História da Suécia no século XVI

Yafouba, o mágico da trilso, com uma das meninas que foram jogadas em cima de pontas de espadas.

História Universal – Césare Cantu

CAPÍTULO XXVIII

Suécia

Durante o reinado de Cristiano II, cunhado de Carlos V, apelidado o Nero do Norte, João Ângelo Archimbold (1517), protonotário apostólico, passou à I Escandinávia como legado pontifical, para lá prodigalizar as indulgências. Êle obteve do rei autorização para percorrer o país mediante mil e cem florins do Reno, e cometeu as inconveniências a que de ordinário dava lugar este gênero de tráfico. Porém, logo que ajuntou muito dinheiro, o rei mandou confiscar o seu navio, cuja captura foi avaliada em vinte mil ducados.

As máximas de Lutero foram depois pregadas aoã suecos pelos filhos do marechal Pedro Fase, Olaus e Lourenço, que tinham sido educados em Wittenberg. A reforma não devia contudo nascer nestas regiões; como na Alemanha, de uma luta entre as opiniões religiosas, hierárquicas e políticas, que não resultam àá vezes de uma convicção profunda, mas sim de um golpe de Estado.

As três fiandeiras – Fábulas irmãos Grimm

História de Antônio Portel. Versões portuguesas em Teófilo Braga, "As fiandeiras", em Consiglieri Pedroso, "As tias". Braga regista bibliografia, P. Kennedy, " Fire Side Stories * of Ireland", Basile no "Pentamerone", versão norueguesa de Asbjornen e Moe, sueca de Caval-lius e Stephens, alemão nos irmãos Grimm, n.° 14, "As três’fiandeiras", etc. No Brasil há a variante "A devota das almas", LXXVIT do "Contos e Fabulas Populares da Bahia", de João da Silva Campos.

O PRÍNCIPE DAS PALMAS VERDES – Histórias Infantis Foclóricas

UMA moça morava na mesma casa que uma velha que tinha uma filha muito invejosa e desajeitada. Viviam em quartos separados e a velha reparava na moça viver cantando e tratar-se muito bem, como pessoa rica. Não vendo de onde lhe vinha o recurso, começou a espionar e nada sabendo, pediu para dormir uma noite com a moça. Esta não pôde recusar. Entraram e a moça pediu à velha que a ajudasse a arrumar umas malas de roupa. E tanto arrumava a velha de um lado como ela desarrumava do outro, que terminou a velha morrendo de cansada e adormecendo. Amanheceu o dia sem que tivesse visto cousa alguma que contasse.

AS HIPÓTESES FUNDAMENTAIS DA SOCIOLOGIA

Introdução a Sociologia – PRIMEIRA PARTE OS PROBLEMAS SOCIOLÓGICOS Capítulo I

Professor A. Cuvillier (1939).

 

Capítulo VI AS HIPÓTESES FUNDAMENTAIS DA SOCIOLOGIA

A sociologia não é uma filosofia da história: não supõe uma explicação unilateral dos fenômenos sociais, mas, pelo contrário e como já dissemos, o sentido das interferências e das interações múltiplas cuja reunião forma a vida social. Se, contudo, não quisermos cair num círculo vicioso, que consistiria em explicar os fenômenos sociais sucessivamente uns pelos outros, essas ações recíprocas supõem, necessariamente, uma ação primordial, ou, como dizia Durkheim, um "substrato" fundamental. A sociologia necessita, portanto, como sucede com todas as outras ciências, de uma hipótese diretriz, de uma hipótese de trabalho, incidindo aqui sobre a natureza desse substrato.

I. —O "substrato" biológico

Será esse "substrato" de ordem biológica? E será a sociologia, neste sentido, um apêndice das ciências naturais? Esta interpretação pode apresentar-se — fora das vagas analogias do organicismo, de que já tratamos — sob duas formas principais.

1. O fator racial: a antropossociologia. — A primeira é a teoria da raça ou antropossociologia, a qual, como veremos adiante, é muito antiga. Mas é sabido que, na sua forma atual, ela tem, sobretudo, por origem um livro de Arthur de Gobineau, Essai sur l’inégalité des races humaines (1853-1855). Desenvolveu-se em França, nos fins do século passado, graças aos trabalhos de Vacher de Lapouge. A própria revista L’Année Sociologique, nos seus três primeiros volumes, julgou dever, ainda que com prudentes reservas acerca, do fundo da doutrina, consagrar uma rubrica à antropossociologia.

ELEVAÇÃO DO BRASIL A REINO – Dom João VI no Brasil – Oliveira Lima

Dom João VI no Brasil de Oliveira Lima

D. João VI no Brasil – Oliveira LimaCAPÍTULO XIII – ELEVAÇÃO DO BRASIL A REINO Refere Mello Moraes, sem documentos aliás que comprovem sua asserção, que a idéia de elevação do Brasil a reino foi sugerida pelo príncipe de Talleyrand ao conde de Palmela, o qual transmitindo-a sem demora para o Rio de Janeiro, determinou … Ler maisELEVAÇÃO DO BRASIL A REINO – Dom João VI no Brasil – Oliveira Lima

NO CONGRESSO DE VIENA – D. João VI no Brasil – Oliveira Lima

Dom João VI no Brasil de Oliveira Lima

D. João VI no Brasil – Oliveira Lima CAPITULO XII– NO CONGRESSO DE VIENA Apesar de ter como principal representante no Congresso de Viena um diplomata do tino de Palmela e da gestão dos seus negócios estrangeiros somente sair das mãos experimentadas de Aguiar para cair nas mãos hábeis de Barca, Portugal, conquanto recebesse todas … Ler maisNO CONGRESSO DE VIENA – D. João VI no Brasil – Oliveira Lima