Pré-Socráticos


FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS  

     Os pré-socráticos são filósofos que viveram na Grécia Antiga e nas suas colônias. Assim são chamados pois são os que vieram antes de Sócrates, considerado um divisor de águas na filosofia. Muito pouco de suas obras está disponível, restando apenas fragmentos. O primeiro filósofo em que temos uma obra sistemática e com livros completos é Platão, depois Aristóteles. São chamados de filósofos da natureza, pois investigaram questões pertinentes a esta, como de que é feito o mundo. Romperam com a visão mítica e religiosa da natureza que prevalecia na
     época, adotando uma forma científica de pensar. Alguns se propuseram a explicar as transformações da natureza. Tinham preocupação cosmológica. A maior parte do que sabemos desses filósofos é encontrada na doxografia de Aristóteles, Platão, Simplício e na obra de (século III d. C), Vida e obra dos filósofos ilustres. A partir do século VII a.C., há uma revolução monetária da Grécia, e advêm a ela inovações científicas. Isso colaborou com uma nova forma de pensar, mais racional. Os pré-socráticos inspiraram a interpretação de filósofos contemporâneos como , que nos iluminou com a sua obra A filosofia na época trágica dos Gregos e Hegel, que aplicou seu sistema na história da filosofia.
Leia aqui alguns Fragmentos pré-socráticos.

     Tales de Mileto-
     Anaximandro-
     Anaxímenes-
     Pitágoras-
     Xenófanes
     Heráclito-
     Parmênides-
     Zenão de Eléia-
     Empédocles-
     Anaxágoras-
     Leucipo de Mileto-
     Demócrito-
 
 

 Tales de Mileto

Tales de Mileto – (+ ou- 640-548 a. C) Tales é considerado o pai da filosofia     grega, o primeiro homem sábio. Foi um homem que viajou muito. Os   pensadores de Mileto iniciaram uma física e uma cosmologia. O universo era   considerado um campo com pares opostos das qualidades sensíveis. É de Tales   a frase de que á água é a origem de todas as coisas. Tudo seria alteração da  água, em diversos graus. O alimento de toda a coisa é úmido. Aristóteles afirmou que ele foi o primeiro a atribuir uma causa material para a origem do  universo. Também era matemático, geômetra e físico. Aparece nas listas dos Sete Sábios da Grécia. Outra frase que pode ser dele é a de que tudo está  cheio de deuses, ou seja, a matéria é viva. Dizem que previu um eclipse solar e  calculou a altura de uma pirâmide. Em Aristóteles há um trecho dizendo que era sabido ser uma afirmação de Tales que a alma é algo que se move. Teve como  discípulo .
 

 Anaximandro

Anaximandro – (+ ou – 610-547 a. C) é um filósofo da escola jônica, natural de    Mileto e discípulo de Tales. Foi geógrafo, matemático, astrônomo e político.   Escreveu um livro, Sobre a natureza, que se perdeu. É considerado autor de   um mapa do mundo habitado e iniciador da astronomia. Afirmou que a origem de todas as coisas seria o apeíron, o . O mundo se dissolveria nele    também. É apenas um mundo dentre muitos. Ao contrário de Tales não deu à  gênese um caráter material. O apeíron é eterno e indivisível, infinita e indestrutível. O princípio é o fundamento da geração de todas as coisas, a ordem do mundo evoluiu do caos em virtude deste princípio. Teve como  discípulo Anaxímenes.

 Anaxímenes

Anaxímenes – (+ ou – 588-524 a.C.) foi um filósofo da escola jônica, que tem  como característica básica explicar a origem do universo ou arché a partir de  uma substância única fundamental. Refutando a teoria da água de Tales, e do ápeiron de Anaximandro, Anaxímenes ensinava que essa substância era o ar     infinito, pneuma ápeiron. O universo resultaria das transformações do ar, da sua rarefação, o fogo, ou condensação, o vento, a nuvem, a água e a terra e por último pedra. Esse era o processo por qual passava uma substância primordial, e resultava na multiplicidade, os quatro elementos. O ar tinha o eterno  elemento. Escreveu uma obra, como Anaximandro: Sobre a natureza.     Dedicou-se à  meteorologia, foi o primeiro a considerar que a lua recebe a luz do  sol. Era companheiro de Anaximandro. Hegel diz que Anaxímenes ensina que nossa alma é ar, e ele nos mantém  unidos, assim um espírito e o ar mantém unido o mundo inteiro. Espírito e ar são a mesma coisa.
         A substância da origem volta a ser uma coisa determinada como em Tales.  Anaxímenes identificou o ar talvez porque tenha visto seu movimento  incessante, e que a vida e o ar andam juntos, na maioria dos casos. A respiração é um processo vivificante, dependemos dela durante toda a nossa vida. Ele via     que no céu existem nuvens, e que a matéria possui diferentes graus de solidez.
         Outra frase que consta nos fragmentos é "O sol largo como uma folha".
 

Pitágoras de Samos

 Pitágoras

Pitágoras – (século VI a.C.) Conhece-se muito pouco sobre a vida desse filósofo, pois foi uma figura legendária, e é difícil distinguir o que é verdade e o que é mentira. Nasceu em Samos, em uma época em que na Grécia estava instituído o culto ao deus Dioniso. Os órficos (de Orfeu) acreditavam na imortalidade da alma e em reencarnação (metempsicose), e para se livrar desse ciclo, necessitavam da ajuda de Dioniso, deus libertador. Pitágoras postulou como via de salvação em vez desse deus, a matemática. Acreditava na divindade do número. O um é o ponto, o dois determina a linha, o três gera a superfície e o quatro produz o volume. Os pitagóricos concebem todo o universo como um campo em que se contrapõe o mesmo e o outro. É de Pitágoras o teorema do triângulo retângulo. Fundou uma seita, em que a salvação dependia de um esforço humano subjetivo, e que tinha iniciação secreta. Os números constituem a essência de todas as coisas segundo sua doutrina, e são a verdade eterna. O número perfeito é o dez, por causa do triângulo místico. Os astros são harmônicos. Foi Pitágoras que inventou a palavra filosofia – (amizade ao saber).
        A escola de Pitágoras gerou os pitagóricos, que procuraram aperfeiçoar o sistema filosófico original. Eles floresceram em uma colônia grega na Itália. Pregavam o ideal da salvação do homem, tinham um caráter místico e espiritualista, e davam à matemática um caráter matemático.
Muitos filósofos foram também matemáticos, que atribuem ao universo a lógica dos números e em muitos pontos de sua doutrina buscam a matemática para fundamentar a sua lógica. É uma visão mecanicista, que identifica no mundo o raciocínio matemático. Platão exaltava a geometria, por essa ter um caráter
abstrato. Outros filósofos matemáticos importantes foram Descartes, Leibniz e Bertrand Russel. Spinoza escreveu um livro chamado A ética demonstrada pelo método geométrico, que é o método euclidiano de expor.
 

Xenófanes de Colofão

 Xenófanes de Colofão –(século IV a. C) atribui-se a ele a fundação da escola de Eléia. Levou vida errante, passou parte dela em Sicília, tendo fugido de sua terra natal por causa da invasão dos medas. Alguns duvidam de sua ligação com Eléia. Em seus fragmentos defendeu um deus único, supremo, que não tinha a forma de homem. Realçou isso afirmando que os homens atribuem aos deuses características semelhantes a eles mesmos, que mudam de acordo com o povo. Se os animais tivessem mãos para realizarem obras, colocariam nos deuses suas características. Restaram de suas obras alguns fragmentos, sendo que uns satíricos. Foi contra a grande influência de Hesíodo e Homero (historiador e escritor ). Zombou dos atletas, preferindo a sua sabedoria aos feitos atléticos, que não enchiam celeiros. O deus segundo Xenófanes está implantado em todas as coisas, o todo é um, e é supra-sensível, imutável, sem começo, meio ou fim. Teve como discípulo  .
     Segundo Hegel os gregos tinham apenas o mundo sensível diante de si, e não encontravam satisfação nisso. Assim jogavam tudo fora como sendo não verdadeiro, e chegavam ao pensamento puro. O infinito, Deus, é um só, pois se fosse dois haveria a finitude. Hegel identifica a dialética* em Xenófanes, uma consciência da essência, pura, e outra de opinião, uma sobrepondo a outra, indo     contra a mitologia grega.
 

       * – Em Platão a dialética é o processo pelo qual a alma se eleva, em degraus, da realidade sensível ao mundo das idéias. É um instrumento de busca da verdade.
     Em Hegel, é o movimento racional que nos permite superar uma contradição. Assim, na história  vemos uma tendência, e a ela volta-se uma oposição, criando uma tensão, que é superada por uma nova tese que traz a solução. É o movimento tese, antítese e síntese. Não se restringe apenas a história, mas deve ser encarada como parte do real, uma forma de pensar evolutiva

Heráclito de Éfeso

 
        Heráclito – (+ ou – 540-470 a. C) nasceu em Éfeso, cidade da Jônia, descendente do fundador da  cidade. É considerado o mais importante dos pré-socráticos. É dele a frase de que tudo flui. Não entramos no mesmo rio duas vezes e o sol é novo a cada dia. É o filósofo do devir, a lei do universo, tudo nasce se transforma e se dissolve, e todo o juízo seria falso, ultrapassado. Desprezava a plebe, não participou da política e desprezou a religião, os antigos poetas e os filósofos de seu tempo. É o primeiro pré-socrático com um número razoável de pensamentos, que são um tanto confusos, e por isso tem o nome de Heráclito, o obscuro. São aforismos. Foi muito crítico.  Chama a atenção, além da pluralidade, para os opostos. Tanto o bem como o mal são necessários  ao todo. Deus se manifesta na natureza, abrange o todo e é crivado de opostos. O logos é o  princípio cósmico, elemento primordial, e a razão do real, a inteligência. A verdade se encontra no devir, não no ser. Com sentidos poderosos, poderíamos vê-lo. O pensamento humano participa e é parte do pensamento universal. O fogo é eterno, um dia tudo se tornará fogo. O sol seria da largura de um pé humano. A felicidade não está nos prazeres do corpo. A morte é tudo que vemos despertos, e tudo o que vemos dormindo é sono. Existe a harmonia visível e a invisível. A alma não tem limites, pois seu logos é profundo e aumenta gradativamente. O pensar é comum a todos. A terra cria tudo, e tudo volta para ela.
     Hegel identifica em Heráclito a dialética: Heráclito concebe o absoluto como processo, com a dialética, exterior, um raciocinar de cá para lá e não a alma da coisa da coisa dissolvendo-se a si  mesma, a dialética imanente do objeto, situando-se na contemplação do sujeito, objetividade de Heráclito, compreendendo a dialética como princípio. O ser não é mais que o não ser. O fogo condensa-se, e apagado vira água. Encontramos em Heráclito algo comum entre os sábios: o desprezo pelo populacho, (como era comum Nietzsche dizer) e instituições dominantes. Teria sua experiência lhe dado base para isso?
     Ele pode ter contemplado com os seus próprios olhos o devir, movimento inteligente do universo e maravilhoso. Encontrou fogo na alma humana, comparou-a com uma chama que se apaga na morte.  Identificou o infinito na natureza, não apenas o matemático, mas o que constitui a essência das coisas. Pois todas as coisas têm uma essência, e o fluxo da alma é tão fundo que não tem fim.
 
 

Parmênides

 Parmênides – (+ ou – 544-450 a. C) filósofo da escola eleática, da região de Eléia, hoje Vília, Itália. Foi discípulo de Amínisas. Conheceu a filosofia de sua época. Escreveu um poema, cujo preâmbulo tem duas partes, a primeira trata da verdade, a segunda da opinião. Suas conclusões são contrárias às de Heráclito, seu contemporâneo. Na primeira parte do poema proclama a razão absoluta, que é o     discurso de uma deusa. Para se chegar à verdade não podemos confiar nos dados empíricos, temos de recorrer à razão. Desta forma nada pode mudar, só existe o ser, imutável, eterno e único, em oposição ao não ser. Teve como discípulo , também de Eléia.
     Segundo Nietzsche, foi em um estado de espírito que Parmênides encontrou a teoria do ser,   considerando o vir a ser. Pensou: algo que não é pode vir a ser? Não. – Temos de ignorar os sentidos e examinar as coisas com a força do pensamento. O que está fora do ser não é o ser, é nada, o ser é   um.
     Ao colocar como “imperativo categórico” o ser, e com ele a verdade que se chega na razão, Parmênides inaugura uma manifestação humana de conseqüências funestas. A refutação dos dados  empíricos, em favor do que pode ser comprovado com a razão age sobre o resultado final dos  mesmos. Assim, com o possível de ser explicado em primeiro plano, deixamos de lado um aspecto da percepção: a mudança, pois mudar é deixar de ser. O devir, nesses parâmetros é uma ilusão,   o fluxo da natureza também e o que é confiável é aquilo que é assimilado e compreendido. Põe se barreiras na percepção pura, que provêm da mente aberta, para usar um termo de Aldous Huxley.
 

Zenão, de Eléia  

         Zenão, de Eléia (século V a. C)- cerca de quarenta anos mais jovem que o seu mestre e conterrâneo Parmênides. Nasceu na Eléia, e interviu na política, dando leis à sua pátria. Zenão teria deixado cerca  de quarenta argumentos, sendo que nove foram conservados pelo doxógrafos. São dispostos em problemas de grandeza, do espaço, do movimento e da percepção sensível. Ele parte da divisibilidade infinita do espaço, pois um corpo percorrendo um espaço infinito em um tempo finito   estaria imóvel. Seus argumentos constituem-se verdadeiras aporias (caminhos sem saída), indo até ao absurdo. Foi considerado por Aristóteles o inventor da dialética, no sentido de diálogo que parte das premissas do adversário e o põe em contradição, numa posição insustentável. Defendeu as teorias do ser de seu mestre, Parmênides, contra os seus adversários, notoriamente os pitagóricos, que pregavam o ser múltiplo e divisível. O infinito não pode ser percorrido num tempo finito, só em um tempo infinito. Seus argumentos ficaram conhecidos como paradoxos de Zenão.
         Paradoxo de Aquiles: o mais lento na corrida jamais será alcançado pelo mais rápido, pois o que persegue deve sempre começar a atingir o ponto de onde partiu o que foge. Outro argumento pretende afirmar que uma flecha está em repouso ao ser projetada. É a conseqüência da suposição de que o tempo seja composto de instantes.
         Ele demonstra que quando há o múltiplo, há o grande e o pequeno. Quando grande, o múltiplo é  infinito, segundo a grandeza.
         Para Hegel, a dialética de Zenão possui mais objetividade que a atual. Ele ainda se conteve com os  limites da metafísica.
         Segundo muitas lendas, tornou-se célebre em sua morte, quando salvou um Estado de seu tirano, sacrificando sua vida, pois foi torturado e não delatou seus companheiros de conjura. Por isso foi  assassinado.

Empédocles  

 Empédocles (+ ou – 490- 435 a. C) natural de Agrigento na Sicília. A democracia estava em fase de implantação e ele a defendeu. Virou figura lendária, um misto de cientista, de místico, de pitagórico e órfico. Escreveu dois poemas. No primeiro apresenta uma única visão do processo cosmogônico, e o segundo é religioso. Refutou as teses que atribuem a origem do universo a um único elemento.
         Identificou quatro substâncias básicas, que ele chamou de raízes: a água, a terra, o fogo e o ar. Tudo se consiste desses quatro elementos, e as transformações que advêm a eles seriam visíveis a olho nu.
     Essas substâncias são eternas, imutáveis. Jostein Gaardner afirma que talvez Empedócles tenha visto uma madeira queimar, alguma coisa aí se desintegra. Alguma coisa na madeira estala, ferve, é a  água, a fumaça é o ar, o responsável é o fogo, e as cinzas são a terra. As verdades não seriam mais absolutas, como nos eleatas, mas proporcionais à medida humana. As coisas são imóveis, mas o que    percebemos com os sentidos não é falso. Duas forças atuariam nas substâncias, o amor e o ódio. O amor agiria como força de atração e união, o ódio como força de dissolução. Em quatro fases, existe a alternância do amor e do ódio. Estabelece um ciclo, com a tensão da convivência dessas forças motrizes.
     Empédocles dizia que alguns animais vêem melhor de dia do que de noite, e vice versa. O   pensamento se produz com a sensação.
     Admitiu a multiplicidade de itens de uma criação, como um pintor que mistura diferentes pigmentos em sua obra. Fala muito da deusa do amor Afrodite, portadora da vida e da beleza. Em sua filosofia todos os animais têm pensamentos. A inteligência cresce de acordo com os dados sensoriais do tempo presente.
     Hegel afirma que para Empédocles, outros elementos que não os quatro básicos, não são em si e para si. Não poderíamos visualizar o mundo sem os quatro elementos básicos. Nietzsche traça um perfil de Empédocles: cabelos longos, sandálias de couro nos pés e uma coroa na  cabeça. Com vestido cor de púrpura. É um filósofo trágico, pessimista, ativo. Queria provar que era um deus, atribuía-se qualidades místicas. Todos os movimentos, segundo ele nasceram de uma    natureza não mecânica, mas levam a um resultado mecânico.
     Conta a lenda que se atirou no vulcão Etna para provar que era um deus.

Anaxágoras  

     Anaxágoras (+ ou – 499-428 a. C)- filósofo da escola jônica nascido na Ásia menor, foi o primeiro filósofo a se transferir para Atenas, de onde foi banido por considerar o sol uma pedra incandescente e a lua uma Terra, negando a divindade desses corpos celestes. Interessava-se muito por astronomia. Houve um processo que acabou por condena-lo, apesar de ser amigo de Péricles, seu mestre e protegido. Péricles foi um grande líder político. Sócrates que nasceu cerca de trinta anos depois de Anaxágoras também foi condenado. Atenas considerava a novidade, a filosofia, uma impiedade e ateísmo. Anaxágoras se recusava a prestar culto aos grandes deuses gregos. Era filho de Hegesibuldo. Disse que as coisas corpóreas eram infinitas, e elas pareciam engendrar-se e destruir-se pela combinação e dissolução. No início, todas as coisas seriam infinitas em quantidade e pequenez, pois o pequeno também era infinito. Toda a matéria estava condensada. O ar e o éter são o maior conjunto de coisas. Muitas coisas de todas as espécies são contidas em todos os compostos e sementes. Em tudo há um pouco de tudo. Em cada minúscula partícula, ou semente, há uma parte de todas as coisas, pois todas as coisas são formadas por essas sementes. Essas coisas se resolviam e separavam pela força e rapidez, a força é a rapidez que produz. E o espírito começou a se mover, e em todo movimento havia uma separação, e as partículas se desdobravam, o espírito sempre é, sempre afirma. O compacto, o fluído, o frio e o sombrio se colocaram onde se formou a terra, e o ralo o quente e o seco forma para longe do éter. As visões das coisas invisíveis são aparentes, a lua reflete os raios de sol, em sua filosofia. E as coisas, que estavam juntas foram separadas por esse espírito inteligente e puro (nous), que ordenava a matéria e se movia, separando os opostos e criando os seres diferenciados. Os graus de inteligência dos seres animados (animais e plantas) dependem da estrutura do corpo em que o nous está ligado sem se misturar. Para Hegel, Anaxágoras foi um sóbrio entre os ébrios. Fundamenta sua crítica dizendo que ele foi o primeiro a dizer que o pensamento é universal, em si e para si, o puro pensamento é verdadeiro. Universal pela noção de causalidade. Essa noção, se não é universal, se não considera a coisa em si, costuma dizer coisas como: a causa da existência do capim é servir de alimento para os herbívoros, e a destes é servir de alimento para os carnívoros, os troncos fluem para determinado lugar, pois estão precisando deles lá e assim por diante. O nous de Anaxágoras é universal, move-se para diante. Cada idéia é um círculo de si mesma, e o bem universal de sua espécie. O nous é a alma que a tudo move, que liga e separa, uma atividade que põe uma primeira determinação como subjetiva, mas essa é feita objetiva, e assim se torna outra, e de novo esta oposição é sobreposta, assim até o infinito. Isso é dialética. Topo
 

Leucipo

     Leucipo (século V a. C) Filósofo grego, criador da teoria atomista, que foi desenvolvida por . É considerado discípulo de Zenão, mas também especula-se sobre ser na verdade discípulo de Parmênides e Melisso*. Atribuem a Leucipo uma obra: A Grande ordem do Mundo. Neste livro diz que nenhuma coisa
se engendra ao acaso, mas a partir da razão e da necessidade. Seria natural de Mileto ou Eléia.
        Segundo Hegel, Leucipo concebeu a determinabilidade não de modo superficial, mas de maneira especulativa. Haveria no mundo a matéria e o vazio. A matéria é constituída de átomos, que se movem em torvelinho. O absoluto é o átomo, o verdadeiro. O um e o princípio são abstratos. Princípio do um é ideal, o pensamento é a essência das coisas. Sua filosofia, para Hegel, não é empírica. Os átomos movem-se por necessidade, se chocam e se rechaçam. São distintos entre si pela ordem e pela posição.
        Leucipo queria aproximar o pensamento do fenômeno e da percepção sensível, para Aristóteles. A alma também se constituiria de átomos.
Leucipo explicou o fenômeno do peso de acordo com o tamanho dos átomos e suas combinações. Os átomos seriam partículas minúsculas e indivisíveis por sua pequenez. O mundo teria a parte cheia e a parte vazia. Foi o primeiro a conceber uma parte vazia no universo. A parte cheia seria constituída de átomos. Rejeitou a descoberta dos pitagóricos de que a Terra é esférica.

Melisso  

Melisso – floresceu em cerca de 444/41 a.C. Nasceu em Samos, ilha do mar Egeu, e era filósofo e político, tendo derrotado os atenienses com uma esquadra que comandou. Defensor de Parmênides, atacou Empédocles. Escreveu um poema, Sobre o ser. Disse que o todo é imóvel, pois se movesse haveria vazio e o vazio é um não ser. Para ele tudo sempre existiu, e sempre existirá. O mundo é infinito.

Demócrito

     Demócrito (+ ou – 460-370 a. C) – nasceu em Abdera (Trácia). Foi discípulo e sucessor de Leucipo, desenvolveu sus teoria atomista e participou da escola iniciada por seu mestre em sua terra natal. De sua vida sabem-se poucas coisas seguras, mas fala-se que viajou muito, recebeu homenagens de seus concidadãos. É famosa a tradição que lhe atribui um riso constante, presente para qualquer coisa. É um dos primeiros materialistas. Teria deixado cerca de noventa obras. Para resolver o impasse surgido nas teorias de Heráclito e Parmênides, desenvolve a teoria de que tudo seria composto por partículas minúsculas indivisíveis e invisíveis a olho nu, inclusive a alma. Os átomos da alma se desintegrariam no momento da morte. Portanto, não acredita na imortalidade da alma, embora gostasse de Pitágoras. Trabalhou muito, dizia que os trabalhos feitos de bom grado fazem mais leves as cargas dos impostos a contragosto. Na sua filosofia, o trabalho continuado torna-se     mais leve por causa do átomo. Um trabalho bem feito e terminado dá mais satisfação que o descanso, e um trabalho em que não há retorno causa muito desprazer. O homem sensato dosa a avareza com o gasto, e suporta com brandura a pobreza. Quanto à forma, a emanação é igual às coisas. Os átomos são indivisíveis, pois se fossem divisíveis em partículas ainda menores. A natureza acabaria por se diluir. E como nada pode surgir do nada, são eternos. O movimento existe, pois o pensamento é movimento, e também os átomos se movem. Quando os átomos estão em equilíbrio, são tão numerosos que não podem mais se mover, os mais leves são    repelidos para o vazio exterior (portanto, o vazio existe) e os outros permanecem juntos, formando um conglomerado. Cada um desses conglomerados que se separam das massas dos corpos é um mundo, e existem infinitos mundos. Esta é uma visão nietzscheana da teoria de Demócrito. A essência da alma está na sua natureza animadora, de movimento. A alma é feita de átomos sutis, que se movem, lisos e arredondados. O fogo faz parte da essência do homem. Se a respiração cessa, o fogo interior escapa, e ocorre a morte. O homem é infeliz porque não conhece a natureza. Temos de nos contentar com o mundo tal como ele é. Os átomos constituem a explicação última da natureza. Foi o mais lógico dos pré-socráticos. Nietzsche o considera um poeta, Aristóteles admira sua     universalidade. Sua doutrina seguiu adiante, e temos outros atomistas, como Epicuro. Topo


Fragmentos Pré-Socráticos

 

Filosofos Pre-socraticos – Barnes, Jonathan – Criando o primeiro vocabulário realmente científico e oferecendo argumentos racionais para suas opiniões, os pré-socráticos faziam algo novo e profundamente importante; também formularam questões que permanecem até hoje no centro da filosofia. Jonathan Barnes mostra que às vezes é necessário um hábil trabalho de detetive para reconstituir as idéias desses pensadores a partir dos fragmentos que restaram de seu trabalho.

Introducao a Historia da Filosofia 1 dos Pre Socraticos a Aristoteles – Marilena Chaui Este livro é a nova edição revista e ampliada do primeiro volume da “Introdução à História da Filosofia”, série em que Marilena Chaui acompanha o trajeto da cultura filosófica desde os pré-socráticos aos pensadores modernos. O objetivo é oferecer informações básicas sobre a história do pensamento filosófico, dirigidas aos leigos e aos que se iniciam nos estudos de filosofia. Por seu caráter pedagógico, esperamos que estimule os estudantes no exercício do pensamento, auxilie os professores a preencher lacunas bibliográficas na preparação de suas aulas e convide os não-especialistas à descoberta do conhecimento filosófico.

Comentários

Mais textos

About the Author

Profile photo of Miguel Duclós

Miguel Duclós

Webadmin do Consciência, formado em filosofia pela USP, aficionado eterno de internet.

Comments

  1. meu isso é muito legal,divertido mesmo.
    esse é sit mais legal do mundo,sério.
    se qyuiser entrar ak asse o sit
    é muito da hora
    bom esse sit ensina varias coisas,como os filosofos
    bom é só isso fui galérinha!!!1

  2. a qual é a gente liga sim pelo menos eu ligo e tenho apenas 14 anos adoro filosofia e entre outras coisas eu ñ curto mtu o pré socratico prefiro depois de socrates acho q é nesse periodo q os filosofos ganharan destaque

  3. heey Ammy, quem faz o nome é a pessoa… não tem nada haver isso vei, o nomes deles não pode te agradar, mais eles tem uma história e tanto, e vs? vs tem uma his´toria como essa? ou parecidsa com essa? :]

    gostei mt mt, (y

  4. eu estou estudando essa materia mas e a primeiro vez eu estou resolvendo esta pergubta
    mas na relaçoes e dificil ter apilidade
    de contrair um pre socraticos
    isso nunca vai sair
    da minha cabeça
    vou fica sempre lembrando testa materia

  5. Oi pessoal passei para parabenizar vocês pelo o otimo site.
    Tinha muitas duvidas e resolvi todas com a ajuda de vocês. Adorei o site, os textos sao bem explicativos.nem precisa de professor para apreder. continuem investindo no site.

  6. professor Adão…

    o senhor esta certo…facilitou muito meu trabalho de escola estava precisando mesmo de uma nota boa em filosofia agora consegui!

    valeu pelas informações!!

  7. eu achei muito legal porque o testo falou tudo o que eu prescisava em saber para concluir o meu trabalho e falo a todos ”não copiem e colem, leião, entendam e produzam o seu próprio texto vlw”

  8. Amei ler de uma forma bem resumida sobre os filosófos, faço estudo bíblicos e gosto me informar sobre esta busca…desde a existência do ser há uma procura, e como é interessante ver q a muitos séculos atras eles estavam muito avançados …e como estacionamos.

  9. quanta besteira nesses comentários. e o site não explorou a contribuição mais marcante desses filósofos: a filosofia do movimento, da transitoriedade. o que salvou foi a citação de Foucault:
    “O único sinal de reconhecimento que se pode ter para com um pensamento como o de Nietzsche, é precisamente utilizá-lo, deformá-lo, fazê-lo ranger, gritar. Que os comentadores digam se é ou não fiel, isto não tem o menor interesse” -cita ( Michel Foucault, Microfísica do Poder. )

  10. Parabens pela página!
    A Filosofia realmente é a “avó” da humanidade e, digamos assim, a “mãe” do Direito. O que levava estes homens a pensar tanto sobre as nossas vidas e o Universo? Apesar das contribuições que eles deram para a humanidade, por que temos tanta injustiça e violência? Por que tantos pobres e tão poucos ricos! Abraços.

  11. meu conseito: hj as pessoas não tem mais o dom de filosofar ou então os que têem não se revelam pois no mundo em que vivemos grande parte das pessoas vivem em correria hj as pessoas não têem tempo para filosofar, muitas pessoas pensão que filosofos são loucos e fazem as coisas por impulso achando isso uma babaquisse…

    sou acadêmica de Direito
    e para mim a filosofar é de grande importancia, mais no entanto não tenho tanto tempo para isso, POIS SE PARAR PARA PENSAR… VC DEICHARÁ O MUNDO.

  12. Eu achei muito interesante pois as vezes pessoas que existiram a muitos anos atras,são esquesidas ,e aqui são relembradas,porque não devemos esqueser a importancia delas para o mundo

  13. o trabalho de vocês merece elogios pena que algumas pessoas não conseguem valoriza -lo
    nem muito menos fazer leitura com interpretação de texto ou conteúdo usa simples mente o copiar e colar!!

  14. eu que estou graduando em filosofia esses pre-socraticos são essenciais para o termino da minha graduação.é como vc ter um orgasmo,filosofar é isso vc gozar do conhecimento.

  15. Estou cursando o primeiro período de Filosofia neste ano de 2008! Precisei fazer um trabalho sobre os pré-socráticos!

    Fiquei desesperado por não encontrar nada original… Um amigo me passou este site Consciencia!!!

    Graças a Deus encontrei tudinho!!!
    Meu trabalho está pronto!!!

    Filosofia é para todos, mas são poucos que a escolhem!!!

  16. hoje os jovens nao dao valor em aprender a filossofar a questionar coisas que , apenar aprendemor a repetir …
    foi um prazer poder asesar tamanho conhecimento e aprender mais e mais o pq…
    sera e pra ser asim???/….
    by : Gabriel…..

  17. João

    oi tudo bem?
    eu sou academico de filosofia no itepes (instituto de teologia, pastoral e ensino superior da amazonia) (Manaus) encontrei nesse site o q estava procurando!!! sobre os pré-sócraticos…
    parabéns!!!!!! bom trabalho…

  18. Meu nome é Sandra Naldi, acadêmica em Filosofia da Universidade de Taubaté. Me interesso por pesquisa, gostei muito deste site e gostaria de receber informações sobre temas filosoficos. Estou pesquisando sobre Socrates e os Socráticos Menores: Usos da Linguagem três funções básicas e o Ente e a Essência S. Tomas de Aquino. Gostaria de obter resumos destes temas, se puderem atender meu pedido, antecipadamente agradeço a atenção dispensada. O site é dez.

  19. Olá parabéns pela página!!
    Eu não conhecia, sou academico de filosofia na UERR (Universidade Estadual de Roraima) e navegando na net encontrei esta página qque me ajudou bastante.
    Parabéns!!

  20. PARABENS
    ESSE SAITE FOI O MELHOR DOS Q EU JA FUI
    ESSE É COMPLETO
    COISA Q EU NAUM ACHEI NOS OUTROS ACHEI NESSE
    VLW POR SER ESSE SITE MO MASSA Q VC’S SÃO
    BRIGADÃO POR SUAS ATENÇÃO

  21. Goste do texto, pois precisei fazer uma pesquisa sobre os pré socráticos, de momento rápido e vai ser muito util para mim
    obrigado que Deus lhe pague, fiquem com Ele e que Ele sempre os abençoem
    Antonio

  22. Muito bom. ME Ajudou e continua me ajudando. Hiper interessante este texto, não existem desperdícios de palavras pala expressar este conteúdo.
    O resumo mais completo que já ví. Parabéns!

  23. finalmente achei alguma coisa d util sobre os pré socráticos, pois navegando na net só se acha besteirol de teorias matemáticas, coisas q pra mim naum sao importantes, popis procurava biografia e teoria dos mesmos.
    valeu pelo espoaço, fui!
    julio, de maceió-AL
    15 anos

  24. Hellyson

    Experimente outros textos sobre o assunto no site então… fragmentos pré socráticos na biblioteca, com o texto original destes filósofos, material para o ensino médio do professor Humberto na seção de textos introdutórios, texto elogio de Helena do Górgias na Biblioteca, tradução original e inédita com estudo introdutório e texto em grego ou o artigo acadêmico sobre Heráclito do Humberto, que foi uma comunicação apresentada na ANPOF.

  25. Faço pós-graduação em Segurança Pública e monto uma base de dados sobre Drogas. Já achei alguma coisa e gostaria que me ajudassem com referências a este assunto. quanto aos textos, parabenizo a todos, grato.

  26. Muitoooooooooooo obrigadaooo valeu pelo esforço do pc okkkkk
    me ajudou mui to ok eu amo a minha professorinha
    okkkk
    valeuuuu brigadao!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    eu te amo professora lindinha

  27. professor,eu rezumi o trabalho numa folha mas aí está o troabalho completo.eu lembro que o senhor falou que não quer por e-mail masé que na folha eu só rezumi,como eu já falei mil desculpas ass:sua aluna querida juliana do primeiro (a)

  28. ola pexual…eu tambem vim aki pra faxer trabalho, façu dupla com rhuama,tambem naum li o textu ainda…mas vai ser muito proveitoso,karak naum akreditu ki achei esse site………..

  29. Que comentários imbecis de pessoas idiotas que só vêm aqui pra fazer trabalhos de colégio e não têm idéia disso aqui,essa Daniela Deutcshle ainda pede um resumo do texto,faça o seu!Eu apagaria esses comentários e se fosse dono do site,sinceramente,acho que ninguém está lendo isso que eu estou escrevendo mesmo…

  30. pô galera, vamos fazer comentários mais inteligentes. nada de, legal, gostei muito, interessante, diga sempre pq você gostou, e não venham apenas quando forem obrigados, tenham pelo menos um pouco de curiosidade. ah, textos filosóficos devem sempre vir seguido de uma reflexão, após a leitura, assim como qualquer tipo de texto. numca leia um texto apenas por ler. té mais

  31. Gostei muito da pesquisa. Como ainda estou no primeiro período, não estou muito familiarizado aos pensamentos filosóficos. Quer dizer que filósofos da natureza e pré-socráticos quer dizer a mesma coisa ???

  32. o texto é mto interessante mas npos precisavamos de um terxto q respondesse uma pergunta……tipo se todas as coisas são feitas de atomos por que elas são tão diferentes????
    agradeço a atenção ee bjus

  33. gostei muito,pois as colocacoes feitas sobre estes filosofos sao bastante interessantes e gracas essas colocacoes aumentei meu conhecimento sobre este periodo tao importante da filosofia que o o periodo pre-socratico

  34. Achei esse site muito irado,me ajudou bastante num trabalho de filosofia.todo esse mundo de pensamentos me encanta muito,é útil na vida de um estudante um site como esse.PARABÉNS!!!

  35. O curioso é que existem grandes filosofos que nem se quer conhecemos ou ouvimos falar, e em busca de conhecemos acabamos descobrindo e se aprofundando muito mais. Em relação aos textos são de um resumo direto que te faz querer buscar mais e mais….

  36. Como sou fascinada por fílosofia, e curso Psicologia. Adorei todos os textos são bem explicado e a curiosidade de se aprofundar no assunto cresce, com passa da leitura.

Deixe uma resposta