MANOEL DE CARVALHO PAES DE ANDRADE



Biblioteca Academia Paulista de Letras – volume 7.

História da Literatura Brasileira TOMO I. vol 3.

 LIVRO PRIMEIRO Época de Transformação (século XIX) 2º período (Fase Patriótica)

Artur Mota ( Arthur Motta) (1879 – 1936)

CAPÍTULO IV (continuação)

OUTROS FAUTORES DA INDEPENDÊNCIA

MANOEL DE CARVALHO PAES DE ANDRADE

Nasceu em , entre 1774 e 1778, a 21 de dezembro e faleceu no Rio de Janeiro a 18 de junho de 1855. Era filho d< Manoel de Carvalho Paes de Andrade e D. Catarina Eugenia Ferrein Maciel Gouvin.

BIBLIOGRAFIA

1) Análise do projeto do governo para as províncias confederadas e que a; deve reger em nome da Soberania Nacional das mesmas províncias. — Rio d( Janeiro, Tip. Nacional, 1824, 8 págs. in foi. É o número 7.314 do Catálogo ãi Exposição.

2) Projeto de Constituição para as províncias confederadas. Na "Rev. do Inst. Hist."; Contrariedade ao Libelo formulado contra M. de C. P. de A. — tomo 30; pág. 167.

FONTES PARA O ESTUDO CRÍTICO

 Dias Martins (Padre) — Os mártires pernambucanos.

 Pereira da Costa (F. A.) — Dic. biog. de pernambucanos célebres, pág. 653.

 Sacramento Blake — Dic. Bibliog. Brasileiro, 6.° vol., pág. 46.

 Ulysses Brandão — A Confederação do Equador.

NOTÍCIA BIOGRÁFICA

Na mocidade transferiu-se para Portugal, a convite do tio; mas, em conseqüência da invasão francesa, abrigou-se na Ilha da Madeira, onde pouco se demorou. De volta a Pernambuco entregou-se à carreira comercial.

Tomou parte ativa no movimento revolucionário de 1817, reve-lando-se corajoso e intransigente, clamando pela "Republica e só república e morra para sempre a tirania real".

Com o malogro da revolução, refugiou-se nas matas de engenho SanfAna da freguesia de Jaboatão, até que conseguiu embarcar para os Estados Unidos da América do Norte.

Decretada a anistia geral de 1821, volveu aos pátrios lares e foi nomeado para o cargo de intendente da Marinha.

Após a proclamação da Independência e do ato que dissolveu a Assembléia Constituinte, foi nomeado para o novo conselho do governo de Pernambuco, sendo eleito presidente; e opôs-se, com resultado, à nomeação do presidente Francisco Paes Barreto. Obtida essa vitória, negou-se a jurar a Constituição, sendo deposto e preso na fortaleza do Brum, cuja guarnição se revoltou e o restituiu à liberdade, sendo ele reintegrado na presidência do governo da província. Revelou-se prudente e respeitador da opinião pública, mas inflexível em aceitar a Constituição.

Pôs-se à frente do movimento que visou implantar a Confederação do Equador no Brasil. Dirigiu veemente proclamação ao povo, mas não encontrou entusiasmo por parte dos patrícios. Quando o Brigadeiro Lima e Silva sitiava a cidade de Recife, ele procurou asilo na fragata inglesa Tweed e partiu para Inglaterra, por não haver conseguido uma capitulação honrosa.

Ele, que já havia sofrido o seqüestro dos seus bens, em 1817, teve a casa invadida e saqueada por tropas imperiais em 1824.

Manteve-se no exilio de 1821 a 1831, quando se verificou a abdicação de D. Pedro I. Volveu à pátria, sendo) alvo de entusiástica manifestação popular, quando chegou a Pernambuco, em 11 de dezembro de 1831.

Eleito por Pernambuco para a Câmara dos Deputados, não chegou a tomar posse, porque Paraíba também o elegeu para o Senado, sendo o seu nome escolhido na lista tríplice. Era, então, conselheiro do governo e mereceu a nomeação para ocupar interinamente a presidência de Pernambuco, pelo governo da regência. Pacificou os amotinados, extinguindo a guerra dos Cabanos e recebeu estrondosa manifestação de apreço por parte do povo e da Câmara Municipal, com festejos populares e espetáculo de gala no Teatro Nacional, onde se representou o elogio dramático "O Brasil Triunfante", do qual era protagonista.

Quando Carneiro Machado conseguiu levantar uma pequena sublevação contra ele, conhecida pelo nome de carneirada, verificou-se um episódio digno de transcrição. Carneiro intimou-o a deixar o governo, "por ser Carvalho madeira velha"; ao que ele retorquiu imediatamente: — "Carvalho é madeira velha, mas cozinha bem um Carneiro".

Voltou a ocupar o seu lugar no Senado, onde militou no partido que sustentava a maioridade.

Era republicano por princípios e um dos heróis da Independência.

Comentários

comments

Mais textos

Sem comentários - Adicione o seu

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início