O boi bragado – contos de exemplo



Fonte: Os melhores contos Populares de Portugal. Org. de Câmara Cascudo. Dois Mundos Editora.

O BOI BRAGADO

Havia um rei muito bom e amigo dos seus vas salos, mas inimigo da mentira. Recebeu êle um dia, de mimo, um boi bragado, tão bonito como não havia outro para comparar-se. Confiou o boi a um servo, de toda confiança, mandando que o le vasse para uma tapada e lá cuidasse do animal com todo cuidado.

Louvava o rei a fidelidade desse seu criado quando um fidalgo desatou a rir, dizendo admirar-se de acreditar o rei num homem que era igual aos outros; quando fosse do seu interesse haveria de mentir como todos os demais. O rei disse que não, e foram discutindo até que o fidalgo, picado pela resistência, pediu permissão para apostar como o criado mataria o boi bragado, mentindo quando o rei perguntasse pela vida do animal. O rei aceitou o trato.

Em casa, o fidalgo desesperou pela sua idéia de apostar tanto dinheiro, e ainda pela dificuldade de realizar o que firmara. Sua filha mais nova, atirada e esperta, tanto perguntou que o pai -lhe disse seu negócio e a moça prometeu "fazer com que êle ganhasse o ouro do rei.

Vestiu-se de lavradora, pés descalços, lenço na cabeça, e foi parar à tapada real, perguntando pelo rapaz que guardava o boi bragado. Conhecendo-o, começou a fazer-se enamorada e tais provas deu do seu amor, que o moço ficou ardendo também, rendido aos encantos da endiabrada moçoila. Pediu esta, semanas depois, que matasse o boi bragado porque lhe queria comer o fígado. O rapaz ficou espavorido com o desejo mas, sem vontade própria, apanhou o boi, matou-o, tirou-lhe o fígado e a moça o comeu assado.

Dias passados, fingindo ir às compras, a moça foi para casa e disse ao pai que o boi bragado não existia mais. O fidalgo correu a palácio, gabando-se de haver tido razão contra o rei. Este mandou chamar o vaqueiro que compareceu muito triste com as cousas sucedidas. O fidalgo estava assistindo à conversa do rei.

O vaqueiro chegou, saudou seu real amo, e este lhe perguntou:

 Como são as novidades na tapada?

 Sem alteração, real senhor!

 E o Boi Bragado?

 Deu o fígado para uma vida... respondeu o rapaz sem pestanejar. O rei, insistindo, ficou sabendo que o vaqueiro obedecera ao coração, satisfazendo a um pedido amoroso. Preferira o castigo a mentir ao amo. Orgulhoso com essa resposta, o rei perdoou-o, presenteou-o com a tapada, como dote para que se casasse com a filha do fidalgo, que perdera a aposta e a filha também.

É versão simples de um muito popular em Portugal. Boi Cardil na ilha da Madeira e no Algarve (Teófilo Braga), Boi Rabil em Coimbra, registado por Adolfo Coelho. Em ambas as versões há versos, sendo em formapoética a madeirense, Contos Tradicionais do Povo Portuguez, 58.°, Contos Populares Portuguezes LVI, Romanceiro do Archipelago da Madeira, p. 273. No Brasil, encontrei uma versão no Natal Querino, vaqueiro do rei, e outra foi-me enviada das Alagoas, O boi leição, figurando ambas no meu Contos Tradicionais do Brasil. Na Espanha ha El toro barroso, de Soria, 48.° do Cuentos Populares Españoles do prof. Espinosa. Teófilo Braga, notas, II, 207-208, indica bibliografia. Versões semelhantes são apenas a siciliana de Laura Gonzenbach, uma cabra em vez do boi, o Scheik Chehabeddin no "Quarenta Visires"! Os demais parecem variantes. A origem oriental está notoriamente documentada. Fábula V da terceira "Noite" de Straparola.

O que há, nesse conto, de surpreendente, é a presença de um elemento temático já existente na mais velha história popular do Mundo, o conto do Dois Irmãos, com três mil e duzentos anos de idade. Foi escrito pelo escriba Anana para o principé Seti Marneftá, filho do faraó Ramsés Miamum. O papiro, adquirido na Italia, em 1852, pela senhora D’Orbiney, foi estudado e revelado aos eruditos pelo visconde de Rougé, superintendente das coleções egípcias em Paris, encontrando-se atualmente no British Museum de Londres. Os dois irmãos, Anepu e Batau, atravessam episodios que ainda vivem na tradição oral. Transformado no touro sagrado, Batau é morto pelo faraó, apaixonado por sua mulher, para que ela possa comer o fígado desejado. Nas versões brasileiras e na portuguesa, ouvida no Brasil, persiste a mesma víscera, substituída pelo coração nas portuguesas e espanholas. Há tradução portuguesa do Dois irmãos, e ligeiras notas esclarecedoras, na Biblioteca Internacional des Obras Celebres, 1 48-60.

(CASCUDO)

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas

Início