Consciênia - Filosofia e Ciências Humanas
Platão, biografia e pensamentos aristoteles Descartes Rousseau Nietzsche Marx

FIM DA PATRÍSTICA – História da Filosofia na Idade Média


HISTÓRIA DA FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA

Johannes HIRSCHBERGER
Fonte: Ed. Herder
Trad. Alexandre Correia

6 — FIM DA PATRÍSTICA

Ao extinguir-se a patrística encontramos uma série de homens, todos importantes, de certo modo, para a escolástica.

α) Próspero. — Assim, o fiel discípulo de , Próspero de Aquitânia (y c. 463), coletor de 392 sentenças do seu mestre; e assim o fundador do gênero literário dos livros das Sentenças.

β) Cassiodoro. — Depois, o discípulo de Boécio, Cassiodoro, o Senador (f 562). Escreveu, além da sua célebre obra histórica e exegética, um compêndio das sete artes liberais (artes liberales), muito usado na Idade Média. Sob este título eram ensinadas as ciências extra-teológicas — o trívio (gramática, dialética e retórica), e o quadrívio (aritmética, geometria, e música). Cassiodoro legou, nesses tratados, à Idade Média, os frutos dos trabalhos de Boécio concernentes à lógica, à aritmética, à geometria e à música, abrindo, nessa matéria, um  caminho para os séculos.

γ) Máximo o Confessar. — Também o Pseudodionísio teve um fiel intérprete: Máximo o Confessar (f 662). Com os seus comentários aos tratados pseudo-areopagíticos abriu caminho" para as correntes neoplatônicas.

δ) Isidoro. — Um importante fundo de doutrinas para a Idade Média foi o rico trabalho literário de Isidoro de Sevilha (f 636). Dele se originou um livro das Sentenças, inspirado em Agostinho e Gregório Magno. Ainda maior influência exerceram as suas Etimologias, uma espécie de enciclopédia, que transmite tudo quanto ainda era aproveitável, da antigüidade e da patrística.

 ε) Beda. — Para o mundo anglo-saxônico foi de particular importância Beda o Venerável (f 753), que fecundou a Idade Média, sobretudo com ensinamentos sobre a Natureza.

ζ) Damasceno. — Mencionemos por fim João Damasceno (f 749). Pertence à patrística grega, logo porém adotado, como o areopagita, pelos latinos. Desde Burgúndio de Pisa, no séc. 12, é traduzida em latim a terceira parte da sua obra capital, "Fonte do " (πεγε γνωσεωζ), sob o título "De fide orthodoxa". Sua obra contém muitas idéias neo-platônicas, mas também muitas aristotélicas; as últimas provêem da tradição do Aristóteles siríaco. Como num remanso sintetizante, recapitulante, nele confinem as principais correntes, que alimentam a patrística: o patrimônio cristão da Bíblia e dos Padres, o e o neoplatonismo e a filosofia aristotélica. Esta última a patrística a relega para um plano inferior. Agora ela se desloca cada vez mais para o primeiro plano, até vir a dominar todo o cenário da alta escolástica.


Índice [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9] [10] [11] [12] [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20] [21] [22] [23] [24]

Comentários

Mais textos

Adicione o seu comentário

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.


Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Início