Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

textos interessantes sobre contos com moral

Índices de trabalhos (artigos, resumos, resenhas, ebooks):

Fábula – A cigarra e a formiga

A cigarra e a formiga Tendo a cigarra em cantigas Folgado todo o verão, Achou-se em penúria-) extrema Na tormentosa estação. Não lhe restando migalha Que trincasse, a tagarela Foi valer-se da formiga, Que morava perto dela. Rogou-lhe que lhe emprestasse, Pois tinha riqueza e brio, Algum grão com que manter-se Té voltar o aceso […]

A discórdia é a ruína das famílias e das nações (parábola)

A discórdia é a ruína das famílias e das nações (Parábola) Um agricultor possuía certo campo que não produzia senão brutos, enfezados [1] ), porque o solo se havia tornado sáfaro [2]) por falta de cultura durante largos anos. Porem, ainda aqui e acolá, pela extensão da veiga3) vicejaiam algumas árvores e cepas de boas […]

Gratidão de um filho e ingratidão de outro

Gratidão de um filho e ingratidão de outro Quem reparar um pouco há de ver muitas vezes que o homem na velhice é tratado por seus filhos exatamente do mesmo modo como ele havia tratado seus pais, quando eram velhos e sem força. E isto compreende-se bem. Os filhos aprendem com os pais; não veem, […]

O emprego dos domingos e dias santos

O emprego dos domingos e dias santos Três rapazes conheci eu não há muitos anos, cada um dos quais tinha o seu modo particular de entreter os dias de festa, ca­da um dos quais também colheu frutos correspondentes ao grão que lançara à terra. Variavam tanto nos costumes e sistemas, como se apartavam nas feições, […]

O Califa e o plantador octagenário – Latino Coelho

O Califa [1]) e o plantador octogenário Ia o Califa Harum-el-Raxid[2]) por um campo, aonde :i) an­dava a folgar à caça, quando sucedeu de passar[3]) por pé de um homem já mui velho, que estava a plantar uma noguerinha. Então disse o Califa aos de seu séquito [4]) : “Em verdade, bem [5]) louco deve […]

Resignação de mãe – Antônio Feliciano de Castilho

Resignação de mãe   Era uma noite invernosa. Os telhados iam rasos de neve, e por fora das pousadas, assoprava rijamente o vento. Em uma eram [1]) então, e em um pequeno aposento, assentadas duas mulhe­res tôdas 3) entregues a seus lavores; uma já de dias 4) e cabelo branqueado, outra nova. E de espaço […]

Os dois meninos – conto de Coelho Neto

Os dois meninos Ia um menino por uma estrada, cantando como os passarinhos que voavam de ramo em ramo, quando ouviu uma voz que chamava: Menino loiro que ides passando ao sol com tamanha pres­sa, por que não descansais? Vinde aqui um instante: tenho mel e bolos de farinha, e leite e dar-vos-ei tanto ouro […]

Arrependimento infantil

Arrependimento infantil Era uma vez uma menina — linda menina que ela era! — muito linda de rosto e de gesto e de figura e de tudo, porém mui­to feia de coração. Vivia esta menina com sua mãe, que a adorava, e com outra ir­mã que tinha, mais velha e melhor, sem comparação muito melhor. […]

O assobio — ou — não gastes o teu dinheiro em coisas inúteis

O assobio — ou — não gastes o teu dinheiro em coisas inúteis Quando tinha sete anos, os meus parentes presentearam-me num dia de festa com algumas moedas de cobre. Apenas me vi senhor daquele dinheiro, corri imediatamente para uma loja, onde se vendiam x) brinquedos de criança. No caminho, porém, encon­trei outro rapaz com […]

Ninguém deve rir-se dos pobres

Ninguém deve rir-se dos pobres Certo professor, conhecido pelo nome de amigo dos estudan­tes, passeava, uma tarde pelos arrabaldes da cidade com um dos seus discípulos. Ã beira da estrada deram com um par de sapa­tos todos 1) enlameados, que pertencia a um pobre homem que andava a trabalhar num campo. “Vamos nós, disse o […]

A volta dos Magos – História natalina de Manuel Komroff

A volta dos Magos Manuel Komroff O novelista americano Manuel Komroff nasceu em Nova York em 1890, tendo sido aluno da Universidade de Yale, onde estudou engenharia, sem ter contudo colado grau. É também estudioso de música e pintura, escreve partituras para filmes e já foi crítico de arte do "New York Cali". De idéias […]

Contos Populares Antigos Curtos

AS TRÊS MAÇÃZINHAS DE OURO, O COMPADRE DA MORTE, O SÓCIO DO DIABO, contos populares medievais, completos, para ler online ou imprimir, com comentários, lendas e mitos medievais coletados da tradição oral junto ao povo, com comentários.

A mulher teimosa – Contos de Facécias

Popular no século XIII, onde o vemos em três fontes, pelo menos; no Exempla ou Sermones Vulgares, de Jacques de Vitry, falecido em 1240, edição londrina de 1890, dirigida pelo prof. T. F. Crane, n.° 26 das publications da Folk Lore Society, no Fables, de Marie de France, e em Etienne de Bourbon, Anecdotes historiques, légendes et apologues tirés’ du recueil inédil d’Etienne de Bourbon, publicado por Leroy de la Marche. Puymaigre resume: — Très nombreus ses sont dans les vieux recueils les histoires de femmes contrariantes. Etienne de Bourbon res conte l’historiette qui a fourni à Marie de France une fable et à un trouvère le Pré tondu, et et celle dont La Fontaine a fait la Femme qui se noie, Ces deux contes se retrouvent encore dans bien d’autres endroits dans Democritus ridem: (p. 121), dans un très curieux livre espagnol El cor bacho de l’archiprêtre de Talavera (folio XXIII, verso) …Timoneda a répété la Femme qui se noie dans El Sobremesa y alivio de Caminantes conte premier. Teófilo Braga (nota ao 106, A mu lher teimosa, versão do Porto) cita Edelestand do Méril na Histoire de la Fable esopique, segundo Poésies inédites du Moyen Age, p. 154, nota-5, um manuscrito do século XV, na Biblioteca de Bruxelas, onde há a fabula De homine et uxore litigiosa, com o final característico: — Illa, au tem, quia jam linguam amiserat et loqui non potuit, signo quo valuit, pertinaciam ostendit, forcipi formam et officium digitis ostentans. Tivera a língua cortada, o que não ocorre nas versões de Portugal e Brasil, exceto numa que João Ribeiro sintetizou, 258. Em Jacques de Vitry o marido joga a mulher nágua, mergu lhando-a, enquanto ela, toda vez que emerge, ergue os dedos, imitando o gazear da tesoura. Alfredo Apell, Contos Populares Russos, traduziu A mulher teimosa, XXIII, indicando va riantes norueguesas, de Asbjornsen, polaca de Afanasiev (Velikoe Zertsalo) e sérvias. João Ribeiro ensina: — Esta origem anterior à conquista árabe, torna problemática a hipótese de uma fonte asiática. Em nota: — A história é conhecida de russos, alemães, turcos e vários povos. Tanto J. Bédier como R. Kohler e G. Amalfi, dão extensa bibliografia do assunto.

O pajem da Rainha

Padre Francisco Saraiva de Sousa, Báculo pastoral de flores de exemplos colhidos de varia e authentica historia espiritual sobre a Doutrina Christã, Officina de Antonio Pedroso Galrão, Lisboa, 1657, 1, 148. Há um resumo clareado por Teófilo Braga, Contos Tradicionais do Povo Portuguez, II, 174, edição de 1883.

Puymaigre, analisando o livro de Lecoy de la Marche, Anecdotes historiques, legendes et apologues tirés du recueil inédit d’Etienne de Bourbon, Paris, 1881, comentou o tema do exemplo acima transcrito. Etienne de Bourban era dominicano e contemporâneo de Luis IX, São Luis de França, 1215-1270. Já encontrou popular a lenda, registando-a, talqualmente a conhecemos. Schiller aproveitou-a numa balada famosa, Der Gang nach dem, Eisenhammer, onde um pajem do conde de Saverne, invejado por seu companheiro Roberto, é mandado perguntar a uns ferreiros se já cumpriram as ordens do senhor, senha para ser arrojado aos fornos. Fridolino, o pajem, fica ouvindo uma missa e Ro-

berto, impaciente, vai perguntar aos ferreiro o destino da ordem comital, sofrendo castigo me recido. Gastão Paris estudou o conto, desde sua origem oriental até a multiplicação temática euro peia, Romania, tomo V, 254. Em Portugal, in forma Puymaigre, o assunto é tratado por Fran cisco da Fonseca Benevides, Beynas de Portugal, 1, 178, e Gonçalo Fernandes Trancoso, no século XVI, incluiu-o no seu Os tres conselhos. O mot domo-mor, caluniado, leva a carta de Urias, como a chamamos, e será enforcado pelo destinatário. Cumprindo um conselho, dorme onde a noite o alcançou e um preto, que o hospedara, substi tuiu-o, entregando a missiva e sendo justiçado. Ocorre ainda na Historia de la vida, muerte. milagros, coronacion y trasladou de santa Isabel, sexta reina de Portugal, por dom Fer nando Correa de Lacerda, Lisboa, 1680. O avô materno del-rei dom Dinis, Afonso X de Castela e Leão, o Sabio, (cant. 78) já contara o facto no seu Cantigas o looreos y milagros de Nuestra Senora, relatando-o como de um conde de To losa. Timoneda, do tempo de Fernandes Trancoso, registou-a no Patranuelo, XVII. Uma das fontes incontestadas é o Katha-Sarit- Sa gara, Somadeva-Batta, Ocean of the streams of Story, reunião de lendas, mitos e tradições indianas. Emanuel Cosquin, Estudes Folklorique s(recherches sur la migrations des contes populaires et leur point de départ). Paris, 1922, 75>, igualmente regista, dando um elemento para 0 Motif-Index of Folk-Literature, do prof. Stith Thompson, J 21.17, Stay at church untill mass is finished, IV, 15. (CASCUDO

Maria Sabida – Charles Perrault

Ë a Maria Sutil, Dona Vintes, Dona Esvin-tola, popularíssima em Portugal onde dom Francisco Manuel de Melo a citava: Eu cuido que vireis a ser aquela

…Dona atrevida, Doce na morte E agra na vida

que nos contam quando pequenos. Ë a Dona Pinta, o XII da coleção que Sílvio Romero coligiu no Brasil, versão de Sergipe. Silva Campos divulgou uma outra, do recôncavo baiano, O rei doente do mal de amores, LXIX do Contos e Fabulas Populares da Bahia no O Folk-Lore no Brasil, de Basílio de Magalhães, Rio de Janeiro, 1928. O prof. Aurelio M. Espinosa registou quatro variantes, em Espanha, La mata de alba-haca, Toledo, Segóvia e Granada, e Las très hijas dei sastre Burgos, 1, 2, 3 e 4. Na terceira, de Granada, há o dito: Ay, Mariquilla, durce tienes la muerte y agria la vida. Na Dona Pinta: Ah! minha mulher, si depois de morta estás tão doce, que faria quando eras viva! Perrault deu expressão literária a esse conto no Adroite Princesse ou Aventures de Finette.

 

Contos de Exemplo – Os melhores contos Populares de Portugal

E’ um dos contos antigos e amados na península ibérica. Da origem oriental atesta o livro do “Conde Lucanor”, de dom João Manuel, século XV, onde (Exemplo XXXVI) um mercador compra um conselho: -— “quando ficardes em cólera, querendo agir inconsideradamente, demorai até o conhecimento da verdade”.

A VERBA DO TESTAMENTO

COMO se conta de um homem, que tinha uma filha bastarda; quando veio a hora da morte, fez um testamento e disse: — Leixo a foam por meu herdeiro, e mando que dê a ‘inha filha, pêra seu casamento tudo aquilo que êle quiser de minha fazenda.

O boi bragado – contos de exemplo

É versão simples de um conto muito popular em Portugal. Boi Cardil na ilha da Madeira e no Algarve (Teófilo Braga), Boi Rabil em Coimbra, registado por Adolfo Coelho. Em ambas as versões há versos, sendo em formapoética a madeirense, Contos Tradicionais do Povo Portuguez, 58.°, Contos Populares Portuguezes LVI, Romanceiro do Archipelago da Madeira, p. 273. No Brasil, encontrei uma versão no Natal Querino, vaqueiro do rei, e outra foi-me enviada das Alagoas, O boi leição, figurando ambas no meu Contos Tradicionais do Brasil. Na Espanha ha El toro barroso, de Soria, 48.° do Cuentos Populares Españoles do prof. Espinosa. Teófilo Braga, notas, II, 207-208, indica bibliografia. Versões semelhantes são apenas a siciliana de Laura Gonzenbach, uma cabra em vez do boi, o Scheik Chehabeddin no “Quarenta Visires”! Os demais parecem variantes. A origem oriental está notoriamente documentada. Fábula V da terceira “Noite” de Straparola.



11


Início