Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

O pensamento vivo de Spinoza apresentado por Arnold Zweig


Spinoza – Por Arnold Zweig

Tradução e Notas de Gastão Pereira da Silva
Fonte: Livraria Martins Editora

O AMBIENTE

1) PIONEIRO DA HOLANDA

O menino Baruch Spinoza nasceu em Amsterdã numa época em que o pensamento livre se desenvolvia, arrojadamente, conquistando o mundo. Reinava ainda, na Inglaterra, Carlos I Stuart, mas já batia às suas portas, para logo depois assumir o poder, Oliver Cromwell. Os onze anos de governo republicano que se seguem, são contemporâneos de Spinoza.

Essa época assinala um acontecimento inaudito na história. Um povo processa o seu próprio rei e depois o decapita, alegando inépcia do soberano nos destinos da administração do país (1).

(1) Realmente pela primeira vez na Inglaterra, um soberano, altamente influenciado por dois ministros, Búkingiane, Strafford, um bispo, Land, e pela sua própria mulher, Hcnriqueta de França, desencadeia violenta oposição ao Parlamento, tornando-se depois déspota, numa ocasião em que a luta religiosa, chefiada por Olivei-Cromwell, empolgou o povo inglês. Subindo este ao governo, o rei foi, depois de haver sido considerado como traidor, executado em Whitehall. Daí seguiu-se uma re» pública que teve vida breve, (N. do T.).

Spinoza é então um jovem talmudista, contando apenas dezessete anos de idade. A República, entretanto, naufraga. Carlos II sobe ao trono inglês. Mas, o mundo não esquecera o cadafalso de Whitehall. A outra vizinha da Holanda, que determina o destino da época de Spinoza, a França monárquica, está, no entanto, nas mãos de dois grandes arquitetos políticos: o cardeal ministro Richelieu e o rei Luís XIV. É à sombra dessas duas poderosas personalidades que se desenvolve a vida de Spinoza. Porém, este não deixa, jamais, as fronteiras da sua pátria holandesa.

Primitivamente, os Países-Baixos eram constituídos por dezessete províncias que faziam parte integrante do império espanhol. A indústria, o comércio e a navegação converteram aqueles países em um dinâmico da Europa, geográfica e politicamente bem mais poderoso do que se poderia esperar da sua própria extensão, incluídas ainda a atual Bélgica.

A feroz intransigência com a qual o catolicismo intentava, também, reprimir, nos Países-Baixos, os movimentos protestantes de liberdade de consciência, só hoje se pode apreciar, devidamente, tendo-se em vista a intolerância selvagem do racismo hitleriano, que persegue e se esforça em exterminar, na Alemanha e no mundo, a liberdade de espírito e o direito a uma crítica democrática.

Tal acontece com o racismo de hoje, o governo espanhol ficava insensível aos prejuízos que aquele fato causava a si mesmo. No último quartel do século XVI, as sete províncias setentrionais dos Países-Baixos se desmembraram da Espanha para Utrech.

Compreendemos agora, testemunhas que somos do heroísmo espanhol contra o terror, da superioridade de forças e da ditadura, a luta que sustentaram os protestantes, durante oitenta anos, pela sua independência sem desfalecimentos, diante do sacrifício supremo das vítimas que tombavam para sempre.

Em verdade, foi através dessa coragem moral e física, com as quais o povo holandês soube manter a guerra contra aquela potência mundial, que a Holanda se vê hoje independente e livre (2). Desde então pôde prestar, à humanidade, serviços inestimáveis de valor histórico universal, tornando-se o refúgio de todos os perseguidos; ou melhor, a pátria do espírito progressista e que, por isso mesmo, aspira à liberdade (3).

(2) Já não livre. Quando escrevemos estas linhas, a rainha Guilhermina parte para o exílio com a fé inabalável em Deus de que a sua Pátria voltará em breve e ser novamente livre. Caiu agora nas mãos dos alemães que tomaram essa nação heróica, como vão tomando tantas outras, numa fúria cega de conquista, que nos faz regredir, espiritualmente, aos tempos medievais (N. do T.).

(3) Infelizmente não é mais assim pelos motivos ex-postos na nota anterior (N. do T.).

Sua poesia e sua música atingem hoje as culminâncias da glória e nenhuma outra pintura subiu tão alto como as de Rembrandt, Franz Hals, Vermer Van Delfit. Os holandeses, conquistadores do mar, caldeados por este selvagem elemento e por sua tenacidade e amor à liberdade, vivem, no tempo de Guilherme de Orange e João de Witt a sua grande época. Eles criam a Companhia de Comércio das Índias Orientais. Desembarcam no continente americano (4) e fundam a Colônia da Nova AMSTERDAM, que hoje se chama NOVA YORK. Tomam posse do extremo sul da África e constroem a cidade do Cabo. O holandês Tasman contorna a Austrália e descobre a Nova Zelândia e a Tasmânia.

Os grandes almirante Tromp e De Ruyter não só aniquilam a frota espanhola, como também derrotam a inglesa.

"(4) Lembremo-nos daquele sopro de espiritualidade e de beleza que nos trouxe Maurício de Nassau ettdj» sua esplêndida comitiva de artistas que até hoje tem provocado um dos debates mais belos entre os entendidos da nossa história (N. do T.).

Os Estados protestantes tão depressa são amigos da jovem República, como também lhe declaram guerra, enquanto a revolução puritana dá ao reino inglês um novo impulso, e um genial guerreiro, Oliver Cromwell, assume o poder na Grã–Bretanha, fixando um termo, quanto à expansão da Holanda. Esta retrocede ao segundo lugar na luta pela primazia marítima, pelo domínio dos mares. Resta-lhe, entretanto, bastante espaço ainda para dar amplitude às atividades e às riquezas de suas sete províncias.

A paz de Westfalia, pondo fim à guerra dos trinta anos cria, ao mesmo tempo, a Suíça livre e marca, em 1648, a derrota da Espanha. Mas, ainda agora, quando passa a ser a inimiga da França de Luís XIV, a jovem república encontra ainda a paz à sombra da Holanda. Batavos e os naturais da Frísia, educados em Roma e instruídos espiritualmente pelo cristianismo, incorporam-se para sempre à Reforma, à liberdade de pensamento e à luta do saber humano contra os privilégios feudais e a tutela escolástica.

 2) A ADVERSÁRIA — ESPANHA

A maior adversária dos novos tempos se encarnava no Estado totalitário dos HABSBURGOS de Espanha e na Igreja espanhola. Sob esse império, o sol nunca se escondeu de Espanha. O afluxo de ouro, que lhe vinha das colônias americanas, duplicava sua importância na indústria, na agricultura e, mesmo, na própria metrópole. A sua infantaria, a melhor do mundo, permitia, no entanto, que se tivesse uma impressão falsa do seu justo valor, pois não se levava em conta a força de movimento que aí era representada, através de tendências e influências estrangeiras.

A população da península ibérica era a mais misturada da Europa. Sobre a base primitiva, construída pela raça antiga dos iberos, cujos traços atuais são os vascos, instala-se após as guerras púnicas, a imigração militar dos romanos depois de a Espanha ser arrancada das mãos dos fenícios que durante um milênio, se incorporaram à grande civilização semítica da bacia do Mediterrâneo.

Uma fina camada da nobreza gótico-ocidental e vandálica desarticula os romanos. Estes porém, como é sabido, através de seus impérios, são vencidos pelos árabes e mouros unidos, que se achavam, por sua vez, misturados, há muito tempo, com os judeus, desde quando vieram, reunidos, da Arábia, com numerosas estirpes judaicas do norte da África.

Por alguns séculos, a civilização da península ibérica tornou-se de novo, árabe e judia, ou melhor, semítica, constituindo a mais elevada e avançada cultura da Europa, através do amor à ciência e às artes, do seu vínculo à filosofia antiga, à antigüidade clássica, à medicina e sua técnica, ao comércio e às finanças.

A transigência nos domínios da fé era exemplar, ampla, modelar. Assim se manteve, até o fim, em todo o território mouro do país. Mas, o Islam, recalcado por todos os lados, sobretudo pelo período mais conhecido das Cruzadas, com o domínio das monarquias cristãs, estendeu-se, progressivamente, do noroeste da península até o seu extremo meridional.

E, quanto mais católica era a Europa, tanto mais intransigente e intolerante se mostrava. Como a nobreza conquistadora precisava de um meio para despojar e afastar do país, até mesmo estes que, judeus e árabes de nascimento, haviam já abraçado o catolicismo, imaginou o princípio da pureza do sangue, servindo-se para isso de um instrumento: o Tribunal da Santa Inquisição (5).

(5) O autor, para defender o seu ponto de vista, faz algumas confusões no tocante à história das instituições oíanholas. Assim, existe aí uma inexata interpretado daquilo a que ele chama pureza, com as decisões do santo ofício e as expulsões (N. do T.)

Por esse meio, não foi fácil manter-se uma luta secular entre poderosos e humildes e expulsar da pátria espanhola os judeus, os mouriscos e os cristãos novos (marranos) (6).

Com eles, abandonaram o país a liberdade espiritual, a vontade de pensar, a atividade econômica, artes e ciências, ficando depois a nação que foi livre, escravizada, durante séculos, à exploração econômica de italianos e alemães. Teve isto lugar no fim do século XV, época em que o velho império cristão de Bizâncio passava para as mãos dos turcos, e Cristóvão Colombo, financiado e acompanhado de judeus, para não dizer, mesmo, que ele, Colombo, tinha procedência judaica (veja-se Blasco Ibanez) (7), arriscava-se, audaciosamente, pelo caminho ocidental das índias, descobrindo, por acaso, a América.

(6) Designação injuriosa que se dava aos mouros e judeus (N. do T.).

(7) O testemunho de um novelista não deve servir de base para uma anotação histórica (N. do T.).

Alguns milhares de famílias judias deixaram, então, cheios de preocupações dolorosas e de melancolia, a península ibérica procurando, inquietas, outras grandes cidades marítimas: Livorno, Salônica, Hamburgo e Amsterdam. Nestes lugares, os recém-vindos formaram, desde logo, uma frente antiespanhola, sobretudo nos países que já haviam pertencido à Espanha. Contudo, sob o ponto de vista cultural, continuaram aristocratas e burgueses hispano-hebreus.

A maneira de pensar já se achava determinada pelo mesmo desejo fervente de uma estrita ortodoxia, que a Igreja Católica exaltara na Espanha. Temiam e odiavam a dúvida, o cepticismo e a heresia, tanto quanto os seus antigos companheiros cristãos. Entretanto o espírito livre que arejava a Europa ameaçava dissolver a comunidade dos judeus.

Mas, como esta, no curso de três gerações, havia sofrido terrivelmente, por causa da sua origem, revestia-se agora, como nunca, da fé judaica e do ardor messiânico de Israel e por isso sentindo-se forte, acreditava que coisa alguma neste mundo poderia diminuir ou afetar a sua força.

Destarte, continuaram a luta que haviam começado na Espanha contra a inteligência crítica e a investigação livre. Esta maneira de proceder era talvez a herança que lhe ficara de uma época remota de liberdade e mesmo de felicidade. Dentre as famílias, que foram, assim, transplantadas de Portugal e da Espanha para a cidade de Amsterdam e que traziam no sangue a semente do pensamento, estava a de D’, ou de , em cujos antepassados se contam alguns soldados e alguns cardeais.

3) O SOPRO DO ESPÍRITO

O poder do espírito agitava, agora, poderosamente, a atmosfera européia. O impulso vinha do humanismo, resultante daquele Renascimento italiano que havia destruído o homem medieval para dar à luz, por assim dizer, o homem moderno. Navegantes espanhóis, que deram a volta ao mundo, demonstravam a redondeza da terra, contribuindo assim para colocar a imagem do Universo de Copérnico no lugar do sistema de Ptolomeu.

O escritor político florentino Niccoló Machiavelli já havia escrito, com um realismo grandioso, a natureza do homem, do poder, do Estado e das forças sociais, apresentando assim uma visão panorâmica da política, tal qual era no seu tempo. O monge Martinho Lutero tinha estabelecido a soma de todos os descontentamentos que, durante séculos, suscitara a Igreja, e à hierarquia opôs o princípio das relações diretas com Deus, apoiados sobre a Bíblia e sobre uma comunidade religiosa livre… até que a traiu em favor de pequenos príncipes.

Mas, apesar disso, nos países que haviam seguido Lutero e o seu protestan-lismo, foi possível, desde então, a liberdade e a investigação espiritual, em lugar da intolerância religiosa. Por outro lado, os efeitos explosivos do pensamento sacudiram todos os edifícios ideológicos, erigidos, segundo certos princípios autoritários.

O antigo monge Giordano Bruno, que emigrara por amor à verdade e à investigação, negava, por sua vez, qualquer autoridade, ensinando o caráter infinito e perene do universo que anima um instinto universal e eterno da evolução, substituindo a religião cristã por uma religião natural, procurando demonstrar, com isso, que todas as religiões não passam de uma mistura de símbolos e idéias supersticiosas.

Quando em 1600, preso e sem defesa, se viu ante o dilema de negar as suas teorias e ser salvo, preferiu confirmá-las e ser queimado vivo, em Roma, como um herético ou um marrano, mas afirmando, através da sua morte voluntária, a grandeza do pensamento humano. À figura de Giordano Bruno pode-se opor a personalidade de Francisco Bacon, que traiu a um amigo e praticou a venalidade, morrendo em 1626 como lorde-chanceler mas que, apesar de tudo, prestou ao progresso do entendimento tantos serviços? quanto os de Bruno.

Ao introduzir a experimentação nos domínios das ciências naturais, alicerçando-a sobre o conhecimento, só considerou legítimas as conclusões daí decorrentes. Submetendo, por outro lado, as reflexões do homem à autocrítica, mostrou que ele tem aí inúmeras causas de erros. A Francisco Bacon e seu compatriota Hobbes, que morreu em 1677, seguiu-se a geração dos pensadores e cientistas modernos, todos contemporâneos de Spinoza. Assim, em 1642 morria o italiano Galileu, em 1645 o holandês Grócio, em 1650 o francês Descartes. Em 1643, nascia o inglês Newton, em 1646 o alemão Leibnitz. Dentre eles, Galileu fundou a astronomia moderna, Grócio o direito dos povos, Descartes a filosofia, Newton a física com todas as suas irradiações e Leibnitz a matemática superior e a construção dum universo todo feito mônadas, cuja última expressão aliás, poderia ser denominada hoje, com segurança, íons.

No mesmo ano que Spinoza, em 1632, nascia o holandês Loenwenhoeek que foi o primeiro a observar ao microscópio o mundo dos infinitamente pequenos, preparando, com a sua descoberta, a biologia moderna. Assim, no ponto de união de duas épocas, observamos o mundo em que viveu Spinoza, apenas projetado da sombra de ontem para a luz de hoje, mas para a luz de um hoje eterno. 

II

O PERSONAGEM

1) OS ANOS DECISIVOS

 Os poetas sabem, e Sigismundo Freud confirmou de uma maneira grandiosa, o de que Rudyard Kipling se utilizou como epígrafe de sua última obra: "Dá-me os sete primeiros anos de uma criança e fica-te com o resto" (8).

O jovem Baruch Spinoza cresceu no bairro judeu de Amsterdam, que deve a sua fisionomia àquela gente chegada de Espanha e de Portugal.

(8) Parece que aí existe um ligeiro equívoco, ou talvez, falta de clareza no pensamento expresso por Arnold Zweig. Freud não teria confirmado a frase de Rudyard Kipling, senão inversamente; Kipling é quera confirma o postulado da psícanálíse. (N. do T.).

No centro de umas ruas, nas quais habitam pessoas de olhos escuros e que falam uma língua muito próxima do idioma espanhol, fica situada a casa de Miguel de Spinoza, comerciante conceituado e que desfruta de excelentes relações no mundo que o cerca. É um pai amável e carinhoso. Um homem de prestígio, A ele foram confiados, pela comunidade, altos cargos honoríficos.

A sua religião é liberal, ampla, sem nenhum constrangimento espiritual. Reconhece desde logo os altos dotes do filho Baruch e por isso lhe faculta os melhores professores, que ministram ao aluno um vasto ensinamento, colhido nas fontes do judaísmo. Essa educação espiritual só se torna fecunda, porém, depois do aperfeiçoamento da estrutura humana que a precede. A vontade de uma criança poderá ser quebrada pelos golpes rígidos dos educadores?

Será o mundo exterior atraente, ou hostil ao ser humano que o engrandece? Poderá o filho se modelar tendo em vista a figura do pai, ou deve se rebelar contra ele? (9)

(9) São perguntas que a psicanálise responde hoje através da experiência de sua técnica e do conhecimento de suas aplicações e que o autor pode explorar, porque se mostra, em muitos pontos e aspectos desta introdução conhecedor, da doutrina de Freud, revelando-se até mesmo muito simpático a ela. Não há, pois, razão de fazer essas perguntas desde que recorra ao "complexo de Édipo", com toda a sua constelação de reações (N. do T.).

Disto é que vai depender a maneira pela qual Spinoza terá mais tarde de elaborar toda a sua sabedoria. A criança vê que a morte ronda a pessoa do progenitor, porque este, vendo desaparecer os entes a quem mais amava, a quem estava também mais intimamente ligado, já não tem a mesma força. Estas pessoas queridas, que viviam na sua. intimidade, eram as mulheres que ele havia perdido. Quando o pequeno Baruch descobre o inundo exterior, encontra-se com uma irmã mais velha, Rebeca, à qual se une com verdadeira ternura filial. A mãe de Rebeca era a primeira mulher do pai de Spinoza e já havia morrido. Mas, Baruch, apesar dos (lidados da irmã, tinha ainda a mãe viva. Cresce sob a proteção desta, mas a perde, quando vai completar seis anos de idade.

Depois de decorrido algum tempo, o pai se casa com a terceira mulher. Mas, Baruch não precisa esperar para ver o desenlace daquela infelicidade paterna. A tristeza de um homem, a quem a morte lhe leva as próprias companheiras e que também tem de sobreviver aos próprios filhos, já se havia impregnado na alma, profundamente. Quando o pai morre, tem Baruch pouco mais de vinte anos, mas já estão no cemitério quatro das suas irmãs.

A íntima relação do menino Spinoza com sua mãe que, faz algum tempo, repousa, no cemitério de Ouwerkerke, morta entre os mortos, e à qual pede o filho as bênçãos maternas, como se ela estivesse viva, explica-se. Esta ligação constante com sua mãe nós a deduzimos de um fato particular. Assim, no momento em que se viu obrigado a deixar a casa paterna e também o seu bairro judeu, Spinoza vai morar bem em frente ao cemitério de Ouwerkerke.

É desse momento em diante que ele se desvia do mundo paterno. Dois traços de caráter constituem os brasões, por assim dizer, do pai de Spinoza: a religiosidade do judeu e o sentido do lucro, próprio ao negociante. Contra essas duas tendências se rebela o filho, à sua maneira, reprimindo ambas, não com ardor revolucionário, senão através de uma serenidade que se poderia dizer feminina, resoluta.

Sente-se cada vez mais em oposição ao mundo do judaísmo pela força do pensamento em seu cérebro. O mundo dos interesses comerciais e do lucro, não o empolga. Vive, durante toda a sua existência às expensas de particulares, que lhe facultam os meios pecuniários e de pensões recebidas do próprio governo do país. Mas, apesar disso, consegue pequenas somas de dinheiro, polindo vidros de ótica, que era, aliás, uma das suas ocupações prediletas.

Sabe-se que Spinoza não deixava de prestar certa atenção ao lado econômico da vida, porém sem nenhum resultado para ele. Quando rapaz, foi cobrar uma conta que certa senhora contraíra com o pai. Pois bem. Apesar de jovem, e de certas ironias, feitas no momento, pela devedora, Spinoza conta o dinheiro recebido e nota a falta de dois ducados. Sabe-se ainda que certa vez entrara também em conflito com um seu cunhado, por causa de uma herança, valendo-se do seu direito e recebendo a parte testamentária que lhe cabia (apenas uma cama e uma cortina). Não lhe era simpático o cunhado, porque este perdera a mulher de um aborto. Ela se chamava Míriam, a quem Spinoza, como irmão, dedicava muita amizade.

Esse matrimônio, no entanto, constituíra para a mulher uma feliz união e o teria sido ainda por muito tempo. Mas, em 1850, o médico I. P. Semmelweis descobre a causa daquela "fatalidade" nas unhas sujas das parteiras e dos parteiros que já entravam assim, com a morte, nos quartos das criaturas que iam ser mães. Outra experiência juvenil corta-lhe o caminho da bravata, do ataque revolucionário da rebeldia, tão comuns na mocidade.

Tinha sete anos apenas quando se cumpre na comunidade de Amsterdam o terri-vel destino de Gabriel ou Uriel da Gosta, nobre neocristão português que não conseguindo viver tranqüilo na casa paterna e cristã, em Lisboa, fugira com sua mãe e irmãs para "voltar" ao judaísmo. E, como a força do pensamento e da crítica não cessassem de atuar no seu espirito, levando as suas dúvidas e incertezas, na procura da liberdade, até mesmo dentro dos princípios do judaísmo, deu fim a própria vida com um tiro de pistola, depois de haver recebido os 39 golpes que os açoites fazem vibrar na carne dos penitentes, pecadores e arrependidos, e conforme o rito, depois de deixar o corpo nos umbrais da sinagoga, para ser pisado pelos pés dos que quisessem passar-lhe em cima, mas confirmando, por esse meio, todos os seus escritos e todos os seus pensamentos.

Onde estava o seu crime?

Ele buscava a certeza de Deus, porém os judeus espanhóis eram tão rígidos e crentes como os cristãos espanhóis… Na Holanda se humanizaram. Spinoza se apercebeu disto um dia. Mas, por outro lado, não deixou de adotar, como lema de todos os seus escritos, a divisa "CAUTO" (sê previdente) debaixo de uma rosa, marcando, assim, sub-rosa, o sinal do silêncio, quando escrevia.

2) RESIGNAÇÕES E RENÚNCIAS

As experiências domésticas de Spinoza foram completadas por outras, fora de casa. Estas experiências teriam sido, talvez, contraditórias. Mas, o destino, que o espreitava, reservou-lhe uma linha de conduta maravilhosa e de perfeita unidade na sua prodigiosa inteligência, o que ele agora procura fora, a doutrina e a ciência temporal, só poderá ser atingido através do conhecimento do latim.

Assim, depois de um curto preparo, ministrado por um professor alemão, ele se torna discípulo do melhor latinista da cidade, Franciskus van den Ende.

Este homem é o seu pólo oposto. Católico de nascimento, frade na juventude, dotado de uma alma impetuosa, passa da ordem dos agostinhos para a dos jesuítas que pretendem com as armas da disciplina, voltar a conquistar a vida para o catolicismo, impregnando-a de religiosidade.

Mas, as tendências da época penetram profundamente no espírito de van den Ende e, por isso, ele já não pode aceitar, tranqüilamente, o universo ideado pelos jesuítas.

O sentimento panteísta, a aspiração de uma alma para o mundo, o agita, e o transporta de Leyden a Amsterdam, onde, com a sua numerosa família, se firma como, professor de latim. Dos jesuítas, lhe ficou o gosto pelo teatro. O que ele consegue fazer representar, porém, não vai além das comédias de Terêncio, através das quais passa um sopro de paganismo e de verdadeira antigüidade. Nada de extraordinário haveria, se esse mestre de latim não conseguisse acli-mar-se numa cidade religiosamente calvinista, quanto Amsterdam.

Já idoso emigrou, então, para Paris, Ai instalou-se como médico, mas sem resultado. A França de Luís XIV não pode dar a aplicação a nenhuma de suas faculdades. Eterno rebelde, vè-se finalmente, envolvido, dois anos depois da morte do seu discípulo Spinoza, numa rebelião da nobreza, acabando na forca. Na casa do mestre, seus alunos descobriram, depois de haver aprendido a língua do pensamento clássico e da erudição contemporânea, a ação de Giordano Bruno, a influência de Hobbes e o conhecimento dos maiores pensadores do tempo, como René Descartes. Entretanto, uma outra experiência, mais importante ainda, sofre o espirito de Spinoza. Ele, agora, tenta conquistar o amor de uma mulher.

É nesse tempo, muito jovem ainda, um homem alto, face amorenada, bem vestido, risonho, mas tímido por natureza. Clara Maria, a filha de van den Ende, franzina, mas dotada de certo vigor intelectual, auxilia o pai, quando ele leciona. É contudo uma menina de onze ou doze anos. Dá, porém, a impressão de uma sensível maturidade espiritual. Mas é preciso ser assim e também ser criança para iluminar a alma sombria de Spinoza, que não tolera o mundo dos adultos,

Já em idade avançada, informa um amigo, Spinoza fala dela com uma grande afeição e a teria desposado, se Clara Maria não se mostrasse inclinada a gostar de um outro condiscípulo mais amável do que ele. Este, alemão de origem, fazendo-se médico, conformado, conhecedor do mundo, leva a moça para a sua cidade natal, Hamburgo, subtraindo-a, desse modo, do convívio de Spinoza. O casamento, entretanto, não é feliz e o casal começa a viver em graves desavenças. Spinoza retira agora da vida exterior uma grande parte das suas forças morais e humanas. Espiritualiza-se! Segue por um outro caminho, por uma outra possibilidade, por uma outra paixão. Contudo, o homem de carne e osso, que é Spinoza, há de se manter sempre intacto e jovial.

Como uma criança, diverte-se em prender aranhas entre os fios que elas tecem, ou então em pegar moscas para jogá-las dentro da rede das aranhas. Prevalece-se ainda do seu talento de desenhista para se retratar a si mesmo, semelhante a Masaniello, traindo assim o sonho da sua imaginação, ou seja o de se evadir da sua revolta secreta e do seu silêncio prudente para se arrojar na ação aberta e apaixonada de Masaniello (10) que, embora humilde pescador, revoltou o povo de sua pátria, Nápoles, contra o vice–rei espanhol, inimigo comum, sucumbindo, por isso, tragicamente.

(10) Mais conhecido pelo nome de Thomaz Aniello pescador em Amalfi, em 1623, assassinado em 1647 (N. do T.).

 Mais tarde, quando Spinoza já havia trocado o seu prenome, Baruch, por um outro, latino, Benedictus, e já se havia lambem acostumado a viver na miséria, passou a se apresentar mal vestido, entre gente pobre, simples e sem pretensões, como os seus míseros companheiros, fumando o seu cachimbo e conversando, de vez em quando, para distrair o espírito, sempre retraído e voltado para o silêncio.

Reside num quarto que apenas se distingue dos demais, porque nele existe uma porção de livros. Uma só vez tenta enfrentar o mundo exterior, protestando contra a barbárie e a violência, assassina e desalmada. Isto acontece quando ele já se encontra em Haia, no verão de 1672. Bandos armados do partido de Orange assassinam os irmãos de Witt, sendo João, o irmão mais velho, dignitário, patrício, amigo do espírito e das ciências, um dos políticos mais famosos do mundo daquele tempo.

Para exprimir o seu protesto, indignado contra o degolamento desse grande homem inocente e bom, escreve Spinoza as palavras "ultimi barbaroram" (o último em barbárie) numa folha de papel que pretende pregar na parede de um muro da cidade, durante a noite, próximo ao local do crime. Alguém o impede, porém, de levar a efeito aquele intento. E o filósofo chora, abafando, assim, o seu arrebatamento. Spinoza não sai mais à rua. Seu aspecto é agora, marcadamente, o de um judeu aristocrata. Sua figura é delgada, de membros delicados. A cabeça é ampla, a face é magra, o nariz um pouco curvado, as sobrancelhas arqueadas, a boca rasgada num largo traço, mas o lábio inferior é proeminente. A fronte é alta. Os olhos, uns olhos muito negros e grandes, têm um brilho melancólico.

Em geral, Spinoza é apresentado com os cabelos anelados, à maneira dos grandes pregadores. O modo de vestir-se de preto, com um peito de camisa branca, parece sublinhar em verdade, o seu aspecto eclesiástico. Mas existe também um retrato da juventude que nos dá a impressão de um magnata da Espanha, altivo e cheio de nobreza, de cabelos curtos e pequeno bigode, semelhante a esse colar de barba dos marinheiros, que vai de uma orelha a outra, deixando livres a parte superior do mento e das bochechas.

Infelizmente a autenticidade do retrato é duvidosa. Contudo, representa a fisionomia de alguém mais individualizado, que os retratos autênticos dos pregadores, com ps seus cachos bem tratados. Por isso, a figura em apreço, pela sua singularidade, deve corresponder melhor à origem de Spinoza e de sua obra.

No caráter dos pregadores há a expressão daquilo que lhe é inerente: o dogmático, bem como o traço teológico e uma certa secura no raciocínio, na abstração e na prosa, que podem vir, contudo, dos intérpretes; porque, tal acontece com os pregadores, eles escrevem unicamente em latim.

3) RUPTURA COM A TRADIÇÃO

Todo grande homem rompe, por vontade ou não, a corrente que o prendeu, enquanto foi fraco e vulnerável. É como um segundo nascimento, necessário para lhe dar a independência, a força, a coragem, a afirmação da própria personalidade. Em alguns homens geniais, este segundo nascimento só é expresso quando eles trocam de lugar. Assim, por exemplo Goethe, quando se muda de Francfort para Weimar ou viaja de Weimar para a Itália, ou Bonaparte quando é enviado da Córsega ao continente. Entre muitos outros, este renascimento se processa à maneira das erupções. Em Spinoza, o silencioso, o suave Spinoza, esse segundo nascimento é anunciado pelas trombetas, pelo patético arder de negros círios, pela claridade dos textos e do espírito do Velho Testamento.

Se apenas existissem no mundo comunidades judaicas ortodoxas, esta predestinação significaria, verdadeiramente, alguma coisa, ainda que só servisse para se passar a vida cantando, com a liberdade dos pássaros, mas curtindo fome.

Em torno da comunidade portuguesa de Amsterdã encontrava-se a cidade cristã, com a sua fisionomia própria e tradicional e, um pouco distante desta, algumas outras localidades nas quais as autoridades de Amsterdam não podiam intervir. Em julho de 1656, dois anos depois da morte do pai, e um dia depois da declaração da falência de Rembrandt, recai sobre Spinoza a excomunhão. Antes, porém, procuram ouvir as suas opiniões sobre a existência de Deus e o que ele pensa do caráter obrigatório do judaísmo ortodoxo.

Depois querem informações a respeito das suas conversações com os rabinos, que lhe eram, ou haviam sido afetos e como e porquê se considera judeu praticamente, sem fé, por um soldo anual de mil gulden, da mesma forma com que os judeus na Espanha haviam praticado também sem fé o cristianismo. É somente após a ruína de sua casa paterna e de se esgotarem todos os seus esforços que Spinoza rompe com aqueles princípios.

Mas, apesar disso, se sente profundamente ligado à sua origem e à sua educação judaicas e, assim, nunca teria voltado as costas ao judaísmo se essa comunidade, sempre ameaçada, o deixasse pensar livremente e consentisse que ele, por sua conta e risco, dirigisse a sua própria vida. Nunca cessou, no entanto, de se interessar pelo idioma hebraico, indo até mesmo às suas filigranas gramaticais, como se pode observar, aliás, na própria obra.

Destarte, afirmam certos conhecedores da filosofia, que, parte do seu pensamento, só se torna clara quando se convertem alguns vocábulos latinos em termos hebraicos, de que procedem. Mas, a significação do judaísmo está na observação de infinitas orações e preceitos que regulam o dia, a semana e o ano e que um espírito independente e livre não pode praticar, uma vez que tudo isto se lhe apresente vazio de sentido. Assim também lhe é impossível tomar a sério um calendário do velho ano lunar semita e fechar suas cartas no ano de 5420 da criação do mundo, porque este mundo já existia antes disto, há vários milhões de anos. Contudo, o universo espiritual do judaísmo tinha sua significação, tal como Spinoza o percebia, árvore possante, cheia de seiva, cujas raízes se projetam ainda até os tempos presentes, fora das escolas jesuíticas, da filosofia tomista, ou das concepções canônicas, como um vegetal gigante e sagrado da ciência antiga, que já floresceu, luxuriosamente, em Menfis e ou, Siracusa e Atenas, Antióquia e Alexandria, Jerusalém e Pumbedita.

O pensamento e o saber que aí se aprendem são antigos, a idéia do mundo é judaica e os métodos de compreensão dialética procedem daquela grande época em que a humanidade, aprendeu a deduzir logicamente, reconhecendo causas e efeitos como princípio da investigação, em lugar dá analogia e da sinopse. No mesmo plano, move-se o objeto do conhecimento. Os livros sagrados do Velho Testamento são completados e interpretados pelo ensinamento oral e seu natural prolongamento: os textos rabínicos.

Nisto se reconhece a necessidade de se enriquecer o fundamento do judaísmo com a filosofia contemporânea: afluências platônicas e aristotélicas são admitidas e insertas na rede de canais talmúdica. Por outro lado, o pensamento hispano-judeu não se privou jamais das fontes frescas da sabedoria. Foi com este saber e com esta formação que Spinoza resolveu olhar as coisas de maneira imediata e iluminar os textos, inclusive os mais sagrados, com a luz da razão, abrindo assim, um caminho que se some na essência de Deus e do mundo, através das camadas espessas das opiniões. (11)

Quando foi excomungado teve como companheiro João de Prado, que mereceu a mesma sorte porque ofendeu a Deus, comparando-o. com a natureza. Aí está um pensamento spinozista, expresso talvez com menor precaução, mas que nem por isso deixaria de ser a coisa mais natural deste mundo, aprendida pelo jovem Spinoza da própria antigüidade. (12)

(11) Não seria melhor através de dialética? (N.do t.).

(12) De fato, encontramos muitas outras fontes nas Spinoza sé inspirou. Assim, nas idéias de Moisés de Córdova (identificação de Deus com o universo); nas de Ben Gerson (eternidade do mundo); nas de Hasdai Cresças (matéria do universo corporificada em Deus); nas de Mai mônides (imortalidade impessoal) etc, etc. Mas, é preciso notar que tudo isto são fontes de inspiração — apenas — porque Spinoza, através da sua intuição maravilhosa, é ele mesmo, original, sozinho. Contudo, por esses motivos, não parece justa a explicação psicanalista que dá Arnold Zweig à idéia da filosofia spinozista (aliança, de Deus com a Natureza) (N. do T.).

Permaneceu, entretanto, sendo ele mesmo. É também um traço muito judaico, no seu radicalismo, a maneira silenciosa e inexorável com que se desviou do judaísmo. Depois de um golpe de adaga, ensaiado por um "vingador de Israel" e da excomunhão lançada em sua ausência, Spinoza só procura agora o ambiente formado por sábios cristãos e pelos heréticos holandeses chamados Rhijnsburger ou Colegiantes, considerados com desconfiança pela Igreja oficial Calvinista, mesmo antes de estar em condições de persegui-los.

4) A VIDA TRANQÜILA DO CAMPO

 A história da dissidência cristã é tão antiga quanto a história da própria Igreja. Por outro lado, a oposição entre a Santa Madre Igreja e os dissidentes, sempre foi violenta.Os sectários não querem renunciar à vida real, quotidiana, servindo-se apenas dos princípios do Cristianismo. Assim surgiram no catolicismo as ordens de monjas e de frades. Dentro dó protestantismo apareceram a revolta camponesa e o movimento do anabatismo. Ambos estes movimentos foram exterminados com sangue (caso Uriel da Costa).

Martinho Lutero, o novo papa, aviva o fogo da destruição. A partir de então os sectários se tornam pietistas, voltando-se para a introspecção, consagrando-se à contemplação, à interpretação da Escritura, segundo a própria maneira de ver. Assim procede, por sua vez, Spinoza. O conflito com o mundo exterior se estabelece sem ruído. Os que assim agem não deixam campo aberto aos seus adversários. Contentam-se com um mínimo de vida exterior e suprimem, por isso, os pontos vulneráveis do ataque.

A gente tranqüila do campo é do mesmo nível econômico de Spinoza. O camponês fica satisfeito com um mínimo de recursos materiais. Assim, os artesãos, os pequenos lojistas etc. Destarte, também, Spinoza, como ficou dito, vive polindo lentes e percebendo modestas pensões, que lhe dão os amigos (alguns o fazem por testamentos). Só mais tarde recebe a proteção magnânima, dispensada pelo regente de Witt, (13) de quem é amigo.

Os Rhijnsburger se adaptam perfeitamente à paisagem holandesa, estendida na relva, sob um céu muito claro, cortada de numerosos canais, por onde passam as águas generosas.

(13) Primeiro magistrado da república holandesa (N. do T,),

Do mesmo modo, Spinoza entra em perfeito acordo com essa natureza, na maneira suave com que sabe combater os seus acessos de tosse, procurando, nas essências das rosas, o remédio eficaz.

É na paisagem que ele aprimora a acuidade da sua visão intelectual e robus-tece o seu raciocínio. Externamente, porém, não se distingue dos demais. Participa das alegrias e tristezas dos outros, embora o seu espírito seja reservado e corresponda apenas ao eco do próprio silêncio, que lhe é inerente, e a calma que lhe vem da Baixa-Alemanha.

Nos seus últimos anos, Spinoza satisfaz o espírito com o ambiente que o cerca. Faz considerações sobre a prece, consoladora evocação que assinala a vida tranqüila de além-túmulo; adverte as crianças cujas ca-becinhas louras denunciam as casas dos pais, enquanto tira, do seu cachimbo, longas fumaradas, sentado à porta da sua habitação na paz da tarde.

Não foi Spinoza um homem viajado, como em geral se diz. Durante cinco anos reside em Ouwerkerke. Em 1660 passa para o feudo dos Rhijnsburger, no subúrbio de Rhijnsburg, vizinho da cidade universitária de Leyden. Três anos mais tarde muda-se para o povoado de Voorburg, próximo à capital de Haia e daí para a própria Haia, talvez por querer se aproximar de João de Witt.

Na formosa cidade, que conta numerosos parques e fontes magníficas, vive, primeiro, em Veerkay, na casa de uma valente mulher que, quando moça, conseguiu livrar da prisão o grande jurista Grócio. Mais tarde, Spínoza foi morar com o pintor decorador Van der Spijck, em Pavil-joensgrache, do qual possuímos, hoje, o melhor retrato do filósofo, que conta então, por essa época, trinta e nove anos.

O quarto, dividido por paredes de madeira que ele ocupa, com um teto de tábuas frágeis, e um pequeno espelho junto a uma janela, vai-lhe servir de câmara mortuária. A sua saúde começa a declinar. A tuberculose ou tísica, como se chamava em linguagem expressiva da época, não fazia parte, ao que parece, da sua herança. Vivendo em condições miseráveis e anti-higiênicas, não lhe é difícil respirar a poeira dos velhos livros, como aconteceu a Mo-zart, ou Schiller.

Assim, chega apenas aos quarenta e cinco anos de idade. No jardim da casa de Spinoza, em Haia, como também em outros lugares da Holanda, encontramos o busto de Spinoza. Porém, a sua vida verdadeira, a que não se acha ameaçada de morte, não tem lugar senão no mundo do pensamento e na solidariedade espiritual dos homens.

Já em vida, a correspondência e o círculo de relações que mantinha, formavam-lhe a aura propícia à sua grandiosa figura. São de suas relações homens como Hüygens, Leibnitz, Henrique Oldenburg, secretário da Royal Society Of Sciences, e João de Witt. O grande conde quer persuadi-lo de que deve dedicar um livro a Luís XIV, que lhe proporcionaria um vencimento anual bem apreciável. Mas, Spinoza recusa delicadamente, como também recusa o convite para ir a Heidelberg, que de maneira muito honrosa lhe fizera o conde Carlos Luís.

Uma boa palestra com amigos, de vez em quando, uma página de carta que escreve, um livro resumido, que manuseia, eis aí talvez as únicas coisas sobre as quais descansa o espírito de Spinoza. Pensar, ler, escrever, corrigir o que escreveu. Com isto ele enche o seu dia habitual. Para tanto, não precisa mais de quatro idiomas, que lhe são familiares: espanhol, holandês, hebraico e latim. Nas horas de pura filosofia, só este último.

Seus escritos capitais, especialmente a ÉTICA, não são manuseados, senão por amigos íntimos e de absoluta confiança. Só uma obra é publicada e divulgada com o seu nome, bem como uma outra que a propaga anonimamente. Mesmo assim tem com elas bastante aborrecimentos.

No TRATADO TEOLÓGICO-POLÍTICO consigna a sua profissão de fé e mostra uma grandiosa visão no tocante ao Estado e à Liberdade. Porque é Spinoza, como o seu amigo Witt, inimigo de toda ortodoxia e de todo absolutismo; ou, numa palavra, republicano esclarecido e democrata ilustrado.

Sem valorizar cm demasia as massas, na sua situação atual, luta, com a mais íntima convicção, para lhe assegurar, no mais alto grau, o seu desenvolvimento, desoprimíndo-a, o mais possível, do peso da tutela. Por causa disto, sofreu insultos selvagens, cem anos depois da sua morte.

Só nós os homens de hoje, podemos medir o que, em verdade, significou, durante esses cem anos, a palavra spinozista. Podemos traduzi-la agora por bolchevista. A essa palavra se atribuía uma audácia criminosa e sem limites, o desejo de rebaixar e de destruir tudo que era considerado sagrado, inclusive o ateísmo, e a hipocrisia.

Bastava que alguém tentasse se defender da acusação de "spinozista" para se ver em maus lençóis. Entretanto, novamente em nossos dias, homens como Freud e Einstein têm tido, corajosamente, a ventura dolorosa de chamar à sua responsabilidade, todo o atrevimento de um pensamento que abrindo, embora, caminhos novos para o futuro, vem custando, a cada um deles, uma soma incrível de sacrifícios cruamente curtidos, através do furor, da calúnia, das perseguições, da cólera e mesmo do ridículo.

Os ataques mais veementes contra Spinoza partem, principalmente, dos padres alemães. Não é necessário citar-se as suas expressões, porque o vocabulário, de que se utilizam, se assemelha, em vulgaridade, ao dos nazistas atuais; também, de igual modo, contra todos os que não aceitam os seus princípios. Semelhante à nossa época, que se tornou selvagem, depois da guerra de 1914, aquele tempo o foi, também em conseqüência da guerra dos trinta anos.

Os padres holandeses não se furtaram, |por sua vez, de atacar Spinoza que, senhor de uma alma sensível e solitária, necessitava, para suportá-los, menos da palavra, que da calma, conquistada pela própria força filosófica. Essa força nunca lhe faltou, assim, nos momentos adversos. Spinoza era, ao mesmo tempo, o mais sereno e o mais inabalável espírito entre os seus pares.

Por tudo isso, o "TRATADO TEOLÓ-GICO-POLÍTICO" havia de alcançar um grande êxito: foi incluído no Index da Igreja Católica, proibido em 1671 pela Igreja Oficial Calvinista da Holanda e, em 1674, pelos Estados Gerais; mas, apesar disso, (e talvez só por isso) era avidamente procurado e lido. Várias edições se sucederam, sob falsos títulos, apresentadas algumas vezes em tratados de medicina, outras vezes em obras históricas.

Alguns panfletos são ainda publicados Contra Spinoza e, no último ano de sua vida, ele interrompe a redação do seu novo "Tratado político" para enriquecer a nova edição do "Tratado teológico-político", com alguns esclarecimentos oportunos. Mas a morte retira-lhe, dolorosamente, a pena das mãos.Mal começa a se aperceber da sua enfermidade, e esta em marcha rápida (14) o leva deste mundo.

Morre em um domingo. É o dia 21 de. fevereiro de 1677. Tem, à cabeceira, o seu médico e amigo Lodewijk Meyer. Baixa à sepultura, no dia 25, na Nova Igreja de Spuy, embora nunca houvesse se convertido ao Cristianismo.Ao contrário de Schiller e Mozart, cujos funerais não tiveram acompanhamento, o seu, apesar do mau tempo, que então reinava, é assistido por alguns homens ilustres e seis carruagens seguem-lhe o féretro.

(14) Tuberculose galopante (N. do T.).

É destino do homem de gênio ser distinguido e esquecido das multidões; mas, em compensação, ele pode contar, sem reservas, com um pequeno grupo que lhe percebe, em vida, o sopro e a grandeza do seu espírito, garantindo-lhe, assim, a posteridade. No ano da morte de Spinoza, publica o seu editor de Amsterdã um tomo das obras póstumas, em que se inclui principalmente a ÉTICA mas que é proibido de circular, no ano seguinte. Contudo, é em vão que as forças reacionárias se esforçam para destruir o morto. Spinoza voltou a brilhar quando chegou o momento. Cem anos depois a Europa alcança a época que havia sido precedida por aquele gênio.E somados mais outros cem anos erigese-lhe um monumento em Haia. Não se pode exigir mais, quando se trata de um autêntico gênio.

 

III

A FISIONOMIA ESPIRITUAL

1) O TRAÇO FUNDAMENTAL: O AMOR DE DEUS

Mostramos, de começo, como Spinoza se afastou do mundo paterno e do judaísmo. Já, então, podemos dizer que ele nunca pôde perdoar a Miguel de Spinoza a morte de sua mãe. Agora, entretanto, em seu pensamento, a reconciliação com o pai celebra um triunfo inaudito, o que é, ao mesmo tempo, expiação dessa fatalidade que, na imaginação da criança, se processa como uma separação entre o filho e o pai, ou entre a filha e a genitora. (15)

(15) O autor quer se referir aí ao "Complexo de Édipo", exposto por Freud na sua doutrina. Depois de rompido esse "Complexo", o filho se reconcilia como o pai e a filha com a genitora, se essa fase edipiana é vencida normalmente. Antes, porém, o "Complexo de Édipo" tem, como prelúdio, um período, mais ou menos longo, em que as meninas têm como rivais a própria mãe e os meninos o próprio pai e de cujas rivalidades surgem ciúmes rancorosos que podem sucumbir em graves nevroses. No "Complexo de Édipo" está o cordão umbilical do indivíduo e que é cortado quando ele deixa a família para se converter em membro da comunhão social. Em muitos, o cordão lubsiste, ou não foi devidamente cicatrizado (N. do T.).

Em nenhum filósofo, de toda a história do espírito, sente-se Deus, com uma ação tão universal, com uma presença tão grandiosa e evidente, como em Spinoza. Ao mesmo tempo, é Deus que constitui o caráter essencial da sua filosofia. Nele está a união, ou melhor, a unificação e a fusão do princípio criador com o princípio fecundado e ativo. Deus sive Natura. Deus quer dizer Natureza. Isto constitui a fórmula básica de Spinoza.

Com essa fórmula ele se eleva, mágica c misticamente, ao princípio do Universo. Essa aliança de Deus com a Natureza representa, porém, aquela união e aquele matrimônio que, ao ser destruído, tornou tão aziaga a estrela da sua infância. Esta interpretação da sua concepção fundamental, não esmaece, no entanto, a força filosófica e, muito menos, invalida o pensamento filosófico spinozista.

Quem cresceu tanto como ele, no meio das comoções religiosas, bem podia ter-se tornado ateu e ser assim insultado durante um século, para ser elogiado no outro. Mas, para Spinoza a felicidade de estar ao abrigo de Deus é tão decisiva como para qualquer outro místico judeu, ou cristão. Ao mesmo tempo, a natureza real do homem e do inundo são para ele importantes, quanto para os seus predecessores e mestres, Bacon e Hobbes.

Nenhum traço de superstição mancha a sua concepção de. Deus. E, quando a moderna astrofísíca, e a teoria dos tons, sublimam todas as vibrações e forças que compõem o nosso universo, até o desmaterializar, ficam em acordo com a caracterização que dá Spinoza à sua "Natureza", quando reconhece que a diferença entre Deus e o Mundo é uma questão de pontos de vista. Aquele concebe como natura naturans a natureza ativa; e este, como natura naturata, a natureza produzida.Não é necessário explicar por que esse panteísmo grandioso exerceu influência tão decisiva sobre os poetas, as naturezas poéticas e sobre certos temperamentos.

Aqui, a essência fluida e criadora do pensamento se eleva à mais alta e lúcida claridade. Ela teria que deslumbrar e subjugar os alemães, entre os quais a luta pela verdade foi sempre mais forte que a apti-dão para lhe dar forma e aprendê-la. Por isso, a partir do século XVIII, Lessing e Herber, Goethe e Novalis, Scheirmacher, Schelling e Hegel foram os heráldicos redescobridores da grandeza de Spinoza, de sua originalidade, e de sua significação universal.

2) O MÉTODO GEOMÉTRICO

É preciso, entretanto, que se assinale aqui o fato de não haver Spinoza contribuído, de modo algum, para que aquele pugilo de sábios digerisse a sua filosofia e a assimilasse. O seu método expositivo, a célebre demonstração "more geométrico", de que se serviu, muito antes de escrever a ÉTICA, tem um duplo objetivo e um duplo efeito: assegurar, até à evidência, as idéias que devem ser conhecidas e excluir tudo que possa perturbar ou se misturar, em qualidade, com os elementos sentimentais e outras causas, que porventura venham a se imiscuir no ato de pensar.

Este é precisamente o traço principal da fisionomia espiritual de Spinoza, mas que hoje se considera como anacrônico e caduco. Sabemos, contudo, com que paixão a sua época se arrojava ao jogo das fórmulas matemáticas, ampliando, mesmo, os limites desta ciência, e, o que, para esse tempo, significava o nome de Newton. Ainda que não possamos nos subtrair ao prazer estético, inerente a este jogo geométrico e, quando, além disso, compreendemos o impulso para o maior e o melhor e consideramos, como resultado mental intransigente, numa época de fermentação e de ebulição, o esforço para conseguir, de um único princípio, a dedução lógico-matemática, — devemos felicitar o leitor atual deste método geométrico e lhe transmitir os pensamentos de Spinoza sem recorrer a ele.

 Isto é bem possível, de vez que não achamos conveniente expor a sua filosofia com todas as sutilezas e detalhes da época. Dela aproveitaremos apenas aquilo que fôr capaz de fazer vibrar o homem de hoje. Spinoza é um espírito dogmático. Por isso lhe é inerente dominar os seus leitores. Para ele tem importância edificar um sistema sem lacunas com o menor número possível de princípios básicos e de definições. Cada coisa tem desde logo ligação com outra, como na caracterização do macrocosmo do doutor Fausto: "Como tudo se move para formar o conjunto, o todo, cada coisa se agita e vive na outra! Como as forças celestes que se elevam e que se abaixam para caírem, por fim, sublimadas nas taças de ouro."

Assim, são precisos anos de aprofundamento e de reflexão interior para se encontrar os pontos de contacto de seus princípios fundamentais e outros tantos anos para se percorrer incansavelmente, as zonas do conhecimento, até se divisar o segredo da sua estrutura. Se não se consegue isto, se não percorremos esse terreno, então essas reduções, relações e provas, nos aparecerão como andaimes ou como aquelas hipóteses auxiliares, mediante as quais chegam os matemáticos, dedutivamente, a resultados verdadeiros.

Como exemplo das definições de Spinoza, tomemos as seguintes frases: "Por causa de si mesmo entendo aquilo cuja essência inclui necessariamente a existência; ou aquilo, cuja natureza não pode ser pensada senão como essência (sobre Deus) ou: "Entendo por corpo ou forma do ser (modus) que expressa, de certa e limitada maneira, a essência de Deus, considerado como coisa especial."

Se apresentarmos estas frases ao raciocínio vulgar, elas aparecem vazias de sentido, ou ainda, vazias como casca de um fruto, ou ainda mais, como mero exercício conceituai escolástico.

Mas, se recordarmos que, para Spinoza, Deus e Natureza são a mesma coisa, e que nele, Deus, está tudo o que existe, que o próprio Universo aí se encontra, então a primeira frase significa que esse Universo é a causa de si mesmo e não pode ser representado senão pela sua existência e não como criado, isto é, tirado do nada.

A segunda frase explica que. em todo objeto existente, está a essência de Deus, dentro da sua medida ou pelo caráter fundamental de extensão, participando, assim também de toda a extensão do Universo. Estes exemplos são extraídos dos princípios do primeiro e segundo volumes da ÉTICA. O primeiro dos quais trata, como se viu, "De Deus" e o segundo "Da natureza e origem do espírito." Como, porém, estes dois livros da ÉTICA devem ser comentados e interpretados, frase por frase, pois só assim serão compreensíveis a todos, deixamos de incluí-los na presente edição. Por esse método geométrico, por sua aplicação sutil, laboriosa e profunda dos princípios e das definições, com todo o sistema de atributos, dos modos e das formas da existência, passa Spinoza do pensamento medieval aos processos do pensamento moderno das ciências naturais.

Mesmo que a sua tese nos aparecesse, no entanto, desde logo clara, com as suas frases bem luminosas, teríamos que levar em consideração o conjunto do seu inaudito esforço: incluindo no mundo coerente e sem lacunas, um quadro igualmente coerente e construtivo do espírito e construindo ou refletindo, intelectualmente, o que existe, tornando-o utilizável e transparente ao espírito humano, da mesma maneira que uma obra de arte, cujo objetivo é o de se tornar permeável ao sentimento, à vida da sociedade humana.

3) O FILÓSOFO, ÓRGÃO DA SOCIEDADE

 Na economia da existência humana nunca é vão o sacrifício imenso que faz o filósofo quando subtrai do mundo dos objetos todas as faculdades que lhes são inerentes, como as de amor, atividade, luta, para as transformar em contemplações espirituais e compreensão intelectual. Ele transforma o curso dessas forças, crio o mundo com o seu raciocínio, luta Contra a totalidade, até obter desta uma nova totalidade, que é a interior, ou seja, a visão pessoal da imagem do mundo. (16)

Como prêmio a esta renúncia sublima-se no seu ser aquele ascetismo que Spinoza chama amor intellectualis Dei. Aí o filósofo se esconde, como aquele menino em uma urna, segundo o desenho, cheio de sentido profundo, do mestre Hans Thoma.

Numa urna de cristal está a criança. As superfícies desta e os seus ângulos lhe são familiares e adequados. Ela os vê do interior da urna e os compreende. Eis aí o segredo da intuição, da verdade que se revela ao espírito em estado de contemplação, sem se precisar assim das muletas da demonstração. Por esta contemplação, se opera uma união mística com a fonte primária do saber. Desta verdade intuitiva disse Spinoza que "é o índice de si mesmo e do erro".

(16) Mais claramente: introverte as forças reais do mundo exterior em forças interiores, espirituais (N. do T.).

Quando se diz que dois e dois são quatro, e que a côr laranja se encontra entre o vermelho e o amarelo, demonstra-se, num anunciado trivial, a mesma categoria desses fatos. Estamos convencidos de que, para preparar estas chispas de idéias, levou o cérebro humano dezenas de milhares de anos mim esforço continuado de meditação ininterrupta, tateando na sombra, desde os períodos da história primitiva e da pré-história, época em que o homem não havia linda penetrado na meditação ou mesmo numa simples associação de idéias. Para o homem atual, no entanto, a Intuição não necessita de prova. Ela é evidente, clara, irrefutável.Em axiomas e intuições, Spinoza constrói o seu edifício intelectual e lhe dá uma base.

O homem dispõe de dois meios de conhecimento. Um deles, pouco valioso; o outro, mais precioso, é o julgamento racional. A necessidade de um sistema chega até os nossos dias através de outros sistemas assinalados por épocas obscuras, mas que, nem por isso, deixaram de fazer bem à humanidade Nestas épocas já se acreditava ter atingido o homem a soma dos conhecimentos particulares que lhe podiam ser acessíveis.

Sabemos hoje, entretanto, que, precisamente, com a época de Spinoza é que se começou o estudo da natureza, da observação do mundo, do conhecimento do homem como um ser novo. É aí que este encontra sua verdadeira expressão na multiplicidade de disciplinas, na pluralidade das ciências, material imenso que se dividiu, partindo-se, separando-se e confundindo o saber humano. Naturalmente isto nada significaria se pretendêssemos atacar o saber humano assim decomposto, pois apesar disso é dele que tem vindo essa embriaguez da ciência, de conhecimento e de melhoramento técnico da vida.

E a nossa tarefa é agora idêntica, sintetizando, exortando, reunindo e unificando os pontos de partida dos grandes filósofos, através dos seus sistemas, ou das suas construções arquitetônicas. Necessitando o homem de um ponto de apoio espiritual, diante da plenitude do seu ser, deve ele procurá-lo na força do seu próprio pensamento — e não pretender buscá-lo num Deus alheio ao mundo, num poder transcendente, em representações ocultas, na astrologia, ou no espiritismo. — É esta a função do filósofo construtor no seio da sociedade. Com esse poder ele renova o homem e a força do leu, espírito.

Um mestre como Spinoza fala a todas as épocas: "Serve-te de tua inteligência, legue-a, confia nela, aprende a empregá-la e a te deixar guiar por ela." Eis aí o único ditador que faz progredir o mundo. É o processo criador que se opõe ao caos que nos enche de angústia. Nesse processo criador está a força l uminosa da ilustração e também a paz e a forma.

Esta força nos dá os meios de saber olhar as leis do universo, na inviolável necessidade do ser e do não-ser, que repousa em nós mesmos e que isó satisfaz a nós mesmos. Esta força suplanta até mesmo a morte, de vez que uma coisa pensada, com justeza, traz em si a perspectiva de sobreviver a todos os impérios e de marcar, com uma significação eterna, as épocas mais transitórias.

O sistema de Spinoza pode ser assinalado com uma das mais finas redes de filigranas, com as quais, em nenhum outro tempo, conseguiu a habilidade do homem captar o mundo. Deus, ou a Natureza, é a origem de todo ser e de si mesmo. Entre as suas infinitas e numerosas propriedades, ou atributos, figuram o pensamento e a extensão, de modo que não pode existir nenhum pensamento sem extensão e nenhuma extensão sem pensamento.

A essência de Deus é imutável e perfeita, perfeição não só no sentido ético, como também perfeição no sentido matemático, correspondendo portanto à condição que se expressa por plenitude completa. Daí resulta que em Deus, ou na Natureza, tudo existe e tudo está presente, mesmo que seja mal, perverso, ou nocivo.

E como tudo isto existe desde as origens, nada pode se dar como surpresa, porque tudo foi dado e determinado desde o começo. Isto significa ainda o repúdio de toda liberdade arbitrária, de toda a casualidade, de toda a teologia que subordina cada coisa criada a uma finalidade raciocinável, introduzindo também aí aquele determinismo que hoje volta a ser superado pelas ciências naturais, mas que era antigamente exigido pela física mecânica.

Com estes meios entra Spinoza no organismo do Universo e no seu determinismo sem lacunas. Deus ou a Natureza, no seu infinito absoluto é para ele a causa eficiente de toda existência que, por sua vez, só se manifesta através de formas da mesma substância divina.

Essas formas nascem como as ondas surgem do mar "que cria constantemente novas formas, fazendo-as sucumbir, sem que, por isso, modifiquem a infinita extensão do mar." Estes são os modos da substância e de seus atributos e o homem em si mesmo é um desses modos. Estes modos produzem o jogo eterno da criação, do surgir e o do sucumbir, sem que cesse, entretanto, a imutabilidade da base original, que é eterna, ou mais claramente, que é a eternidade.

Assim se agita a natureza. A criadora (natura naturans) e a criada (natura naturata) se fundem nesse panteísmo que, para Spinoza, dá ao mundo uma alma, sem afetar o valor das leis naturais.

4) A ÉTICA DO METAFÍSICO

As idéias que se desdobram do sistema de Spinoza, o leitor as encontrará concen-tradas neste livro. Elas são o seu mundo próprio, a sua substância própria, que Spinoza chamou ÉTICA e que trata dos fatos morais, dos vaIores hierárquicos, da vida e da conduta moral. Praticamente, o moralista começa tropeçando com uma grande dificuldade. Pois, como qualquer outro investigador naturalista, não distingue, propriamente, o Bem do Mal em si mesmos, assim como todo o reino dos valores estéticos e morais.

Convence-se, por outro lado, de que |o transposição dos valores morais até o plano das simples representações humanas, há um longo caminho a percorrer, para que se possa depois estabelecer os fundamentos do ato moral. Entretanto, para o homem que aqui nos ocupa o espírito, as coisas não se deram por esse modo. Ele não se inclinou nunca ao mais fácil e nunca foi também ágil, quer na sua vida, quer no seu pensamento.

Por outro lado, o tom novo com que Spinoza filosofava em torno das suas descobertas espirituais, revela, claramente, a importância que concedia à sua tarefa, quando estava sob o domínio do raciocínio filosófico. Sob a sua fria exposição, percebe-se a afluência e o tumulto da paixão frenada de um grande estilista.

Dum momento para outro, sente-se que já não é a matemática, ou a lógica, que marca o tono da sua exposição, mas o simples desejo persuasivo do Mestre em querer mostrar o caminho da verdadeira vida. Ele segue esse caminho do seguinte modo: Primeiro, considera a natureza do homem e os acontecimentos essenciais do mundo dos instintos, tais como estes se apresentam a um naturalista. Depois, deduz daí todas ocorrências peculiares à vida quotidiana dos incultos e confronta essas ocorrências com as idéias diretoras que, segundo o seu critério, conduzem o homem, escravo dos próprios desejos, à superioridade do espírito puro, libertado.

Tal é o verdadeiro spinozismo que caminha o homem para a liberdade, para a felicidade da renúncia, para essa felicidade que ele não se cansa de celebrar, porque não se cansa de vivê-la. O ser humano, que parece um mundo, um fenômeno, não é, para Spinoza, mais» que uma folha pendente da árvore gigantesca que é o Universo, movido pelo mesmo Instinto porque também se abriga no homem. Se este instinto é perturbado, surgem para o homem o sofrimento e a aflição. Se a perturbação cessa, vencida pelo instinto original, a alegria inunda, então, o ser. Desta oscilação, entre ambos os pólos nasceram as emoções, as paixões, as tendências, mas também as forças que as dominam.

Assim, entre o amor e o ódio, estende-se um espaço, no qual tudo que é desejado e útil é conservado, enquanto que tudo aquilo que é capaz de ameaçar a nossa existência é reprimido. Eis porque Spinoza considera virtuoso aquele que se esforça para manter o seu próprio ser, condenando aquele outro que procede de maneira oposta. Porque, o universo, ou Deus, estende-se, no infinito, com todas as suas forças, trabalhando para dominar o não-ser.

Por isso, agir sob o controle da razão é também salvaguardar a própria vida e o próprio ser. Assim se age, sem nenhuma dúvida, virtuosamente. "A razão se esforça simplesmente para conhecer, e a alma não julga útil senão aquilo que conduz ao conhecimento. De modo que o bem mais elevado da alma é o conhecimento de Deus. A sua mais alta virtude é conhecer Deus, o que significa estar de acordo com a nossa natureza."

O leitor se convencerá por si mesmo como, a partir daí, Spinoza desenvolve toda a gama, ou estados instintivos do homem e como ele, criatura causticada, conhece o caminho que nos conduz à paz, ao equilíbrio oscilante de quem vê as coisas sub specie aeternitatis (à luz da eternidade). É o máximo a que um homem pode atingir.

Quem contempla verdadeiramente Deus, quer dizer, a augusta necessidade de tudo acontecer no universo, deve amá-lo, como o próprio Deus deve amar a si mesmo, porque há sempre em tudo a consciência da essência própria.

Na chama ardente dessa luz evaporam-se as ilusões das nossas paixões e, então, começa o caminho espiritual que nos conduz à mais alta felicidade, ao amor Dei, no qual encontramos a suprema virtude. Nele se liberta também o modus homem, alcançando a única imortalidade que lhe é dada. "Ainda que o caminho assinalado pareça muito difícil, diz Spinoza na ÉTICA, pode, contudo, ser encontrado."

Certamente não há de ser fácil encontrarmos aquilo que não procuramos com freqüência. Se a solução estivesse em nossas mãos, nós a desprezaríamos com tanta facilidade? Tudo o que é grande é também raro e difícil de ser alcançado.Para Spinoza é livre quem se mostra capaz de raciocinar, pensar e concluir sem mêão, opondo-se às paixões desabridas, reconhecendo o caráter errôneo ou falso das emoções, enfrentando ativamente, a negação ou a afirmação, na ação ou na obstinação dos que lutam pela verdade. Este é o fruto da sabedoria de Baruch Spinoza, tal qual é apresentada em seus livros e tal qual se deduz da vida pura.

Quando lemos que a verdadeira liberdade do homem surge à medida que ele se liberta de suas paixões para se unir à origem do mundo, a Deus, percebemos, como que através de uma nuvem, os olhos melancólicos e o sorriso indeciso daquele homem singular que saiu da imigração portuguesa, da comunidade judaica de Amsterdam, para tomar lugar no Panteão da sabedoria e do pensamento humano, jorrando, assim no mundo, uma luz maravilhosa e eterna.

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , ,

Início