A REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA EM TESES E DISSERTAÇÕES

RESENHA DO TEXTO “A REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA EM TESES E DISSERTAÇÕES: MEUS TIPOS INESQUECÍVEIS – O RETORNO” FERNANDA CRISTINA ROSSETTO O presente texto analisa o papel da revisão bibliográfica em trabalhos de pesquisa, dissertações e teses. Constantemente, as revisões bibliográficas observadas nesses trabalhos se ocorreram de forma irregular, insuficiente ou má qualidade. Também se constatou … Ler maisA REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA EM TESES E DISSERTAÇÕES

ADIMA E HEVA – Prasada, ou o Poema dos poemas, dos Brâmanes

ADIMA E HEVA, temos a poética tradição dos Brâmanes sobre o assunto, tal como no-la conta o Prasada, ou o Poema dos poemas.

ADIMA E HEVA

A TERRA estava coberta de flores, as árvores vergavam ao peso dos frutos, milhares de animais folgavam pelas planícies e nos ares, os elefantes brancos passeavam pacificamente à sombra das florestas gigantescas, e Brama compreendeu que viera o momento de criar o homem que devia habitar aquele local.

Antônio Gonçalves Teixeira e Sousa

Autor: Silvio Romero (Lagarto, 21 de abril de 1851 — 18 de junho de 1914) – História da Literatura Brasileira

Vol. III. Contribuições e estudos gerais para o exato conhecimento da literatura brasileira. Fonte: José Olympio / MEC.

Antônio Gonçalves Teixeira e Sousa (1812-1861). — Foi um mestiço, filho de uma pobre família de Cabo Frio, na província do Rio de Janeiro.

Tendo apenas o ensino das primeiras letras, foi forçado em 1822, por apertos pecuniários dos pais, a aprender o ofício de carpinteiro.

Neste mister, já em Cabo Frio, já no Rio de Janeiro, para onde passou-se em 1825, conservou-se até 1830. De volta então à sua cidade natal, foi nomeado mestre-escola, emprego que exerceu largos anos, sendo em 1855 despachado escrivão do comércio no Rio. Faleceu em 1 de dezembro de 1861.

Foi um homem ativíssimo e de muito bons desejos. É o nosso poeta artesão. Escreveu bastante, tentando gêneros diversos. Publicou duas ou três tragédias, um grande poema épico sobre a Independência do Brasil, uma espécie de poema lírico sobre uma tradição de sua terra, grande porção de cânticos líricos, e seis ou sete romances.

É uma bagagem literária assaz pesada e de um manejar dificultoso. É um grande inconveniente escrever muito, especialmente quando esse muito escrever não obedece a um plano e a uma idéia dirigente.

Torna-se a obra de um escritor desses um matagal daninho em que se perde improficuamente o leitor, e donde sai irritado o crítico, lastimando o precioso tempo perdido em atravessar matos e barrancos.

Causa dó a cegueira, a inópia de um escrevinhador, de um sporcatore di carta, gastador de tinta e papel…

O nosso Teixeira e Sousa não é precisamente um tão profuso e difuso produtor de livros. Mas teria andado bem em escrever menos. Nas letras as mais das vezes o silêncio é de ouro, e a sobriedade é sempre de brilhante.

As tragédias e o longo poema épico fazem mal à reputação literária de Teixeira e Sousa. Fora melhor que os não tivesse produzido. Quase o mesmo se pode dizer de seus fracos e enfadonhos cânticos líricos.

Postos estes produtos à margem, ainda restam o poema lírico e os romances do escritor para dar a medida e mostrar a índole de seu talento.31

Primeiro o poeta, e isto rapidamente.

31. Estes escritos de pouco valor sao as tragédias — Cornélia, O Cavaleiro Teutànico; as coleções de poesias sob o titulo de Cânticos Líricos; o poema épico denominado — A Independência do Brasil.

Quando digo que o poeta de Cabo Frio era bem intencionado, avanço uma verdade. Era patriota e nacionalista; forcejava por tomar parte nos esforços da geração de seu tempo no empenho de dotar o Brasil com uma literatura. Então não tínhamos ainda vergonha de ser brasileiros, sonhávamos ainda com a formação de uma pátria autônoma e progressiva. Como a mulher perdida que abre a sua porta ao primeiro viandante, o espírito nacional não havia ainda desesperado de si, não desejava ainda escancarar as nossas casas a quantos desconhecidos queiram tomar conta delas. Nacionalismo não era ainda sinônimo de atraso e emperramento; era apenas a salvaguarda das tradições, a consciência de um povo que se queria formar livre e forte, aproveitando as lições das nações cultas, sem perder sua índole, sua feição peculiar. O poeta ainda estava, pois, no bom terreno.

O romantismo brasileiro no seu primeiro momento foi uma prolação do espírito da velha Escola Mineira. Ao menos em parte foi assim.

Depois é que a imitação do romantismo francês, a macaqueação, o plagiato impensado do francesismo sufocou em nossa literatura o sentir nacional.

O poeta estava cheio de boas intenções; porém em literatura as boas intenções, que se não realizam, ou realizam-se mal e incompletamente, não têm valor, são como bilhetes brancos, papéis que nada valem.

É o caso de Teixeira e Sousa.

Por mais bondoso que eu queira ser nesta geral excursão pelos domínios da literatura pátria, não posso sofismar a minha impressão no estudo das obras deste escritor.

O poeta se me revelou acanhado, ermo de graças, de vida, de movimento, de seiva, de entusiasmo. Nem força e masculinidade, nem graciosidade e meiguice. Não tem quase nenhum dos sinais distintivos dos bons poetas, ou ainda dos poetas secundários, mas interessantes na sua inferioridade.

Poucas leituras conheço em qualquer literatura tão enfadonhas e tão nulamente compensadoras como a do poema Os Três Dias de Um Noivado.

O estilo é áspero, a métrica pesada e dura; o fundo um amálgama de trivialidade e de fantasmagoria de insuportável contextura. Nada mais fácil do que aduzir trechos para lançar aí diante dos olhos dos cépticos as provas absolutas do que afirmo…

É bastante indicar ao leitor toda a conversação no canto quatro do poema entre o protagonista Corimbaba e o velho Solitário que ele encontrou nas brenhas dè uma mata, e ainda mais particularmente as cenas do quinto canto, passadas entre o mesmo Corimbaba e os bruxos e entes sobrenaturais do Rochedo Encantado, onde o moço amante e recém-marido de Miriba vai inquirir do futuro. Oh! leitura displicente!… Peço dispensa de trazê-la para aqui. Prefiro mostrar o trecho que me pareceu mais agradável em todo o poema. São no 2.° canto os descantes entre os dous amantes em a noite do noivado. Corimbaba começa e Miriba lhe responde. É por esta forma: