O BRASIL E OS ESTRANGEIROS

Oliveira Lima O BRASIL E OS ESTRANGEIROS O título desta conferência vos terá parecido à primeira vista um pouco paradoxal, ou pelo menos ambíguo. Os verdadeiros naturais do Brasil são os índios, nome geral dado aos habitantes do Novo Mundo e que ficou com uma recordação indelével de Cristóvão Colombo, da sua crença na esfericidade … Ler maisO BRASIL E OS ESTRANGEIROS

Odorico Mendes, tradutor da Eneida de Virgílio e Ilíada de Homero (Silvio Romero)

Manuel Odorico Mendes (1799-1864), político, jornalista, literato, poeta, foi o patriarca da escola maranhense na literatura brasileira. Os seus pares foram Sotero dos Reis, Francisco Lisboa, Gonçalves Dias, Henriques Leal, Trajano Galvão, José Pereira da Silva, Franco de Sá e Gentil Homem de Almeida Braga.

Quando falo em escola maranhense não quero dizer que as mesmas idéias, as mesmas doutrinas, um corpo sistemático de opiniões, tivessem brotado ali e sido arquitetadas por aqueles obreiros. O laço que os prende é terem nascido na mesma terra e vivido quase todos no mesmo tempo.

Se entre Odorico e Sotero há igual entusiasmo pelas letras clássicas, entre eles e Franco de Sá ou Gentil Homem as intuições são mui diferentes. Gonçalves Dias na poesia e Francisco Lisboa na história ocupam uma posição à parte.

Em Odorico Mendes parece-me sobrepujar o patriota ao literato. Desde 1824 atirou-se ao jornalismo e à política ativa. No Maranhão e no Rio de Janeiro foi um dos homens mais influentes do período regencial e tinha sido um dos preparadores do Sete de Abril. Estava na corte nesse tempo e foi um dos organizadores da regência provisória. Não entra em meu plano escrever a história dos governos regenciais, nem mesmo fazer a biografia do poeta maranhense. Este último trabalho foi magistralmente levado a efeito por J. Francisco Lisboa e A. Henriques Leal.5

O decênio que vai de 1830 a 40, é a certos respeitos a época mais valor

FRANCISCO DE MORAIS e as novelas de cavalaria

FRANCISCO DE MORAIS, natural de Bragança, nasceu em um dos últimos anos do século XV, ou no começo do XVI, segundo pensava Odorico Mendes, e morreu em 1572. Serviu em Paris como secretário do embaixador D. Francisco de Noronha, e aí viveu na brilhante corte de Francisco I. De volta a Portugal, em 1543, publicou a novela Palmeirim de Inglaterra, obra que, conquanto muito diversa do gosto atual, sumamente aprazia ao de então, e por isso mereceu a honra de muitas imitações.

O Gigante Almourol e o Cavaleiro das Donzelas

Vendo o gigante Almourol que por nenhuma via o cavaleiro das Donzelas queria batalhar com Florendos, mandou trazer de dentro da torre um cavalo baio, crescido e formoso, tal qual convinha ao peso de sua pessoa. Este mandou ao cavaleiro das Donzelas, pedindo-lhe que cavalgasse nele e quisesse que ambos fizessem alguma coisa diante da senhora Miraguarda, para lhe pagar o desgosto que houvera de se não acabar a outra contenda. E, se houvesse por bem que o vencedor ganhasse algum preço, folgaria muito, porque a batalha fosse com mais gosto.