MALHO

fev 11th, 2012 | Por | Categoria: Poesia        

Nei Duclós

Melhor assim, separas a palavra
nicho a qual pertence meu ofício
e mexes na rotina desta mágoa
avesso perfil de solitário artífice

Manobro o verbo de jeito ríspido
aprendido nas dobras do meu vício
os mestres decidiram esse destino
que cumpro no malho em ferro frio

Armas mortais em corações aflitos
são meus instrumentos de suplício
choram por nada na ponta do marfim

Mas enxergaste o homem e não a forja
o joio longe do trigo. Sou o que sobra
resto de palha grudado em tuas costas

Deixar comentário