Filosofia e Ciências Humanas

fato social

11

A SOCIOLOGIA EVOLUTIVA

Ricardo Ernesto Rose

Jornalista, Graduado em Filosofia, Pós-graduado em Gestão Ambiental e Sociologia

1. A Sociologia Evolutiva

1. a) O que é a sociologia evolutiva e qual sua relação com a sociologia clássica?

A sociologia evolutiva é ciência recente. Surgiu com este nome há cerca de trinta anos, como sucessora da sociobiologia. Esta nova área de estudos da sociologia tem sua base científica tanto nas ciências sociais, quanto nas biológicas e no neodarwinismo; a teoria da evolução de Darwin associada às descobertas genéticas de Mendel, chamada de síntese evolucionária moderna. A expressão foi proposta pelo biólogo Julian Huxley, em seu livro Modern Synthesis (Síntese Moderna) publicado em 1942. Outra disciplina associada à sociologia evolucionista é a psicologia evolucionista, igualmente fundamentada nos corolários teóricos do neodarwinismo e voltada para o estudo da mente humana.

Continue lendo

 

Introdução

Auguste Comte, filósofo e inaugurador da Sociologia, propõe em seu livro “Curso de Filosofia Positiva”, na primeira metade do século XIX, que a história da humanidade é constituída por três estágios. O estágio teológico, o metafísico e o positivo.

O estágio teológico tem como característica básica a explicação da natureza mediante seres sobrenaturais. Como no início dos tempos, a humanidade ainda não tinha ainda tempo suficiente para observar a natureza. Desta falta de observação e necessitando explicar os fenômenos a sua volta, o homem, entregue ao desespero e à acomodação, tendeu a se projetar na natureza. Isto é, todas as ocorrências naturais são fetiches: o Sol, a Lua, as marés, as montanhas ganham vida, estão, agora, animadas. Ainda no estágio teológico a transmissão do conhecimento é autoritária: o sacerdote é ponto de sapiência e reverência.

O estado metafísico é o qual Comte tem menos apreço: este estado permuta a explicação dos seres sobrenaturais por forças. O conhecimento gerado pelo espírito metafísico deve ser argumentado e não simplesmente baseado na fé.  Etapa de transição entre o estado teológico e o positivo, o estado em questão, ao mesmo tempo em que antecipa características deste, retém outras tantas daquele.

Por fim, o estado positivo é o estado final do desenvolvimento humano. Aqui não estamos mais preocupados com as explicações causais dos objetos naturais. O homem com espírito positivo é aquele que se prende às leis da natureza, ignorando suas causas imanentes. Por exemplo, a física aristotélica baseava seus conhecimentos no modo teológico e metafísico; ao passo que Newton, e posteriormente Einstein, explicam a queda dos corpos de maneira indubitavelmente positiva.

Continue lendo

Durkheim e a sociologia

 

Jéferson Mendes[1]

Émile Durkheim nasceu em Épinal, no dia 15 de abril de 1858, região da Alsácia, na França. Iniciando os estudos em Epinal posteriormente partindo para Paris, no Liceu Louis Le Grand e… Continue lendo

Curso de Filosofia – Régis Jolivet

Capítulo  Quarto

OS DIFERENTES  MÉTODOS

Art. I.    A DIFERENCIAÇÃO DOS MÉTODOS

1.    O método  depende do objeto das  ciências. — Compreende-se

que cada categoria de ciência, sendo por definição irredutível às outras categorias, exige… Continue lendo

11