PÉ-DE-GARRAFA – personagem folclórico do Vão do Paraná



pé de garrafa folclore

PÉ-DE-GARRAFA

O Vão do Paraná, aquele grande vale de sessenta léguas, formado pelas ramificações que correm para o Norte do Estado, do espinhaço da Serra Geral, é o "habitat" do Pé-de-Garrafa. Coberto de extensas florestas, verdadeiras muralhas verdes que abrigam os cursos dos rios, o Vão do Paranã é uma região misteriosa, em que o homem se sente assoberbado pela natureza. Metido na mata sombria, remendada aqui e ali por pedacinhos de céu azul, o homem sente-se penetrado de terror da natureza.

E o estalido da folha seca que o mateiro pisou cauteloso, o pio agudo dum pássaro, o farfalhar das mantilhas de folhagem seguras dos ombros altos dos troncos, ao sopro do vento — o fazem estremecer e arrepiar.

A mata com seu exército de troncos impassíveis, com… seus ruídos misteriosos estofados de silêncio é deveras assombrosa.

A imaginação aí fervilha. E o terror cria duendes e gênios que povoam os recessos intrincados e sombrios e trançam nas encruzilhadas dos caminhos. Se o caminheiro topa dois galhinhos cruzados em seu trilho, salta-os se benzendo — foi o Saci que os dispôs assim no caminho.

Se o ouvido alerta escuta um grito agudo, estaca anelante, pálido. Repetindo, retrocede apavorado — é o Pé–de-Garrafa, o gênio mau da mata, corpo de homem, preto, umbigo branco, um pé só em forma de fundo de garrafa. Vive gritando pelas inatas à procura de caminho. Não se deve responder, senão vai aproximando, aproximando… e ninguém sabe, mas deve suceder algo horrível. Habita só nas matas fechadas. Lenhadores, caçadores e viajeiros já ouviram seus gritos pavorosos, ou pularam agoniados seus grandes rastros no chão úmido.

Outros entretanto informam que o Pé-de-Garrafa é assim: tem um chifre só na cabeça, um olho só na cara, uma única mão com garras, e um pé só redondo como fundo de garrafa, que lhe dá o nome.

Se alguém o encontrar, declaram estes informantes, é um perigo: torna-se uma fera terrível e só se pode acertar o tiro no umbigo, único ponto branco vulnerável.

Contam até que um fazendeiro, passando por uma mata vizinha de sua fazenda, ouviu o grito do Pé-de-Garrafa. Como era valente e não temia nada, respondeu com outro grito. O grito então veio se aproximando, aproximando, cada vez mais forte, mais pavoroso, até que o fazendeiro horrorizado esporeou o animal, abalando pela estrada a fora, à toda, chegando esbaforido à fazenda, onde contou o caso.

José A. Teixeira: Folclore Goiano. 2.a edição, Brasiliana, Vol. 306, Cia. Editora Nacional, São Paulo, 1959, pp. 300-301.

Fonte: Estórias e Lendas de Goiás e Mato Grosso. Seleção de Regina Lacerda. Desenhos de J. Lanzelotti. Ed. Literat. 1962

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início