VERGÍLIO FERREIRA NOS CAMINHOS DA INTERROGAÇÃO

maravilhas das antigas civizações

VERGÍLIO FERREIRA NOS CAMINHOS DA INTERROGAÇÃO por Isabel Rosete     A interrogação tem, para Vergílio Ferreira, um sentido ontológico e não apenas lógico, tal como as perguntas para as quais encontramos sempre respostas, nesses mesmos espaços prometaicos de que o autor sistematicamente se afasta. Perante as interrogações que o intrigam, e à medida que … Ler maisVERGÍLIO FERREIRA NOS CAMINHOS DA INTERROGAÇÃO

Heidegger: A Arte como poesia essencial em que um povo diz o Ser

maravilhas das antigas civizações

A ARTE COMO POESIA ESSENCIAL EM QUE UM POVO DIZ O SER ISABEL ROSETE «(…) Pois desde que a Poesia se libertou dos lábios Mortais, exalando a paz, e o nosso canto, Benfazejo na dor e na fortuna, alegrou O coração dos homens, também nós, Cantores do povo, gostamos de estar entre os viventes Onde … Ler maisHeidegger: A Arte como poesia essencial em que um povo diz o Ser

Kant – Da possibilidade da educação: A educação moral

Da possibilidade da educação: A educação moral:

Isabel Rosete
Setembro de 2005

As notas escritas por Kant acerca da educação não constituem, de modo
algum, um desvio meramente acidental de uma actividade filosófica perpassada
por questões metafísicas mas, ao invés, uma parte integrante e fecunda do
seu pensar, tão essencial como qualquer outra. Aliás, a metafísica kantiana
intervém no projecto pedagógico perfilhado pelo autor a todo o momento e em
todos as circunstâncias, não tanto para nos conduzir à elaboração de
abstracções, mas para nos enviar para o concreto porque, afinal, o
Pensamento e a Experiência esclarecem-se e guiam-se mutuamente.

A pedagogia fornece ao autor quadros de pensamento específicos já anunciados
em outras obras que, em aparência, ultrapassam o domínio estritamente
educacional. Existe uma disciplina da Razão Pura que é entendida num sentido
eminentemente pedagógico, tal como nos é anunciado na parte final da Crítica
da Razão Pura, sendo a Metodologia da Razão Prática, que conclui a Crítica
da Razão Prática, não mais do que a ideia de uma pedagogia moral.
Encontramos, também, na Crítica da Faculdade de Julgar, reflexões
essenciais sobre as noções pedagógicas de disciplina e de cultura.

Kant apresenta-se como um espírito profundamente interessado pelos problemas
pedagógicos, aureolado pelas noções de bom senso e de equilíbrio, tão
adversas aos programas de ensino vigentes na época (e quiçá nos nossos
dias), onde a escola se manifestava como o meio menos apropriado para a
promoção da educação da humanidade.

PERCURSOS DE HEIDEGGER PELO HUMANISMO

PERCURSOS DE HEIDEGGER PELO HUMANISMO  Isabel Rosete A extensa obra de  Heidegger  é marcada por uma obscuridade proposital. Sua insistência em apelar para uma radicalização do pensamento metafísico tornou-o um dos filósofos mais enigmáticos do século XX. A dificuldade do estudo de sua doutrina só tem paralelo com o exame das peças que sobraram dos textos … Ler maisPERCURSOS DE HEIDEGGER PELO HUMANISMO

INTRODUÇÃO AO ENSAIO «UMA POÉTICA DA MÚSICA EM MARTIN HEIDEGGER: OS DOMÍNIOS DA POESIA E O CANTO DOS POETAS

INTRODUÇÃO AO ENSAIO UMA POÉTICA DA MÚSICA EM MARTIN HEIDEGGER: OS DOMÍNIOS DA POESIA E O CANTO DOS POETAS, Isabel Rosete Artista de ontem e de hoje, que é a arte? Não me respondeis. Dissimulai-vos, adormeceis, bem vejo. Mas gritai, acordai, por Júpiter, pai dos deuses! Ensinai-me de uma vez o que é a arte. … Ler maisINTRODUÇÃO AO ENSAIO «UMA POÉTICA DA MÚSICA EM MARTIN HEIDEGGER: OS DOMÍNIOS DA POESIA E O CANTO DOS POETAS

HEIDEGGER: ARTE, OBRA, ORIGEM, MISTÉRIO E ENIGMA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA MESTRADO: ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE HEIDEGGER: ARTE, OBRA, ORIGEM, MISTÉRIO E ENIGMA SEMINÁRIO: FILOSOFIA DA MÚSICA – filosofia DA PINTURA DOCENTE: PROFESSOR DOUTOR CARLOS COUTO DE SEQUEIRA COSTA SEGUNDO SEMESTRE 1996/1997 MESTRANDA: ISABEL ROSETE «(…) E todo o meu sonho e intento é unir e … Ler maisHEIDEGGER: ARTE, OBRA, ORIGEM, MISTÉRIO E ENIGMA