O esquilo – resumo sobre os encantadores esquilos

O esquilo O esquilo é o mais ágil, o mais engenhoso de todos os roe­dores. E’ procurado pela elegância das formas, pela alegria, e encanto do seu caráter e, sobretudo, pela expressão vivíssima da tua fisionomia. A sua grande cauda, muito felpuda, serve-lhe de leme e de vela, quando quer atravessar um rio. Nada mais … Ler maisO esquilo – resumo sobre os encantadores esquilos

RECURSO MACABRO – Castrado na Roça

RECURSO MACABRO Há muita gente que afirma haver cabras que têm necessidade de apanhar e, em muitos casos… serem liquidados. Vou narrar um acontecido naquele tempo, lá pelos lados de Morrinhos. A única coisa que ainda existe na roça, desde os tempos idos, satisfazendo ao roceiro, é o pagode. Ali êle dança, joga baralho, bebe … Ler maisRECURSO MACABRO – Castrado na Roça

OS POVOS “PRIMITIVOS” – Arte nos primórdios da civilização

HISTÓRIA DA ARTE DE ERNEST GROSSE (1893) OS POVOS PRIMITIVOS CAPÍTULO III Os começos da arte encontram-se onde também se encontram os primórdios da civilização. A luz da história ilumina apenas a última e curta etapa do longo caminho percorrido pela humanidade. A história não é possível escla-cer-nos sobre a primeira metade desse caminho. A … Ler maisOS POVOS “PRIMITIVOS” – Arte nos primórdios da civilização

O descobrimento do ouro e o início do desenvolvimento econômico paulista

Gottfried Heinrich Handelmann (1827 – 1891)

História do Brasil

Traduzido pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. (IHGB) Publicador pelo MEC, primeiro lançamento em 1931.

TOMO II

CAPÍTULO XI

A capitania geral de São Paulo (continuação)

Chegamos agora ao segundo fenômeno, que, para a história de São Paulo e das outras regiões do sudoeste do Brasil, é de não menor importância: o descobrimento do ouro.

Sabe-se que, na época do descobrimento da América, toda a Europa ficou firmemente persuadida de que o novo continente de oeste encerrava em todas as suas partes inesgotáveis tesouros minerais; aonde quer que chegassem os descobridores europeus, tanto no extremo norte como no extremo sul, cuidaram primeiro que tudo de farejar jazidas de ouro e de pedras preciosas, e, em muitos lugares, foram precisos muito tempo e muito amargo desengano, antes que se dissuadissem dessa preconcebida crença.

Assim também no Brasil. A coroa de Portugal desde logo reservou para si o quinto de todos os metais e pedras preciosas que fossem achados, e por sua vez cedeu um décimo desse quinto aos donatários das capitanias brasileiras (1534); e impôs imediatamente ao primeiro governador-geral do império colonial (1549) a especial obrigação de procurar ativamente minas.

A racionalidade e a origem da civilização ocidental

maravilhas das antigas civizações

Tornou-se axiomático pensar que a nossa civilização, fundamentado em princípios racionais e na racionalidade, surgiu com o progresso técnico e científico iniciada com os gregos, pois foram eles que criaram uma extensa gama de conhecimentos, como também os grandes fundamentos do pensamento filosófico e do pensamento político. Contudo, esse diagnóstico tornou-se problemático. Com o avanço dos estudos e das novas descobertas na Mesopotâmia, nestes últimos cem anos, tornou-se possível demonstrar que aquela civilização atingiu um grande desenvolvimento racional e uma grande racionalidade técnica, muito antes da civilização grega ter surgido. A partir deste diagnóstico, o objetivo deste ensaio é investigar o advento da racionalidade na Mesopotâmia.