cap. 14 – O Empirismo Inglês – Fundamentos de Filosofia de Manuel Morente



Este texto está dividido em partes: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente
Lições Preliminares

Lição XIV

O EMPIRISMO INGLÊS

98. PSICOLOGISMO. — 99. LOCKE. — 100. AS IDÉIAS INATAS. — 101. A ORIGEM DAS IDÉIAS. — 102. ORIGEM PSICOLÓGICA. — 103. SENSAÇÃO E REFLEXÃO.—   104.   QUALIDADES  PRIMARIAS   E   SECUNDáRIAS.   —   105.   BERKELEY.   — 106. — IMATERIALISMO. — 107. A REALIDADE COMO VIVÊNCIA. — 108. HUME. —  109. IMPRESSÕES E IDÉIAS. — 110. SUBSTÂNCIA. — 111. O EU.   —  112. CAUSALIDADE, — 113. A «CRENÇA» NO MUNDO. — 114. POSITIVISMO METAFÍSICO

98.    Psicologismo

A necessidade de iniciar a filosofia pela radica na essência mesma do idealismo, já o vimos nas lições anteriores. A atitude prudente e cautelosa revela-se em que, antes de dar um passo, se examinam as possibilidades de dá-lo, os perigos que se podem correr, as maneiras de evitar esses perigos. E isso que acabo de expressar metaforicamente pode concretizar-se nos termos estritos de que uma deve proceder, no idealismo, a toda posição com respeito ao ser, ao pensar e à existência. Em virtude do qual pareceu indispensável que, antes de entrarmos plenamente no desenvolvimento da filosofia moderna — que na sua essência é toda ela idealismo — era conveniente analisar fenomenologicamente isso que se chama conhecimento, descrever esse conhecimento cuja teoria vai anteceder todo esforço metafísico.

Nós realizamos esta descrição fenomenológica do conhecimento; encontramos os elementos que constituem o conhecimento; vimos a estrutura destes elementos, como se condicionam uns aos outros e que função desempenham na complexidade do conhecimento. E terminamos observando que, dada a estrutura do conhecimento, este fenômeno do conhecimento limita, está em contacto íntimo com três esferas essenciais da filosofia: com a psicologia de uma parte, já que no conhecimento há vivências; com a lógica de outra parte, já que no conhecimento há vivências de enunciação nas quais se enunciam teses, proposições, afirmações ou negações; em terceiro lugar com a ontologia, porque no conhecimento as vivências de enunciação recaem sobre um objeto, são vivências de enunciação do algo acerca de algo.

E dizíamos, ao terminar, que na filosofia moderna o desenvolvimento do idealismo oscila entre estes três elementos limítrofes do conhecimento. Umas vezes prepondera na reflexão filosófica o ponto de vista psicológico e invade os outros dois com perigo de anulá-los por completo; outras vezes prepondera no pensamento filosófico a consideração lógica; outras vezes, por último, prepondera a consideração ontológica. Uma preponderância excessiva de qualquer uma dessas três considerações ameaça levar à lógica, à psicologia e à ontologia conclusões que se supõem tiradas da teoria do conhecimento, mas que na realidade são levadas de uma dessas três esferas à outra.

O exemplo mais típico disso iremos vê-lo quando seguirmos na sua evolução histórica, nos seus pontos fundamentais, o empirismo inglês. O empirismo inglês vai ser para nós o quadro exemplar de uma evolução intelectual que cada vez com mais energia, cada vez com mais intensidade, desenvolve o ponto de vista exclusivamente psicológico; e este ponto de vista psicológico vai fazer desaparecer do fenômeno conhecimento aquilo que há nele de lógico e de ontológico, acabando o empirismo inglês — conseqüente consigo mesmo — por inundar, mergulhar a totalidade do conhecimento em pura psicologia, e, por conseguinte, anulando o que poderíamos chamar o valor lógico e a realidade ontológica do conhecimento.

Comentários

comments

Mais textos

Este texto está dividido em partes: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

3 comentários - Clique para ver e comentar

Prezado visitante: por favor, não republique esta página em outros sites ou blogs na web. Ao invés disso, ponha um link para cá. Obrigado.



Parceiros
  1. Blog do Miguel
  2. Conexões Epistemológicas
  3. Consistência
  4. Diário da fonte
  5. Filosofonet
  6. Ricardo Rose – Da Natureza & Da Cultura
  7. Umas reflexões
  8. Veritas


<

Início