GORKI E O POVO

mar 6th, 2012 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Ducós Povo é uma palavra complicada no Brasil. Em inglês people significa povo e gente. Não existe essa diferença entre “nós” e “essa gente”, o povão velho de guerra. Fez-se toda uma política equivocada a partir do conceito de povo. País de escravos, todo mundo se acha senhor. Identificamos as pessoas pela exclusão. Governava-se […]



O DIÁFANO E O HILÁRIO

mar 6th, 2012 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Dois contos extraordinários dão sequência à leitura do livro Obras Primas do Conto Russo, da Martins Editora, que tenho comentado aqui: A Mãe de Branco, de Sologue, e O Mártir da Moda, de Kuprin. Ele abrem o leque da nossa percepção não apenas em relação à literatura russa, que a vemos sempre ligada […]



MAIS RUSSOS

mar 6th, 2012 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Insisto no tema porque a antologia que estou lendo prazerosamente de contos russos tem inúmeras revelações. A começar por diversos autores que eu desconhecia e que são importantes, como Búnin (1870-1944). No conto A Glória ele fala do fascínio que seu povo tem pelos patifes. Uma das coisas que me impressionam na realidade […]



CHORO DE PEDRAS

fev 11th, 2012 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Sigo os russos do século 19, a era do esplendor da literatura e das artes, tão vilipendiada pelo século 20, irmão mais novo e cheio de inveja. Na seleta que tenho comentado aqui, lançado pela Martins Editora em 1964, seleciono mais duas obras primas. Uma delas é de Tchirikov, “Fausto”, sobre o casal […]



REGRESSÃO

fev 5th, 2012 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Recebo spam por e-mail me convidando para ler novo fenômeno literário, um professor. Vou ler e o início é uma sucessão de lugares comuns, aquelas descrições torpes da natureza que evitávamos quando, no ginásio, os professores nos desafiavam a encontrar soluções melhores. O problema não é o romantismo ou o parnasianismo, que nos […]



HABITE-SE

nov 26th, 2011 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Habitar o espírito depende de uma sucessão de eventos. Como vivemos à mercê da indústria do espetáculo, que suga emoções esvaziando espíritos, que são preenchidos desde que se pague por isso, o vazio, e seu irmão gêmeo, o desespero, tomam conta das vidas. É impossível segurar a carga de problemas de uma trajetória […]



MESADA

out 30th, 2011 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Algumas palavras fazem parte do cânone da memória. Desgranida, por exemplo, parecida com o Desgracida, que o Dalton Trevisan escolheu para titulo de seu novo livro, um dos ganhadores do Jabuti 2011, é uma delas. É um xingamento disfarçado, para evitar a forma mais explícita e rude, o de desgraçada. É a maneira […]



NA CARRETERA

out 30th, 2011 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Espanholismos fazem parte do vocabulário da fronteira gaúcha. A estrada principal é a carretera, que na minha infância era de barro, pelo menos até 500 km ao norte, Santa Maria. Na lama também fiz algumas viagens com meu pai, como a que levou dois dias para chegarmos a São Borja, trajeto que se […]



AINDA É CEDO

out 3rd, 2011 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Ainda é cedo, amor, para retribuir teu beijo, porque devo esperar a hora certa. Um sinal será dado pelo navio que cruza o rio e fica em frente a nós como um aviso de que tudo poderá acontecer de novo, nossa cama coberta de sonho, a janela aberta para os pássaros. Não devemos […]



PARAÍSO PERDIDO

set 5th, 2011 | Por | Categoria: Crônicas

Nei Duclós Desde que acabou a moleza do Paraíso, somos obrigados a pegar no batente. Mas fica a saudade, o vestígio: sempre sonhamos em nos recolher a algum tipo de lugar edênico, para voltar ao bem bom. Nunca dá certo, claro. Não existe lugar intacto, pois por toda a parte carregamos a nós mesmos, fonte […]