FERNÃO LOPES – criador da prosa portuguesa




FERNÃO LOPES (1387-1450?) — "É o maior dos mais antigos cronistas, — escreve João Ribeiro — é o criador da prosa portuguesa e o primeiro exemplar do estilo da História". Fernão Lopes, de fato, supera os que, na época, manearam a nossa língua. Como historiógrafo, mantém-se adstrito à verdade e narra singela mas convictamente os fatos, deixando de parte os que lhe pareciam insuficientemente comprovados. "Pode dizer-se — conceitua Mendes dos Remédios — que as obras do grande historiador são o que a Idade Média nos legou de mais perfeito". Como guarda do Real Arquivo, mais tarde Torre do Tombo, o velho cronista-mor do Reino pôde escrever as apreciáveis obras, cujo texto tem sido objeto de meticulosos estudos. São elas: Crônica d’El-Rei D. João 1, Crônica do Senhor Rei D. Pedro I e Crônica do Senhor Rei D. Fernando. Críticos modernos atribuem a Fernão Lopes a possível autoria da Crônica anônima do Condestabre e deve haver outros trabalhos seus, de que talvez se tenham valido os sucessores no ofício, Zurara e Rui de

Pina É certo, em suma, que é êle "o principal prosador medieval", como assevera Fidelino de Figueiredo e"o primeiro que mais dignamente escreveu a História na Europa", consoante à opinião de Dias Gomes, apoiada por Ferdinando Denis.

Fernão Lopes

Uma Caçada (Séc. XV)

El-Rei Dom Fernando era muy queremçoso de caça e monte homde quer que sabia que os havia boons, filhamdo em ello gramde prazer e desemfadamento; e porque o certificarom que em terra da Beira, e por riba de Coa, avia boons montes dhussos e porcos em gramde avomdança, fezsse prestes com toda sua casa, e da Rainha, e muytos monteiros, com sabujos e alaaos, e levou caminho daquela comarca. E fazemdo em elles gramde matamça, acomteçeo huum dia que o Iffamte se encontrou com huum muy gramde husso, e jumtousse tamto a elle pollo ferir amamtenente, que o husso firmou bem seus pees, e levantou os braços por o arrevatar da sella, e o Iffamte quando esto vio, empicotousse tamto sobre a sella que foi de todo sobre o arçom deamteiro e o husso temdendo as pomtas das maãos pollo filhar, alcamçou o arçom derradeiro da sella tavarenha segundo en-tonçes husavom, e arramcou o arçom com uma gramde aljava da amca do cavallo e o Iffante por todo isto nom o leixou, e assim sem arcom e com o cavallo ferido, voltou sobrelle pollo remessar, e nunca se delle quitou, ataa que sobreveheram outros, e lho ajudarom a filhar nas azcumas.

(Crônica de D. Fernando, ed. de M. dos Remédios, apud Joãõ Ribeiro, Selecta Cláss., 4.a ed., pp. 55-56).

Obras

Fonte das Obras: Wikipedia

 

 

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início