Eça de Queirós, biografia e obras

JOSÉ MARIA EÇA DE QUEIRÓS (Póvoa de Varzim, 1846-1900) é um dos altos representantes da moderna prosa portuguesa.

Colaborou com Ramalho Ortigão nos primeiros números das Farpas; e com o mesmo seu amigo escreveu de parceria um desses romances chamados sensacionais, isto é, destinados a explorar a doentia propensão do povo para aventuras extraordinárias e inverossímeis: o Mistério da Estrada de Sintra. Volvendo-se depois ao realismo e tomando por modelo Gustavo Flaubert, Eça de Queirós produziu: — O Crime do Padre Amaro (que falsamente foi malsinado como plágio de La Faute de VAbbé Mouret, de Zola); o Primo Basilio, onde o naturalismo não recuou diante da torpeza; O Mandarim; A Relíquia; Os Maias; A ilustre Casa de Ramires; A Correspondência de Fradique Mendes; e A Cidade e as Serras obra esta que se publicou póstuma. E ainda: — Contos; Prosas Bárbaras; Cartas de Inglaterra e Ecos de Paris.

EUCLIDES DA CUNHA – Biografia e obra Os Sertões

Marechal deodoro da fonseca

O Sertanejo

O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços neurasténicos do litoral.

A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário. Falta-lhe a plástica impecável, o desempeño, a estrutura corretíssima das organizações atléticas. É desgracioso, desengonçado, torto. Hércules-Quasímodo, reflete no aspecto a fealdade típica dos fracos. O andar sem firmeza, sem aprumo, quase gingante e sinuoso, aparenta a translação de membros desarticulados. Agrava-o a postura normalmente acurvada, num manifestar de displicência, que lhe dá um caráter de humildade deprimente. A pé, quando parado, recosta-se invariavelmente ao primeiro umbral ou parede que encontra; a cavalo, se sofreia o animal para trocar duas palavras com um conhecido, cai logo sobre um dos estribos descansando sobre a espenda (163) da sela. Caminhando, mesmo a passo rápido, não traça trajetória retilínea e firme. Avança céleremente, num bambolear característico, de que parecem ser o traço geométrico os meandros (164) das trilhas sertanejas. E se na marcha estaca pelo motivo mais vulgar, para enrolar um cigarro, bater o isqueiro ou travar ligeira conversa com um amigo, cai logo — cai, é o termo — de cócoras, atravessando largo tempo numa posição de equilíbrio instável, em que todo o seu corpo fica suspenso pelos dedos grandes dos pés, sentado sobre os calcanhares, com uma simpli cidade a um tempo ridícula e adorável. (165).

Literatura Francesa – século XVI

Yafouba, o mágico da trilso, com uma das meninas que foram jogadas em cima de pontas de espadas.

Podemos alargar-nos acerca da literatura italiana, sem falarmos das estrangeiras, desconhecidas além dos Alpes. Mas ao passo que esta, que tinha dado flores tão precoces, via seu esplendor desvanecer-se, as nações que ela educara, colhiam os frutos que em seu seio haviam amadurecido. Se os franceses não puderam conquistar a Itália, de lá trouxeram o amor das artes e das letras, conhecimentos, livros, gosto. Luís XII fêz reunir pelo frade Gaguin a mais rica biblioteca daquele tempo, e roubou as dos dominadores de Milão e de Nápoles. João Lascaris e Jerônimo Aleandro foram chamados à sua corte. Esta animação porém era incerta e fugitiva. Luís I, cognominado o Pai das letras, rodeava-se de sábios; depois, de quando em quando, perseguia-os, e comprimia uma liberdade que lhe inspirava temor. O colégio de França, por êle fundado, reavivou o amor do grego e do hebraico, ainda que o ciúme dos grandes para com os homens de letras veio restringir a grandeza do projeto primitivo, e que o estudo das línguas orientais tornou suspeitos de heresia os que se ocupavam dele.

Sêneca – Biografia e Pensamentos

mapa roma itália

SÊNECA- ESTUDO INTRODUTIVO G. D. Leoni Fonte: Edições de Ouro I — A vida de Sêneca  É ainda hoje opinião comum ver em Sêneca um grande escritor e um homem corrupto; e os poucos que defendem o estudioso ainda estão propensos a separar sua vida de sua obra, não achando possível uma conciliação entre o … Ler maisSêneca – Biografia e Pensamentos