Consciência - Filosofia e Ciências Humanas

A FILOSOFIA ESCOLÁSTICA – Generalidades – História da Filosofia na Idade Média



HISTÓRIA DA FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA

Johannes HIRSCHBERGER
Fonte: Ed. Herder
Trad. Alexandre Correia

Capítulo  Segundo – A  FILOSOFIA ESCOLÁSTICA

GENERALIDADES

a)    Conceito   da   Esco1ástica

Por Escolástica, em sentido restrito, entende-se a especulação filosófico-teológica que se desenvolveu nas escolas da Idade Média propriamente dita, i. é, de Carlos Magno até a Renascença, tal como essa especulação se apresenta, antes de tudo, na literatura de Summae e de Quaestiones. Essas escolas foram a princípio as catedrais e as monacais e, mais tarde, as Universidades. Num sentido algo mais largo, designa a escolástica também o pensamento dessa época que, embora sem empregar um método rigorosamente escolar, racional-conceptual, repousa porém nas mesmas bases metafísicas e religiosas, como p. e., a mística. E também se pode incluir nessa denominação a filosofia arábico-judaica, na medida em que, durante esse período, entra em contado com a escolástica propriamente dita.

b)    Método   escolástico

α) Ensino. — O ensino, nas escolas medievais, se calca em duas bases fundamentais — a lectio e a disputatio. . Na lectio, correspondente ao que os alemães chamam hoje Vorlesung (lição), só o mestre é que tem a palavra. Ela se atem, de ordinário, a uma obra sobre as Sentenças com o fim de comentar as "opiniões" (sententiae) de autores conhecidos. Para a teologia se tomavam geralmente as Sentenças de Pedro Lombardo; na filosofia, as obras de Boécio e Aristóteles. A disputatio era uma livre discussão entre o mestre e o discípulo, na qual se aduziam e discutiam argumentos favoráveis e contrários a uma tese.

 β) Formas literárias. — Dessas formas didáticas resultaram naturalmente as correspondentes formas literárias escolásticas.   Da lectio procederam os comentários, que aparecem inúmeros na Idade Média.

αα) Comentários. — Assim os comentários ao Lombardo, a BoÉcio, ao Pseudodionísio e particularmente a Aristóteles.

ββ) Sumas. — Dos comentários, por sua. vez, nasceram as Summas, nas quais o autor se libertava mais e mais das andadeiras do livro de texto, colocando-se num ponto de vista real-sistemático,  na exposição da matéria  do ensino.

γγ) Quaestiones. — Da disputatio nasceu a literatura das quaestioncs, que compreendiam duas espécies — as quaestiones disputatae e as quaestiones quodlibetales. As primeiras contêm a matéria da disputatio ordinária, que tem lugar regularmente todos os 14 dias; durante um mais largo espaço de tempo desenvolve-se um único tema (p. ex., de veritate, de potentia, de maio). As ultimas são o resultado de disputas mais solenes, realizadas duas vezes por ano, pela Natividade e pela Páscoa, sobre variadas questões (quaestiones de quo-Ubet).

δδ) Técnica das sumas. — A técnica das discussões dos prós e contras e a solução da questão subseqüente ao debate constituíam a das Sumas medievais. Assim, p. ex., na Summa Theologica de S. Tomás, primeiro se apresentam os argumentos contrários (objectiones) à solução da tese; com a expressão sed contra expõe-se, de ordinário apoiada numa autoridade, o ponto de vista oposto. O tema é então tratado, em si mesmo, na parte principal do artigo (corpus articuli). Daí resultam as respostas aos argumentos em contrário, aduzidos no princípio.

εε) Opuscula. — Mas a escolástica também já conhecia o modo livre de tratar um problema. Chamam-se opuscula os pequenos tratados particulares dessa natureza.

c)    Espírito   da   Escolástica

α) Auctoritas e Ratio. — Pelo que acabamos de dizer vemos que o espírito da escolástica se desenvolve em dois elementos — a auctoritas e a ratio, a tradição e o pensamento que a penetra. A auctoritas é o primeiro recurso do método escolástico. Tais autoridades eram citações da Bíblia, dos , dos Concílios, mesmo na filosofia: mas, sobretudo, citações de Aristóteles, o "Filósofo", por excelência, como Averróis era por excelência o "Comentador". As opiniões dessa espécie eram consignadas nos livros das Sentenças, donde a sua capital importância. Mas como as obras das autoridades reconhecidas nem sempre concordavam, p. ex., Agostinho dizia uma cousa e Aristóteles outra, recorria a escolástica a .uni terceiro expediente — o pensamento racional, que se esforçava por desentranhai-, mediante análises conceptuais, o sentido das doutrinas recebidas, precisar-lhes mais exatamente o valor e, sendo possível, conciliá-las.

 β) Suas vantagens e desvantagens. — A força de pensamento que se punha na realização dessa tarefa era imponente. Duas cousas se evidenciam — objetividade e acuidade lógica. O pensador escolástico não faz praça de ; para ele a poesia não ê nem poesia, nem sentimento nem questão de ponto de vista. O que se quer é servir à verdade em si mesma. Esses homens podiam crer e realizar uma cousa por causa dela mesma. E o fizeram com o emprego da lógica, estimada hoje como merece, depois de se ter por muito tempo visto nisso apenas a dialética, no sentido pior do vocábulo. Esta censura não era, certo, inteiramente injustificada. Apegavam-se às vezes demasiado às palavras. Acreditavam em termos tradicionais e era grato ouvi-los. E para não se verem obrigados a abandoná-los, davam-lhes freqüentemente um sentido que não lhes convinha nem histórica nem realmente. Eram demasiado receptivos, falhos de senso histórico e crítico. Por isso se mesclam nos conceitos e nos problemas as mais diversas direções de pensamento, muito pouco distintas nos seus contornos próprios, como as pinturas superpostas num velho quadro, cujas diferentes camadas exigem o máximo cuidado de um técnico para poderem ser separadas. Mas as referidas camadas aí estão, e esta é outra vez a vantagem do sentido de respeito à tradição. A escolástica é assim um como imenso museu do espírito. Os mesmos tempos que conservaram fielmente os manuscritos da antigüidade, também se preocuparam por que o seu pensamento vivo nada perdesse do que criaram os grandes pensadores do passado. Se é verdade que a escolástica muitas vezes lhes alterou o sentido, contudo nos transmitiu o pensamento antigo sem obstruir o caminho, para podermos agora, mediante as palavras conservadas, descobrir-lhe o verdadeiro sentido histórico. A escolástica é um domínio onde a indagação histórico-genética alcança os mais compensadores resultados e oculta ainda muitos tesouros não descobertos.

Bibliografia

M. Grassmann, Die Geschichte der scholastischen Methode (História do Método escolástico, I, 1909; II, 1911). Do mesmo, Millelalterliches Geistesleben (Vida espiritual da idade-média, I, 1926; II, 193G). E. GILSON, L’Esprit de Ia Philosophie médievale (1944). A. M. Landgraf, Einführum in die Geschichte der theologisehen Literatur der Früscholastic (Introdução à história da literatura teológica da primitiva escolástica)    (Edição em castelhano 195..).


Índice [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24]

Comentários

comments

Mais textos

19 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Início