Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

General Osório (Marquês do Herval)


general osório

E’ um dos filhos mais ilustres do Rio Grande do Sul e uma glória nacional.

Manuel Luiz Osório — tal o seu nome — nasceu a 10 de maio de 1808 na então freguesia de N. Senhora da Conceição do Arroio; era filho legítimo do tenente-coronel de milícias Manuel da Silva Borges e d. Ana Joaquina Luiz Osório. Já aos quinze anos de ida­de alistou-se no nacional, como praça de pret, e tomou par­te em tôdas as campanhas, quer internas quer externas, em defesa da honra e integridade da pátria, desde as lutas que se sucederam à proclamação da Independência até à sangrenta do Para­guai. Distinguido-se sempre por atos de bravura e pelo seu tino extraordinário de cabo de , foi galgando sucessivamente to­dos os postos no desde o mais modesto — o de anspeçada

— até o mais elevado — o de Marechal.

Não é nosso propósito acompanhar, na sua longa e gloriosa carreira, o intrépido soldado, cujo denodo inexedível lhe mereceu ainda em vida o glorioso título de legendário; recordaremos ape­nas que foi principalmente na batalha de Tuiuti (24 de maio de 1866) — a mais notável de tôda a campanha do Paraguai. — que Osório cobriu o seu nome de perpétua glória.

Todos os postos que ocupou no exército, bem como as conde­corações e os títulos de barão, conde, marquês, com que o cumu­lou o govêrno imperial, marcam cada um dêles um feito d’armas, uma vitória, um serviço em prol da pátria, à qual consagrou a vida inteira.

Mas não foi só como soldado que Osório serviu o seu país, também como político pres­tou-lhe serviços importantes.

Em 1877 foi eleito senador pelo Rio Grande do Sul e em 1878 foi nomeado Minis­tro da Guerra.

Pelo seu caráter lhano, pela sua lealdade, sua ho­nestidade e firmeza de prin­cípios, era êle o ídolo do exército e impunha-se tam­bém à veneração do povo e ao dos próprios ad­versários políticos.

Visitando em 1877 o Rio de Janeiro, a população em pêso acolheu-o com ex­cepcionais homenagens, que, pode-se assim dizer, foram uma verdadeira apoteose.

A 4 de outubro de 1879 veio Osório a falecer. O dia da sua morte fpi de luto para a nação brasileira. Para perpetua­rem a do glorioso soldado, ergueram-lhe, numa das prin­cipais praças d^i cidade do Rio de Janeiro, uma estátua equestre de bronze, em çujo soco está depositado o seu cadáver embalsa­mado. Numa das faces lê-se esta singela, mas eloqüente e tocan­te letra — A Osório o povo — nas outras faces,, em baixos-relevos, vêem-se reproduzidas cenas da guerra do Paraguai.

Com razão pode o Rio Grande do Sul ufanar-se de ter sido o berço de Osório. “Ditosa pátria que tal filho teve.”

A morto abre a porta da fama e. fecha a da inveja.

Sterne.


1) Seus ossos foram transportados para Rio Pardo em 24 de abril

Fonte: Seleta em Prosa e Verso dos melhores autores brasileiros e portugueses por Alfredo Clemente Pinto. (1883) 53ª edição. Livraria Selbach.

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , ,

Início