Índice

Continued from:

Peripécias da guerra civil

A cólera-morbo ajuntara-se a outras vicissitudes do cerco, para o qual os constitucionais procuraram uma diversão no sul, ao mando de Terceira. Esta expedição, sugerida por Saldanha e transportada na frota de Napier, comodoro que Palmela trouxera de Londres para substituir outro inglês, Sartorius, constava de 2 500 homens. A 5 de julho de 1833 a forte esquadra realista era vencida e aprisionada nas águas do Cabo de São Vicente por essa esquadra constitucional, já então abertamente favorecida pela Grã-Bretanha, e no mesmo dia, no Porto, Bourmont, à testa de 35 000 miguelistas e com grossa artilharia, era repelido por Saldanha, que não dispunha de mais de 12 000 homens de trepa de linha e irregulares e deu êle mesmo uma carga de cavalaria — a famosa carga de Goelas de Pau — apenas com 20 lanceiros.

Ocupação de Lisboa

Terceira na sua marcha audaz sobre Lisboa, desde o Algarve, onde fora desembarcar, não encontrou graves dificuldades. A 24 de julho de 1833 ocupava a capital, desertada pela sua guarnição miguelista de 10 000 homens e onde se instalava como delegado do regente, até a chegada deste, Palmela (1781-1850), primeiro plenipotenciário português ao congresso de Viena e a mais notável entre as figuras civis do movimento. D. Miguel refez seu exército em Coimbra pela junção da divisão de Lisboa, trazida pelo duque de Cadaval, e de forças distraídas do cerco do Porto, o qual Saldanha rompeu afinal em agosto, embarcando para Lisboa, que D. Pedro tratava entretanto de pôr em estado de resistir, repetindo o seu paciente trabalho do Porto. De fato o exército miguelista avançou até ali para ser rechaçado e recorrer a um sítio efêmero, que Saldanha fêz igualmente levantar, retirando-se então o inimigo para Santarém.

As últimas batalhas e a capitulação

As duas batalhas que puseram cobro à guerra civil foram a de Almoster, ganha por Saldanha (18 de fevereiro de 1834), e a de Asseiceira, ganha por Terceira pouco depois. A primeira resolveu a situação na Extremadura; a segunda foi decisiva depois de limpas as províncias do Minho, Trás-os-Montes e Beira Alta até a mesma Extremadura — obra esta de Terceira que, menos impetuoso e brilhante do que Saldanha, era igualmente proficiente e não deixava serviço incompleto. O exército de D. Miguel passou para o Alentejo, perseguido pelos dois marechais, e capitulou, assinandc-se a convenção de Évora Monte (25 de maio de 1834).

O fim dos dois irmãos. A adaptação do novo regime

D. Miguel fixou residência em Viena, onde casou e criou numerosa família que se aliou com várias casas reinantes da Europa, suportando o infortúnio e o exílio com exemplar dignidade. D. Pedro, extenuado, minado por várias doenças, desgostoso com as dissen-ções dentro do partido liberal, sentindo a pouca estima dos portugueses, viveu apenas até 24 de setembro do mesmo ano, morrendo com 36 anos de uma vida das mais agitadas. A adaptação do sistema constitucional não se íêz sem dificuldade, apesar de cercada a jovem rainha de 15 anos, de experimentados conselheiros. As tendências chamadas vintistas, isto é, o elemento mais democrático que remontava às Cortes de 1820, entendia sobrepujar o elemento que denominava aristocrático e que politicamente se podia apelidar conservador ou moderado.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.