Os príncipes coroados – Contos Maravilhosos




Os príncipes coroados

NUMA cidade havia três moças órfãs de pai e mãe.

Um dia estavam à janela de sua casa, quando viram passar o rei. Era jovem, belo, elegante e montava um formoso cavalo. A mais velha das moças, extasiada com a beleza do rei, exclamou: — Se eu me casasse com ele, far-lhe-ia uma camisa como nunca viu! A do meio, cheia de admiração, disse: — Se eu me casasse com ele, far-lhe-ia umas calças como nunca teve! A mais jovem disse: — E eu, se me casasse com ele, da-he-ia três filhos coroados.

O rei ouviu a conversa e, no dia seguinte, foi à casa das moças e lhes falou: — Apareça a moça que disse que, se casasse comigo, me daria três filhos coroados. A moça se apresentou e, como era muito formosa, o rei ficou apaixonado e casou-se com ela. As irmãs ficaram com inveja, mas fingiram que nada sentiam e que estavam até muito contentes com o casamento.

Tempos depois a jovem rainha avisou que ia ter um filho. As irmãs correram logo para o palácio, dizendo que desejavam ajudar a rainha. Aproximando-se o dia desta dar à luz, ofereceram-se para servi-la e dispensaram o médico. Nasceram três lindos príncipes. Todos tinham uma pequena coroa na cabeça. Mas as irmãs malvadas da rainha esconderam as crianças numa caixa e a atiraram ao mar. Em lugar dos príncipes, levaram ao rei um sapo, uma cobra e um rato, dizendo com fingida indignação: — Veja Vossa Majestade os coroados que aquela impostora deu à luz! O rei ficou muito desgostoso e, aconselhado pelas cunhadas, mandou enterrar a até o pescoço, perto da escada do palácio, dando ordem para que todos que por ali passassem, cuspissem no seu rosto.

Um velho pescador achou no mar a caixa, abriu-a e encontrou os três meninos ainda vivos. Encantado com a beleza das crianças, levou-as para casa. Sua mulher, que era muito bondosa, criou os meninos com todo carinho, sem saber que eles eram príncipes. Quando ficaram crescidos ao ponto de irem para a escola, passaram um dia pelo palácio do rei e foram vistos e reconhecidos pelas tias. Elas os chamaram, fizeram-lhes muitos agrados e lhes ofereceram frutas envenenadas. Os meninos comeram as frutas e, no mesmo instante, ficaram todos os três transformados em pedra.

Quando soube do que acontecera, o pescador ficou muito triste, mas sua mulher que era adivinha disse ao marido: — Não se aflija. Vou à casa do Sol buscar um remédio milagroso e com ele farei os meninos voltarem à vida. E partiu montada num cavalo. Depois de muito viajar, encontrou um lindo rio. Este lhe perguntou: — Aonde vai, minha velhinha? — Vou à casa do Sol para êle me ensinar que remédio se deve dar a quem virou pedra, respondeu a velha. O rio então disse: — Pergunte também ao Sol o motivo pelo qual, sendo eu um rio tão bonito, nunca tive peixes.

 

 

Em lugar dos príncipes, levaram ao rei um sapo, uma cobra e um rato.

Em lugar dos príncipes, levaram ao rei um sapo, uma cobra e um rato.

A velha continuou sua viagem. Adiante, encontrou uma bela árvore, mas sem um único fruto. Ao avistar a velha, a árvore indagou: — Aonde vai, minha velhinha? — Vou à casa do Sol à procura de um remédio para gente que virou pedra. A árvore então pediu: — Pergunte-lhe também o motivo pelo qual, sendo eu uma árvore tão grande, tão verde e tão bela, nunca dei um só fruto. A velha prosseguiu na sua marcha. Depois de muito caminhar, encontrou uma casa onde havia três moças, lindas e solteiras, mas que já estavam passando a idade de casar. As moças ao vê-la, perguntaram: — Aonde vai, minha avozinha ? A velha disse para onde seguia. As moças pediram-lhe então para indagar do Sol o motivo pelo qual, sendo elas tão formosas, ainda não se tinham casado.

A velha continuou a caminhar. Depois de viajar dia e noite sem parar, chegou finalmente à casa do Sol. A mãe deste, que era muito boa, recebeu a velha delicadamente e ouviu com atenção, toda a sua história. Ficou com pena da corajosa velhinha e prometeu auxiliá-la. Mas disse-lhe que, antes de falar com o filho, ia escondê-la, pois o Sol não consentia que pessoas estranhas entrassem em sua casa. Quando o Sol chegou a casa, depois de ter queimado tudo que encontrou em seu caminho, sentiu cheiro de gente e perguntou zangado à sua mãe: — Há gente estranha nesta casa? Estou sentindo cheiro de carne humana! — Não é nada, meu filho! disse-lhe a mãe. E o cheiro de uma galinha que matei para o nosso jantar.

O Sol ficou tranqüilo e sentou-se à mesa para jantar. Enquanto êle comia, a mãe perguntou-lhe jeitosamente:

— Meu filho, um rio muito fundo e largo por que não dá peixe? — E porque nunca matou gente! respondeu o Sol. Depois de algum tempo, a velha fêz nova pergunta: — E uma árvore grande, verde e bonita, por que não dá frutos ? — Porque há dinheiro enterrado entre suas raízes. A velha esperou mais um pouco e arriscou outra pergunta: E umas moças bonitas e ricas por que não se casam? — Porque costumam cuspir para o lado em que surjo no céu, todos os dias. — E qual será o remédio para gente que virou pedra? perguntou finalmente a velha. Aí o Sol se irritou:

— A senhora já está me amolando com essas perguntas! Mas a velha acalmou-o: — Desculpe, meu filho, como fico o dia inteiro sozinha, vivo imaginando tolices. Então o Sol, arrependido da sua irritação com a mãe, fêz-lhe a vontade: — O remédio para gente que virou pedra é colocar sobre a mesma um bocado do que eu estiver comendo.

A velha prestou atenção às palavras do Sol e, daí a pouco, levou a mão à boca do filho e tirou um bocado do que êle estava comendo, dizendo: — Não é nada, apenas um cisquinho que estava na sua comida. Momentos depois, repetiu o gesto: — Agora, meu filho, é um cabelo. E tornou a esconder o bocado. Na terceira vez, o Sol ficou zangado: — Ora, minha mãe, sua comida está hoje muito suja! Não quero mais comer! Dizendo isto, levantou-se e seguiu para o céu, a fim de realizar sua viagem diária.

A mãe do Sol foi então ao quarto onde estava a velhinha, contou-lhe tudo e deu-lhe os três bocados que tirara da boca do filho. A velhinha montou o seu cavalo e procurou logo o caminho de casa. Passando pela residência das moças, pernoitou na mesma, mas não lhes disse o motivo pelo qual elas não tinham casado. Pela manhã, viu que estavam cuspindo para o lado do nascer do Sol. A velha então as repreendeu, dizendo: — Eis a razão pela qual vocês ainda não casaram. Deixem esse costume de cuspir para o lado em que nasce o Sol. As moças seguiram o conselho da velha e acharam logo casamento.

A velha seguiu viagem. Ao encontrar a árvore que não dava frutos, pôs-se a cavar sob suas raízes, sem dizer nada. Quando, por fim, descobriu, enterrado, um cofre cheio de moedas de ouro, disse à árvore o motivo pelo qual ela não dava frutos. Pouco depois, a árvore ficou carregada de frutos deliciosos.

A velha continuou sua viagem. Ao chegar à margem do rio, este perguntou-lhe pela resposta do Sol. A velha ficou calada enquanto atravessava o rio. Quando se viu na outra margem, andou bastante até ficar bem longe do rio e daí gritou para êle: — Você não tem peixes porque nunca matou gente! O rio aumentou logo o volume de suas águas e produziu uma enchente tão grande que, por um triz, não afogou a velha.

Finalmente, a corajosa velhinha chegou à sua casa. Sem mais demora, colocou os três bocados sobre a cabeça das crianças que, no mesmo instante, se desencantaram, voltando à vida. A notícia do desencantamento dos meninos correu pela cidade e chegou até o Rei. Este ficou interessado em conhecer a história e mandou convidar o velho e os três meninos para jantarem no palácio. O velho não quis ir nem mandar as crianças. Mas o rei exigiu a presença dos mesmos em seu jantar. A velhinha aconselhou então aos meninos que fizessem o seguinte: — Quando vocês chegarem ao palácio e passarem pela escada, ponham-se de joelhos e tomem a bênção àquela pobre mulher que está lá enterrada, que é a sua mãe. Quando chegar a hora do jantar, não queiram ir para a mesa, sem que o rei mande desenterrá-la e sentá-la também à mesa. Quando cada um de vocês receber seu prato de comida, não comam nada e dêem os três pratos à sua mãe que os há de devorar num instante, pois está morta de fome. Aí as duas moças que lá estarão e que são tias de vocês, hão de dizer: — Por que estão dando sua comida a esta mulher? Nada lhe devem! Vocês responderão: — Esta mulher é nossa mãe e nós somos os três príncipes coroados! E mostrarão ao rei suas cabeças.

Foi justamente o que aconteceu. Os meninos cumpriram fielmente as recomendações da velha. O rei abraçou os filhos chorando de alegria e pediu perdão à esposa. Mandou cortar o pescoço das suas diabólicas cunhadas. Mas a rainha implorou-lhe que não mandasse matar suas irmãs. O rei atendeu ao seu pedido, porém condenou as maldosas criaturas à prisão perpétua. Os príncipes pediram ao rei que trouxesse para o palácio os dois velhinhos que os haviam criado. E todos viveram alegres e felizes, por muitos anos.

 


Fonte : Contos Maravilhosos – Theobaldo Miranda Santos, Cia Ed. Nacional

Comentários

comments

Mais textos

4 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início