A FILOSOFIA ESCOLÁSTICA – Generalidades – História da Filosofia na Idade Média



HISTÓRIA DA FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA

Johannes HIRSCHBERGER
Fonte: Ed. Herder
Trad. Alexandre Correia

Capítulo  Segundo – A  FILOSOFIA ESCOLÁSTICA

GENERALIDADES

a)    Conceito   da   Esco1ástica

Por Escolástica, em sentido restrito, entende-se a especulação filosófico-teológica que se desenvolveu nas escolas da Idade Média propriamente dita, i. é, de Carlos Magno até a Renascença, tal como essa especulação se apresenta, antes de tudo, na literatura de Summae e de Quaestiones. Essas escolas foram a princípio as catedrais e as monacais e, mais tarde, as Universidades. Num sentido algo mais largo, designa a escolástica também o pensamento dessa época que, embora sem empregar um método rigorosamente escolar, racional-conceptual, repousa porém nas mesmas bases metafísicas e religiosas, como p. e., a mística. E também se pode incluir nessa denominação a filosofia arábico-judaica, na medida em que, durante esse período, entra em contado com a escolástica propriamente dita.

b)    Método   escolástico

α) Ensino. — O ensino, nas escolas medievais, se calca em duas bases fundamentais — a lectio e a disputatio. . Na lectio, correspondente ao que os alemães chamam hoje Vorlesung (lição), só o mestre é que tem a palavra. Ela se atem, de ordinário, a uma obra sobre as Sentenças com o fim de comentar as "opiniões" (sententiae) de autores conhecidos. Para a teologia se tomavam geralmente as Sentenças de Pedro Lombardo; na filosofia, as obras de Boécio e Aristóteles. A disputatio era uma livre discussão entre o mestre e o discípulo, na qual se aduziam e discutiam argumentos favoráveis e contrários a uma tese.

 β) Formas literárias. — Dessas formas didáticas resultaram naturalmente as correspondentes formas literárias escolásticas.   Da lectio procederam os comentários, que aparecem inúmeros na Idade Média.

αα) Comentários. — Assim os comentários ao Lombardo, a BoÉcio, ao Pseudodionísio e particularmente a Aristóteles.

ββ) Sumas. — Dos comentários, por sua. vez, nasceram as Summas, nas quais o autor se libertava mais e mais das andadeiras do livro de texto, colocando-se num ponto de vista real-sistemático,  na exposição da matéria  do ensino.

γγ) Quaestiones. — Da disputatio nasceu a literatura das quaestioncs, que compreendiam duas espécies — as quaestiones disputatae e as quaestiones quodlibetales. As primeiras contêm a matéria da disputatio ordinária, que tem lugar regularmente todos os 14 dias; durante um mais largo espaço de tempo desenvolve-se um único tema (p. ex., de veritate, de potentia, de maio). As ultimas são o resultado de disputas mais solenes, realizadas duas vezes por ano, pela Natividade e pela Páscoa, sobre variadas questões (quaestiones de quo-Ubet).

δδ) Técnica das sumas. — A técnica das discussões dos prós e contras e a solução da questão subseqüente ao debate constituíam a estrutura das Sumas medievais. Assim, p. ex., na Summa Theologica de S. Tomás, primeiro se apresentam os argumentos contrários (objectiones) à solução da tese; com a expressão sed contra expõe-se, de ordinário apoiada numa autoridade, o ponto de vista oposto. O tema é então tratado, em si mesmo, na parte principal do artigo (corpus articuli). Daí resultam as respostas aos argumentos em contrário, aduzidos no princípio.

εε) Opuscula. — Mas a escolástica também já conhecia o modo livre de tratar um problema. Chamam-se opuscula os pequenos tratados particulares dessa natureza.

c)    Espírito   da   Escolástica

α) Auctoritas e Ratio. — Pelo que acabamos de dizer vemos que o espírito da escolástica se desenvolve em dois elementos — a auctoritas e a ratio, a tradição e o pensamento que a penetra. A auctoritas é o primeiro recurso do método escolástico. Tais autoridades eram citações da Bíblia, dos , dos Concílios, mesmo na filosofia: mas, sobretudo, citações de Aristóteles, o "Filósofo", por excelência, como Averróis era por excelência o "Comentador". As opiniões dessa espécie eram consignadas nos livros das Sentenças, donde a sua capital importância. Mas como as obras das autoridades reconhecidas nem sempre concordavam, p. ex., Agostinho dizia uma cousa e Aristóteles outra, recorria a escolástica a .uni terceiro expediente — o pensamento racional, que se esforçava por desentranhai-, mediante análises conceptuais, o sentido das doutrinas recebidas, precisar-lhes mais exatamente o valor e, sendo possível, conciliá-las.

 β) Suas vantagens e desvantagens. — A força de pensamento que se punha na realização dessa tarefa era imponente. Duas cousas se evidenciam — objetividade e acuidade lógica. O pensador escolástico não faz praça de subjetividade; para ele a poesia não ê nem poesia, nem sentimento nem questão de ponto de vista. O que se quer é servir à verdade em si mesma. Esses homens podiam crer e realizar uma cousa por causa dela mesma. E o fizeram com o emprego da lógica, estimada hoje como merece, depois de se ter por muito tempo visto nisso apenas a dialética, no sentido pior do vocábulo. Esta censura não era, certo, inteiramente injustificada. Apegavam-se às vezes demasiado às palavras. Acreditavam em termos tradicionais e era grato ouvi-los. E para não se verem obrigados a abandoná-los, davam-lhes freqüentemente um sentido que não lhes convinha nem histórica nem realmente. Eram demasiado receptivos, falhos de senso histórico e crítico. Por isso se mesclam nos conceitos e nos problemas as mais diversas direções de pensamento, muito pouco distintas nos seus contornos próprios, como as pinturas superpostas num velho quadro, cujas diferentes camadas exigem o máximo cuidado de um técnico para poderem ser separadas. Mas as referidas camadas aí estão, e esta é outra vez a vantagem do sentido de respeito à tradição. A escolástica é assim um como imenso museu do espírito. Os mesmos tempos que conservaram fielmente os manuscritos da antigüidade, também se preocuparam por que o seu pensamento vivo nada perdesse do que criaram os grandes pensadores do passado. Se é verdade que a escolástica muitas vezes lhes alterou o sentido, contudo nos transmitiu o pensamento antigo sem obstruir o caminho, para podermos agora, mediante as palavras conservadas, descobrir-lhe o verdadeiro sentido histórico. A escolástica é um domínio onde a indagação histórico-genética alcança os mais compensadores resultados e oculta ainda muitos tesouros não descobertos.

Bibliografia

M. Grassmann, Die Geschichte der scholastischen Methode (História do Método escolástico, I, 1909; II, 1911). Do mesmo, Millelalterliches Geistesleben (Vida espiritual da idade-média, I, 1926; II, 193G). E. GILSON, L’Esprit de Ia Philosophie médievale (1944). A. M. Landgraf, Einführum in die Geschichte der theologisehen Literatur der Früscholastic (Introdução à história da literatura teológica da primitiva escolástica)    (Edição em castelhano 195..).


Índice [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24]

Comentários

comments

Mais textos

19 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início