Consciência - Filosofia e Ciências Humanas

A MÍSTICA – História da Filosofia na Idade Média”



HISTÓRIA DA FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA

Johannes HIRSCHBERGER
Fonte: Ed. Herder
Trad. Alexandre Correia

5  — A  MÍSTICA

A imagem que traçamos da primitiva escolástica não seria completa se não levássemos também em conta a mística. Pois não se deveria pensar que a escolástica conhece só a linguagem da razão e não também o calor do sentimento. De outro lado, não se deveria crer que a escolástica tomou o seu surto religioso fora dos quadros das teorias eseolásticas. Cf. J. Bernhart, Die philosophische Mystik des Mittelalters (1922).

a)    Bernardo   de   Claraval

No primeiro lugar devemos nomear o cisterciense Bernardo de Claraval (1091-1153). Juntamente com , imprime ao séc. 12 a sua fisionomia própria. Bernardo se volta contra a "vã loquacidade dos filósofos", não por desprezar a ciência, mas por querer transportá-la para outro terreno. O começo de todo conhecimento da verdade não está no intelecto, mas na humildade.   Nela se fazem calar todos os interesses do eu, tornando-se assim o homem aberto e receptivo em relação ao verdadeiro mundo. Fé e renúncia de si são mais importantes que toda dialética. Daí o ser para Bernardo a verdadeira filosofia o amor de Cristo Crucificado Nele o amor se une muito íntimo com a sabedoria divina. Neste caminho distingue Bernardo três graus — a consideratio, onde o homem colhe e procura; a contemplatio, onde numa renúncia confiante e na intuição apreende a verdade; e o êxtase, onde nos separamos do nosso eu e, numa união mística, perdemo-nos em Deus como uma gota de água no vinho. Bernardo é, como , um gênio religioso, que pode tornar-nos visíveis as possibilidades humanas, que oferecem aos filósofos muitas e antes ainda não consideradas perspectivas.

b)    Os    Vitorinos

Quão errado seria acreditar que a mística trilha, em oposição à escolástica, caminhos diferentes de pensamento, bem o mostram os cônegos agostinianos do convento de S. Vítor, ante portas, de Paris.

α) Hugo. — Hugo Vitorino (f 1141), alemão, conde de Blankenburgo, propende ao cultivo de todas as ciências profanas. E enquanto os antidialéticos dizem: "é inútil o estudo da filosofia", proclama ele: "aprende tudo e verás logo que nada é inútil". Ao passo que a mística de Bernardo é uma fusão de elementos paulinos e joaninos, aqui revivem os ensinamento neoplatônicos. Hugo também escreveu um belo comentário à Hierarchia caeleste, onde mutuamente se casam meditações religiosas e profundeza de sentimento místico. Foi considerável a sua influência sobre a filosofia e a teologia posteriores. Assim Bonifácio VIII, p. ex., hauriu nas obras de Hugo os passos principais da sua bula Unam sanctum.

β) Ricardo. — Ricardo Vitorino (+ 1173) move-se na mesma direção. Um pensamento que lhe é particularmente caro é a doutrina da scintilla animae, que desempenhará um papel tão importante na mística posterior.


Índice [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24]

Comentários

Mais textos

1 comentário - Comente também

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , ,

Início