A MÍSTICA – História da Filosofia na Idade Média”




HISTÓRIA DA FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA

Johannes HIRSCHBERGER
Fonte: Ed. Herder
Trad. Alexandre Correia

5  — A  MÍSTICA

A imagem que traçamos da primitiva escolástica não seria completa se não levássemos também em conta a mística. Pois não se deveria pensar que a escolástica conhece só a linguagem da razão e não também o calor do sentimento. De outro lado, não se deveria crer que a escolástica tomou o seu surto religioso fora dos quadros das teorias eseolásticas. Cf. J. Bernhart, Die philosophische Mystik des Mittelalters (1922).

a)    Bernardo   de   Claraval

No primeiro lugar devemos nomear o cisterciense Bernardo de Claraval (1091-1153). Juntamente com , imprime ao séc. 12 a sua fisionomia própria. Bernardo se volta contra a "vã loquacidade dos filósofos", não por desprezar a ciência, mas por querer transportá-la para outro terreno. O começo de todo conhecimento da verdade não está no intelecto, mas na humildade.   Nela se fazem calar todos os interesses do eu, tornando-se assim o homem aberto e receptivo em relação ao verdadeiro mundo. Fé e renúncia de si são mais importantes que toda dialética. Daí o ser para Bernardo a verdadeira filosofia o amor de Cristo Crucificado Nele o amor se une muito íntimo com a sabedoria divina. Neste caminho distingue Bernardo três graus — a consideratio, onde o homem colhe e procura; a contemplatio, onde numa renúncia confiante e na intuição apreende a verdade; e o êxtase, onde nos separamos do nosso eu e, numa união mística, perdemo-nos em Deus como uma gota de água no vinho. Bernardo é, como Agostinho, um gênio religioso, que pode tornar-nos visíveis as possibilidades humanas, que oferecem aos filósofos muitas e antes ainda não consideradas perspectivas.

b)    Os    Vitorinos

Quão errado seria acreditar que a mística trilha, em oposição à escolástica, caminhos diferentes de pensamento, bem o mostram os cônegos agostinianos do convento de S. Vítor, ante portas, de Paris.

α) Hugo. — Hugo Vitorino (f 1141), alemão, conde de Blankenburgo, propende ao cultivo de todas as ciências profanas. E enquanto os antidialéticos dizem: "é inútil o estudo da filosofia", proclama ele: "aprende tudo e verás logo que nada é inútil". Ao passo que a mística de Bernardo é uma fusão de elementos paulinos e joaninos, aqui revivem os ensinamento neoplatônicos. Hugo também escreveu um belo comentário à Hierarchia caeleste, onde mutuamente se casam meditações religiosas e profundeza de sentimento místico. Foi considerável a sua influência sobre a filosofia e a teologia posteriores. Assim Bonifácio VIII, p. ex., hauriu nas obras de Hugo os passos principais da sua bula Unam sanctum.

β) Ricardo. — Ricardo Vitorino (+ 1173) move-se na mesma direção. Um pensamento que lhe é particularmente caro é a doutrina da scintilla animae, que desempenhará um papel tão importante na mística posterior.


Índice [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24]

Comentários

comments

Mais textos

1 comentário - Comente também

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início