O CRIME DA CARVOEIRA

mai 9th, 2012 | Por | Categoria: Contos        

Nei Duclós

Inventei uma biblioteca semi-submersa, guardada por um negro velho, que dormitava com os óculos comprados em camelô pendurados no nariz, rodeado de algas, liquens e peixes. Havia uma craca de ostras no teto. Um resto de rede tapando quadros borrados nas paredes. Uma cabeça de golfinho sorrindo sinistramente para mim.

Um volume detonado boiava na recepção e eu sentei com água pela cintura para tentar folhear, mas as páginas se despregavam, rasgavam ao meio e misturavam narrativas de memórias de alguém sem a mínima importância, mas que tinha uma história completamente louca para contar. Resolvi destacar alguns pedaços , aproveitei que o porteiro continuava dormindo e me mandei com alguns pedaços do livro.

Decidi enviar o material bruto para meu editor, que tinha faro, fazia as pautas e era melhor economizar tempo e ver o que achava daquilo. Ele me respondeu na hora: escreva um romance com isso e me entregue na segunda-feira, que estou sem nada para a Bienal, que começa no mês que vem. Meu editor se mal acostumou comigo quando produzi mil páginas de uma biografia histórica que chupei de alfarrábios perdidos. Escaneei um monte de volumes e depois fiz uma mistureba randômica. Deu certo. Não leram, mas fui premiado. Jurado de concurso literário não lê nada e premia por via das dúvidas. Vai que a porra gigantesca seja uma obra-prima. Ganhei algum dinheiro e fama. Por isso não estranhei o pedido.

Mas a maçaroca não fazia sentido. O autor contava sua vida com uma tal Ermengarda, filha adotiva de um aventureiro inglês que tinha fundado algumas cidades no interior da floresta no oeste sul do país. Ele era um engenheiro de minas e tinha ido para lá fazer serviços civilizatórios em troca de uns trocados em libras. Pretendia comprar sua passagem de volta para a Inglaterra, pois tinha vindo fazer fortuna e viu que aqui só podia se estrepar.

O cara é chato. Dedica a maior parte do texto a aspectos técnicos do seu trabalho, datados e desinteressantes. Mas deixa escapar o caso misterioso de um crime acontecido no ermo e que envolvia Ermengarda. Ela fazia serviços de caridade com os miseráveis que trabalhavam numa carvoeira quando descobriu um corpo carbonizado que viria a ser do inspetor chefe, um alemão chucrute temido e jurado de morte. Não haveria nada demais se o dito inspetor não fosse também o proprietário dos mil escravos que trabalhavam para o inglês. As suspeitas caíram sobre o pai da Ermengarda, que assim se livraria da dívida contraída com o feitor. Mas quem acabou pagando o pato foi o autor do livro.

Ele fica se explicando, nos intervalos de seu exibicionismo técnico (como se o preparo profissional fosse prova de inocência); se justificando e se perdendo, pois quanto mais contava mais se enrolava. Pelo que deu para notar, acabou apodrecendo numa cadeia onde escreveu suas memórias e entregou para um amigo médico, que acabou casando com Ermengarda. Por descargo de consciência, o médico publicou o volume mas estocou-o num depósito, e aí tudo se perdeu (fiquei sabendo por uma carta grudada no final do livro, escrita pelo advogado da vítima). Como um exemplar foi parar na biblioteca condenada, não sei. Talvez o encarregada recolha seu acervo em galpões em ruínas e lixões.

Resolvi inventar um detetive que descobria o verdadeiro culpado do crime: o médico, claro! O safado fez de tudo para incriminar o engenheiro, ficar com a herdeira, colocar seu adversário na cadeia, providenciar uma volta do sogro à sua Londres querida (para evitar que se envolvesse mais no caso) , ficar com os escravos do alemão e vender as terras devolutas para os imigrantes da Moldávia, Polônia Bohemia e de outras plagas, Cheio da gaita, mudou-se para Paris, onde viveu até os 104 anos. Ermengarda morreu misteriosamente num acidente de bonde quando fazia um passeio com alguém que dizia ser o próprio Proust.

Não gostei, disse o editor. Está uma merda. Não tem sexo embaixo desses panos? Não tem detalhes de crueldades contra animais e escravos? Nada ambiental e politicamente correto? Ficas celebrando a vilania do médico, a perspicácia do detetive, a idiotia do engenheiro e me deixas na mão! Quero coisa melhor,quero uma obra-prima, não um livreco de detetive menor, um Raymond Chandler da praia.

Aquilo me ofendeu profundamente. Não por ter achado uma merda, mas por me comparar a Chandler, me diminuindo, foi demais. Então terás apenas o making of, eu disse, aprorrinhado. E mandei este texto que você está lendo agora. Por e-mail. Até agora não me respondeu nem me depositou a merreca mensal para eu pagar as contas Vou ter que voltar na biblioteca (se é que ela não afundou de vez) e encontrar outro mote. Talvez algo que não precise trabalhar nada. Um Moby Dick esquecido. Um coração das Trevas oculto. Um Dom Quixote das grotas. Quem sabe.  Esta vida literária é cheia de truques.

3 comments
Comente! »

  1. Nei, estou sempre entrando em seu site para lê-lo, pois me dá muito prazer. No entanto, tenho uma ressalva a fazer: fui júri de dois concursos nacionais de poesia, este ano, e li muiiiiiiiiiito, porque eram muitos candidatos. Então, não são todos os jurados que não leem nada e premiam o original maior… Há jurados e jurados… Beijos, querido.

  2. Claro que tua participação nos eventos literários é sempre ética, poeta Leila. Mas note que os premios mais vultuosos vão sempre para algumas figuras carimbadas. Duvido que a maioria dos jurados faça como você. Concurso é marketing e premia-se quem tiver mais repercussão na midia.

  3. comentário de teste

Deixar comentário