BALANÇO

jun 22nd, 2011 | Por | Categoria: Poesia        

Nei Duclós

Rabisco amassado em bolso arisco
é semente de poema.
Ele procura terreno baldio
com vestígios de antigo jardim.
Para deixar de rolar

Saldo do dia: alguns tormentos,
parágrafos árduos, dois poemas
e uma vontade de mudança.
Vida em balanço: o riso olha o rosto
na lágrima

Venha, disse o sonho.
Mude de pele por alguns instantes
e entre nessa cidade absurda,
que só existe em gravuras.
Pule o muro da Lua cheia

A fé é a única ponte
quando o chão falta
e a razão tapa os olhos
Sofrimento. Jogo da memória
com a dor que sempre vence

Deixar comentário