua prpria vida da destruição dos que contra ele fazem guerra – desde que seja ele a parte inocente
4.2      Direito Natural: é conferido pela lei natural (razão) e define a essência da natureza humana
4.2.1        Direito Natural é o Direito à vida, à liberdade e aos bens: é o que faz do homem um indivíduo
4.2.2        Todo homem é obrigado a obedecer à lei natural
4.2.3        Nenhum homem pode renunciar ao direito natural

5.             Estado de Guerra: diferente do Estado de Natureza

5.1      Estado de Guerra é o uso da força ou o propósito declarado de uar a força sobre a pessoa de outrem, sem haver um superior na terra a quem apelar por socorro
5.2 Estado de Guerra
5.2.1        Pode ocorrer no Estado de Natureza
5.2.2        Pode ocorrer na sociedade política
5.2.3        Pode ocorrer entre sociedades políticas

6                Então, para que pactuar? Para obter uma liberdade efetiva maior do que a que possuem no Estado de Natureza

6.1    Estado de Natureza = “estado de liberdade perfeita”
6.1.1        não é estado de permissividade
6.1.2        liberdade natural: poder fazer o que se deve: cumprir a lei natural
6.1.3        não é apenas fazer o que se deseja
6.2    verdadeira liberdade: só existe onde os homens tenham capacidade, oportunidade e vontade de viver conforme os princípios racionais da lei natural
6.2.1        mas nem todos o fazem: a ignorância e o egoísmo de alguns impede que os demais alcancem a verdadeira liberdade de que seriam capazes
6.3    daí decorrem os inconvenientes do Estado de Natureza
6.3.1        não há uma lei estabelecida, conhecida e consentida
6.3.2        não há um juiz conhecido, imparcial e dotado de autoridade
6.3.3        não há um poder que sustente as sentenças deste juiz e garanta a sua execução

7          Acordo ou pacto: é o ato que instala a comunidade: os homens se unem para garantirem-se mutuamente uma vida confortável, pacífica e segura

7.1    para isso renunciam apenas à sua faculdade (mas não ao seu Direito) de defender seus Direitos e de punir privadamente as violações e injúrias
7.1.1        a função da lei positiva é garantir os Direitos naturais e não os eliminar
7.2    acordo gera consentimento: base da comunidade e da obrigação política (obediência)
7.2.1        gera obrigação racional e moral de obedecer
7.2.2        obrigação política é intransferível: o consentimento deve ser renovado a cada geração
7.2.3        quem não participa diretamente do acordo, mas desfruta dos seus benefícios, está igualmente obrigado: consentimento tácito
7.3    Limites da obrigação: injustiça = estado de guerra entre súditos e governantes
7.3.1        governo arbitrário, sem leis estabelecidas e com concentração de poderes
7.3.2        qualquer forma de governo que produza menos liberdade do que existia no estado de natureza
7.3.3        qualquer governo que viole a prioridade dos súditos
7.3.4        PRERROGATIVA: não é ato arbitrário ou abusivo: é poder do governante de agir conforme seus próprios critérios para o bem público, sem o apoio da lei e até mesmo contra ela
7.3.5        Prerrogativa: emana do povo, pelo consentimento tácito
7.4    Liberdade: é a liberdade dentro da lei,q eu admite discordância, desde que sejam respeitadas as regras do jogo político
7.5 Direito de resistência: quando são suspensos os limites da obrigações: governo viola a confiança dos súditos
7.5.1        Não apenas a resistência é Direito, como também é dever dos súditos lutar contra a violação dos seus direitos naturais
7.5.2        implica dissolução do governo, mas não da comunidade política
7.5.3        dissolução da comunidade política: guerra civil ou invasão externa

8                Lei: é sempre a expressão da vontade da maioria dos membros da comunidade: não é vontade geral, nem consenso: é soma das vontades individuais

8.1    Lei expressa ob em público: somatório do que seja o bem de cada membro individual da comunidade
8.2    Maioria: solução para sociedade conflituosa
8.3    Maioria estabelece a forma de governo depois de formar a comunidade política
8.3.1        Maioria estabelece o governo, mas não participa de sua condução: burguesia se ocupa da esfera privada = mercado

 

9          Forma de governo não é preocupação de Locke: o seu inimigo é o absolutismo

9.1    engenharia política: proteção contra o absolutismo: “checks and balances
9.1.1 doutrina do consentimento continuado
9.1.2        doutrina da legitimidade: a relação do governante com os súditos baseia-se na confiança
9.1.3        direito de resistência
9.1.4        regra da maioria
9.1.5        supremacia do Legislativo
9.2      Locke não propõe separação e independência dos poderes MAS SIM: não-concentração dos poderes e supremacia do Legislativo
9.2.1        Legislativo: poder soberano para elaborar leis: mas não é soberano frente às leis da natureza
9.2.2        Legislativo: é poder institucional permanente, mas não é assembléia permanente
9.3          Executivo: é a principal fonte de expressão e de governo nas comunidades políticas: deve subordinar-se ao Legislativo

10            Igualdade e Propriedade

10.1    igualdade natural: todos têm as mesmas faculdades e igual direito à vida e aos frutos da terra
10.2    igualdade forma perante a lei: “indivíduo possessivo”: todos são proprietários, habilitados a celebrar contratos no mercado
10.3    Propriedade: todo homem é proprietário da sua pessoa e dos bens que obtiver com o seu trabalho desde o Estado de Natureza
10.3.1    o que gera a propriedade é o trabalho e não a lei
10.3.2    é o trabalho que remove os frutos da terra do estado comum e os exclui de direito

 

 

II. Segundo Tratado sobre Governo

 

Em sua obra “Segundo Tratado sobre Governo”, John Locke discorre sobre a passagem do estado de natureza para a vida em sociedade e mostra, no decorrer de sua análise, suas vantagens e desvantagens, mostrando, claramente, a preponderância das primeiras em relação às segundas.

Afirma-se que o ser humano nasce com capacidade de raciocinar, direito à liberdade e auto-interesse. Assim está ele no estado de natureza, em que nenhum homem possui mais do que o outro – não existe subordinação. No entanto, constatando-se a ausência de um juiz imparcial e com plenos poderes, cada um envoca-o em si quando de sua necessidade. Todos têm, assim, o direito de castigar o seu ofensor e até matá-lo - mesmo que por precaução. É o que diz a grande lei da natureza:

“Quem derramar o sangue do homem, pelo homem verá seu sangue derramado.”

Locke distingue, ainda, o estado de guerra do estado de natureza, constatando que o primeiro só se estabelece através do uso da força ou da intenção de usá-la, sem que o subjugado tenha para quem apelar. Esse conceito engloba tanto o emprego da força como o de injustiça e pode ocorrer tanto no estado de natureza como na sociedade política – governo tirânico, escravidão.

A fim de suprirem-se os defeitos e imperfeições com que se encontram os homens ao viver isoladamente - ausência de lei estabelecida, conhecida e consentida, juiz e poder executivo -e também para evitar-se o estado de guerra, foi estabelecida a vida em sociedade, que tem como objeto principal a expansão da liberdade já observada no estado de natureza.

Com a vida em sociedade, apresentam-se as primeiras desigualdades entre os homens, as quais se referem à propriedade. Pressupõe-se que a cada um deve ser dado o que merece, mas, por ser o trabalho a origem de qualquer riqueza, certamente alguns mereceriam mais que outros. Em respeito a esse direito, ao entrar em uma sociedade política, mantém suas posses, mas, se resolver deixá-la, consqüentemente perderá tudo o que construiu dentro dessa sociedade.

Depois de discorrer sobre a vida em sociedade e as características do pacto, são diferenciadas as diversas formas que uma sociedade pode adquirir. São elas:

  • democracia: poder da comunidade concentrado nas mãos da maioria. São executados para fazer leis destinadas à comunidade funcionários por ela nomeados;
  • oligarquia: poder de fazer leis nas mãos de alguns homens escolhidos, seus herdeiros ou seus sucessores;
  • monarquia: um único homem detém o poder de fazer as leis. Pode ser hereditária ou eletiva.

 Estabelecida a forma de governo, é mister a organização do poder legislativo, que objetiva, prioritariamente, a preservação da sociedade. Tem como obrigação governar por meio de leis estabelecidas e promulgadas, pelo bem do povo; não lançar impostos sobre propriedade nem transferir o poder de elaboração das leis sem indicação prévia do povo. Por ser considerado o poder supremo, só deve ser convocado quando o for julgado necessário.

Além do poder legislativo, constata-se, ainda, a presença do executivo e, também, do federativo, que nada mais é do que a própria natureza dos homens, podendo ser melhor entendido nas relações com outras sociedades, de modo a funcionar como uma espécie de ministério das relações exteriores.

Diferenciados os três poderes fundamentais de uma comunidade política, cabe, ainda, distinguirem-se o pátrio poder, o poder político e o poder despótico.

O pátrio poder, ou poder do país, é o que os pais possuem sobre seus filhos até que estes atinjam um estado de maturidade e tenham plena razão.

Poder político pode ser definido como o que cada homem originalmente possuía no estado de natureza e que o cedeu ao governante.

Poder despótico é aquele possuído por um homem, facultando-lhe o direito sobre a vida de outro sempre que lhe aprouver e o exercício de poder além dos seus direitos em benefício próprio. Por ser injusto e ilegal, não é amoral opor-se a ele.

É importante destacar, nesse contexto, que todas as formas de governo estão sujeitas ao despotismo.

Contrapondo-se ao despotismo na sua própria essência, cabe-se apontar o poder que tem o soberano de infringir as leis, só que em prol do bem público – a prerrogativa.

Estabelecido o governo, este só poderá ser dissolvido em virtude de invasões externas ou de alterações do poder legislativo ou, ainda, quando o rei perde o seu poder. Isso acontece sempre que o próprio rei tenta derrubar seu governo, ou o torna dependente de outro, sujeitando-o. Nesses dois casos, constitui-se uma situação difícil de ser resolvida, uma vez que não há um juiz capaz de interferir em nome da vontade geral que não o povo. Em o rei ou outros que estejam na administração não concordando com os termos estabelecidos pelo povo, este não terá ninguém a quem recorrer se não aos céus.

livros locke

Apesar de seus inconvenientes, a sociedade, em termos qualitativos, ainda se sobrepõe ao estado natural. As idéias de justiça, liberdade, preservação da propriedade e, conseqüentemente, a auto-preservação são de suma importância, mais do que qualquer outro tipo de organização possa trazer. Felizes são aqueles que têm êxito em preservar seus bens e a si mesmos.

 

III. Bibliografia

 

  • LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo, Abril cultural, Coleção Os Pensadores, 1973.

Comentários

comments

Mais textos

13 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início